Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Imagines Plumbi


PAULO LISBOA
Galeria Graça Brandão (Lisboa), Lisboa

ANA VIEIRA


ANA VIEIRA
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

A vocação dos ácaros


JOSÉ LOUREIRO
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

mille-fleurs


João Francisco
Galeria 111 (Lisboa), Lisboa

Paisagem para Desaparecidos


RUI CALÇADA BASTOS
Galeria Bruno Múrias, Lisboa

écran cego. e projecção de céu


Carlos Nogueira
Cinemateca, Lisboa

The Voices and the Echoes


Sofia Pidwell
Fundação Portuguesa das Comunicações,

Um Peixe Fora d’Água - Ciclo dos Artistas Finalistas do Mestrado Arte e Multimédia


COLECTIVA
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

BOPEEP


Pedro Calapez
Sismógrafo, Porto

Amadora BD


COLECTIVA
Centro Comercial Colombo, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


MIKI LEAL

Na linha de fundo




3 + 1 ARTE CONTEMPORÂNEA
Largo Hintze Ribeiro 2E-F
1250 – 122 LISBOA, PORTUGAL

16 MAR - 05 MAI 2018


INAUGURAÇÃO: 16 de Março, 19h


Na linha de fundo
de Miki Leal

A 3+1 Arte Contemporânea tem o prazer de apresentar a primeira exposição individual em Portugal do artista Miki Leal (Sevilla, 1974), intitulada "Na linha de fundo". O artista traz-nos um conjunto de pinturas e instalações de cerâmica através das suas investigações do desporto de ténis, um passatempo ao qual demonstra estreita afinidade. As obras compõem-se no espaço como um campo de ténis, delineado pela rede e pelas pinturas em papel de grande formato que parecem reforçar os contornos da galeria. O próprio título, Na linha de fundo, refere-se a esta ideia de demarcação, que pode ser também entendida como uma reflexão sobre os limites da pintura em si, sobre o símbolo pictórico e a forma como ele é reproduzido e interpretado.