Links

PERSPETIVA ATUAL


Fachada do Théâtre Paris Villette. Fotografia: Sílvia Guerra


Cine-teatro de Alcobaça. Projecto de Korrodis (1944)


Cine-teatro Le Ranelagh, Paris. Desde 1932 "Cinema d'art et d' essai"


Victor Sloan, "Walk", 2004


Pedro Costa, "Six Bagatelles", 2001


Pedro Costa, "Six Bagatelles", 2001


Gregg Biermann, “The Hill’s are alive”, 2005


Johan Grimonperez, "Looking for Alfred" (work in progress, 2006)

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

11ÈMES RENCONTRES INTERNATIONALES PARIS/BERLIN - SEGUNDO EPISÓDIO: O CINEMA NO TEATRO OU O FUTURO VÍDEO-TEATRO



SÍLVIA GUERRA

2006-12-04




As exposições de arte cinemática
Terça-feira e quarta-feira (28 e 29 Nov.)

“O mundo é um palco”. Nunca gostei desta imagem salvo quando é utilizada com grande ironia. No entanto, as obras de arte cinemática desta edição dos Rencontres estiveram expostas num palco de teatro.
Esta cenografia de exposição não deixa de ser irónica, pois não é apenas o museu que acolhe nas suas colecções arte cinematográfica experimental e expõe essas obras lado a lado com a pintura e a escultura; hoje, o teatro também integra e serve de plinto à arte vídeo.

Desde o início da história do cinematógrafo, tornou-se uma prática corrente exibir os filmes nas salas de teatro e, nos anos 20 e 40, surgiu mesmo uma categoria de edifícios sob o nome de cine-teatro.
Esta estratégia foi adoptada para tornar estas salas rentáveis de um ponto de vista económico: ao público do teatro juntava-se o público do cinema.
Em Portugal temos belíssimos exemplos de cine-teatros como o Curvo Semedo em Montemor-o-Novo, o Neiva em Vila do Conde e em Paris, o Ranelagh (XVIè Arrondissement).

A aliança não é nova mas não deixa de ser surpreendente entrar no palco do Theatre Paris-Villette, inserido no complexo de La Villette, projectado por Bernard Tschumi (1983-1998) e encontrar mais de 15 ecrãs e projecções sobre tela com uma plateia vazia.

Após as teorias sobre a morte do teatro, segue-se a da morte do cinema em película e nasce uma nova categoria: o vídeo-teatro.

Dentro das quatro secções da exposição colectiva sob as seguintes temáticas - “Media Critique”, “Le Marché du Monde”, “Abstracts” e “Paysages” - destaco os trabalhos de Gwen Macgregor, “3 months Toronto/New York” (2006) que traça, graças a um aparelho GPS, as suas deslocações a Toronto e a Nova Iorque com a aplicação própria dos novos meios de controle e orientação que são utilizados a nível mundial. A peça cria um desenho num picotado “pontilhista” dentro do ecrã branco. Outro trabalho muito minimalista pela depuração do preto e branco da imagem, alternando vídeo e web design é “WS2” (2004) de Seoungho Cho. Vemos esta peça sentados em frente a um ecrã de computador e a animação das imagens transporta-nos para uma verdadeira paisagem de neve e trilhos de comboios que não sabemos onde nos pode levar dentro da hipnose que nos provoca.
Numa das entradas de palco é projectado o filme em super 8 de Victor Sloan, “Walk” (2004) e as imagens deste desfile militar tradicional irlandês remetem-nos para a realidade encarnada das imagens em matéria argentica.
Este filme, como todos os filmes em película, ganha a sua verdadeira dimensão quando é projectado em ecrã de grande formato, enquanto que, os trabalhos em vídeo numérico podem ser vistos em nossa casa no leitor de DVD.
A posição mais confortável para o espectador da arte vídeo é estar sentado no sofá e frente ao ecrã do computador portátil.


Quinta-feira (30 Nov.)

A programação dos Rencontres prosseguiu com diversos destaques entre os quais a dança e a arte vídeo da Indonésia pós-1999 que, apesar de se auto-proclamar sintomática e documental da Jacarta desse período até aos nossos dias, não propõe nenhuma reflexão ou referência ao extermínio da população de Timor-Leste: Jacarta “a city of desire” (2001)? como é o nome do vídeo de Ariani Darmawan.


Sexta-feira (1 Dez.)

The day of Godard, ou carta branca ao cineasta que tanta polémica causou este ano devido à sua exposição no Centre Pompidou.
- Helàs pour nous! Godard não esteve presente na sessão de filmes programada por ele e Anne-Marie Mieville mas ficou a homenagem em quatro filmes em DVD: “De l’Origine du XXIè siècle” (2000), “The Old Place” (1999), “Libertè et Patrie” (2000) e para finalizar “Je vous salue Sarajevo” (1993).
A curta-metragem “The Old Place” é um ensaio sobre o papel da arte no final do século passado, fala-nos da arte e dos museus e do cinema no meio de tudo e foi uma encomenda da instituição homónima do Centre Pompidou em Nova Iorque, o MoMA.


Sábado (2 Dez.)

The final day

O programa do último dia dos Rencontres é a “cerise sur le gâteau”: No cinema l’Entrepôt é dada mais uma carta branca ao cineasta francês Andre S. Labarthe que apresentou dois documentários: um dedicado a um cineasta cuja obra focaliza as mutações do próximo século “David Cronenberg” (1999), e um outro a um pintor que retratou os horrores dos campos de concentração “Bruno Schultz” (1998).
Seguiu-se a homenagem aos cineastas Danièle Huillet (recentemente desaparecida) e a Jean-Marie Straub “Pensées a.. ”, com a presença de Pedro Costa.

Pedro Costa apresenta “Six Bagatelles”, os “extras” da longa-metragem “Ou gît votre sourire enfoui” (2001).

A noite passou-se na Cinemathèque Française, que se localiza numa zona da cidade reabilitada para o lazer e actividades desportivas de fim-de-semana.
O lugar de culto do cinema e da sua história deixou o Trocadero e a vista sobre a Tour Eiffel e, desde 2005, encontra-se dentro de um edifício concebido para ser um American Center em Paris (projecto de Frank Gehry 1993), em preparação para receber nas suas colecções o cinema em película, (re-)criado pela arte vídeo, ou seja o cinema acolhe o vídeo.

O cinema começou por ser a arte popular a que nem mesmo a classe burguesa tinha interesse em assistir e manteve-se uma arte ambulante até à substituiçao da venda de filmes pelo seu aluguer levada a cabo pela distribuidora Pathè.
Em 2006, o cinema em película produzido por cineastas artistas na Europa é um objecto de luxo. A afirmação não é minha é de Jean-Marie Straub em “6 Bagatelas” de Pedro Costa.

O vídeo impõe-se como a arte do mercado que poderá vir a ser tão facilmente distribuída como uma consola de computador. E uma forma de arte é ambulante no sentido em que pode ser exposta em galerias, museus, teatros. O museu cumpre hoje a sua função de aquisidor de arte contemporânea para as suas colecções públicas ao comprar obras de arte vídeo.
O vídeo pensa a arqueologia da imagem e da ficção como fazem a dupla Muller-Girardet ou Gregg Biermann (“The Hill’s are alive”, 2005) ou ainda Johan Grimonperez (“Looking for Alfred” – work in progress, 2006) e são estas as obras produzidas hoje no cruzamento destes dois meios da imagem.

Paris é a capital do século passado em cinema, Berlim a pátria do autor desta citação (Walter ßenjamin 1892-1940) e com os Rencontres Internationales as duas cidades questionam estas problemáticas levando o vídeo a palco: Ele torna a ser a voz do povo?

É de salientar o grande número de obras portuguesas em todos os domínios da 11ª edição dos Rencontres e a presença de vários cineastas e artistas nacionais, bem como a escassa afluência de público. As sessões eram visionadas sobretudo pelos artistas e jornalistas que se deslocaram para seguir este evento.