Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Num Jardim Feito de Tinta


Ana Hatherly e o Barroco
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Splitting, cutting, writing, drawing, eating…


Gordon Matta-Clark
Culturgest, Lisboa

Debaixo do Seu Nariz


JOÃO MARIA GUSMÃO + PEDRO PAIVA, ROSÂNGELA RENNÓ, JULIÃO SARMENTO
Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos, Lisboa

Chama Xamânica | João Simões


Otelo M.F. e João Simões
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

False Ground


Marianne Mueller
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

In and out of Africa


coleção Treger Saint Silvestre
Oliva Núcleo de Arte, S. João da Madeira

PROJETOS CONTEMPORÂNEOS


DANIEL STEEGMANN MANGRANÉ
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Sottile sfumatura di rumore


João Ferro Martins
3 + 1 Arte Contemporânea, Lisboa

JARDIM ATLÂNTICO


Colectiva
Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, Coimbra

LUUANDA


COLECTIVA
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

ANA HATHERLY E O BARROCO

Num Jardim Feito de Tinta




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 LISBOA

12 OUT - 15 JAN 2018


Inauguração dia 12, às 18h30, no Museu Calouste Gulbenkian - Coleção do Fundador

Esta exposição-ensaio tem apenas um assunto: Ana Hatherly e o Barroco. No entanto, não nos centramos apenas na influência do Barroco nas obras da artista, mas em como a investigação e experimentação de Ana Hatherly revalorizou esse denegrido período histórico e modificou a nossa conceção do passado – afinal, a tradição é um território inexplorado de aventura e de contínuo espanto. Deste modo, juntando objetos, obras e documentos de períodos históricos distintos, que Ana Hatherly analisou ou indicou nos seus ensaios, organizamos um percurso expositivo a partir de categorias essenciais do Barroco: o Mundo como Labirinto; a importância do Lúdico; a Vida como Nada diante da Morte; a Alegoria e a folia da Interpretação; o Diálogo oblíquo entre pintura e poesia; e a Metalinguagem da obra de arte que se reflete a si mesma.

São muitas as portas de entrada neste edifício, pois também foram variadas as declinações da obra de Ana Hatherly: nos ensaios e investigação académica; na poesia e na prosa; nos desenhos, nas re-colagens, nas performances, nos filmes, nos programas televisivos… Um labirinto onde tudo gira à volta da escrita, como afirmou. Esse jardim feito de tinta, onde a artista reinventa o mundo caminhando por entre signos, é o lugar enigmático do jogo – e desta exposição como jogo.



Curadoria: Paulo Pires do Vale