Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

"A Minha Obra e Eu"


Albuquerque Mendes
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Conversa MART


Gonçalo Pena
Córtex Frontal - Residência de Arte e Investigação, Arraiolos

As coisas fundadas no silêncio


CINEMA
PLATAFORMAS ONLINE,

MÁSCARA DE AÇO CONTRA ABISMO AZUL


Paulo Rocha
Cinemateca, Lisboa

BoCA Online


Programa de Criação Artística e Circulação de Pensamento
PLATAFORMAS ONLINE,

de submisso a político - o lugar do corpo negro na cultura visual


Melissa Rodrigues
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Gestos & Fragmentos: Ensaio sobre os militares e o poder


Alberto Seixas Santos
Cinemateca, Lisboa

As escolhas dos críticos


Marcel Duchamp por Delfim Sardo
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Fronteiras


Achille Mbembe
Culturgest, Lisboa

Apresentação de publicações


Fernanda Fragateiro
STET - LIvros & Fotografias, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


CICLO ARTE E ESPIRITUALIDADE EM SERRALVES

Manuel Sobrinho Simões e Gonçalo M. Tavares




MUSEU DE SERRALVES - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 PORTO

16 JUL - 16 JUL 2019


Conferência: dia 16 de julho, às 21h30, no Museu de Serralves

Esta conferência insere-se no Ciclo Arte e Espiritualidade, comissariado por Pedro Abrunhosa e Paulo Mendes Pinto, pretendendo explorar a forma como a Arte dialoga com a Ciência, a Filosofia, a Religião, o Pensamento.

“Na Arte, como na Ciência, não existe um lado certo e um errado. Ambas são processos que decorrem tanto da história quanto do arrojo, do intuito, da vitalidade, do confronto com o desconhecido. Contra o saber científico de então, e apesar da ausência de instrumentos que o pudessem sustentar, Galileu percebeu que a física dos astros era igual à da Terra. Colocando em risco tanto a reputação quanto a vida, usou erros metodológicos, seus e alheios, para mudar mil e quinhentos anos de certezas geocêntricas. Hoje, a obsessão pelo sucesso, pela formatação do ensino vergado à ascensão social, castiga o erro como se este não nascesse da mão dos deuses que habitam a criatividade. O Homem erra porque tenta. E tentará sempre enquanto houver matéria que o provoque e espírito que se incendeie, pronto para a rebelião.”
Pedro Abrunhosa