Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Bárbara Balaclava


Thiago Martins de Melo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Escutar as águas. Obras da coleção Schneider em diálogo com artistas portugueses


Colectiva
Museu do Dinheiro, Lisboa

CORRECTED IMAGINARY


Christopher Dickson
O Palácio, Lisboa

IV Encontros Internacionais de Arte: rememorar o Verão de 1977 nas Caldas da Rainha


Colectiva
Escola Superior de Artes e Design Caldas da Rainha, Caldas da Rainha

Ama as tuas rosas / E...


Pedro Quintas / Alexandre Conefrey
Belo-Galsterer,

CLAREIRA


Manuel Rosa
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

Pensar no vazio


CARLOS MENSIL
Galeria Presença (Porto), Porto

Jorge Santos e Pedro Valdez Cardoso


S/ título (intimidade)
Galeria Diferença, Lisboa

Eco / Entre Linhas


Rui Horta Pereira / Colectiva
Fórum CUltural de Cerveira, Vila Nova de Cerveira

Chora


Alice Geirinhas
Rua das Gaivotas 6 , Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


TERESA HENRIQUES, CARLOS CARREIRO, FERNANDO JOSÉ PEREIRA, MATTIA DENISSE E PEDRO CABRAL SANTO

O Acontecimento Singular: Visões e Enigmas na Imaginação do Real




GALERIA PEDRO OLIVEIRA
Calçada de Monchique, 3
4050-393 PORTO

17 MAR - 05 MAI 2018


INAUGURAÇÃO: 17 de Março, 16h


O Acontecimento Singular _ Visões e Enigmas na Imaginação do Real
Teresa Henriques, Carlos Carreiro, Fernando José Pereira, Mattia Denisse e Pedro Cabral Santo

Curadoria de Eduardo Matos


"As exposições colectivas trazem consigo imensos desafios que esta nota não pretende de todo tratar, isto porque não é esse o assunto que me traz aqui mas sim o de partilhar algumas ideias sobre o processo em que estive envolvido na preparação desta exposição.

As minha escolhas para esta exposição são subjectivas e desde que organizo exposições que assim o é. Esta liberdade permite tecer relações improváveis e aguardar por surpresas. Não se trata de deixar tudo ao acaso, mas antes criar um contexto onde, e apesar dos constrangimentos, os artistas possam imaginar e projectar o seu trabalho.

Pensar obras e discursos artísticos distintos para um mesmo espaço exige a capacidade de imaginar um lugar de experiência comum, onde coisas menos óbvias, como relações entre tempo, espaço e ritmo, assumem particular relevância. Exige imaginar um lugar onde forma, matéria e discurso, constroem sentidos muitas vezes aleatórios, muitas vezes opacos e exige saber viver com isso.

Esta exposição encontrou-me num momento de fadiga relativamente a ideias de proximidade, diálogo e metáforas disto e daquilo, que como bem sabem, circulam e povoam não só o espaço artístico mas também o político mediático. Em parte, ambiciono um lugar menos óbvio, onde as rotinas do ver não se repitam, porque disso estamos todos fartos.

Imaginar isto é um processo algo secreto e difícil de partilhar. Não me façam perguntas pois não tenho resposta. Fazer exposições é construir um lugar novo, um lugar de dúvidas e de expectativas, um acontecimento singular.

No dia da inauguração gostaria de sussurrar ao ouvido de cada visitante um segredo que guardo mas, como devem imaginar, nesse dia passo a palavra aos artistas.

Sejam bem vindos."
Eduardo Matos