Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Las Golondrinas


Maya Saravia
Balcony, Lisboa

Public


Gerry Bibby
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

No dia seguinte está o agora


Colectiva
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Físicas do Património Português. Arquitetura e Memória


COLECTIVA
Museu de Arte Popular, Lisboa

HSD (HIC SVNT DRACONES)


Ana Morgadinho
A Montanha, Lisboa

Desenho Interrompido


Ricardo Jacinto
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

The Man with the Golden Arm


João Fonte Santa
Caroline Pagès Gallery, Lisboa

JAIME ou o desenho que nos dá o mundo


Colectiva
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Raiz


Helena Gonçalves
Atelier de Lisboa - Escola de Fotografia e Centro de Artes Visuais, Lisboa

LITANIA


ANTÓNIO SENA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ISABEL CARVALHO / CLARA BATALHA

Os ovários das papoilas




SISMÓGRAFO
Praça dos Poveiros 56, 1º andar, sala 1
4000 PORTO

10 NOV - 01 DEZ 2018


Inauguração: sábado 10 Novembro, 17h



OS OVÁRIOS DAS PAPOILAS
de Isabel Carvalho / Clara Batalha

uma proposta de Maria João Macedo


(...) As papoilas são flores silvestres muito sensíveis. Os seus tules vermelhos, que costumavam cobrir os campos, estão a desaparecer. Em França, um movimento ecológico (Nous voulons des coquelicots) alerta para este perigo. A representação da forma da papoila, com ênfase no seu centro, é utilizada, no material gráfico de promoção de acções de sensibilização para a eminente catástrofe ambiental, como um símbolo agregador de uma comunidade atenta e vigilante. Os agricultores, responsáveis pelo seu desaparecimento, negam o que é um facto observável e desvinculam-se da relação entre os tóxicos pulverizados nos campos e os órgãos reprodutores doentes, que levam à esterilização das papoilas. (...)

Em 2011, Clara Batalha participou com um cartaz numa exposição intitulada Flor Infinita (Navio Vazio), dando-lhe o mesmo nome. No desenho figura uma correspondência morfológica entre uma flor (genérica) e o corpo humano ou, descrito de outro modo, faz coincidir plenamente um corpo sobre outro corpo, o humano sobre o vegetal. Neste processo, a artista, que joga com semelhanças e correspondências, salienta a importância das que visam a integração do humano na natureza, num processo de harmoniosa interdependência. E é por isso mesmo que toma como inquietante o desaparecimento das papoilas (que sabe finitas) dos campos.

Na praça dos Poveiros, onde se situa o Sismógrafo, um graffiti branco de pequenas dimensões, feito com stencil, que quase desaparece quando a praça está cheia, destacam-se do suporte duas espirais unidas – que significado nos ocorre, na nossa intercepção diária, face a uma imagem tão arcaica? Vemos – possivelmente – uma imagem de uma unidade ancestral, repetida, inscrita no anonimato, sem por isso se equacionar até que ponto estamos implicados. A linguagem é sempre a marca de um corpo e esta, sem margem para dúvida, provoca-nos. (...)

Clara Batalha resulta de um trabalho de nomeação de uma identidade autoral fictícia, determinada pela idade, género e geografia, com autonomia temática e estilística. É um nome composto por duas palavras complementares (um adjectivo e um substantivo), que em si constituem um sentido conotativo de um estado presencial de elevada e tumultuosa vitalidade. A auto-referencialidade do trabalho de Clara Batalha é, por sua vez, o trabalho de deslocamento e edificação de uma vertente do trabalho de Isabel Carvalho. No limite, o centro do exposto é a confirmação da acção de nomear uma formação identitária.

IC/CB

- - - - - -

CLARA BATALHA (Porto, 1929)
Em 1952, licenciou-se em Arte e Geometria pela Universidade de Paris-Sorbonne. No mesmo ano, frequentou o curso livre de Artes Decorativas na mesma instituição. Entre 1953 e 1965, foi educadora particular em Paris. De 1969 a 1983, estabeleceu-se na região do Douro onde exerceu funções de bibliotecária da Fundação Calouste Gulbenkian. Em 1977, iniciou actividade editorial no boletim desta mesma Fundação. Desde 2010, em co-autoria com Isabel Carvalho, desenvolveu diversos projectos artísticos. Nos últimos dois anos tem-se dedicado ao activismo ambiental.


ISABEL CARVALHO (Porto, 1977)
É artista plástica, editora e investigadora. Nos últimos anos, o seu trabalho artístico tem-se desenvolvido em torno das artes visuais, da escrita e da edição, caracterizando-se por uma forte componente de investigação – cruzando abordagens científicas e especulativas como metodologia. Participou em projetos expositivos e editoriais de referência internacional. A par do trabalho artístico dedica-se ao ensino de disciplinas de Desenho e Ilustração.