Mona Hatoum


Ângela Ferreira


Fernanda Fragateiro


Adia Millet


Vista Geral


Vista Geral

Exposições anteriores:

2017-11-09


A SHOW TO MORE VOICES | MOSTRA ESPANHA 2017




2017-09-21


LIGHTS, CAMERA, ACTION - Retratos do Cinema




2015-11-11


GERAÇÃO 2015




2015-09-01


TWIST THE REAL




2015-05-15


ABSOLUTELY + The Pogo Collection_screenings




2014-09-18


Devido à chuva a revolução foi adiada




2014-05-15


ART STABS POWER - que se vayan todos!




2014-03-06


Nós




2013-11-14


MOSTRA ESPANHA




2013-09-26


Dive in




2013-05-30


6749/010.013




2013-03-07


THE AGE OF DIVINITY




2012-11-05


CABEDAL | THE OPERA




2012-09-27


DIG DIG: DIGGING FOR CULTURE IN A CRASHING ECONOMY




2012-06-05


LIMBO




2012-04-12


O PESO E A IDEIA




2011-11-10


SUBTLE CONSTRUCTION | PANÓPTICO




2011-09-29


INFILTRATION // Le privilège des chemins




2011-06-22


AT THE EDGE OF LOGIC




2011-05-04


O QUE PASSOU CONTINUA A MUDAR




2011-03-17


UMA IDEIA NOVA DECLINA-SE FORÇOSAMENTE COM UMA DEFINIÇÃO INÉDITA




2011-01-21


A CORTE DO NORTE




2010-11-20


Pieces and Parts




2010-09-14


Tough Love - uma série de promessas




2010-06-17


De Heróis está o Inferno cheio (Piso 1) / If I Can't Dance, I Don't Want to be Part of your Revolution (Piso 3)




2010-04-07


Marginalia d'après Edgar Allan Poe (Piso 3)/Play Them (Piso 1)




2010-01-18


Objet Perdu




2009-11-12


Colectivo [Kameraphoto] (Piso 1) | VOYAGER (Piso 3)




2009-09-08


HEIMWEH_SAUDADE




2009-05-12


AGORA LUANDA - Kiluanje Liberdade e Inês Gonçalves




2009-03-21


A Escolha da Crítica




2009-01-14


Convite Cordial




2008-11-15


O Contrato do Desenhista - Exposição com curadoria de Paulo Reis




2008-09-15


ALL WORK AND NO PLAY - Exposição Colectiva




2008-06-11


TERRITORIAL PISSINGS - Exposição Colectiva




2008-04-28


NOVAS GEOGRAFIAS, LISBOA | Mónica de Miranda




2008-03-17


uma combinação | Armanda Duarte




2008-01-24


Central Europa 2019




2007-11-22


Video Killed The Painting Stars




2007-09-14


REMOTE CONTROL




2007-06-23


DEBAIXO DO TAPETE




2007-05-02


747.3




2007-03-22


VOYAGE, VOYAGE




2007-03-20


MUXIMA | Alfredo Jaar




2007-01-19


DECRESCENTE FÉRTIL




2006-11-14


SCULP YOUR MIND l MARIAGE BLANC l ANALOGÓNIA




2006-09-26


(RE) VOLVER




2006-06-23


OLHEI PARA O CÉU E NADA VI




2006-05-06


PEDRO LOUREIRO: FOTOGRAFIAS 94-05




  
share |

(RE) VOLVER


INAUGURAÇÃO: 27 Setembro, 22 hs

ARTISTS' BRUNCH: 21 Outubro, 12 hs

FESTA DE ENCERRAMENTO COM LANÇAMENTO DE CATÁLOGO: 8 Novembro, 22 hs

Adia Millet (EUA)
Ângela Ferreira (Portugal)
Fernanda Fragateiro (Portugal)
Miriam Backström (Suécia)
Mona Hatoum (Líbano)
Narelle Jubelin (Australia)
Susana Mendes Silva (Portugal)
Wangechi Mutu (Quénia)


Comissariado: Filipa Oliveira

28 de Setembro -
8 de Novembro de 2006


(RE) VOLVER

A experiência de entrar na plataforma revólver provoca, quase de imediato, a reminiscência de entrada na casa de um estranho. Entrar sem ser convidado e procurar a presença, ou a memória, dos habitantes que já há muito a abandonaram. A casa logo se impõe como um elemento central da experiência do visitante, papel que assume, também, na exposição que agora se apresenta.

Longe de se enquadrar no paradigma, ainda recente e dominante, de espaço expositivo neutro e vazio de referências - para que a experiência estética seja o mais pura possível – esta casa é aqui o ponto de partida, domínio palpável da experiência criativa e de observação

a casa foi o elemento que iniciou o projecto. Foi a partir dela, e em resposta a ela, que cada uma das artistas pensou a sua presença. Ela assume-se assim quase como mais um participante da exposição. À semelhança de um palimpsesto, a casa esconde a memória dos ocupantes anteriores para que na reinscrição de um novo gesto, se imponha uma nova presença e uma nova memória.

as artistas foram convidadas a pensar a ideia de casa, de uma casa também ela em tempos habitada por artistas, da memória que perdura gravada nas paredes. O desafio foi exactamente o de reflectir essa memória, por forma a que novas e antigas memórias pudessem coabitar no mesmo espaço. Num permanente revolver.

O rever das casas e das causas
O revolver das coisas
Que dormiam

“Eis-nos” em Novas Cartas Portuguesas

Revolver também outras memorias, que ultrapassam esta casa em particular, para abranger a ideia de casa como local inscrito da memória da prática feminista. Esta exposição propõe-se contemplar essa prática, com o objectivo de repensar a sua existência; Meditá-la como uma possibilidade de existência e de continuidade; reflectir o seu sentido no contexto actual das práticas artísticas contemporâneas. Fará ainda sentido fazer uma exposição em que as participantes são exclusivamente mulheres? Fará sentido o seu oposto? E será ainda necessária uma reflexão sobre feminismo, sobre domesticidade?

Mais do que apresentar as respostas, esta exposição pretende suscitar novas perguntas e abrir caminhos para um novo entendimento do (pós)feminismo, questionando desta forma a sua validade, e necessidade na actualidade. Acima de tudo, esta exposição aspira a (re)volver coisas que dormiam.

Filipa Oliveira


A Plataforma Revólver, núcleo da Contemporaneidade, tem como objectivo primordial funcionar enquanto instrumento de difusão, oferecendo possibilidades aos artistas plásticos de poderem dar a conhecer o seu trabalho, colmatando, deste modo, um dos problemas fundamentais com que se debatem os novos criadores: a dificuldade em encontrar um lugar a partir do qual se façam conhecer, expressando-se e, simultâneamente, receber o contacto com o público – vital para que os seus projectos evoluam - submetendo-se ao seu olhar, olhar esse que poderá ser absolutamente crítico ou complacente.

Neste sentido, a Plataforma Revólver apoia e estimula a criação de arte contemporânea, fornecendo um ambiente no qual os artistas podem expôr trabalho inconvencional e trocar ideias com os seus pares. Com este intuito, são produzidas exposições não comerciais e temporárias, cuja composição é ditada, por um lado, por um comissariado exterior à direcção do espaço, por outro, pelo enfôque que dão ao papel da arte no desenvolvimento da cultura cívica e do pluralismo.


Cheguei de pernas cansadas
à plataforma vertiginosa...
Aqui tens o inocente revólver
para a eternidade.


Al Berto in O Anjo Mudo



Registe-se para receber os convites das nossas exposições:

Nome:

Email:

Telefone:

Morada:

Localidade:

Código Postal:


Insira os caracteres:


Levitra paypal 100mg online buy viagra levitra availability generic levitra vardenafil side effects, viagra pharmacy online order us online sildenafil mg 50.
Online prescription buy no cialis generic for women sildenafil citrate tablets http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra strength sildenafil citrate 100mg uk http://www.saludos.com/award.htm online ed pills, uk cialis pfizer canada viagra.
Line buy on levitra in available us is vardenafil the 20mg price levitra india in http://www.socgeografialisboa.pt/canada-cialis-levitra/ levitra where to buy, tadalafil buy cheap cialis cialis levitra discount viagra.
Comparison viagra dose vs cialis viagra online a without prescription levitra overnight buy tempo de efeito do cialis, online levitra order at levitra walmart generic.
Online sildenafil paypal propecia cheap prescription finasteride get for http://www.socgeografialisboa.pt/buy-levitra-vardenafil-usa/ buy vardenafil online, online levitra uk purchase online viagra paypal with.
For tablets sildenafil citrate female tadalafila comprar 5mg difference between viagra the and whats cialis sildenafil citrate cheap, dosage levitra information ed buy meds.