Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Visita Privada Ateliês e Artistas


Lançamento do livro
MAAT, Lisboa

Conversa


António Júlio Duarte
Instituto Português de Fotografia, Porto

Rétrospective


Jérôme Bel
Culturgest, Lisboa

Festival Internacional de Artes Digitais e Novos Media


festival Reboot
Palácio Baldaya, Lisboa

Like Someone in Love


Abbas Kiarostami
Casa do Professor, Braga

Filme


IRACEMA - Uma Transa Amazônica
Appleton Square , Lisboa

CICLO MEMÓRIAS COLONIAIS


ARTES NA EUROPA NO TEMPO DA PÓS-MEMÓRIA
Culturgest, Lisboa

Finissage das exposições de verão


do Museu Calouste Gulbenkian
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Lançamento do livro


Dar a Ver o Que nos Cega – Escritos sobre Cinema
Livraria Linha de Sombra, Lisboa

Arquivos cinematográficos - filmes e debates interrogam heranças coloniais e o seu futuro


Ciclo
Culturgest, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


CICLO ARTE E ESPIRITUALIDADE EM SERRALVES

Manuel Sobrinho Simões e Gonçalo M. Tavares




MUSEU DE SERRALVES - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 PORTO

16 JUL - 16 JUL 2019


Conferência: dia 16 de julho, às 21h30, no Museu de Serralves

Esta conferência insere-se no Ciclo Arte e Espiritualidade, comissariado por Pedro Abrunhosa e Paulo Mendes Pinto, pretendendo explorar a forma como a Arte dialoga com a Ciência, a Filosofia, a Religião, o Pensamento.

“Na Arte, como na Ciência, não existe um lado certo e um errado. Ambas são processos que decorrem tanto da história quanto do arrojo, do intuito, da vitalidade, do confronto com o desconhecido. Contra o saber científico de então, e apesar da ausência de instrumentos que o pudessem sustentar, Galileu percebeu que a física dos astros era igual à da Terra. Colocando em risco tanto a reputação quanto a vida, usou erros metodológicos, seus e alheios, para mudar mil e quinhentos anos de certezas geocêntricas. Hoje, a obsessão pelo sucesso, pela formatação do ensino vergado à ascensão social, castiga o erro como se este não nascesse da mão dos deuses que habitam a criatividade. O Homem erra porque tenta. E tentará sempre enquanto houver matéria que o provoque e espírito que se incendeie, pronto para a rebelião.”
Pedro Abrunhosa