Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Once in a lifetime [repeat]


João Onofre
Culturgest, Lisboa

João Drei


Gijs Milius e Sophie Nys
In Spite Of, Porto

Fermata


João Ferro Martins
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

FUNÂMBULO


DANIEL FERNANDES
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Moi je suis la langue et vous êtes les dents


Yto Barrada
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Murro no Estômago


Colectiva
Galeria Boavista, Lisboa

Anima Mea


Alexandre Conefrey
Galeria Ala da Frente, Vila Nova de Famalicão

WAIT


Colectiva
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero


Colectiva
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Vicente. O Mito em Lisboa


Colectiva
Museu da Cidade - Pavilhão Preto, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ISABEL CARVALHO / CLARA BATALHA

Os ovários das papoilas




SISMÓGRAFO
Praça dos Poveiros 56, 1º andar, sala 1
4000 PORTO

10 NOV - 01 DEZ 2018


Inauguração: sábado 10 Novembro, 17h



OS OVÁRIOS DAS PAPOILAS
de Isabel Carvalho / Clara Batalha

uma proposta de Maria João Macedo


(...) As papoilas são flores silvestres muito sensíveis. Os seus tules vermelhos, que costumavam cobrir os campos, estão a desaparecer. Em França, um movimento ecológico (Nous voulons des coquelicots) alerta para este perigo. A representação da forma da papoila, com ênfase no seu centro, é utilizada, no material gráfico de promoção de acções de sensibilização para a eminente catástrofe ambiental, como um símbolo agregador de uma comunidade atenta e vigilante. Os agricultores, responsáveis pelo seu desaparecimento, negam o que é um facto observável e desvinculam-se da relação entre os tóxicos pulverizados nos campos e os órgãos reprodutores doentes, que levam à esterilização das papoilas. (...)

Em 2011, Clara Batalha participou com um cartaz numa exposição intitulada Flor Infinita (Navio Vazio), dando-lhe o mesmo nome. No desenho figura uma correspondência morfológica entre uma flor (genérica) e o corpo humano ou, descrito de outro modo, faz coincidir plenamente um corpo sobre outro corpo, o humano sobre o vegetal. Neste processo, a artista, que joga com semelhanças e correspondências, salienta a importância das que visam a integração do humano na natureza, num processo de harmoniosa interdependência. E é por isso mesmo que toma como inquietante o desaparecimento das papoilas (que sabe finitas) dos campos.

Na praça dos Poveiros, onde se situa o Sismógrafo, um graffiti branco de pequenas dimensões, feito com stencil, que quase desaparece quando a praça está cheia, destacam-se do suporte duas espirais unidas – que significado nos ocorre, na nossa intercepção diária, face a uma imagem tão arcaica? Vemos – possivelmente – uma imagem de uma unidade ancestral, repetida, inscrita no anonimato, sem por isso se equacionar até que ponto estamos implicados. A linguagem é sempre a marca de um corpo e esta, sem margem para dúvida, provoca-nos. (...)

Clara Batalha resulta de um trabalho de nomeação de uma identidade autoral fictícia, determinada pela idade, género e geografia, com autonomia temática e estilística. É um nome composto por duas palavras complementares (um adjectivo e um substantivo), que em si constituem um sentido conotativo de um estado presencial de elevada e tumultuosa vitalidade. A auto-referencialidade do trabalho de Clara Batalha é, por sua vez, o trabalho de deslocamento e edificação de uma vertente do trabalho de Isabel Carvalho. No limite, o centro do exposto é a confirmação da acção de nomear uma formação identitária.

IC/CB

- - - - - -

CLARA BATALHA (Porto, 1929)
Em 1952, licenciou-se em Arte e Geometria pela Universidade de Paris-Sorbonne. No mesmo ano, frequentou o curso livre de Artes Decorativas na mesma instituição. Entre 1953 e 1965, foi educadora particular em Paris. De 1969 a 1983, estabeleceu-se na região do Douro onde exerceu funções de bibliotecária da Fundação Calouste Gulbenkian. Em 1977, iniciou actividade editorial no boletim desta mesma Fundação. Desde 2010, em co-autoria com Isabel Carvalho, desenvolveu diversos projectos artísticos. Nos últimos dois anos tem-se dedicado ao activismo ambiental.


ISABEL CARVALHO (Porto, 1977)
É artista plástica, editora e investigadora. Nos últimos anos, o seu trabalho artístico tem-se desenvolvido em torno das artes visuais, da escrita e da edição, caracterizando-se por uma forte componente de investigação – cruzando abordagens científicas e especulativas como metodologia. Participou em projetos expositivos e editoriais de referência internacional. A par do trabalho artístico dedica-se ao ensino de disciplinas de Desenho e Ilustração.