Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Bárbara Balaclava


Thiago Martins de Melo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Escutar as águas. Obras da coleção Schneider em diálogo com artistas portugueses


Colectiva
Museu do Dinheiro, Lisboa

CORRECTED IMAGINARY


Christopher Dickson
O Palácio, Lisboa

IV Encontros Internacionais de Arte: rememorar o Verão de 1977 nas Caldas da Rainha


Colectiva
Escola Superior de Artes e Design Caldas da Rainha, Caldas da Rainha

Ama as tuas rosas / E...


Pedro Quintas / Alexandre Conefrey
Belo-Galsterer,

CLAREIRA


Manuel Rosa
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

Pensar no vazio


CARLOS MENSIL
Galeria Presença (Porto), Porto

Jorge Santos e Pedro Valdez Cardoso


S/ título (intimidade)
Galeria Diferença, Lisboa

Eco / Entre Linhas


Rui Horta Pereira / Colectiva
Fórum CUltural de Cerveira, Vila Nova de Cerveira

Chora


Alice Geirinhas
Rua das Gaivotas 6 , Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


SARA BICHÃO

Encontra-me, mato-te




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 LISBOA

15 MAR - 04 JUN 2018


INAUGURAÇÃO: 15 de março, 18h30


Sara Bichão. Encontra-me, mato-te
Espaço Projeto - Coleção Moderna

Curadoria: Leonor Nazaré


A exposição nasce de uma experiência pessoal forte que levou a artista a questionar-se sobre si mesma: como identidade singular, com um corpo próprio, e como parte de um todo.

Sara Bichão relata a experiência de pânico que viveu num lago vulcânico, a meio da travessia da cratera, a nado e sozinha, quando se apercebeu estar no centro da mesma. Nesse momento sentiu-se desligada de si e as coordenadas que dão sentido ao corpo deixaram de fazer sentido – não havia indícios de terra em nenhuma direção e pensou então que corria o risco de se tornar uma partícula menor, sem importância nem memória, cuja história se revelaria impotente diante da força maior de dissolução da natureza. Do centro da cratera e portanto do centro da Terra, uma força invisível terá desencadeado, na artista, a emoção expressa pelo título.

Embora essencialmente escultórica, esta proposta está intimamente ligada ao desenho: através da compreensão do espaço que elabora e do modo manual de produção das obras.