Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Once in a lifetime [repeat]


João Onofre
Culturgest, Lisboa

João Drei


Gijs Milius e Sophie Nys
In Spite Of, Porto

Fermata


João Ferro Martins
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

FUNÂMBULO


DANIEL FERNANDES
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Moi je suis la langue et vous êtes les dents


Yto Barrada
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Murro no Estômago


Colectiva
Galeria Boavista, Lisboa

Anima Mea


Alexandre Conefrey
Galeria Ala da Frente, Vila Nova de Famalicão

WAIT


Colectiva
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero


Colectiva
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Vicente. O Mito em Lisboa


Colectiva
Museu da Cidade - Pavilhão Preto, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


NUNO CERA

Dark Forces 2004 / V 2018




MUSEU NACIONAL GRÃO VASCO
Adro da Sé
3500-195

06 JUL - 15 AGO 2018


Inauguração: 6 de Julho, às 21 no Museu Nacional Grão Vasco

A exposição Dark Forces de Nuno Cera consiste em fotografias, imagens tiradas de filmagens e um filme Super-8 captados em áreas florestais perto de Viseu, depois da imensa destruição causada pelos fogos no Verão de 2003.

Os piores fogos florestais de sempre puseram Portugal em estado de emergência e foram seguidos de perto pelos media de todo o mundo. Contudo, torna-se muito difícil compreender as profundas consequências deste desastre vendo-o apenas na televisão. Ainda que estejamos na nossa sala de estar, longe da ocorrência in situ, é como testemunhas e espectadores que lidamos com a situação. Há quem chame a isto falta de realidade, partindo do princípio que pensamos que o mundo é representado pelo nosso televisor ou computador. Baudrillard, filósofo francês, defende que vivemos na era da hiper-realidade, onde tudo simula ser real [1]. Segundo este filósofo, a sociedade actual tenta recuperar a realidade, mas a realidade escapa-se, deixando para trás apenas uma concha vazia, o simulacro.

Podemos entender Dark Forces como uma reacção ao simulacro porque Nuno Cera investiga o que está para além da realidade apresentada pelos media. Através de intensos estudos dos lugares perto de Viseu, o artista investiga de perto esses lugares para, com a lente da sua máquina fotográfica, descobrir a profunda narração de detalhes e indícios. O que Nuno Cera encontra é o desastre depois de uma catástrofe natural, e o que vemos são árvores despidas em paisagens desoladas marcadas pelo fogo e onde a destruição e a solidão são universais. Pelo menos à primeira vista! Este poderia ser um cenário de uma paisagem pós-nuclear, a simulação de uma visão muitas vezes prevista pelos media mas, apesar do estilo documental de Cera, não somos confrontados com aquilo que esperamos. Em vez de vermos tão somente o desastre total, tal como seria a versão do simulacro, vemos um baldio multifacetado e inesperado repleto de opções.

Cera dá-nos a entender a beleza do cenário da terra queimada: vemos como os raios de luz tocam o chão da floresta, vemos o ar enublado da manhã, os fenos a rebentarem do chão e a teia da aranha com gotas de orvalho – todos eles sinais indicadores de vida. A estética de Cera dá vida a imagens poéticas, quase como cenário de duendes e, se não tivermos as Dark Forces como pré-condição, estas imagens podiam levar-nos a pensar nestes baldios como um país encantado. Não nos podemos esquecer de que na origem de Dark Forces esteve a tragédia, uma causa que chama a atenção para o paradigma clássico da destruição e da criação como figura central da série.

Existe sempre um sentido de interacção entre as obras de Nuno Cera de cada vez que se fala das obras per se e da obra como um todo. As fotografias e o filme Super-8 formam normalmente um conjunto nas composições de Cera, ainda que totalmente distintas em termos de expressão visual e técnica e nunca recorrendo aos mesmos motivos. Esta íntima relação sublinha exactamente a distinção dentro dos media que também se pode observar em obras anteriores do artista como DK, Being Anywhere, Pure Light.

A procura e desorientação estão presentes em Dark Forces, filmado em Super-8 com a câmara na mão, onde o espectador sente cada pegada do artista, uma técnica que enfatiza a autencidade e a sensação de se estar ao lado do cameraman, andando à procura de algo, algo que possa ser realidade. Este método de filmagem foi primeiramente usado em filmes e vídeos vanguardistas por artistas como Jonas Mekas e Nam June Paik nos anos 60. Ao fazer ressurgir essa técnica, Nuno Cera deixa-nos imagens emocionantes que parecem estranhamente intemporais porque partilham uma forma que se identifica com o passado e com a visão dos nossos dias.

Com Dark Forces dá-se continuidade ao exame que Nuno Cera faz da realidade e que resulta em imagens etéreas, tão cruéis e, no entanto, tão belas como só a natureza o pode ser.