Links

PERSPETIVA ATUAL


DOCUMENTA 12. Kassel, 16 JUN a 23 SET 07


John McCracken, “Minnesota”, 1989. © Cortesia John Mc Cracken and David Zwirner, Nova Iorque.


Kerry Marshall, “Could this be love”, 1992. Pintura. © Kerry James Marshall; Cortesia: The Bailey Collection, Toronto; Jack Shainman Gallery, Nova Iorque.


Ai Weiwei, "Template", 2007. Portas e janelas de casas destruídas das Dinastias Ming e Qing.


Ai Weiwei, "Template", 2007. Portas e janelas de casas destruídas das Dinastias Ming e Qing. © Cortesia do artista; Galerie Urs Meile, Beijing–Lucerne; Fotos: Frank Schinski / documenta.


Ai Weiwei,“Fairytale”, 2007. 1001 visitantes chineses, 1001 cadeiras de madeira da dinastia Qing.


Sanja Ivekovic. Ilustração para o trabalho: “Poppy Field”, 2007. © Oswald Skene / DHD Multimedia Gallery


Anónimo. Miniatura Índia, séc XVI. © Bildarchiv Preußischer Kulturbesitz, Berlin 2007; Staatliche Museen zu Berlin – Preußischer Kulturbesitz, Museum für Islamische Kunst. Foto: Ingrid Geske.


Schloss Wilhelmshöe


Lidwien van de Ven, “Damascus, Ommayad Mosque”, 2007. Vídeo / loop. © Cortesia: Lidwien van de Ven; Galerie Paul Andriesse, Amsterdão.


Halil Altindere, “Dengbêjs”, 2007. Planos do vídeo. Vídeo (DVD), HD, formato 16:9, cor, som, 15:17 min. © Halil Altindere


Aue Gallerie


James Coleman, “Retake with Evidence”, 2007. Performance: por Harvey Keitel. Filme projectado. Cortesia: artista; Marian Goodman Gallery; Simon Lee Gallery; Galerie Micheline Szwajcer. © James Coleman


Neue Gallerie


Harun Farocki, “Deep Play”, 2007. Plano do vídeo. Instalação video múltipla, cor, som, loop. © Cortesia: do artista; Greene Naftali Gallery, Nova Iorque.


Trisha Brown, “Floor of the Forest”, 1970. Instalação e Performance no espaço expositivo.


Gerhard Richter, “Betty”, 1977. Pintura. Óleo sobre tela. © Gerhard Richter.


Juan Davila, “The Arse End of the World”, 1994. Colagem sobre tela. 240 x 305 cm. © Cortesia: Juan Davila; Kalli Rolfe Contemporary Art.

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

DOCUMENTA 12: FAIRYTALE?



LÍGIA AFONSO

2007-08-21




A Documenta de Kassel não se focaliza em constrangimentos de mercado. Não se rege pela lógica mainstream das grandes bienais e feiras de arte, assentando antes na necessidade, para além dos mecanismos de sobrevivência da economia global do sistema artístico-empresarial, da produção de teoria e de conhecimento. Reclama o lugar proto-académico da reflexão sobre a contemporaneidade artística, política e cultural mundial, sobre a qual exerce um papel projectivo determinante constituindo, por essa razão, a mais importante exposição de arte contemporânea do mundo.


Iniciada em 1955, a Documenta surgiu como um evento colateral do optimista “German Federal Garden Show” que conduzia cerca de três milhões de visitantes à cidade de Kassel, quase integralmente destruída durante a guerra. A exposição serve a tentativa de reconciliação do público alemão com a modernidade internacional através do seu confronto directo com o fracasso da Alemanha nazi. Assumia um duplo carácter: documental e histórico-reconstrutivo, apresentando relacionalmente as vanguardas modernistas europeias com a “arte degenerada”; e, simultaneamente, prospectivo, pela programática introdução de arte contemporânea alemã.


A Documenta assinalou um sucesso imediato, o que lhe valeu uma continuidade não programada. Desde 1955 e a cada cinco anos, um novo director é convidado a reflectir experimentalmente sobre a produção artística (incluindo a não-ocidental) e, a partir de determinada altura, sobre a história da própria Documenta. Os discursos são tão diferentes quanto complementares, estabelecendo relações de turbulento confronto ou corroboração activa na sucessiva e dinâmica alternância de perspectivas.


O projecto de Roger M. Buergel (Berlim, 1962) para a D12 é politicamente empenhado sem porém assumir o carácter interventivo das D5 e DX. Subjaz-lhe a ética da coexistência, a consciência de enquadramento retrospectivo e a pedagogia de Arnold Bode (D1_1955); o enfoque nas questões teóricas da recepção e dos públicos da arte da década de Jean Leering (D4_1968); os debates contínuos e o “Comprehensive Concept” tradicionais desde a Documenta de Harald Szeemann (D5_1972); a responsabilidade social da arte de Manfred Schneckenburger (D6_1977 e D8_1987); a subjectividade da experiência artística de Jan Hoet (D9_ 1992); a ideia de exposição enquanto «Manifestação Cultural» de Catherine David (DX_1997); a crítica aos modelos de aprendizagem enciclopedista e o alargamento da escala temporal e geográfica e da complexidade das estruturas da Documenta preconizada por Okwui Enwezor (D11_2002).


É dentro das áreas do poder, da política e das relações de conflito que Buergel, o director artístico da D12 tem trabalhado enquanto organizador de exposições e autor. Juntamente com Ruth Noack (historiadora de arte e investigadora da área do feminismo com quem partilha vida e trabalho) como Curadora; com o aconselhamento do “Documenta Internacional Commitee” (estabelecido pelo primeiro para garantir apoio, ressonância e enquadramento social); e com uma equipa flutuante de cerca de 650 pessoas; Buergel materializou o resultado de três anos e meio de trabalho num complexo programa de 100 dias. É no espírito desta ancoragem que se funda a importância e a transversalidade do conceito “Pilares”, aplicável ainda a todas as colaborações verificadas fundamentais para a manutenção e desenvolvimento das considerações educacionais durante todo o projecto. A relevância determinante do conceito justificou a sua radical conversão imagética em logótipo da D12, generalizado ao mundo pelo gigante editorial Taschen.


Os conceitos estruturantes da D12 baseiam-se em três leitmotifs, tópicos formulados por Buergel enquanto questões a colocar ao mundo, à arte e ao seu público. Is modernity our antiquity / Será a Modernidade a nossa Antiguidade?; What is bare life / O que é a vida nua?; (In Education) What is to be done / (Na educação) O que há a fazer?; constituem propostas alargadas de reflexão, colocadas à priori da materialização da exposição, para que as respostas pudessem reverter para ela enquanto ecos produtivos. Retornaram, enérgicas, a partir das diferentes plataformas funcionais da D12, canais pensados enquanto espaços de intervenção para a problematização democrática das interrogações nomeadas.


A plataforma “D12 Advisory Board” insere-as dentro de uma dimensão local. Porque uma exposição política deve educar e cultivar o seu público, procurou estreitar um diálogo com a população de Kassel, mediado pelos membros de um comité interdisciplinar de especialistas locais, criado para o efeito, enquadrando e articulando, em actividades diferenciadas, os leitmotifs com as problemáticas do desemprego, da emigração, da educação e da exclusão.


A plataforma “D12 Magazine” insere-as dentro de uma dimensão internacional. Dirigida por Georg Schöllhammer, constitui-se como o magazine dos magazines, um medium escrito por outros media, fundado na apologia da diferença discursiva contra a autoridade generalizada do pensamento único. Os três tópicos foram lançados a diferentes instrumentos de comunicação de todo o mundo, tendo contribuído cerca de uma centena com a publicação de artigos, ensaios, entrevistas e ensaios pictóricos. O diálogo alargou-se, polémico, polissémico e contra-argumentativo, revelando urgências reflexivas que a exposição se propôs problematizar. Originalmente publicado em cerca de sessenta e cinco línguas e traduzido para inglês (língua comunicacional predefinida), o património recolhido foi tematicamente compilado (Modernity? / Life! / Education:) e posteriormente reunido num volume Reader. Assegurando a continuidade do seu esforço universalista e democratizador, o jornal online permite anexar novas entradas de artigos, e as apresentações diárias de comunicações ou os debates promovidos pela “D12 Magazine” no espaço da Documenta espelham e alargam ao público as discussões sucessivamente despoletadas.


É nesta heterogeneidade discursiva que se consubstanciam igualmente os trabalhos artísticos apresentados à Plataforma “Exhibition” que interpelam um ou mais tópicos da Documenta. Cerca de quinhentas obras, de todas as tipologias e suportes, de cerca de cento e vinte artistas e colectivos artísticos, em equivalência quantitativa de género e provenientes das mais variadas regiões do mundo, são especulativamente colocadas umas em relação às outras, negociando relações produtivas com o espaço e desafiando directamente o público. A deliberada ausência de forma é um teaser que visa despertar confusão e angústia no espectador. A ancoragem na identidade autoral ou geo-política mostra-se, na grande generalidade das vezes, infrutífera, já que os artistas seleccionados não pertencem ao circuito mainstream (e o catálogo não segue uma ordem alfabética mas de cronologia de produção), e a insuficiência do conteúdo das tabelas nega a possibilidade da sua contextualização territorial. Libertos da imediatez dos esquemas perceptivos convencionais, predeterminados e deterministas, os trabalhos confirmam a sua própria autoridade e abrem-se a uma verdadeira experiência estética, nivelando espectador e especialista no reconhecimento da sua ausência de conhecimento. A provocação da sensação de vazio e de fracasso relacional actua como uma chamada de atenção para os vícios do conhecimento, para a irresponsabilidade educativa generalizada e para a absoluta necessidade de politização dos públicos da cultura.


É o preenchimento desse vazio que a Plataforma “Art Educators” promove com o seu programa educacional. Inovadoramente entendida enquanto estrutura fundamental do projecto, constitui-se como o espaço de ressonância da audiência. Porque o significado dos trabalhos não é oferecido ou facilitado na própria exposição, actua como mediador da negociação entusiástica de sentidos e da experiência da sua inesgotabilidade. As actividades pedagógicas envolvem uma paragem para discussão nos “círculos de iluminação” (enlightment), área especificamente desenhada dentro do ambiente expositivo para o efeito.


A Plataforma “Spaces for Art” é a última da D12. Se o foco da exposição é a experiência estética, importa perceber como os espaços necessários para que ela aconteça a proporcionam ou a condicionam. A arquitectura de exposição é diferente em cada um dos espaços da D12, não existindo forma ou estrutura aglutinadora, manifesto programático ou lógica de percurso predefinida. Começar por um ou outro pavilhão altera profundamente a experiência da exposição. A mise-en-scène em cada um dos edifícios comunica à sua maneira. As soluções museológicas, museográficas e cenográficas são deliberadamente individualizadas em cada um dos seus “palcos”.


No Fridericianum, o primeiro museu público do continente europeu, sobre as ruínas iluministas do qual se ergueu a primeiríssima Documenta, a referência histórica é simultaneamente subtil e evidente. A obra de John McCracken protagoniza a encenação de um remake na referenciação e ultrapassagem do sentido aurático, hermético e classicista da D7 de Rudi Fuchs. A coluna e paredes douradas de James Lee Byars e Jannis Kounellis, à época ali instaladas, foram metamorfoseadas em espelho, substituindo-se a elevação esmagadora dos objectos pelo seu nivelamento com o espectador que neles se reflecte, se funde, se conhece e se reconhece em coexistência. A coluna, ou pilar, ou monólito, carrega consigo a estrutura base construtiva da própria D12, cujo discurso pós-aurático reclama Walter Benjamin. Uma cópia da obra “Angelus Novus” (Paul Klee, 1920), de quem terá sido mediático proprietário, determina-o insider. O seu anjo retroperspectiva a história levantando-se das ruínas do mesmo museu que lhe valida expositivamente a sua condição de reprodutibilidade. Olhando também para o passado na mesma direcção do futuro, as obras “Electric Dress” (1956, rec. 1986) de Atsuko Tanaka, “Betty” (1977) de Gerhard Richter; “Floor of the Forest” (1970) de Trisha Brown e “Una milla de cruces sobre el pavimento” (1979 e 2007) de Lotty Rosenfeld destacam-se juntamente com as contemporâneas “Where We Where Then, Where We Are Now” (2007) de Simon Wachsmuth, “Deep Play” (2007) de Harun Farocki e “Lovely Andrea” (2007) de Hito Steyerl.


A vertigem cromática aplicada às paredes da Neue Gallerie resulta surpreendentemente cenográfica. Palco vibrátil onde as obras parecem actuar segundo uma direcção mais ou menos rigorosa, toma o theatrum mundi de “L´Exposition Universelle” (1867) de Manet, exposto em formato postal, como sua metáfora central. O vídeo “Retake with Evidence” (2007) de James Coleman retribui-lhe, com contornos narrativos e mnemónicos, uma espectacularidade fílmico-fotográfica monumental, da qual Harvey Keitel é o monstruoso protagonista shakespeareano. Documental, a instalação vídeo de ecrãs múltiplos “The Lightning Testimonies” (2007) de Amar Kanwar revela, em formato intimista, a complexidade da Índia pós-colonial e da sua trágica repercussão na experiência individual e colectiva do feminino. É a também íntima reflexão sobre o medo que subjaz, numa perspectiva político-biográfica, aos desenhos de pequeno formato da série “Fears” (2007) e ao mediático “Top Secret” (1989-1990) de Nedko Solakov.


A solução espacial mais singular é proposta na Aue Gallerie, novo pavilhão temporário com 10.000 metros quadrados que resulta mal resolvido na sua amplitude, caótico e desconexo no inter-relacionamento conceptual dos trabalhos e descuidado na sua apresentação armazenista. Importa porém sublinhar a exemplaridade poético-documental dos vídeos “Dengbêjs” (2007) de Halil Altindere e “Damascus, Onmayad Mosque” (2007) de Lidwien van de Ven.


O Documenta Halle é o espaço de produção e de convergência da D12. Da sua desinteressante secção expositiva destacam-se apenas as esculturas de luz “Phantom Truck” (2007) e “The Radio” (2007) de Iñigo Manglano-Ovalle.


No Schloss Wilhelmshöe, trabalhos contemporâneas entram em diálogos formais com o passado, numa profunda reflexão sobre a migração da forma – conceito transversal do design expositivo de toda a exposição –, com trabalhos de Rubens, Rembrant, Cranach ou Brueghel, da colecção do museu, alargada a outros do Irão, da Índia, do Tajiquistão, do Japão ou da China, de produções balizadas entre os séculos XIV e XX. Os incríveis cenários das imediações e acessos do castelo, igualmente pontuados por trabalhos, confirmam a pertinência do deslocamento para lá do espaço estrito da Documenta.


O enquadramento dos trabalhos no espaço público repete-se na reformulação plástica da Friedrichplatz, com a política “The Exclusive. On the Politics of the Excluded Fourth” de Andreas Siekmann (2007) e a poética “Poppy field” (2007) de Sanja Ivekovic; nos transportes públicos com “Tram 4 Inner voice Rádio” (2007) de Kirill Preobrazhenskiy; e no Kulturzentrum Schlachthof onde se destaca o vídeo “Them” (2007) de Artur Zmijewski. A arte culinária de Ferran Adrià é ainda e surpreendentemente integrada na Documenta através do estabelecimento de uma ponte geográfica com o seu restaurante “elBulli” nas imediações de Barcelona.


A sistemática colocação de trabalhos de quatro artistas em toda a extensão da Documenta é reveladora da sua capacidade de tradução conceptual da sua décima-segunda edição. As 1001 cadeiras Quing de “Fairytale” (2007) que Ai Weiwei coleccionou e restaurou sistematicamente, pontuam individual ou colectivamente os espaços expositivos, prontas a receber cada um dos 1001 cidadãos chineses por ele convidados a visitar a exposição. “Template” (2007) é a sua mediática escultura de janelas das dinastias Quing e Ming, destruída por uma tempestade que assolou Kassel nos primeiros dias da D12. As pinturas negras de Kerry Marshall e as porno-políticas de Juan Davila, juntamente com os meditativos monolitos e mandalas coloridas de John McCracken, propõem-se sintetizar, inconclusivos, as questões paradigma colocadas por Buergel ao mundo. Respondem, em simultâneo, à possibilidade de um horizonte comum a toda a humanidade, problematizando a figura da modernidade em vários contextos do mundo – «Modernity?» ; àquilo que consideram filosoficamente constituir vida, entre as ténues fronteiras da submissão e da libertação – «Life!» ; e à pergunta Leninista “Que fazer?” – «Education:» - na mesma direcção vectorial (paternalista-messiânica?) da família curatorial – civilizar pela educação.



DOCUMENTA 12
Kassel, 16 JUN a 23 SET 07