Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

The New Art Fest´17


Finissage
Museu Nacional de História Natural, Lisboa

Curar e Reparar o Contruído


ciclo de conferências de arquitetura
Convento São Francisco, Coimbra

A Aura da Imagem


Nélio Conceição e Vítor do Reis
FBAUP - Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto

Tempo sem Espaço, Espaço sem Tempo


Rui Chafes
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Estação Vernadsky


Finissage/Conversa
Travessa da Ermida, Lisboa

BAIRRO EUROPA


VISITAS-DEBATE À OBRA DE SIZA VIEIRA
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Podem os agentes artificiais criar arte?


Mark Coeckelbergh
TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA, Lisboa

JOÃO PAULO FELICIANO


Xabregas City
Ar.Co Lisboa, Lisboa

Outubro: a Revolução nas Artes Visuais


Visita orientada por Sofia Nunes
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Um Céu de Folhas


Visita Guiada com os Artistas
Parque Dom Carlos I, Caldas da Rainha

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

Percursos de Desobediência




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 LISBOA

16 OUT - 17 OUT 2017


Desde Seg, 16 outubro 2017 até Ter, 17 outubro 2017 | 9:00 até 20:00 | Fundação Calouste Gulbenkian

Homenagens a Lídia Jorge, Maria Teresa Horta e Graça Morais, uma conferência da libanesa Joumana Haddad, autora do livro Eu Matei Xerazade: Confissões de Uma Mulher Árabe em Fúria, e a antestreia em Portugal do novo filme da realizadora britânica Sally Potter, A Festa, destacam-se no encontro Mulheres nas Artes: Percursos de Desobediência que, nos dias 16 e 17 de outubro, vai debater na Fundação Calouste Gulbenkian a afirmação das mulheres na literatura, na música, no cinema, nas artes visuais e nas artes de palco.
No dia 16, às 9h15, a sessão de abertura contará com a presença de Catarina Marcelino, Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade.

“Qualquer forma de criação nasce da desobediência, isto é, da capacidade de questionar o que existe”, dizem Inês Pedrosa e Patrícia Reis, comissárias de Mulheres nas Artes: Percursos de Desobediência. No texto de apresentação deste encontro, relembram também que “a metade feminina da humanidade esteve aparentemente confinada ao silêncio e à obediência até há pouco mais de cem anos”, evocando Clarice Lispector e Virginia Woolf como símbolos de uma contracultura de resistência. Assim é dado o mote para várias questões que se querem discutidas ao longo dos dias 16 e 17 de outubro, num encontro que junta cerca de duas dezenas de artistas e que se desdobra em palestras, debates, e “conversas de vida”, entre outros eventos.
Com uma voz lúcida e desassombrada, a escritora e jornalista libanesa Joumana Haddad (Beirute, 1970), que lançou, em 2009, a revista em árabe Jasad sobre o corpo, é a conferencista convidada deste encontro. Haddad tem-se dedicado a destruir os tabus e equívocos sobre criatividade, arte e relação entre homens e mulheres, tanto no Oriente como no Ocidente. Estará em Lisboa para o lançamento da tradução portuguesa do seu livro Eu Matei Xerazade: Confissões de Uma Mulher Árabe em Fúria (editora Sibila), que será apresentada pelo poeta e ensaísta Nuno Júdice. Na palestra que Joumana Haddad dará a 16 de outubro, falará sobre o que significa ser hoje uma mulher árabe. Para a autora libanesa, não faz sentido que a antiquíssima figura literária de Xerazade, uma sedutora que tem a vida suspensa da sua habilidade de manter um homem interessado nela, continue a representar a realidade e a atitude das mulheres árabes.


Conversas de vida
Três figuras marcantes da cultura portuguesa serão homenageadas no segmento “Conversas de Vida”: Lídia Jorge, Maria Teresa Horta e Graça Morais; esta última teve recentemente os seus trabalhos de pintura e desenho expostos na Fundação Gulbenkian em Paris. As obras de Clarice Lispector e de Fiama Hasse Pais Brandão também serão evocadas neste encontro, pelas vozes da poeta Filipa Leal e da atriz e encenadora Natália Luiza. Nas mesas de debate, o painel sobre literatura conta com a participação da escritora cubana Karla Suarez, de Maria Manuel Viana e de Tatiana Salem-Levy. Para falar sobre cinema são convidadas Leonor Teles, Patrícia Vasconcelos e Rita Blanco. Ana Pérez-Quiroga, Ana Vidigal e Sofia Areal integram o painel sobre artes visuais, e Ana Sofia Martins, Olga Roriz e São José Lapa sobre artes do palco. Ainda sobre música falarão Anne Victorino d’Almeida, Aldina Duarte e Mafalda Veiga. As conferências de abertura e encerramento do encontro caberão, respetivamente, a Guilherme d’Oliveira Martins e a Rui Zink.
O encontro Mulheres nas Artes: Percursos de Desobediência será marcado também pela antestreia de A Festa (16 outubro, 21h30, Grande Auditório Gulbenkian), o novo filme de Sally Potter, realizadora do premiado Orlando (1992), entre outros filmes memoráveis. Com um elenco de luxo, que inclui Patricia Clarkson, Bruno Ganz, Timothy Spall, Cillian Murphy e Kristin Scott Thomas, o filme acompanha uma celebração entre amigos – a anfitriã acaba de ser nomeada para um novo cargo político –, mas a festa acaba em tragédia, depois de algumas revelações dramáticas. Estreado no Festival de Berlim, o filme é descrito por Sally Potter como uma “comédia política” e poderá ser visto em Portugal, em primeira mão, na Fundação Gulbenkian. A entrada é gratuita, sujeita a levantamento de bilhete e à lotação do espaço.