Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Meus Pequenos Amores / My Little Loves


Sharon Lockhart
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Paisagens Ocultas - Apologia da Pintura Pura Óleos, 2014-2017


NIKIAS SKAPINAKIS
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

GÉNERO NA ARTE. CORPO, SEXUALIDADE, IDENTIDADE, RESISTÊNCIA


COLETIVA
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Num Jardim Feito de Tinta


Ana Hatherly e o Barroco
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Splitting, cutting, writing, drawing, eating…


Gordon Matta-Clark
Culturgest, Lisboa

Debaixo do Seu Nariz


JOÃO MARIA GUSMÃO + PEDRO PAIVA, ROSÂNGELA RENNÓ, JULIÃO SARMENTO
Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos, Lisboa

Chama Xamânica | João Simões


Otelo M.F. e João Simões
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

False Ground


Marianne Mueller
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

In and out of Africa


coleção Treger Saint Silvestre
Oliva Núcleo de Arte, S. João da Madeira

PROJETOS CONTEMPORÂNEOS


DANIEL STEEGMANN MANGRANÉ
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

ANA SANTOS

Matryoshka




GALERIA QUADRADO AZUL (PORTO)
Rua Miguel Bombarda, 435
4050-382 PORTO

17 JUN - 31 JUL 2017


Inauguração: 17 Junho, às 16h, na Galeria Quadrado Azul, no Porto

Ana Santos apresenta na exposição matryoshka algumas peças que surpreendem pelo tom, escala, liberdade e precisão no uso dos materiais organizados a partir de um eixo vertical.

A lógica de construção em cada uma delas ecoa a tradição do haiku Japonês, que traz as palavras à presença física de uma vibração. Ana Santos atende à razão dos materiais eles próprios e manipula-os até acertar. Nem mais, nem menos. O modo de juntar, sobrepor, cortar, torcer, transforma a colagem em subtracção. A operação é varrer enquanto cose-cozinha os pequenos acidentes. O varrimento vem depois de uma atenção demorada, fazendo o espaço em volta acontecer à justa.

Francisca Carvalho


Ana Santos nasceu em Espinho, em 1982. Vive e trabalha em Lisboa. Licenciou-se em Escultura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto (2005) e concluiu o mestrado em Cultura Contemporânea e Novas Tecnologias na Universidade Nova de Lisboa (2010). Foi a vencedora da 10ª edição do Prémio Novos Artistas Fundação EDP em 2013. Foi artista em residência no International Studio & Curatorial Program, em Nova Iorque (2010-2011), com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, e no programa O Sítio das Artes, da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa (2007); frequentou o curso de Artes Visuais do programa Criatividade e Criação Artística, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian (2006); e estudou na Staatliche Akademie der Bildenden Kunst, em Karlsruhe (2004).

Das exposições mais recentes, destacam-se as individuais Stanza, na galeria The Goma, em Madrid (2015); na galeria Quadrado Azul em Lisboa (2015); e Trabalho, no Chiado 8 – Arte contemporânea, Lisboa (2012); e as colectivas Conversas: Arte portuguesa recente na Coleção de Serralves no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto (2016); Au sud d´aujourd´hui, na Foundation Calouste Gulbenkian, em Paris (2015); The Lulennial: A Slight Gestuary, com curadoria de Fabiola Iza e Chris Sharp, em Lulu, na cidade do México (2015); Acervo. Artistas Portugueses en la Colección Novacerrada, no Centro de Arte Alcobendas, Madrid (2014); Aprender a Caer, em La Casa Encendida, Madrid (2014) e In Back of the Real, ISCP – International Studium and Curatorial Program, Nova Iorque (2011).