Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

CICLO DE CINEMA INDEPENDENTE NO ALGARVE



Vários locais, Algarve,

Concerto de Abertura 40º Festival CITEMOR


IVO DIMCHEV
TAGV, Coimbra

Convidado de Verão


Joaquim Sapinho
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Sud-Express: Olhares Internacionais sobre Arquitetura Portuguesa


Laurent Beaudouin e Francis Rambert
Casa da Arquitetura, Matosinhos

Pedro Calapez, Fernando Rosa Dias e Raquel Henriques da Silva



Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Conversa com


Ann Hamilton
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

The zero alternative: Ernesto de Sousa and some other aesthetic operators in Portuguese art and poetry from the 1960s onwards


Lançamento da edição de 2018 da revista OEI # 80–81
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Dissociation


Pierre Barbrel
Livraria Sá da Costa, Lisboa

Cinema e Revolução


Luís Miguel Oliveira e Carlos Natálio
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Escutar as Águas


Francisco Tropa, José Tolentino Mendonça e Paulo Pires do Vale
Museu do Dinheiro, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


VERA MANTERO

As Práticas Propiciatórias dos Acontecimentos Futuros




CULTURGEST
Edifício Sede da Caixa Geral de Depósitos, Rua Arco do Cego
1000-300 LISBOA

29 MAI - 31 MAI 2018


Espetáculo integrado no Alkantara Festival: nos dias 29, 30 às 21h e 31 às 19h, na Culturgest

Ernesto de Sousa (1921-88), um artista multidisciplinar, curador, realizador e crítico de arte, próximo do movimento Fluxus, recebeu uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian para fazer um levantamento fotográfico à escala nacional da escultura portuguesa de expressão popular, entre 1966 e 1968. Fotografou trabalhos e entrevistou artistas de norte a sul do país, demonstrando um interesse semelhante ao que outros pensadores e artistas da sua geração desenvolveram por "uma outra História da Arte" ou até "anti-arte".

Paula Pinto, historiadora de arte e pesquisadora deste arquivo, propôs a Vera Mantero desenvolver uma apresentação performativa em torno deste material. Mantero viajou para alguns dos destinos visitados por Ernesto de Sousa, estudando as questões levantadas por este arquivo e iniciando em torno deste uma "pesquisa através do corpo e da ação".

As Práticas Propiciatórias dos Acontecimentos Futuros é o que Ernesto de Sousa dizia procurar na arte popular. Uma arte na qual ele reconhecia a existência de autores e não apenas formas tradicionais transmitidas, uma arte de soluções formais em vez de simples repetição de padrões.

Como habitualmente no seu trabalho, Mantero explora imagens, objectos e textos, além de materiais puramente coreográficos. Aqui, olha não só para os estudos de Ernesto de Sousa em torno da arte popular como também para o impressionante trabalho intermedia de Sousa, cartografando as ligações possíveis (e impossíveis) entre arte popular e erudita, arcaica e contemporânea.