Links

PERSPETIVA ATUAL


Vista da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Filipe Braga


Vista da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Filipe Braga


Vista da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Bruno Dias


Vista da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Filipe Braga


Pormenor da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Sérgio Parreira


Vista da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Filipe Braga


Vista da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Bruno Dias


Vista da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Filipe Braga


Pormenor da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Sérgio Parreira

Outros artigos:

2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



ARTE DE ESTACIONAR PLANETAS: MIGUEL PALMA (AINDA) O DESCONFORTO MODERNO



SÉRGIO PARREIRA

2019-11-09




 

 

 


No dia 9 de Setembro de 2019, no perfil do Instagram @miguelxpalma, o Miguel Palma publicou quatro imagens acompanhadas da legenda: How To Park A Planet… Quando li esta frase pensei imediatamente para mim, enquanto sorria, que esta frase/ação poderia de certa maneira definir toda a obra do Miguel. Há um nonsense, que apesar de ser isso mesmo, uma formulação da incoerência, consegue simultaneamente estabelecer o contraponto com uma virtual realidade, a efetiva contingência da ação: Estacionar Um Planeta.

Todo o trabalho do Miguel Palma vive deste contaminar da obra com uma contradição com sentido através da construção de objetos que aparentemente não tem uma justificação plausível para a sua edificação ou existência. Sejam estes escultura, instalação, vídeo, performance, uma combinação de diversas técnicas com mecanismos (máquinas), um metamorfosear de universos plásticos e científicos, ou puramente ideias e especulações de execução, readquirem sempre, após confrontarem o espetador com a inadequação da formulação, um significado ecuménico.

O processo que antecede este entendimento, não é necessariamente óbvio ou racional. O entendimento e percepção da lógica, pode, e explanado de uma forma extremamente simplificada, acontecer como resultado de conhecimento da matéria específica ou contingentemente por aceitação resultante de uma inocência ou pura ignorância. Para este caso, não interessa se uma será mais válida que a outra…

Na exposição agora patente no Centro Cultural de Belém, (Ainda) O Desconforto Moderno, com curadoria do Miguel Von Hafe Pérez, é-nos gentilmente oferecido um vasto leque de objetos (56 obras selecionadas de um período de trinta anos) que desenham a história da narrativa artística, necessariamente estética, de Miguel Palma.

Há na obra de Miguel Palma, uma indiscutível genialidade que não encontra semelhante. Seguramente que Miguel Palma ao conhecer a fórmula que lhe permite “estacionar planetas”, se isola numa categoria singular, sem muitos representantes concorrentes, na história humana da criação de objetos de arte.

Como apreender então, algo que é predominantemente único e que dispensa grandemente uma leitura baseada apenas na lógica?

O enigma resolve-se em grande parte na disponibilidade individual para a perceção estética. No caso da execução artística de Palma, a pré-requisição de um estado emocional, é facilitada pela “construção”, que em quase todos os casos, se trata de objetos que incutem no espetador um ato involuntário de usufruto.

Este surpreendente e poderoso efeito das obras de Miguel Palma resulta em muito da sua interpretação e transposição do universo da máquina. A “máquina”, tem uma definição muito clara que o sujeito contemporâneo não mais questiona: engenho destinado a transformar uma forma de energia em outra e/ou utilizar essa transformação para produzir determinado efeito. No entanto, o questionamento é inevitável quando a máquina se revela desconhecida e o seu “destino” incerto. A familiaridade do sujeito com a máquina faz com que este estabeleça uma relação intuitiva, despojada de receios ou preconceitos. Na ausência desta empatia, gera-se a surpresa, indignação e potencialmente um desconforto.

 

Montagem da exposição (Ainda) O Desconforto Moderno. Fotografia: Sérgio Parreira

 

 

Esta emoção, descomodidade e incómodo, partilhada pelo criador/artista, é dogmaticamente o suporte conceptual da gestação criativa do Miguel Palma, e que está excecionalmente descrita nesta antologia,

Em muitas das obras de Palma, em que o mecanismo impera, engenho incógnito, o espetador encontra o desafio do reconhecimento, e enceta uma procura de significado próximo. Em alguns casos, este processo conclui-se rapidamente com sucesso, seja este adquirido através de identificação e afinidade ou como já referi anteriormente puramente por aceitação e ingenuidade.

Ainda, retomando o conceito basilar da máquina, em que o trabalho humano se substitui por ações aplicadas de mecanismos, reincidente na construção plástica de Miguel Palma, a história do objeto não está unicamente na mensagem terminal, mas igualmente no processo do mecanismo que remata a mensagem. No decorrer deste processual ilustrativo, o artista deixa uma legendagem com críticas, comentários, e análises pessoais da sociedade e experiência contemporânea.

Previamente a esta explanação dimensional, é identificável no processo do artista, o estudo e apreensão de uma imensa diversidade de temáticas que nascem do entendimento da própria história da produção artística em prol da construção de uma crítica plástica contemporânea, muitas vezes futurista e indiscutivelmente vanguardista.

Após conquistada - pelo espetador - a etapa do confronto na leitura, identificação e reconhecimento, o sentimento será preponderantemente de uma ausência de indiferença. De agrado ou desagrado, prazer ou desconforto na conquista, a dramatização da obra atingiu o seu objetivo, e ascendeu a sua presença à categoria dos objetos com uma capacidade estética de purgação emocional e desafiadores de um juízo supra visual.

A exposição (Ainda) O Desconforto Moderno transporta-nos para um espaço lúdico criativo, pontuado cinquenta e seis vezes por uma arte de estacionar planetas, ímpar e exclusiva ao artista. São escassas as oportunidades para desfrutar destas obras agrupadas numa construção que se revela um harmonioso desafio eminente, fazendo deste um momento único e imperdível para conhecer as inéditas geografias planetárias de Miguel Palma.

 

 

 

Sérgio Parreira 
@artloverdiscourse

 

 


:::

 

 

Miguel Palma. (Ainda) O Desconforto Moderno
19/09/2019 - 19/01/2020

Museu Colecção Berardo


Folha de sala