Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

IMAGES DU MONDE VISIONNAIRE / UN HOMME QUI DORT


Henri Michaux, Eric Duvivier e Georges Perec e Bernard Queysanne
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

O Perene e o Belo: Ecos da Antiguidade Clássica



Centro Cultural de Belém, Lisboa

Encontro "Contrainterpretação"


Catarina Martins
Culturgest, Lisboa

Distância Crítica - 3.º Ciclo (2017 – 2019)


Tham & Videgård
Centro Cultural de Belém, Lisboa

METABOLIC RIFTS II


Maria Iñigo Clavo, Boaventura Sousa Santos, Vivian Ziherl e Fabrizio Terranova
Rivoli Teatro Municipal, Porto

A representação de Macau colonial no cinema de Hollywood


Rui Lopes
Museu do Oriente, Lisboa

OLD SCHOOL #50


Teatro Praga ​
Rua das Gaivotas 6 , Lisboa

Dripping


Marta Sampaio Soares
A Montanha, Lisboa

CICLO “ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO”


ARTES PERFORMATIVAS . CINEMA . PENSAMENTO
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Rock´s heart and potato´s spirit


VALERIO NICOLAI
Las Palmas , Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

CICLO DE MÚSICA EM REDE

TERRITÓRIOS TEMPORÁRIOS




TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA
Campo de Santa Clara, 142-145
1100-474 LISBOA

13 SET - 16 SET 2017


CICLO DE MÚSICA EM REDE: 13 e 16 de Setembro (2 últimas sessões)



Ciclo de Música em Rede - TERRITÓRIOS TEMPORÁRIOS

TERRITÓRIOS TEMPORÁRIOS, espaço de intervenção sonora e aural num contexto específico de cidade, terá lugar no Palácio Sinel de Cordes, no Campo de Santa Clara, nº145 (à Feira da Ladra) dias 9, 13 e 16 de Setembro. O ciclo é de entrada gratuira e poderá ser seguido em directo em stress.fm.


Programa:

9 de Setembro
GUSTAVO COSTA, Control and Unpredictability nº6

13 de Setembro
DIOGO ALVIM, 1/500

16 de Setembro
RICARDO JACINTO, Medusa



Em Setembro, a sede da Trienal transforma-se no cenário para os territórios temporários criados por três dos mais interessantes artistas sonoros nacionais.

O ciclo de música conta com Gustavo Costa, Diogo Alvim e Ricardo Jacinto, que mostram o resultado da resposta ao desafio de testar e explorar um sistema de prática de música em rede. As três intervenções artísticas cruzam as relações entre som, espaço e tempo, no contexto actual da era da informação e da era digital das redes.

Depois das cidades de Montemor-o-Novo e Porto, é agora altura de Lisboa receber o programa de criação e exploração da ideia de “territórios temporários” que pretende abrir a discussão e desafiar a experimentação de um software de música em rede, assim como, reforçar e aprofundar uma investigação alargada em torno das possibilidades que interfaces de suporte digital trazem para os campos da difusão sonora e da escuta enquanto acto performativo.



Sábado, 9 de Setembro / 17h-21h
GUSTAVO COSTA, Control and Unpredictability nº6
[percussão e electrónica]
Control and Unpredictability nº6 é um conjunto de acções onde é feita uma adaptação dos recursos instrumentais disponíveis segundo as características acústicas do Palácio Sinel de Cordes. Existem elementos fixos que são trabalhados individual ou coletivamente, servindo de base estrutural para moldar a forma e identidade da peça. Estes elementos são intercalados com apontamentos indeterminísticos que surgem de uma forma natural no decorrer do processo criativo e do acto performativo.


Quarta, 13 de Setembro, quarta / 17h-21h
DIOGO ALVIM, 1/500
[electrónica]
1/500 é uma performance que estabelece uma relação com a cidade de Lisboa sustentada numa redução de escala. Assente numa rede que liga vários pontos da cidade através do som - Xabregas, Av. 5 de Outubro e Rua de São Paulo - a peça propõe uma situação de escuta em que a espacialização sonora remete para o contexto geográfico alargado da cidade. Os sons destes lugares distantes entre si, interferem numa concentração sonora e espacial, um território temporário à escala 1/500.


Sábado, 16 de Setembro / 17h-21h
RICARDO JACINTO, Medusa
[violoncelo, electrónica e objectos]
Medusa é um dispositivo nómada de carácter instrumental, projectado para incorporar um concerto de violoncelo solo que activa uma instalação sonora. Incorporando características sónicas e arquitectónicas específicas do local onde é apresentado, aborda questões de especificidade local tanto na configuração de instalação quanto no desempenho musical. Este sistema eletroacústico visa uma "transfiguração sónica" do corpo do violoncelo quando em contacto com o local que alberga a sua performance.