Links

PERSPETIVA ATUAL


Arsenal de Veneza, um dos locais onde se realiza a Bienal de Veneza


Galleria Nazionale d’Arte Moderna, Roma


Exposição “EurHope 1153. Arte Contemporanea dal Bosforo”, no Centro d’Arte Contemporanea Villa Manin, em Passariano (Udine)


Vista do Palazzo delle Papesse – Centro Arte Contemporanea, em Siena


Exposição “Good Vibrations. Le arti visive e il rock”, no Palazzo delle Papesse – Centro Arte Contemporanea, em Siena


MACRO - Museo d’Arte Contemporanea di Roma


Vista da instalação “Every moment, one moment after the other” de Pedro Cabrita Reis, no MACRO (Dezembro 2006)


MAXXI – Museo delle arti del XXI secolo, Roma


MAXXI - Museo delle arti del XXI secolo, Roma (Dezembro 2006)


Projecto de Zaha Hadid para o MAXXI – Museo delle arti del XXI secolo, Roma


Exposição “Napoli Presente”, no PAN - Palazzo delle Arti Napoli


MADRE - Museo d’Arte Contemporanea Donnaregina, em Nápoles


Instalação de Jenny Holzer na Piazza Plebiscito, Nápoles (Dezembro 2006)


Centro d’Arte Contemporanea Villa Manin, em Passariano (Udine)


Associação Kunst Merano Art, em Merano


Castello di Rivoli, em Turim, o primeiro espaço italiano exclusivamente dedicado à arte contemporânea


Exposição do artista venezuelano, Jesus Rafael Soto, na GAMeC – Galleria d’Arte Moderna e Contemporanea de Bergamo


Projecto de alargamento do MACRO - Museo d’Arte Contemporanea di Roma, de autoria de Odille Decq


Projecto de Zaha Hadid para o Museo Mediterraneo di Arte Nuragica e Contemporanea


GAM – Galleria d’Arte Moderna de Turim


“Alllooksame / Tutttouguale? Arte da Cina, Corea, Giappone”. Exposição na Fondazione Sandretto Re Rebaudengo, Turim


Fondazione Mario Merz, Turim


MART - Museo di Arte Moderna e Contemporanea di Trento e Rovereto


MART não esconde as suas ambições internacionais


Projecto do Studio Krüger Schubert Vandreike KSV de Berlim para o MUSEION - Museo d'Arte Moderna e Contemporanea, Bolzano


Exposição “Group Therapy”, no MUSEION de Bolzano


Projecto de Zaha Hadid para o Museo Mediterraneo di Arte Nuragica e Contemporanea

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

ITÁLIA: BREVE GUIA DOS MUSEUS DE ARTE CONTEMPORÂNEA



TERESA CASTRO

2007-01-28




Itália, pátria incontestável do património mundial (o país possui quarenta locais com a designação oficial da UNESCO), parece resumir-se, no que diz respeito aos circuitos internacionais de arte contemporânea, à famosíssima Bienal de Veneza. Criada em 1895, a mostra – e a fundação homónima - é provavelmente uma das instituições mais afamadas do universo artístico: a única, talvez, com a qual o grande público esteja familiarizado. E, no entanto, o país está neste domínio longe de se resumir ao prestígio secular de Veneza. De Norte a Sul, passando pela Sardenha e pela Sicília, Itália possui mais de vinte instituições museológicas dedicadas (por vezes exclusivamente) à arte contemporânea. Grande parte destes locais foram criados nos anos noventa por comunas locais; outros (poucos) são tutelados pelo governo central; alguns, finalmente, evidenciam claras ambições internacionais. Por onde começar?


Talvez por um pouco de história. A primeira galeria de arte moderna italiana foi criada em 1883 com o objectivo de adquirir “trabalhos admiráveis nos domínios da pintura, escultura, desenho e gravura da autoria de artistas vivos”. Trata-se da Galleria Nazionale d’Arte Moderna (GNAM), actualmente uma “Soprintendenza” dependente do Ministério per i Beni e le Attivitá culturali, sediada desde 1915 na Villa Giulia (Roma), um edifício projectado pelo arquitecto Cesare Bazzani para a Exposição Internacional de 1911. Só cem anos depois, em 1984, seria inaugurado o primeiro espaço inteiramente dedicado à arte do pós-guerra, instalado no Castello di Rivoli, em Turim. Um século de hiato, num país em que floresceram continuamente durante o século XX diversos e importantes movimentos artísticos, desde o futurismo à “arte povera” (e isto deixando de fora as prolíficas áreas do design e da arquitectura). O dinamismo e arrojo das inúmeras galerias privadas que sempre existiram em Itália explicam esta situação. Ainda recentemente, a galerista milanesa Claudia Gian Ferrari anunciava a doação ao MAXXI – “Museo delle arti del XXI secolo” de Roma de uma parte importante da sua colecção privada: cerca de duzentas obras, entre as quais peças de Lucio Fontana, Anselm Kiefer, David Salle e dos irmãos Chapman, destinadas a enriquecer o museu estatal votado à produção artística actual. Na ausência de uma verdadeira política nacional dedicada à promoção e valorização das artes contemporâneas, foram pois os privados (e em certa medida algumas galerias municipais, como as de Turim ou Bolonha) que assumiram durante muito tempo a constituição de colecções representativas.

Durante os anos noventa, o país assiste ao proliferar de uma série de instituições e actividades, nomeadamente comunais, vocacionadas para o contemporâneo (casos de Bergamo, Trento, Pesaro, etc.). A maioria destes espaços encontram-se profundamente enraizados nos seus territórios. Direccionados para as realidades locais, apostam sobretudo em acções pedagógicas e de “formação” de públicos, contrariando a ideia generalizada de que as artes contemporâneas se encontram limitadas às grandes cidades. Na verdade, um dos traços mais surpreendentes do caso italiano é a ausência de verdadeiras estruturas centralizadoras (e catalizadoras), como o Centre Pompidou em França, a Tate Gallery no Reino Unido ou o Museu Reina Sofia, em Espanha. Naturalmente, tudo isto se deve à peculiar situação italiana, caracterizada desde sempre por um forte municipalismo. Assim, o mais importante museu de arte moderna e contemporânea italiana situa-se em ... Rovereto (no Trentino). E uma metrópole sofisticada como Milão continua a não possuir um museu dedicado à arte contemporânea.

No entanto, nem só de modestas instituições municipais vive o caso italiano. Em 2000, o governo central anunciava a criação em Roma do MAXXI, projecto ambicioso que estreava em Itália a voga dos espaços museológicos concebidos por “arquitectos-estrela” (e a moda dos acrónimos). A sede projectada para o MAXXI, de autoria da arquitecta anglo-iraquiana Zaha Hadid, encontra-se ainda em construção, vítima dos inúmeros cortes orçamentais que ameaçam seriamente a sua conclusão. O primeiro “grande” local a ser inaugurado seria assim a sede do MART – “Museo di Arte Moderna e Contemporanea di Trento e Rovereto”, concebida pelo italiano Mario Botta (2002). Já o MADRE – “Museo d’Arte Contemporanea Donnaregina” de Nápoles viu o seu edifício (um palácio setecentista em ruínas) ser recuperado pelo português Siza Vieira (2005); e o MACRO – “Museo d’Arte Contemporanea di Roma”, alojado num magnífico complexo industrial de começos do século XX, encontra-se a ser ampliado pela arquitecta francesa Odile Decq. Anuncia-se também a construção em Cagliari, na Sardenha, do Museo Mediterraneo di Arte Nuragica e Contemporanea (curiosa associação, uma vez que a cultura e a civilização “nurágicas” floresceram na Sardenha entre os séculos VIII e V a.C.). O projecto vencedor é de autoria de Zaha Hadid (no concurso participou também o português Gonçalo Sousa Byrne).

Junte-se a tudo isto a multiplicação de manifestações dedicadas à produção artística contemporânea (festivais, bienais, trienais, prémios), e o panorama italiano resulta bastante mais complexo do que se poderia imaginar. Várias questões se impõem, algumas de difícil resposta. Qual a verdadeira sustentabilidade de algumas desta instituições? Que projectos e ambições apresentam a médio prazo? Conseguirá um destes espaços vingar no competitivo circuito internacional? De Norte a Sul do país, passando pelas ilhas, aqui ficam algumas sugestões de visita (longe de serem exaustivas e inevitavelmente parciais), bem como algumas pistas de resposta.


Norte:

No Norte de Itália, todas as regiões possuem pelo menos uma instituição dedicada à arte contemporânea, excepção feita à pequena e montanhosa região de Vale de Aosta (na fronteira com a Suíça e a França). Contrariamente ao que seria de esperar, não é em Milão, capital da moda e do design italianos, cidade de arquitectos, que se encontram os espaços museológicos mais inovadores e dinâmicos (talvez porque aí se concentrem as principais galerias de arte contemporânea italianas?). Para os encontrar há que ir a Turim no Piemonte; ou ao Trentino - Alto Adige, onde se situa o mais importante museu de arte contemporânea italiano (e onde 35% dos habitantes têm como primeira língua o alemão).


Piemonte: Turim

Turim, quarta cidade italiana e grande centro industrial (sede da Fiat), é talvez mais conhecida nos circuitos turísticos por albergar ... o Santo Sudário. No entanto, não faltam outros atractivos à cidade, entre os quais uma das colecções mundiais de egiptologia mais reputadas; o único museu nacional dedicado ao cinema em terras italianas; e vários espaços dedicados à arte contemporânea. Entre estes, encontra-se uma galeria fundada no século XIX, um castelo reconvertido em espaço expositivo e duas importantes fundações privadas. Acrescente-se ainda o projecto Arte Moderna e Contemporanea da Fondazione CRT (Cassa di Risparmio di Torino) que tem permitido que uma fundação privada enriqueça duas das colecções de arte contemporânea mais importantes da cidade.

Turim possui desde o século XIX uma excelente galeria cívica de arte moderna, o GAM. Dedicada à produção artística do século XIX e do século XX, o GAM representou nos anos sessenta e setenta um papel de relevo na cena museológica italiana. Muitas mostras de artistas internacionais, como Francis Bacon (1962) ou Robert Motherwell (1966), foram aí organizadas, bem como uma primeira grande exposição dedicada às artes conceptuais, “povera” e “land art” (1970). Hoje em dia, o GAM procura recuperar a sua posição de destaque. Com o apoio da Fondazione CRT, a sua política de aquisições tem vindo a concentrar-se, desde os anos noventa, na arte italiana dos anos cinquenta e sessenta; as suas colecções contam hoje com um total de 15 000 obras, entre pinturas, esculturas, instalações e fotografias.

A cidade de Turim conta também com o Castello di Rivoli que, repita-se, constituiu em Itália o primeiro espaço exclusivamente dedicado à arte contemporânea (e o primeiro exemplo no domínio museológico italiano duma gestão mista pública e privada). Alojada numa antiga residência da Casa de Sabóia (fundada no século XII, mas bastante modificada no século XVII pelo arquitecto barroco Filippo Juvarra), a colecção permanente do Castello de Rivoli possui mais de 300 obras, entre as quais inúmeras instalações, algumas das quais concebidas especificamente para o local. Com a ajuda da já referida Fondazione CRT (servida por um comité de peritos internacionais, entre os quais Sir Nicholas Serota), a colecção tem sido constantemente enriquecida com obras de artistas italianos dos anos setenta e oitenta. O Castello de Rivoli destaca-se ainda pelas suas inúmeras actividades pedagógicas, nomeadamente extra-muros e em bairros carenciados da cidade.

Para além destas duas instituições, Turim possui ainda duas importantes fundações privadas: a Fondazione Sandretto Re Rebaudengo e a Fondazione Mario Merz. A primeira foi fundada pela coleccionadora Patrizia Sandretto em 1995 (e inaugurada em 2002) nas imediações da cidade (em Guarene d’Alba; a inauguração de 2002 diz respeito à sede de Turim). Inspirada pelo exemplo das Kunsthallen alemãs e das FRAC francesas (Fonds Régionaux d’Art Contemporain), a Fondazione Sandretto Re Rebaudengo é dirigida por um dos mais reputados críticos italianos, Francesco Bonami, e concentra-se na fotografia italiana e nas artes inglesa, californiana e italiana contemporâneas. Instituição particularmente dinâmica, a fundação organizou em 2005-2006, juntamente com o GAM e com o Castello de Rivoli, a primeira T1 – Triennale di Torino. Já a Fondazione Mario Merz, inaugurada em 2005 e alojada numa ex-central térmica da Lancia, foi criada para albergar a colecção de obras de Mario Merz (falecido em 2003) e para promover “iniciativas no domínio da arte contemporânea”. No seu comité científico encontram-se Vicente Todolí (director da Tate Modern), Dieter Schwartz (director do Kunstmuseum de Winterthur na Suíça) e Richard Flood (director do Walker Art Center, Minneapolis).


O Trentino Alto Adige: Trento e Rovereto

É na Região Autónoma do Trentino – Alto Adige (ou Trentino – Südtirol em alemão) que se encontram alguns dos mais ambiciosos projectos museológicos italianos, a começar pelo MART – o “Museo di Arte Moderna e Contemporanea di Trento e Rovereto”. O MART, cuja sede de Rovereto (cidade de 35 000 habitantes a 25 quilómetros de Trento) foi concebida pelo arquitecto Mário Botta, não se concentra exclusivamente, tal como o seu nome indica, na produção artística contemporânea. Na verdade (e este constitui um dos seus focos de interesse principais), uma parte significativa da sua colecção – cerca de 3000 obras – ilustra o Futurismo italiano (o museu aloja ainda um importante centro de estudos internacionais sobre o futurismo, o CISF). De resto, as exposições organizadas pelo MART são muito diversas: ainda recentemente apresentava em simultâneo uma mostra sobre a Viena de finais do século XIX (“Schiele, Klimt, Kokoschka e gli amici viennesi”) e a primeira retrospectiva em Itália do escocês Douglas Gordon (que criou para o espaço do museu uma instalação permanente). O MART não esconde as suas ambições: primeiro, a nível regional e nacional, enquanto produtor de grandes eventos expositivos; em seguida, a nível internacional. A sua situação geográfica (o Trentino-Aldto Ádige, na fronteira com a Áustria, é uma zona bilingue) permite-lhe, de facto, projectar-se facilmente numa esfera cultural além fronteiras. O mesmo se passa em Bolzano, uma cidade com quase 100 000 habitantes, onde o MUSEION – “Museo d\'Arte Moderna e Contemporanea” não esconde o seu interesse pela cultura da mitteleuropa. O projecto da nova sede (cuja inauguração está prevista para este ano) é da autoria de um gabinete de arquitectos berlinenses: o Studio Krüger Schubert Vandreike KSV. Contrariamente ao MART, o MUSEION tem vindo a concentrar-se exclusivamente nas manifestações artísticas contemporâneas (isto, apesar de ser também uma galeria de arte moderna), demonstrando com a sua política de aquisições um interesse especial pela arte conceptual e pela arte vídeo. Talvez por se situar numa zona bilingue, as relações entre a arte e a linguagem ocupam um lugar espacial no museu, que possui algumas centenas de exemplos internacionais de poesia concreta e visual.

Confirmando esta vontade de internacionalização, sabe-se já que a edição da Manifesta 2008 – bienal itinerante, cuja realização o ano passado em Nicósia foi abruptamente cancelada por decisão do governo cipriota – terá lugar em Bolzano (no MUSEION) e em Trento, na Galeria Civica di Arte Contemporanea. Também ela dedicada às mais recentes evoluções do panorama artístico internacional, a Galeria Civica de Trento organiza desde há dois para cá um original Prémio Internacional de Performance. Finalmente, convém ainda mencionar a associação Kunst Merano Art, em Merano (uma importante estação termal), também ela inteiramente dedicada à arte contemporânea.


O resto do Norte

Para aqueles que estiverem de passagem pelo Friuli Venezia Giulia, aconselha-se verificar o programa do Centro d’Arte Contemporanea Villa Manin, em Passariano, não muito longe de Udine. A programação anual do centro é constituída por exposições temporárias, seja em colaboração com museus prestigiosos (como o Museum of Contemporary Art de Chicago, o Museu Ludwig de Colónia, etc.), seja numa perspectiva temática, reunindo quase sempre artistas internacionais. Já na Emília-Romanha, não muito longe de Bolonha, a Galeria Civica de Modena apresenta, ocasionalmente, algumas exposições de arte contemporânea bastante interessantes. Entre as outras cidades com instituições dedicadas ao contemporânio, refiram-se Bergamo (na Lombardia), La Spezia (na Ligúria) e, obviamente, Bolonha.



Centro de Itália:

No centro de Itália, os grandes projectos museológicos dedicados à arte contemporânea encontram-se concentrados em Roma, ainda que tanto Prato (nas imediações de Florença) como Pesaro (na Província de Pesaro e Urbino, na costa adriática), possuam duas instituições bastante activas (respectivamente o Centro per l’Arte Contemporanea Luigi Pecci e o Centro Arti Visive Pescheria). Tratam-se, no entanto, de espaços fundamentalmente vocacionados para a dinamização das realidades locais. Já o Palazzo delle Papesse em Siena merece uma referência especial: primeiro, porque se situa numa (magnífica) cidade frequentemente visitada (contrariamente a Prato e a Pesaro); depois, porque o seu programa de exposições ( dedicado à produção artística a partir dos anos sessenta) e de actividades é, em geral, bastante atraente. A sua última exposição, por exemplo, intitulada “D’ombra” e organizada por Lea Vergine (reputada crítica italiana, pioneira dos estudos sobre a “body art”), reuniu inúmeros artistas italianos e internacionais (Doug Aitken, Laurie Anderson, Christian Boltanski, Fiona Tan, Cláudio Parmiggiani, etc.) em torno do tema da “sombra”. O Palazzo delle Papesse anima ainda um projecto único em Itália: a Radio Papesse, “a primeira e única rádio de arte contemporânea em Itália”, difundida no edifício e na Internet.


Roma

Todos os caminhos vão pois dar a Roma – ou não? Consciente do seu enorme atraso em termos de arte contemporânea (basta ver o que se passa em Turim ou, no que diz respeito às galerias privadas, em Milão), a cidade tem recentemente tentado colmatar essa falha, através do investimento em grandes projectos museológicos, cujos objectivos são claramente colocar a “cidade eterna” - romana, barroca mas não “contemporânea” - no mapa internacional. Um desses projectos é o MAXXI, o “Museo delle arti del XXI secolo”; outro é o MACRO, o “Museo d’Arte Contemporanea di Roma”. Tanto um como o outro apostaram na criação ou na adaptação de espaços por arquitectos de renome: Zaha Hadid no caso do MAXXI e Odille Decq no caso do MACRO.

A francesa Odille Decq é a responsável pela ampliação do MACRO, que verá o seu espaço expositivo triplicado. Na realidade, o MACRO possui actualmente dois núcleos, dirigidos por diferentes responsáveis: um principal, localizado nas imediações da Porta Serviana (e cujo alargamento se encontra quase terminado); e o MACRO “al Mattatoio”, no bairro popular de Testaccio (o “mattatoio” em questão é um antigo matadouro). Inaugurado em 2002, o MACRO dedica-se à arte italiana desde os anos sessenta até hoje. No entanto, não se limita a expôr a produção artística nacional: neste momento apresenta, por exemplo, uma instalação “site specific” de Pedro Cabrita Reis, “Every moment, one moment after the other”. Enquanto o MACRO principal se destina, principalmente, à realização mostras temáticas e colectivas, o MACRO “al Mattatoio” aposta frequentemente na organização de eventos diversos, sejam eles espectáculos musicais ou literários, dança, teatro, etc. Sendo o Testaccio muito frequentado por jovens (trata-se de uma espécie de Bairro Alto romano, entre o popular e o “trendy”), o espaço encontra-se aberto das 16 horas até à meia-noite.

A sede do MAXXI encontra-se ainda a ser construída, funcionando por agora o museu em instalações provisórias situadas no bairro de Flaminio (o museu ocupa e ocupará o local de uma antiga caserna militar). A sua missão, ideada em 1998 pelo Ministero per i Beni e le Attività culturali, é a “promoção da arquitectura e das artes contemporâneas, através do estudo, da tutela e da exposição dos fenómenos que documentam o estado actual da produção artística”. O MAXXI constitui assim a continuação lógica do GNAM – a Galleria Nazionale d’Arte Moderna e Contemporanea fundada em 1883 (cuja colecção se termina em 1968). Infelizmente, o MAXXI tem sofrido constantes cortes orçamentais e a sua inauguração continua a ser constantemente adiada. Isto apesar de as suas colecções se enriquecerem ano após ano, tanto por via duma consistente política de aquisições, como pela afluência de doações de coleccionadores privados, visivelmente entusiasmados com o projecto – entusiasmante – do MAXXI.



Sul de Itália e Ilhas:

É na cidade de Nápoles que se concentram as instituições meridionais dedicadas à arte contemporânea. Na verdade, a cidade possui vários espaços em franca concorrência (alguns duvidam mesmo da sua viabilidade a médio-longo prazo). Entre estes contam-se o Castel Sant’Elmo, o PAN – “Palazzo delle Arti Napoli”, e o MADRE – “Museo d’Arte Contemporanea Donnaregina”. Se o complexo monumental de Castel Sant’Elmo acolhe apenas (e ocasionalmente) exposições de arte contemporânea, tanto o PAN como o MADRE procuram intervir activamente neste domínio. O PAN surgiu em 1998 por decisão municipal, correspondendo à vontade de criar um centro de documentação dedicado às artes contemporâneas. Inaugurado em 2005, o PAN – situado num palácio do século XVII – conta com 6000 metros quadrados de espaço expositivo e um importante centro de documentação (arquivo fotográfico, biblioteca, e mediateca). Para além de exposições temporárias (sempre no domínio do contemporâneo), o PAN organiza ainda encontros e eventos práticos/experimentais (como laboratórios de arte).

Já o MADRE, também ele fruto de uma iniciativa municipal e inaugurado também em 2005, possui uma colecção permanente, incluindo as peças concebidas para a Piazza Plebiscito por diversos artistas internacionais (durante a época de Natal, a cidade de Nápoles tem vindo a dedicar um dos seus espaços públicos mais importantes à arte contemporânea, pela mão de artistas como Mimmo Paladino, Mário Merz, Anish Kapoor, Jenny Holzer, etc.), e cerca de cem peças (doadas ou emprestadas por coleccionadores privados) que se estendem de finais dos anos cinquenta a finais dos anos sessenta. Para além da colecção permanente, o MADRE organiza ainda exposições temporárias. A última foi a primeira retrospectiva italiana de Bruce Nauman, organizada em colaboração com a Tate Liverpool.

Também a Sicília e a Sardenha possuem os seus espaços dedicados à arte contemporânea. No centro de Siracusa, a Galleria Civica d’Arte Contemporanea Montevergini procura contrariar as dificuldades criadas pela sua situação periférica. Para além de agir como pólo cultural na sua área de influência, procura atrair a si influências exteriores, nomeadamente através de um programa de residência para jovens artistas internacionais. Na Sardenha, é em Nuoro, no interior da ilha, que se encontra desde 1999 o MAN – “Museo d’Arte Província di Nuoro”. Desde então, o museu organizou mais de trinta exposições (!) e constituiu uma importante colecção de arte sarda dos séculos XIX e XX. Cagliari, capital da Sardenha, aguarda entretanto a edificação do Museo Mediterraneo di Arte Nuragica e Contemporanea, projectado por Zaha Hadid. O edifício, a construir junto ao mar, no porto da cidade, promete atrair inúmeros visitantes ...


Teresa Castro
Historiadora de arte



LINKS:
Norte

GAMeC, Galleria d’Arte Moderna e Contemporanea, Bergamo
www.gamec.it

Galleria d’Arte Moderna di Bologna, Bolonha
www.galleriadartemoderna.bo.it

MUSEION, Museo d´Arte Moderna e Contemporanea, Bolzano
www.museion.it

Merano arte, Merano (Bolzano)
www.kunstmeranoarte.com

CeSAC – Centro Sperimentale per le Arti Contemporanee, Caraglio (Cuneo - Piemonte)
www.cesac-caraglio.com

CAMeC - Centro d´Arte Moderna e Contemporanea, La Spezia
www.comune.sp.it/citta/camec/camec.html

PAC – Padiglione d’Arte Contemporanea, Milão
www.pac-milano.org

Galleria Civica di Modena, Modena
www.comune.modena.it/galleria

GC.AC - Galleria Comunale d’Arte Contemporanea di Monfalcone, Monfalcone (Udine)
www.comune.monfalcone.go.it

Galleria Civica di Arte Contemporanea, Trento
www.workartonline.net

MART – Museo di Arte Moderna e Contemporanea, Trento e Rovereto
www.mart.trento.it

Fondazione Sandretto Re Rebaudengo, Turim
www.fondsrr.org

Fondazione Mario Merz, Turim
www.fondazionemerz.org

Castello di Rivoli – Museo d’Arte Contemporanea, Turim
www.castellodirivoli.it

GAM, Galleria Civica d’Arte Moderna e Contemporanea, Turim
www.gamtorino.it

T1 – Triennale di Torino
www.torinotriennale.it/ita/t1.htm

Villa Manin, Udine
www.villamanincontemporanea.it


Centro

GNAM, Roma
www.gnam.arti.beniculturali.it/gnamco.htm

MACRO – Museo d’Arte Contemporanea di Roma, Roma
www.macro.roma.museum

MAXXI, Roma
www.darc.beniculturali.it/index2.html

Centro Arti Visive Pescheria, Pesaro
www.comune.pesaro.ps.it/asp/schede/dettaglioscheda.asp?id=1342

Centro per l’Arte Contemporanea Luigi Pecci, Prato
www.centropecci.it/htm/ho.htm

Palazzo delle Papese, Siena
www.papesse.org


Sul e Ilhas

Casoria Contemporary Art Museum, Casoria (Nápoles)
www.casoriacontemporaryartmuseum.com/index.htm

Castel Sant’Elmo, Nápoles
www.santelmo.spmn.remuna.org

MADRE – Museo d’Arte Contemporanea Donnaregina, Nápoles
www.museomadre.it

PAN – Palazzo delle Arti, Nápoles
www.palazzoartinapoli.net

MAN – Museo d’Arte Província di Nuoro, Nuoro (Sardenha)
www.museoman.it

Museo Mediterraneo di Arte Nuragica e Contemporanea, Cagliari (Sardenha)
www.regione.sardegna.it/bandi_internazionali/betile/project.html

Galleria Civica d’Arte Contemporanea Montevergini, Siracusa (Sicília)
www.montevergini.com