Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Convidados de Verão: Joalharia Contemporânea em Portugal


Coletiva
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

10 / 40


Coletiva
,

Marginália P.21


Cristina Lamas
Travessa da Ermida, Lisboa

Union Jacking. Voice of the Voice£ess


YONAMINE
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Fuga


Christine Henry
Associação 289, Faro

Bela e Má


Ana Vidigal
Museu Leopoldo de Almeida, Caldas da Rainha

RED AS SCARLET WHITE AS SNOW


MANUEL CALDEIRA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

estoutro


Coletiva
Espaço Cultural das Mercês, Lisboa

Brincar diante de Deus. Arte e liturgia: Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro


Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Waiting room


Coletiva
Galeria Cisterna, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


HENRIQUE NEVES

Traças e Traços




FOCO
Rua da Alegria, 34 R/C
1250-007

09 NOV - 09 NOV 2018


Inauguração: 9 de Novembro de 2018, às 19:00, na Galeria FOCO

Traças e Traços foi concebida a partir de diversos artefactos e investiga memórias, arquivos, relações de poder, espaço, modelos de costura e narrativas pessoais. Há dois anos recebi as cópias em ozalide das plantas arquitetónicas da minha escola primária, que pertenceram ao meu avô, um dos responsáveis pela sua construção. Mais recentemente, encontrei os modelos em papel de punhos e golas de camisas, usados pela sua mãe que trabalhava como costureira.

As plantas e os modelos em papel tornaram-se motivos para explorar ideologias e relações de poder e género, presentes em arquitetura e costura. Tais dinâmicas estão presentes na minha família: tradicionalmente, os homens trabalham em construção e arquitetura, enquanto as mulheres são costureiras ou decoradoras. Recentemente tal foi subvertido pelo trabalho em arquitetura da minha irmã e pelo uso de têxteis no meu trabalho.

Os rastros e traços presentes nos artefactos transformam-nos em objetos brincalhões que atuam como explorações materiais de estórias familiares e pessoais, da minha relação com o passado, dos objetos em si e dos seus fantasmas que, como traças, os vão comendo e criando espaço para o aparecimento de algo novo,

As peças apresentadas são objetos metálicos que citam as plantas arquitetónicas e os modelos curvilíneos de colarinhos e roupa, um brise-soleil esqueletal, um brise-soleil textual sobre o meu despertar amoroso durante a primária, e um biombo que cita decoração e arquitetura. Como habitualmente no meu trabalho, os materiais são comuns e acessíveis - madeira, papel, cobre, latão. Nelas ecoam os objetos e as práticas originais, enquanto, simultaneamente, interrogam resiliência e tempo, na sua fragilidade, incerteza e imperfeição.