Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Once in a lifetime [repeat]


João Onofre
Culturgest, Lisboa

João Drei


Gijs Milius e Sophie Nys
In Spite Of, Porto

Fermata


João Ferro Martins
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

FUNÂMBULO


DANIEL FERNANDES
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Moi je suis la langue et vous êtes les dents


Yto Barrada
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Murro no Estômago


Colectiva
Galeria Boavista, Lisboa

Anima Mea


Alexandre Conefrey
Galeria Ala da Frente, Vila Nova de Famalicão

WAIT


Colectiva
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero


Colectiva
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Vicente. O Mito em Lisboa


Colectiva
Museu da Cidade - Pavilhão Preto, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JOÃO PENALVA

Um crime que urge reparar




CULTURGEST (PORTO)
Edifício Caixa Geral de Depósitos Avenida dos Aliados, 104
4000-065 PORTO

06 JUL - 23 SET 2018


Inauguração: 6 de julho, às 22h, na Culturgest, no Porto

Em 1993, João Penalva realizou a sua primeira instalação, Alfândega, na Alfândega do Porto – então em processo de desativação. Um marco na história da arte contemporânea portuguesa, conseguia uma simbiose em relação ao local que quase a camuflava no espaço, entretanto já obsoleto e deslocado no tempo.

Na sequência dessa intervenção, foi lançado o repto a Penalva para intervir no espaço da Culturgest Porto, onde a memória do seu passado como instituição bancária e a historicidade da sua arquitetura fortemente decorada estão patentes.

Desenhado por Porfírio Pardal Monteiro e construído nos anos 20, o edifício sofreu várias remodelações ao longo dos anos. A mais violenta aconteceu nos anos 50 e apagou todos os vestígios dos frisos escultóricos que adornavam as paredes da sala principal. Trinta anos depois, um professor da faculdade de Letras da Universidade do Porto, tendo-se deparado com o abandono a que os frisos estavam sujeitos, escreveu uma carta ao banco com o título Um crime que urge reparar.

Esta exposição parte desse âmbito histórico – do edifício e das vicissitudes da instituição - para produzir uma intervenção específica na qual a memória, a sua representação, a obsolescência e a ideia de reparação se cruzam.

Curadoria: Delfim Sardo