Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Flutuações


Virgílio Ferreira
Mupi Gallery, Porto

O Pirgo de Chaves


Francisco Tropa
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Ângela Ferreira


Dalaba: Sol d’Exil
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Once in a lifetime [repeat]


João Onofre
Culturgest, Lisboa

Fermata


João Ferro Martins
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Play Is A Serious Matter


Eduarda Rosa, Pollyanna Freire e Rita Thomaz
Fundação Portuguesa das Comunicações,

João Drei


Gijs Milius e Sophie Nys
In Spite Of, Porto

FUNÂMBULO


DANIEL FERNANDES
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Moi je suis la langue et vous êtes les dents


Yto Barrada
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Murro no Estômago


Colectiva
Galeria Boavista, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


RICARDO BAK GORDON / MAIO / DE VILDER VINK TAILLIEU

Building Stories




GARAGEM SUL
Centro Cultural de Belém Praça do Império
1449-003 LISBOA

10 JUL - 06 OUT 2018


Inauguração: 10 de Julho, às 19h, na Garagem Sul

Curadoria
Rodrigo da Costa Lima e Amélia Brandão Costa

Histórias Construídas debruça-se sobre aquilo que, na arquitectura, não é óbvio à primeira vista: é uma exposição sobre como a arquitetura é produzida e construída. Apesar de o processo de construção ser apenas um dos aspetos do edifício, é utilizado como leitmotif desta exposição, permitindo entender a arquitetura na sua complexa globalidade. Histórias Construídas oscila entre a escala territorial e a dimensão individual, acompanhando o imaginário do arquiteto. Projetos realizados, pontos de viragem ou simples anotações e desejos dos ateliers de arquitetura de vylder vinck taillieu, MAIO e Ricardo Bak Gordon são apresentados como expressões vivas de um universo mais amplo.

Deste modo, a exposição estabelece um diálogo entre arquitetos que – apesar de cada um ter as suas próprias ideias, métodos e expressão formal – partilham a arquitetura como território comum, onde tecem as suas abordagens singulares.