Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Prémio Navigator Arte em Papel


COLECTIVA
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Narrativas Fotográficas no Intendente


COLECTIVA
Casa Independente, Lisboa

Inflammatio


António Barros
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

289


Colectiva
Associação 289, Faro

Building Stories


Ricardo Bak Gordon / MAIO / de vilder vink taillieu
Garagem Sul, León

A Mão na Coisa, A Coisa na Boca, A Boca na Coisa, A Coisa na Mão


João Pedro Vale + Nuno Alexandre Ferreira
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Dark Forces 2004 / V 2018


Nuno Cera
Museu Nacional Grão Vasco, Viseu

Um crime que urge reparar


João Penalva
Culturgest (Porto), Porto

Contra a Abstracção – Obras da Coleção da Caixa Geral de Depósitos


Colectiva
Culturgest, Lisboa

A Light Home


Bárbara Bulhão e Elena Koycheva
OTOCO, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JOÃO PENALVA

Um crime que urge reparar




CULTURGEST (PORTO)
Edifício Caixa Geral de Depósitos Avenida dos Aliados, 104
4000-065 PORTO

06 JUL - 23 SET 2018


Inauguração: 6 de julho, às 22h, na Culturgest, no Porto

Em 1993, João Penalva realizou a sua primeira instalação, Alfândega, na Alfândega do Porto – então em processo de desativação. Um marco na história da arte contemporânea portuguesa, conseguia uma simbiose em relação ao local que quase a camuflava no espaço, entretanto já obsoleto e deslocado no tempo.

Na sequência dessa intervenção, foi lançado o repto a Penalva para intervir no espaço da Culturgest Porto, onde a memória do seu passado como instituição bancária e a historicidade da sua arquitetura fortemente decorada estão patentes.

Desenhado por Porfírio Pardal Monteiro e construído nos anos 20, o edifício sofreu várias remodelações ao longo dos anos. A mais violenta aconteceu nos anos 50 e apagou todos os vestígios dos frisos escultóricos que adornavam as paredes da sala principal. Trinta anos depois, um professor da faculdade de Letras da Universidade do Porto, tendo-se deparado com o abandono a que os frisos estavam sujeitos, escreveu uma carta ao banco com o título Um crime que urge reparar.

Esta exposição parte desse âmbito histórico – do edifício e das vicissitudes da instituição - para produzir uma intervenção específica na qual a memória, a sua representação, a obsolescência e a ideia de reparação se cruzam.

Curadoria: Delfim Sardo