Links

PERSPETIVA ATUAL


5 a.m, 6 p.m, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 1, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 2, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 3, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 4B, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 5, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 6, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 7, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 8, de António Olaio, 2005.


Pictures are not movies 9, de António Olaio, 2005.


Is speach faster than thought?, de António Olaio, 2005.


Shall I vote for Elvis?, de António Olaio, 2005.

Outros artigos:

2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



ANTÓNIO OLAIO: O FINITO ENTRE FRONTEIRAS DA ARTE



DONNY CORREIA

2019-04-03




 

A arte contemporânea nos ensina que não se é mais possível pensar a poética como algo inédito. Após a experiência das vanguardas históricas na Europa do início do século XX, e seus desdobramentos para além das Guerras e da consolidação da sociedade de mercado, o que vimos ao longo dos últimos 50 anos foi uma intensa correlação de ideias, processos artísticos e suportes de produção da arte. Por um lado, há a sensação de que tudo que deveria ou poderia ser produzido, o foi. O pragmatismo e os novos estados de coisas numa sociedade orientada à alta produtividade e ao esgarçamento das relações humanas têm um papel preponderante no processo. Por outro lado, o campo se expande no sentido de que novos artistas são impelidos a trabalhar a forma existente de maneira a dar-lhe outros significados, reciclar seus sentidos e oferecer ao espectador novas vistas em torno do legado anterior. Com efeito, diz-nos um importante estudo sobre o tema:

A estética contemporânea, sofrendo a influência desse ambiente próprio de uma civilização tecnocrata e pragmática, se orienta em três direções ou tendências: 1) Reaparecimento de tendências icônicas, ou representativas, desprestigiadas desde a época do expressionismo abstrato; 2) Reação ao abstrato e tendência ao neo-construtivismo; Expansão ambiental e tendência à arte conceitual (MOURÃO, s/d, p. 73).

Nesta chave de atuação, encontramos o português António Olaio, nascido em 1963 em Sá da Bandeira, Angola, que vive, hoje, em Coimbra onde é professor no Departamento de Arquitetura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade local. Tendo uma carreira que se iniciou nos anos 1980, não poderiam ser diferentes seus diversos estímulos estéticos formais e conteudísticos. Chegou a formar um grupo musical chamado Repórter Estrábico, em que mesclava performances e poesia. A partir dos anos 1990, passou a produzir conjuntos artísticos em que a tónica dominante seria a conjunção de suportes da produção em diálogo intenso e imediato.

Aqui, com este breve ensaio, pretendo partir da série “Pictures are not movies”, que António Olaio produziu em 2005, composta por 12 pinturas, um poema e uma música, cuja melodia é de autoria de João Taborda, parceiro musical de Olaio há vários anos. De princípio, o que depreendemos dessa série, bem como de outras produzidas pelo autor, é uma preocupação em não estabelecer hierarquizações categorizantes quanto ao meio pelo qual se expressa uma arte. Ao nos aprofundarmos em “Pictures are not movies”, observamos uma constante preocupação em estabelecer elos sólidos entre aquilo que se vê, aquilo que se lê e aquilo que se ouve, como se os três formassem uma aurística fenomenológica que nega o fim da arte por meio de sua reprodutibilidade técnica (vide Benjamin), ao mesmo tempo que reconstrói maneiras de se decodificar o universo da estética criteriosamente ao gosto de um tempo social e histórico massificado. O que Olaio parece perseguir a todo momento é uma maneira eficaz de recompor o elemento sensível da arte, perdido por força de um cerebralismo impelido contra uma sociedade utilitarista. Se desejarem uma asserção melhor elaborada de meu raciocínio, examinemos o que nos diz um dos diversos tratados estéticos de Merleau-Ponty, dos quais me valerei ainda outras vezes mais para meus argumentos:

O mundo verdadeiro não são luzes, essas cores, esse espetáculo sensorial que meus olhos me fornecem, o mundo são as ondas e os corpúsculos dos quais a ciência me fala e que ela encontra por trás dessas fantasias sensíveis (MERLEAU-PONTY, 2004, p. 3).

Vejamos. Analisar Arte Contemporânea por vezes se torna um empreendimento exaustivo que não leva a parte alguma e não contribui para os estudos específicos se preso estiver a um sistema de massificação da percepção. Não se pode balizar a fruição estética pelo macroentendimento de mundo que o receptor presumidamente detém. Longe disso, a gama infinita de possibilidades deve ser abordada a partir de seus predicados autónomos, em que pese a formação, a instrução e o domínio estético-histórico do autor.

Quero me utilizar, em primeiro lugar da mais impressiva imagem que compõe “Pictures are not movies”, 5 a.m, 6 p.m. A primeira imagem nos coloca diante de um discurso complexo quanto à interação entre distintos suportes de produção, como citei anteriormente. De modo geral, o traço de Olaio e suas escolhas estilísticas nos remetem a um surrealismo metafísico de Magritte, por exemplo, em que o desamparo inunda as vistas por meio de personagens isolados, deslocados de seu meio. A cor azul, que deveria trazer algum alento à percepção do espectador, não irá cumprir este papel. Ao contrário, potencializa a sensação desalentadora por meio das perspectivas das linhas que formam duas janelas pelas quais o observador deve procurar a chave de leitura. Algo incomum à pintura em sua evolução histórica é a inserção do verbo. Quando nos deparamos com uma imagem que nos arrebata, devemos mergulhar e perscrutar seus indizíveis. Mas, Olaio nos oferece uma pista a mais para a compreensão de sua criação, quer dizer, ao inscrever na imagem “5 a.m” e “6 p.m”, o enigma se torna mais intrigante. Especulo que o homem da janela à esquerda, jovem e distante, isolado e cabisbaixo se limite com a inscrição “5 a.m”, que no sistema anglo-saxão de medição de horas significa cinco horas da manhã. Um horário que não mede realmente o tempo em números, mas desloca a percepção do espectador para a alvorada do Homem. Tal qual o enigma da Esfinge, no amanhecer um jovem tem apenas uma vaga ideia de como o mundo se lhe apresenta. Há apenas um empirismo em torno daquilo com o que nos relacionamos.

O contato corporal estreito só produz um “sentimento vago”, o “saber de um algo indeterminado” que nunca é suficiente para “acionar” a conduta [...] e para criar uma situação que reclame um modo definido de resolução (MERLEAU-PONTY, 1999, p. 216).

Portanto, a mera silhueta de um homem na paisagem em meio à neve, torna-se um elemento de reflexão a que o receptor é impelido a agir. Tal qual Magritte, a pintura se torna um espelho das relações intuitivas e transcendentes que estabelecem aquele que vê com aquilo que é visto. Vidente e visível tornam-se forças de um mesmo corpo estético em expansão. Isto se reforça ao olharmos a imagem da segunda janela, à direita. Um velho calvo, já de pele decrépita, no adiantado de seus dias, salta assombrosamente às nossas vistas, tanto quanto a indicação de hora “6 p.m”, ou seis horas da tarde, hora do crepúsculo, hora de o animal que de manhã caminha sobre quatro apoios e à tarde sobre dois, caminhar, à noite, sobre três esteios, quando vê, agora de perto, sua própria decadência na desolação relacional com o que o mundo lhe provê. As inter-relações constitutivas desta obra de Olaio caminham ao encontro do que há de mais urgente na Arte Contemporânea: sua incessante busca por estabelecer conexões entre o que se dá no quadro e o que se expande para além, no mundo físico e objetificado. “Nossa percepção chega a objetos, e o objeto, uma vez constituído, aparece como a razão de todas as experiências que dele tivemos ou que dele poderíamos ter”, diz-nos, mais uma vez, Merleau-Ponty (1999, p. 103).

Tão relevante para um entendimento de ser e estar no mundo quanto a primeira imagem, é outra pintura da série que parece autopsiar a posição do Homem em relação à sua natureza finita e seus anseios infindáveis que jamais serão, de todo, contemplados. O esforço hercúleo que nosso personagem parece fazer para levar a termo aquilo que pretende escrever me faz recorder a primeira versão de A inspiração de São Mateus, de Caravaggio, em que o homem campesino, simples e – por certo, analfabeto – faz extremo esforço para colocar na página o que lhe revela o anjo. Tal versão foi censurada na época de sua execução. Mas, aqui, na segunda imagem, António Olaio ressuscita a ideia de uma empreitada dificílima a ser vencida antes que as velas do vigor da vida (convenientemente representadas em seu sentido concreto para produzir a interpretação figurada) derretam por inteiras. O que quer que nosso personagem, também uma figura no adiantado de sua idade, esteja pretendendo colocar em escrita, não há de ser mais implacável que o tempo conspirador, que corre em contramão do corpo físico e do espírito.

Olaio parece nos querer dizer que nem mesmo as ideias estão imunes a esse tempo finito. Olhemos a vela que repousa quieta sobre um dos livros, à esquerda do quadro. Ela nos adverte que a chama que consome o ímpeto estético racional, também pode pôr termo ao próprio legado, nas gerações futuras. Ao fim e ao cabo, o que Olaio nos revela é a fragilidade do que somos, do que produzimos e de nossos intentos comezinhos.

Por fim, gostaria de terminar esta breve apreciação – que não tem, nem de longe, pretensões de esgotar o significado, nem das obras comentadas, nem daquelas deixadas para outra ocasião – lembrando que, depois de posto meu olhar sobre uma amostra da série “Pictures are not movies”, o título parece autoexplicativo. Pinturas (Pictures), jamais serão como filmes (movies). O filme, seja sua narrativa a mais aberta possível e dando ao espectador elementos para distintas interpretações, ainda depende de uma linha diegética que leva o receptor de um ponto ao outro, necessariamente. A pintura apresenta-se apenas tal como é e com os elementos constitutivos ocultos em seus detalhes. Cabe àquele que toma contato com ela trazer à tona sua imensa sorte de sentidos, fazendo-a ser uma bula que agrupa um sentimento do tempo e do espaço no momento em que foi pensada e executada, e fazendo-a permanecer (ou às vezes não), para que gerações adiante, engolidas pela massificação de um sistema social e histórico, sejam capazes de extrair seus discursos que hão de se tornar atemporais e perenes.

 

 

 

Donny Correia
Mestre e doutor em estética e história da arte pela Universidade de São Paulo e crítico de cinema e arte. Também é escritor e poeta, tendo publicado, entre outros, Corpocárcere (2013),  Zero nas veias (2015) e Cinematographos de Guilherme de Almeida (2016). Em 2013, tornou-se o primeiro brasileiro a ter um poema selecionado pela NASA para ser enviado a Marte a bordo da sonda MAVEN. Publica ensaios e resenhas em periódicos como O Estado de S. PauloFolha de S.Paulo e Psicologia em foco (PUC-PR). Também atua como professor de História e Linguagem do Cinema em instituições diversas. Sua obra mais recente é Cinefilia crônica – comentários sobre o filme de invenção (2018), uma compilação de artigos sobre a estética do filme experimental.

 


:::


Referências bibliográficas

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Conversas, 1948. São Paulo, Martins Fontes, 2004.

MOURÃO, Rhéa Sylvia. Da influência do surrealismo na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Pallas S.A., s/d.