Links

PERSPETIVA ATUAL


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Ricardo Raminhos, cortesia Serralves.


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Filipe Braga, cortesia Serralves.


Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Filipe Braga, cortesia Serralves.

Outros artigos:

2021-08-11


RITA ANUAR


2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



LOUISE BOURGEOIS – DESLAÇAR UM TORMENTO



MANUELA HARGREAVES

2021-01-01




 


The image of vice, like that of virtue, is as much the domain of painting as of poetry. According to the lesson that the artist can give, all figures, beautiful or ugly, can fulfill the goal of art.
 (Proudhon, 1858)

 

Penso que o trabalho de Louise Bourgeois é indissociável das questões de género que dominaram as artes visuais dos anos 60, 70 e depois, masculino/feminino, amor/ódio (nas suas relações com a mãe e o pai), o corpo e as suas dores, no entanto vai mais longe. Já nos anos 40, numa década ainda embrionária para as questões feministas, realiza uma série de obras a que chamou “Femmes Maison”, figuras femininas cujos corpos consistiam parcialmente numa casa, referência ao estatuto social das mulheres e ao seu estatuto de domésticas, explorando o mesmo tema na escultura. 

Mas englobar a obra de Bourgeois no estereótipo feminista parece-me demasiado restrito; a sua vasta criação artística não cabe nessa tipologia. A identidade de género é camuflada em ambiguidade, de género neutro ou ambissexual, em “Maternal Man” (2008), obra em que o corpo apresentado é em simultâneo Homem/Mulher, carregando um ventre cheio e um pénis, ou ainda “Fillette”(1968), escultura fálica em latex, posteriormente recriada em final dos anos 90, de formas sexualizadas não claramente femininas ou masculinas, evocação de um mundo sexual indiferenciado e polimorficamente perverso. A utilização de materiais, estranhos à tendência mainstream da escultura – latex, borracha, gesso, cimento, argila, cera, que práticamente não tinham ainda sido utilizados, são meios para criar objetos poderosamente tácteis e sugestivos, no entanto ligados a uma linguagem formal abstrata. 

Ao abandonar Paris, onde descobriu com Léger o seu destino de escultora, por via do seu casamento com o historiador americano Robert Goldwater deixa para trás uma história de vida, que irá constituir matéria de criação para grande parte do seu trabalho posterior. “Personages” (1947-54), grupos de esculturas antropomórficas, variantes do totemismo, nas suas formas esguias e verticais, são as que têm maior recuo temporal nesta exposição, e datam dos primeiros anos da vivência em Nova Iorque.

A morte precoce da mãe, um pai mulherengo e cruel, levam-na a fazer psicanálise durante várias décadas. A sua obra é disso reflexo.

“Deslaçar um Tormento” é uma obessão transversal na sua criação, “eu tenho sido uma prisioneira das minhas memórias e o meu objetivo é livrar-me delas” (não será o objetivo de todos nós?). O peso da memória é exorcizado nas diversas práticas artísticas que realizou, num teatro em miniatura, encenado em séries de instalações com assemblages do seu mundo quotidiano (“Cell I e II”/”The Destruction of the Father”/”Le Defi”, etc), e na escultura informe, (“The Quartered One”, “Avenza revisited”). Esta lógica obsessivamente posta em prática com objets trouvés e artefactos, construindo um teatro autobiográfico de memórias, é um dos processos centrais do seu trabalho criativo.

Nos anos 60, levou o tema doméstico mais longe em “Lairs” (Tocas), lugares de abrigo, e de refúgio do mundo exterior, simbolicamente aqui representado por “The Quartered One”(1964-65), escultura informe, suspensa, com aberturas, que na sua origem foi pensada para o exterior em ondulação tranquila com o vento suave, transmitindo uma sensação de segurança.

 

Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Ricardo Raminhos, cortesia Serralves.

 

Quando Lucy Lippard incluiu obras desta série na mostra “Eccentric Abstraction”, na Fishbach Gallery em Nova Iorque, em 1966, os trabalhos de Bourgeois tomaram finalmente um lugar no discurso feminista. Esta designação criada por Lippard, de um novo termo artístico, no qual se baseou a exposição, marcou uma crítica feminista e orgânica ao Minimalismo, e o começo do Pós Minimalismo. Lippard definiu-a como uma exploração da experiência sensual, evocando alguns dos temas do surrealismo mas sem as conotações literárias do surrealismo, a exploração de propriedades formais e materiais, da arte não objetiva. Alusões ao corpo sexuado, formas abstratas e orgânicas na escultura, materiais como o feltro, latex, vinil, borracha, ou fibra de vidro, evocam atributos físicos como suavidade, macieza, dilatação, inclinação, abatimento.

 

Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista

 

Lippard, no seu núcleo de metodologia, criticava também as estruturas de poder e o domínio do patriarcado, e usou ferramentas para falar da importância de todos os aqueles que se rotulavam de Outros (negros, latino americanos, LGBT, etc.).

Bourgeois teve um papel determinante nesta exposição; segundo Lippard o seu trabalho tinha-se orientado na direção da “Eccentric Abstraction” desde os anos 40, pelas suas qualidades corporais/viscerais, assim como por meio de um vínculo ao Surrealismo Europeu, e a trabalhos como “Fur Teacup” de Meret Oppenheim, objeto de forte conotação sensual e erótica. “Orgânico”, “Erótico”, Sensual”, foram as palavras que a crítica de arte usou para descrever o trabalho de Bourgeois, e a sua quase visceral identificação com a forma, capaz de ativar as sensações físicas mais poderosas.

Desta época resulta a série “Janus”, representada em Serralves, com a peça “Hanging Janus with Jacket”(1968), alusão mitológica ao deus romano Janus de duas faces, olhando em direções opostas, vulnerabilidade e fragilidade do corpo em suspensão, a dureza de uma poderosa capa metálica, representam opostos que se fundem num só género.

Em “Destruction of the Father” (1974), instalação de carater dramático e canibalesco, fantasia de devorar um pai infiel, o latex utilizado nas formas redondas iluminadas por uma luz vermelha, serve uma dupla função transversal na obra de Bourgeois, transmitir agressividade e vulnerabilidade. Esta dualidade contraditória, mas ao mesmo tempo tão humana, é um registo/marca da liberdade poderosa com que experimentou novos materiais e formas.

Os temas da memória e dos conflitos de infância são recorrentes, e “Cells”, instalações que realiza em meados dos anos 80, salas enigmáticas encerradas por redes ou paredes com janelas de vidro, contêm um duplo significado, são formas de organismo vivo e de confinamento, frequentemente lugares de contemplação da dor física, emocional, psicológica.

Salas/quartos que lembram os “Wunderkrammer” do século XVII (gabinetes ou vitrinas, alegorias de curiosidades), contêm objetos usados como instrumentos de memória, e convidam o espetador, a apenas a alguns centímetros do nosso olhar, a prestar uma atenção curiosa, mas ao mesmo tempo preservar os seus conteúdos. O espetador debate-se entre a imersão e o distanciamento. 

Os conteúdos emocionais do corpo são captados nas suas tensões, como acontece em “Cell III” (1991) na figura arqueada com os dedos crispados, e pouco depois em “Arch of Hysteria” (1993), obra de cunho subversivo, na representação de um torso sem cabeça suspenso precariamente por um fio, em posição arqueada (posição do corpo “histérico”), os braços ao encontro dos pés formando um círculo, a histeria normalmente associada à história clínica da mulher é aqui apresentada assexuada.

Desta tensão entre os elementos autobiográficos e uma sintaxe metafórica complexa, resultam as gigantes “Spiders”, produções mais recentes, que fornecem ao observador um écran de projeção da sua própria memória. “Maman”, a escultura da aranha gigante, dedicada à sua mãe, é uma metáfora que se alimenta do interior, numa sucessão de reparações/cuidados com a teia.

 

Vista da exposição Louise Bourgeois: Deslaçar um Tormento. @ Alexandre Baptista

 

Em 1982, já com 71 anos, e depois de ter consolidado a sua posição na cena artística nova iorquina, o MoMA realizou a primeira grande exposição retrospetiva. O estatuto internacional foi confirmado na Europa com a Documenta de Kassel (92) e na Bienal de Veneza (93).

Os seus desenhos com pinturas aguareladas “I Give Everything Away” (2010), realizados já em final de vida, domínio de vermelhos orgânicos, e azuis de um interior espiritual, são a afirmação de uma poética artística de despojamento, “Eu dou tudo/ Distancio me de mim mesma/ Daquilo que mais amo/ Abandono a minha casa/ abandono o ninho/ estou a fazer as malas). Do mesmo período “The Birth”, contém em cor única, um vermelho que se alastra do corpo ao feto, toda a beleza do nascimento. 

Entretanto o mundo continua a existir no seu inexaurível mistério.

 

 

 

 


Manuela Hargreaves
Doutorada em Estudos do Património –História da Arte (FLUP), pós graduada em Ciências da Educação, e em Dinâmicas Culturais (FLUP), docente e investigadora, tem realizado de forma sistemática entrevistas a agentes do mundo artístico português. Publicou os livros “Colecionismo e Mercado de Arte em Portugal – O Território e o Mapa”, na editora Afrontamento, em Dezembro de 2013, uma segunda edição em Maio de 2016, e na mesma editora “Mulheres e Cultura Artística em Portugal – O Território e o Mapa”, em Setembro de 2020.

 

 


:::

 


Bibliografia

CHADWICK, Whitney - Women, Art and Society. London: Thames & Hudson world of art (third edition), 2002.
LUCIE-SMITH, Edward - Lives of the Great Modern Artists. Londres :Thames & Hudson, 2009.
LIPPARD, Lucy R.- Changing essays in art criticism, Eccentric Abstraction. Nova Iorque: E.P.Dutton& Co., Inc., 1971.
GROSENICK, Uta (coord) - Mulheres Artistas nos séculos XX e XXI. Colónia: Taschen,2002.

 

 

:::

 

LOUISE BOURGEOIS: DESLAÇAR UM TORMENTO
Museu de Serralves
04 Dezembro 2020 a 20 Junho 2021