Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

AS RAÍZES TAMBÉM SE CRIAM NO BETÃO


Kader Attia
Culturgest, Lisboa

Constelação | Da dobra e do corte


Cutileiro | José Guimarães
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

QUERELA


Liz Craft
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Oh Fuck Yeah


Colin Ginks
A Montanha, Lisboa

Vaivém


Bruno Pacheco
Galeria Quadrum, Lisboa

Pairar adentro


Inês Teles
Acervo - Arte Contemporânea, Lisboa

Marcas - Obras do Acervo Histórico Videobrasil


COLECTIVA
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Uma Loja, Cinco Casas e Uma Escola


Colectiva
Casa Bernardo, Caldas da Rainha

Uma Pequena História da Linha. Seleção de Desenhos da Coleção do Ar.Co


Colectiva
Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada

Vistas Inéditas de Portugal


Carlos Relvas (1838 - 1894)
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JOÃO PENALVA

Um crime que urge reparar




CULTURGEST (PORTO)
Edifício Caixa Geral de Depósitos Avenida dos Aliados, 104
4000-065 PORTO

06 JUL - 23 SET 2018


Inauguração: 6 de julho, às 22h, na Culturgest, no Porto

Em 1993, João Penalva realizou a sua primeira instalação, Alfândega, na Alfândega do Porto – então em processo de desativação. Um marco na história da arte contemporânea portuguesa, conseguia uma simbiose em relação ao local que quase a camuflava no espaço, entretanto já obsoleto e deslocado no tempo.

Na sequência dessa intervenção, foi lançado o repto a Penalva para intervir no espaço da Culturgest Porto, onde a memória do seu passado como instituição bancária e a historicidade da sua arquitetura fortemente decorada estão patentes.

Desenhado por Porfírio Pardal Monteiro e construído nos anos 20, o edifício sofreu várias remodelações ao longo dos anos. A mais violenta aconteceu nos anos 50 e apagou todos os vestígios dos frisos escultóricos que adornavam as paredes da sala principal. Trinta anos depois, um professor da faculdade de Letras da Universidade do Porto, tendo-se deparado com o abandono a que os frisos estavam sujeitos, escreveu uma carta ao banco com o título Um crime que urge reparar.

Esta exposição parte desse âmbito histórico – do edifício e das vicissitudes da instituição - para produzir uma intervenção específica na qual a memória, a sua representação, a obsolescência e a ideia de reparação se cruzam.

Curadoria: Delfim Sardo