Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

LUUANDA


COLECTIVA
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Loaded Shine


Paulo Nozolino
Galeria Quadrado Azul (Porto), Porto

Desenhos


Jorge Pinheiro
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Tensão & Conflito. Arte em vídeo após 2008


COLECTIVA
MAAT, Lisboa

Às Vezes Sombra, Às Vezes Luz


Marie José Burki
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Jorge Pinheiro: D’après Fibonacci e as coisas lá fora


Jorge Pinheiro
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Quatro Elementos


Colectiva
Galeria Municipal do Porto, Porto

I speak to people on the telephone


RYAN GANDER / JONATHAN MONK
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

DECADANÇA


JOÃO LEONARDO
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Monoliths


Christine Henry
Atelier Christine Henry, Loulé

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

COLECTIVA

Tensão & Conflito. Arte em vídeo após 2008




MAAT
Av. de Brasília, Central Tejo
1300-598 LISBOA

12 SET - 19 MAR 2018


INAUGURAÇÃO: 12 Setembro, 19h


TENSÃO & CONFLITO. ARTE EM VÍDEO APÓS 2008

Com obras de: Patrícia Almeida, Halil Altindere, Marilá Dardot, Bofa da Cara, Burak Delier, Melanie Gilligan, Lola Gonzàlez, Hiwa K, Silvia Kolbowski, Nikolaj Bendix Skyum Larsen, Marc Larré, Jorge Macchi, Paulo Mendes, Mario Pfeifer, Francisco Queirós, Anatoly Shuravlev, Federico Solmi, Pilvi Takala, Maria Trabulo, Dragana Zarevac, Artur Zmijewski, Yorgos Zois.


A crise financeira de 2008 aconteceu há quase 10 anos, no entanto, é um tema que não deve ser esquecido e que continua na agenda mediática.

Foi a maior da história do capitalismo desde a grande depressão de 1929, tendo começado nos Estados Unidos após o colapso da bolha especulativa no mercado imobiliário, alimentada pela enorme expansão de crédito bancário e potencializada pelo uso de novos instrumentos financeiros. Tendo esta origem, a crise financeira espalhou-se pelo mundo todo em poucos meses, tornando-se numa crise financeira mundial. A causa desta crise foi a falência do banco de investimento Lehman Brothers, a 15 de setembro de 2008, após a recusa do Federal Reserve em ajudar a instituição. Essa atitude teve um impacto tremendo sobre o estado de confiança dos mercados financeiros, rompendo a convenção dominante de que a autoridade monetária norte-americana iria socorrer todas as instituições financeiras afetadas pelo estouro da bolha especulativa no mercado imobiliário.

A partir de 12 de setembro de 2017, o MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia apresenta uma exposição inovadora que concilia a arte à economia. 22 artistas contemporâneos, dos Estados Unidos e América Latina à Europa e ao Médio Oriente, filmaram visões pessoais sobre os efeitos da grande recessão, a agitação política a ela associada e os aspetos sociais menos óbvios que emergiram desses eventos que estarão agora em exposição na Galeria Principal e na Vídeo Room do MAAT, de 13 de setembro a 19 de março. A exposição será unicamente em vídeo, uma ferramenta fundamental para os artistas contemporâneos analisarem os impactos socioeconómicos dos acontecimentos do quotidiano. A exposição ‘Tensão & Conflito. Arte em vídeo após 2008’ foca-se precisamente numa excecional seleção de representações artísticas que, com rara eloquência, recorreram ao vídeo para registar os impactos e as consequências da crise financeira global de 2008.