Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Ciclo "Novas Perspetivas"


CARRILHO DA GRAÇA, JULIÃO SARMENTO E JOAQUIM SAPINHO
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Marcel Duchamp: Iconoclaste et Inoxydable


Fabrice Maze
Vários locais/Porto, Porto

Hubert Fichte


Hubert Fichte
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

TERRITÓRIOS TEMPORÁRIOS


Ciclo de Música em Rede
TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA, Lisboa

Lisboa Soa - Encontro de Arte Sonora, Urbanismo e Cultura Auditiva


Encontro
Estufa Fria, Lisboa

A REVOLUÇÃO RUSSA - 100 ANOS DEPOIS


Ciclo multidisciplinar
Centro Cultural de Belém, Lisboa

Topografias imaginárias - Lisboa, cidade do Sul


Cinema
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

Ciclo O Cinema e a Cidade


sessões do 1º dia
Cinemateca, Lisboa

Cinema Militante e imagens da Guerra da Independência da Argélia


OLIVIER HADOUCHI
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

CICLO DE CINEMA


ILA BÊKA E LOUISE LEMOINE
Centro Cultural de Belém, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

WOLFGANG ERNST

GOOD-BYE, ARCHIVE - towards a media theory of dynamic storage




MUSEU COLEÇÃO BERARDO
Praça do Império
1499-003 LISBOA

17 MAI - 17 MAI 2017


GOOD-BYE, ARCHIVE - towards a media theory of dynamic storage
Orador: Wolfgang Ernst

17/05/2017
18:00

Conferência proferida em inglês

O "arquivo" como um agenciamento da memória e sua interseção com artes visuais, com a fotografia, com o cinema, o som, a literatura e filosofia, tornou-se académico e estéticamente exaurido nos últimos anos. O sempre presente "arquivo" tornou-se um termo metafórico para todos os tipos de memória, enquanto que nos escritos teóricos o arquivo foucauldeano é frequentemente confundido com os arquivos institucionais do Estado. A "febre de arquivo" (Derrida) no campo dos estudos culturais tornou-se inflacionária, e muitos dos projetos artísticos que são chamados de "arquivo" são coleções idiossincráticas. O termo anarquivo (anarchive) tem sido libertador, mas obscurecedor também.
Vamos no entanto fazer um uso instrutivo deste fenómeno. O "archival turn" é o sintoma de uma reação nostálgica (mesmo melancólica) na cultura da memória quando confrontado com o desafio da cultura mediática contemporânea: o armazenamento tecnológico (tanto os "grandes dados" como o micro-armazenamento efémero), diferente da "biblioteca“, do "museu" e da "memória" individual ou coletiva. Para enfrentar este desafio de forma bastante agressiva, são necessárias as mais avançadas abordagens algorítmicas, tal como realizadas pelo colectivo de arte CONSTANT em Bruxelas com o seu projecto Arquivo Activo. Dentro do contexto computacional das Humanidades Digitais, critérios emprestados da teoria da engenharia e da comunicação como entropia informacional fazem mais sentido que a memória familiar das arquiteturas da classificação.
Tendo tido formação como historiador (PhD) e classicista (Latim e Arqueologia Clássica) com um gosto particular pelas temporalidades culturais, Wolfgang Ernst cresceu no meio emergente orientado para a formação tecnológica da Escola Alemã de Estudos dos Media na Universidade em Berlim desde 2003. O seu foco académico tem sido na área da teoria arquival e museologia, antes de se focar nas materialidades dos Media. O seu trabalho de pesquisa acutal cobre os temas O método da teoria arquival, a teoria técnica de armazenamento, tecnologias de transmissão cultural, estética média micro-temporal e as suas potencialidades cronopoéticas, e a análise do som (“sonicity”) de um ponto de vista media-epistemológico.

Organização: Escola de Comunicação, Artes e Tecnologias de Informação da Universidade Lusófona.
Auditório, piso -1. Entrada livre.