Links

PERSPETIVA ATUAL


Splitting, 1974. 322 Humphrey Street, Englewood, New Jersey © Gordon Matta-Clark e David Zwirner


Splitting, 1974. 322 Humphrey Street, Englewood, New Jersey © Gordon Matta-Clark e David Zwirner


Splitting, 1974. 322 Humphrey Street, Englewood, New Jersey © Gordon Matta-Clark e David Zwirner


Conical Intersect, 1975 © 2017 Estate of Gordon Matta-Clark / Artists Rights Society (ARS), New York


Conical Intersect, 1975. © Gordon Matta-Clark e David Zwirner, New York


Estudo para Office Baroque, 1977. Caneta de feltro preta e lápiz branco sobre prova de contacto fotográfica. Solomon R. Guggenheim Museum, New York Gift, Estate of Gordon Matta-Clark, 1999


Estudo para Office Baroque, 1977. © Gordon Matta-Clark


Gordon Matta-Clark, Office Baroque, 1977. Anvers, Bélgica. Coleccão MACBA.


Gordon Matta-Clark, Office Baroque, 1977. Anvers, Bélgica. Coleccão MACBA.


W-hole house: rooftop atrium - in 15 parts (+ a w-hole house: datum cut - in 4 parts; 2 works) © Gordon Matta-Clark

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



A CORAÇÃO VALENTE NADA É IMPOSSÍVEL



VICTOR PINTO DA FONSECA

2018-03-08




 
A porta de acesso à essência íntima da arte e da vida é intuitiva, não conceptual
, Schopenhauer

Durante anos não encontrei intuição na poderosa obsessão de Gordon Matta-Clark em cortar casas ao meio e cerrar edifícios, aliada ao rigor geométrico! Realmente, não percebia a obra performativa do Gordon Matta-Clark: primeiro, porque todos os edifícios cortados desapareceram; segundo, porque a "lived performance" de Gordon requeria ser experienciada, requer vivência para ser percepcionada previamente... A experiência da arte é o poder de observar e pensar ao mesmo tempo: "ver" a coisa em si, é onde se dá o milagre! Se não há experiência directa, não há nada, não há percepção pessoal da obra; a percepção pessoal é a origem: toda a substância e o conteúdo são dados na origem: decisiva pois, é a intuição singular, concreta, imediata!

De forma que a minha percepção objectiva da obra do Gordon Matta-Clark era demasiado ténue para aceder à essência íntima da obra e poder ser apelidada de conhecimento (intuitivo)! 

Da obra de Gordon Matta-Clark restam os registos fotográficos e os filmes, que são objectos interessantes, em parte porque Gordon foi pioneiro a cortar e montar os negativos - o que torna as fotografias mais dinâmicas, menos aborrecidas, como se fossem evocar a experiência directa das obras -, mas não representam (em comparação com os cortes nos edifícios) a relevância dos edifícios cerrados - não elevam a obra a um estado de percepção objectiva. Servem de documentação, mas não têm o poder das intersecções no espaço. Essa foi a sua obra autêntica e desapareceu décadas atrás!

Como escreve Walter Benjamim no seu ensaio sobre o surrealismo, "Com efeito não nos adianta nada sublinhar o lado enigmático dos enigmas; pelo contrário, só penetramos no mistério se o encontrarmos no quotidiano".

O enigma da obra performativa de Gordon Matta-Clark parecia não ter solução para mim: não havia maneira de penetrar no mistério da lived-performance! No entanto, não me sentia um "perfeito" estranho: reconhecia o escultor criador de lugares potentes, que não foi à escola de Belas Artes, antes estudou arquitectura, o livre pensador - difícil de compreender desde uma única perspectiva -, capaz de influenciar com uma energia incrível um grupo de amigos (que colaboraram ao seu lado nos projectos) protagonistas da "Anarquitectura" realizada por Gordon. O mesmo Gordon que foi capaz de negar os limites do mundo da arte, que tinha um interesse sociológico e afectavam-no as circunstâncias sociais das cidades contemporâneas (realizou múltiplas acções nesse sentido, como abrir um restaurante com comida barata). Tudo estava correcto, tudo excepto o facto de ser conceito e mais conceito: um saber discursivo como uma burocracia racional, não mais do que a abstração, no plano da razão (o saber discursivo dominante na tradição académica com a sua visão racional tem a ver com o conceito, é incapaz de intuir). A intuição, assenta em emoções, não em construção racional!

Apercebia-me que o meu intelecto não encontrava o ponto de contacto, o conhecimento intuitivo imediato (sensível), da obra do Gordon Matta-Clark. Não realizava a emoção, não retirava prazer das esculturas. Não reconhecia sentimento físico - relação íntima entre a concepção e a execução da obra - capaz de influenciar o meu pensamento a intuir, e sem o qual a obra de arte não tem interesse!

Albert Einstein, disse "The intuitive mind is a sacred gift and the rational mind is a faithful servant. We have created a society that honors the servent and has forgotten the gift".

Só penetrei no mistério da natureza da obra do Gordon Matta-Clark no dia em que a Laurie Anderson, como numa revelação, me chamou a atenção para o facto da realização artística do Gordon ser indissociável da vida - ter uma evidente correspondência entre a arte e a vida -, na medida que representa o êxtase (o poder mágico) que une a vida com a arte: "O Gordon era um minimalista e avançaram-se muitas teorias acerca da razão que o levava a cortar casas ao meio, embora nenhuma delas mencionasse o divórcio dos pais - Gordon e o seu irmão gémeo Sebastián nasceram em 1943 e os pais já estavam separados no final de 1942: o pai, o pintor surrealista Roberto Matta abandonou-os antes de nascerem -, nem o que acontecera quando um dia o seu irmão gémeo (a quem permaneceu profundamente ligado toda a vida) se suicidara saltando da janela de Gordon", in Coração de Cão, um filme de Laurie Anderson.

Fez-se-me luz (percepção pessoal)! A emblemática Splitting uma casa abandonada dos subúrbios cerrada pela metade - é uma manifestação autobiográfica de Gordon; toma por referência a ideia clássica da casa enquanto versão biográfica sobre a família. Splitting tem uma função reveladora: mostra-nos o que, de outro modo, seria invisível, o desgosto no seu aspecto objectivo de um ponto de vista novo. Splitting, tem assim um significado autoreferencial profundo - o movimento e o ruído de cortar uma casa e calcular o tempo até que a casa se parta e um dos lados caia, constitui uma ruptura -, evoca a separação, a pena e a tristeza que a mera palavra "separação" implica.

Splitting é a escultura dotada de sentimento de tristeza; uma separação é sempre triste; independentemente das pessoas afectadas, há uma certa tristeza no mero facto de separação, que retira as pessoas da sua segurança! A emoção é ainda o mais importante, ou não? Splitting, representa a analogia entre a arte e a vida - o sentimento físico na obra performativa de Gordon, não apenas um conceito de Anarquitectura ou um princípio construído!

Por outro lado, Gordon havia descoberto o carácter místico do pensamento budista tibetano: "Quando Gordon adoeceu, decidiu fazer da sua morte um acontecimento social e convidou uma data de amigos para irem ao hospital, só lhe restavam 24 horas de vida, o tempo que o seu organismo levaria a deixar de funcionar. Decidiu passar este tempo a ler para os amigos. Quando morreu, estavam dois lamas à sua cabeceira e quando Gordon parou de respirar, eles começaram a gritar-lhe aos ouvidos. Os tibetanos acreditam que a audição é o último sentido a desligar. Depois do coração e do cérebro pararem e dos olhos ficarem escuros, o martelo dos ouvidos continua a funcionar. E então, eles gritaram-lhe instruções do livro tibetano dos mortos, que também se chama "A grande libertação pela escuta", e gritaram, "Gordon estás morto! Agora estás morto" e depois disseram: estás a ver duas luzes, uma está perto, a outra está longe. Não vás para a que está perto, vai para a que está longe. E assim por diante..."., in Coração de Cão, um filme de Laurie Anderson.

A descoberta das ciências ocultas e da alquimia - a biblioteca de Gordon estava cheia de livros de alquimia, segundo Jane Crawford, mulher do artista - explica a metafísica e o modelo de transcendência que a obra de Gordon Matta-Clark propõe! A "Anarquitectura" é uma vista sobre outro mundo sem quaisquer especificidades, é um espaço de abstração - que por sua vez significava uma crítica da sociedade de consumo e o questionamento (questionava o individualismo, o egoísmo, a vaidade, a inveja). 

A igreja romana proíbe investigações no oculto (e no seu secreto poder), mas o ocultismo - o saber oculto ancestral do budismo tibetano e a sua conotação acentuadamente mágica -, a sua visão da essência do mundo ou da natureza profunda da realidade, admite-as, pois toda a ciência é consentida. No entanto, a metafísica da obra não excede o âmbito da experiência criativa. A Gordon Matta-Clark interessava investigar zonas ocultas (que nunca vemos), que não entram na nossa vida! A noção de fazer luz sobre a escuridão que reina no interior dos edifícios em ruínas, nas entranhas das cidades, olhar para o interior, ver o que não se vê - entrar na essência das nossas vidas -, com uma obra que deve tanto aos princípios da arte como aos da cientificidade!

A estética e a metafísica estão intimamente ligadas, Schopenhauer

Gordon era um artista diferente dos outros artistas conceptuais da época de 70, que tratavam de explicar e interpretar a sua arte (nova) citando filósofos segundo argumentos conceptuais matizados, como se tivessem investido toda a sua carreira no pressuposto que a arte é uma matéria definitivamente não intuitiva: Gordon era um artista diferente: converte a arquitectura numa experiência artística (estética), um híbrido de arte e arquitectura (as duas coisas não vão separadas), com a qual experimentou o conhecimento intuitivo em detrimento do conceptual (racional). Em resultado, o espectador passava de imediato da dimensão racional -transmissão de ideias - à da percepção sensível relacionada com a vida, em que os aspectos intelectuais associados à natureza conceptual das artes plásticas, já não dominam a obra de arte!

Certo é que obras de Gordon são convincentes porque oferecem múltiplas dimensões: emocional, conceptual, crítica, política, que se interpenetram: revelam um modo de reagir às circunstancias sociais (à situação política), através de uma nova consciência prática do papel da arte na sua relação com o processo social mas também poética e clarificadora à arquitectura. O plano final da sua obra Office Baroque - uma intervenção com significado sociológico das mais importantes realizadas por Gordon no último período de trabalho do artista -, são duas formas semicirculares precisas (inspiradas em bases para copos de cerveja), que se sobrepõem e, que na sua interação, criam a silhueta de um barco. Tanto estas como outras geometrias adicionais, cortaram-se com uma variação rítmica ao longo de seis andares do edifício - como se de uma fuga de Bach composta por temas e variações -, em homenagem ao grande pintor flamengo do Barroco, Pedro Pablo Rubens, cuja casa se encontrava cerca. O título da obra era uma fusão das ideias do barroco sobre o tema central e as variações e o ocorrido com os escritórios das empresas que haviam "ido à falência" em Antuérpia.

Já mostrei que a minha arte não é só sentimento físico (ou percepção); mas tem de ter sentimento físico, senão não tem interesse, Joseph Beuys

A glória de Gordon é o reconhecimento do artista criador, da paixão, da energia e do mistério, que privilegia a arte pela arte - o que importa é ser, ser corajoso, desafiador -, trabalhando intuitivamente e organicamente. A sua escultura não é estática, antes tem uma ideia muito crítica da sociedade de consumo, com um significado político de justiça social (orgânico), desde uma perspectiva inconformista. As suas obras performativas têm uma qualidade poética e evocam experiências e memórias humanas pessoais e universais.

Gordon preconizou a contracultura do final dos anos 60, o exemplo perfeito da "experimentação artística", do sujeito empírico (investigar e experimentar sem limites) em direcção à liberdade! É claro que tudo isto era demasiado subtil para que pudesse ser entendido deste modo pelos contemporâneos.

 

 

Victor Pinto da Fonseca


:::


"A coração valente nada é impossível" é uma citação de Jacques Coeur, comerciante francês do século XV.
 

Uk cheap viagra viagra levitra vs cialis vs opiniones mg 5 levitra http://www.socgeografialisboa.pt/viagra-canadian-pharmacy/ buy viagra tablets online, viagra free herbal sample cheap cialis.
20 cialis mg tadalafil sale pills viagra cheap for cheap viagra http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-5mg-effects/ vardenafil 40 mg, tadalafil cialis generic viagra black market.
Canada propecia 40 mg online cialis cheap cialis tadalafil buy propecia generic in canada, uk over viagra buy counter mg cheap 40 levitra.
Cialis pill e20 citrate sildenafil pills online buy sildenafil http://www.socgeografialisboa.pt/levitra-vs-cialis-vs-viagra/ order generic levitra online, samples 6 free viagra effects 20mg cialis.
Difference cialis viagra 5mg online propecia sildenafil mg 100 tablets what are the side effects of tadalafil, online cialis cheap buy pills canada viagra counter the over.
Email spam viagra kaufen levitra tadalafil 20mg buy online http://www.socgeografialisboa.pt/viagra-canada-no-prescription/ generic viagra user reviews, viagra uk i get can where from for delivery sale overnight viagra.
Viagra buy professional sildenafil generic http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra price viagra for buy women http://www.saludos.com/award.htm buy ed drugs, tadalafil academia buy canada pharmacy propecia.
Pakistan levitra 20 in price mg levitra order generic http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra doses mg cialis vs levitra viagra vs cost http://www.saludos.com/award.htm best pills for ed, online buy safe propecia as tadalafil as effective cialis is.
Difference levitra cialis viagra price for cialis best online cialis vs viagra canada cialis vs viagra drug vardenafil overdose best drugs for ed erectile dysfunction pills online, alternatives to viagra herbal cialis super cheap.