Links

PERSPETIVA ATUAL


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


© Ângela Berlinde


© Ângela Berlinde


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


© Ângela Berlinde


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


© Ângela Berlinde


© Ângela Berlinde


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


© Ângela Berlinde


Vista da exposição Transa_ Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. Cortesia Museu Nogueira da Silva


© Ângela Berlinde

Outros artigos:

2024-04-13


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2024-03-04


PEDRO CABRAL SANTO


2024-01-27


NUNO LOURENÇO


2023-12-24


MAFALDA TEIXEIRA


2023-11-21


MARC LENOT


2023-10-16


MARC LENOT


2023-09-10


INÊS FERREIRA-NORMAN


2023-08-09


DENISE MATTAR


2023-07-05


CONSTANÇA BABO


2023-06-05


MIGUEL PINTO


2023-04-28


JOÃO BORGES DA CUNHA


2023-02-20


SALOMÉ CASTRO


2023-01-12


SARA MAGNO


2022-12-04


PAULA PINTO


2022-11-03


MARC LENOT


2022-09-30


PAULA PINTO


2022-08-31


JOÃO BORGES DA CUNHA


2022-07-31


MADALENA FOLGADO


2022-06-30


INÊS FERREIRA-NORMAN


2022-05-31


MADALENA FOLGADO


2022-04-30


JOANA MENDONÇA


2022-03-27


JEANNE MERCIER


2022-02-26


PEDRO CABRAL SANTO


2022-01-30


PEDRO CABRAL SANTO


2021-12-29


PEDRO CABRAL SANTO


2021-11-22


MANUELA HARGREAVES


2021-10-28


CARLA CARBONE


2021-09-27


PEDRO CABRAL SANTO


2021-08-11


RITA ANUAR


2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



COMO TRANSFORMAR O CAOS EM DANÇA?



VERONICA CORDEIRO

2023-03-22




 


“Tupi, or no tot Tupi, that is the question. […]
Tínhamos a justiça codificação da vingança. A ciência codificação da Magia. Antropofagia. A transformação permanente do Tabu em totem.”

Oswald de Andrade, Manifesto Antropófago, 1928.

 


Em Transa_ Baladas do último sol, a artista portuguesa Ângela Berlinde atreve-se a ouvir os gritos silenciados da história e do presente, e adentrar o caos. Um caos externo, mas também um reordenamento interno, uma cacofonia do sensível, do poético, da linguagem, uma travessia transatlântica entre dois países ligados pelo expansionismo da história moderna. Ângela Berlinde mergulha no seu arquivo para extrair formas e funções poéticas e políticas a partir da conjuntura cartográfica que a levou a habitar, na última década, duas terras intrinsecamente conectadas pelo expansionismo da história moderna: a sua terra natal, Portugal, e o filho mestiço, Brasil. Aqui se traçam inúmeras histórias que ganham vida na exposição e fotolivro que se apresentaram, de forma inédita, em Portugal.

Este é um caos-desvio-movimento-dança transhistórico, transcultural, transdisciplinar. Um caos de arquivo e uma demanda de roteiro, de origem e destino, de identidade e visualidade.

Diz-se que Glauber Rocha detestou cada minuto da rodagem de sua obra magistral, Terra em transe (1697), porque sabia que era um filme profético. E eis que, mais de meio século atrás, o poeta e jornalista Paulo Martins, protagonista do filme, diz ao candidato religioso à presidência: “As nossas riquezas, as nossas carnes, as vidas, tudo. Vocês venderam tudo!”

Será este, o nosso último sol? Quantas re-encenações da violência das novas origens repetiremos até termos vendido, de facto, tudo? Tupi, or not Tupi, that is no longer the question. O que fazer? O que sentir?

No decurso das suas pesquisas de doutorado e pós-doc, Ângela passou a última década morando entre o seu Portugal natal e o Brasil, adentrando no gigante dos trópicos num movimento cada vez mais centrípeto – da academia para o sertão do Nordeste e da fotografia para as luzes e as sombras da floresta amazónica. Mais de dez anos de experiências transatlânticas foram construindo um corpo imagético ora documental, ora antropológico, e crescentemente impulsado por um olhar afetivo, sensível e poético.

A partir de Terra em transe, Glauber Rocha converte a sua “Eztetyka da fome” (manifesto escrito em 1965) na “Eztetyka do sonho” (1971), ao compreender que, para além da exaltação paradoxal da violência, a única linguagem de transformação possível é aquela que se transforma intrinsecamente, que apela ao sem sentido para revelar o absurdo do real: uma linguagem onírica, mágica.

Da violência estomacal à alegoria, da confrontação discursiva direta ao hibridismo das formas de ver, usar, sentir, o tropicalismo dos anos 1960 e 1970 no Brasil retoma o pensamento antropofágico de Oswald de Andrade e com revolta e resistência nos dentes e pulsão criativa a explodir de subversão e tesão, marca um antes e um depois na história cultural brasileira. Arte e vida se fundem, o campo da representação assume um novo papel e uma nova definição: “Seja marginal, seja herói”, escrevera Hélio Oiticica no bólide dedicado ao bandido conhecido como Cara de Cavalo, embaixo da imagem de seu corpo baleado, no chão.

 

© Ângela Berlinde

 

 

Em Transa_ Baladas do último sol, Ângela abre-se à experimentação para criar uma obra híbrida e multidisciplinar que recorre à fotografia, à literatura, à banda desenhada, à pintura e ao cinema, incorporando diversos recursos artesanais, digitais, analógicos e escultóricos, construindo um trajeto inspirado pela estética do afeto mas, também, possivelmente, inverso à sua obra anterior “Coração de Índio”.

O olhar da artista é retrospectivo e experimental, o que implica um movimento perceptual dual de dentro para fora, e de fora para dentro. Nessa cartografia híbrida, móvel, o ecossistema dominante é o do espaço “entre”: entre-tempos, entre-técnicas, entre-etnias, entre-espécies, entre-linguagens, entre-formatos, entre gritos e sussurros, realidade e ficção, tristeza e exaltação.

 

Fotolivro TRANSA, Baladas do último sol, de Ângela Berlinde. 77 fotografias, 10 cadernos Bd, uma pagina quadrática. Edição limitada de 300 cópias, assinadas pela autora.

 

 

Na exposição que se abriu à cidade de Braga, de 21 de Janeiro a 11 de Março, juntamente com o lançamento do livro, na galeria do Museu Nogueira da Silva, a artista aprofunda estratégias formais e conceituais para dar significado à travessia. Um elemento crucial desta obra é a invocação da figura de Iracema, a virgem dos lábios de mel do romance de José de Alencar, mulher indígena da tribo Tabajara que representa a pureza, a confiança e a entrega da terra virgem. Além de incluir bandas desenhadas de uma história em quadrinhos da célebre Lenda do Ceará, na exposição a presença de Iracema faz-se sentir de maneira inesquecível a partir de um gesto perspicaz e subtil: uma lágrima cristalizada denota a tristeza de abandono em seus olhos, detalhe de uma imagem escura, de fundo negro, apropriada de um fotograma do filme de Carlos Coimbra (Iracema, 1975).

 

© Ângela Berlinde

 

 

Alegoria, história e ficção do real invadem o presente e ali ficam, para embaralhar a linearidade da História ocidental e reabrir a história mal contada e resolvida. A fotografia aqui entra como ferramenta de seleção, enquadramento, corte, registro e dispositivo de livre apropriação, ressignificação, transferência espacial e reconstrução pictórica de uma obra que nasce no imaginário europeu colonial na selva colonizada, e retorna, agora, em imagens pictóricas, apontando a flecha do nativo cativo de volta ao seu progenitor, ou, quem sabe, a quem? Eis a questão. Uma obra repleta de ironia, e assim mesmo, imensamente amorosa. Eis uma resposta. 

A utilização de elementos ornamentais e de pigmentos e minerais em estado natural interrompe a continuidade plana da superfície bidimensional da imagem fotográfica e dirige o olhar ao significado do estranhamento. A lágrima de Iracema nos conduz diretamente ao final trágico de sua história, e assim sendo, à atualidade da condição indígena e ecológica no Brasil. As imagens contidas em caixas que à sua vez contêm pó de urucum, entre outros pigmentos nativos, instauram um jogo com as possibilidades da percepção do olhar, e da imaginação. Mexendo as caixas para os lados, cobrimos mais um lado da imagem e desenterramos outro, e vice-versa. A história está viva e em constante reconstrução.

Assim, nesta obra, os elementos que hoje lutam contra a ameaça de sua própria extinção foram transformados em raios X, radiografias das almas que irão sussurrar em nossos ouvidos sobrevoando as terras queimadas e aplanadas da Amazônia, vazias de sua densa fauna e flora tropical, se as coisas continuarem a andar na direção em que estão indo. Claudia Andujar luta há mais de cinco décadas pela proteção do índio e do ecossistema sadio, natural da Amazônia, do Brasil, do mundo. O fúcsia infravermelho de sua inesquecível obra-grito de 1976, a maloca do rio Catrimani rodeada por uma selva tão protetora quanto vulnerável, vem à mente nas imagens que, aqui, Ângela assinala por meio do mesmo bramido estético.

 

© Ângela Berlinde

 

 

Homenagem a esta luta que se faz cada vez mais urgente, a oca infra-vermelha de Ângela recebe um banho de purpurina, a vista aérea do encontro dos rios na grande selva é cor de rosa, e o sol da última balada, fúcsia, também. Rosa também são as aves pintadas sobre uma paisagem preto e branco, as palmeiras do açaí e o papagaio, a casa no rio, a boiada, o limiar tênue entre o fogo e a liberdade.

Paixão, vida, tesão, risco, grito, ardor, fogo, o terreno crepuscular entre a vida e a morte, território nativo, terra ancestral, direito de toda a humanidade. Há gestos – porque estas estratégias de intervenção sobre a imagem fotográfica são gestos de identificação, estranhamento e classificação – que trazem à consciência o pensamento acerca da magia e do onírico do segundo e último manifesto de Glauber Rocha. Diante da impotência e da perplexidade com os rumos políticos do Brasil pós-golpe de 64, o horror das ditaduras militares, o transe político e de consciências, a perda total da liberdade, Glauber se dirige a uma nova questão, a mesma que guia a inquietação de Ângela Berlinde em Transa_Baladas do último sol: não faz sentido lutar no campo da razão opressora, mas nos territórios da desrazão, do absurdo e do mito.

Só que no lugar da violência transgressora, para atravessar o adormecimento do sentido e da sensibilidade, Ângela apela à gestualidade da estética do afeto e insere uma lágrima de cristal no olho de Iracema, preenchendo de luz tudo aquilo que parece estar sendo jogado às margens escuras do abandono e do esquecimento. A história continuará a insistir: a lágrima de Iracema nos interpela com dor e amor, e nos deixa sem palavras: não poderemos esquecê-la. E que assim seja.

 

 

Veronica Cordeiro
Artista, curadora, empreendedora da sustentabilidade e escritora brasileira radicada em Montevidéu, Uruguai.