VPF Cream art




Abrigo-me #9, 2007, spray e vieux chaine sobre papel, 90 x 90 cm


Abrigo-me #8, spray e vieux chaine sobre papel, 2008


Abrigo-me #3, 2007, spray e vieux chaine sobre papel, 70 x 90 cm


Abrigo-me #17, 2007, acrílico sobre papel, 90 x 90 cm


Abrigo-me #16, 2007, acrílico sobre papel, 90 x90 cm


S/Título, 2010, técnica mista sobre madeira, 153x125 cm


S/Título, 2010, técnica mista sobre madeira, 125x153 cm

Exposições anteriores:

2014-09-03


::: NEW PLACES, OLD BONES ::: SÃO TRINDADE




2014-05-06


João Fonte Santa - O Colapso da Civilização




2014-02-25


:::.PASCAL FERREIRA (sala 1) :::.JOÃO JACINTO (sala 2)




2013-11-05


Coletiva ::: New Wave




2013-09-10


André Banha ::: (re)visito(me)




2013-05-30


Luís Alegre ::: [NO AUDIO]




2013-03-08


Fabrizio Matos ::: Vita Brevis




2012-09-28


Joana Rosa ::: ROGER UTTAMA




2012-06-06


Rodrigo Bettencourt da Câmara ::: A Última Parede




2012-04-13


José Maçãs de Carvalho ::: Arquivo e Alteridade




2011-09-29


EXPOSIÇÃO COLECTIVA




2011-06-30


Gustavo Sumpta ::: Um Sopro da Valeta




2011-05-12


João Fonte Santa ::: O Crepúsculo dos Deuses




2011-03-24


INEZ TEIXEIRA ::: TIME IS ON MY SIDE




2011-02-04


Pascal Ferreira ::: Atalho




2010-11-26


André Banha ::: Desenho, Escultura




2010-09-30


São Trindade ::: the tailor




share |

André Banha ::: Desenho, Escultura




 

André Banha (Santarém, 1980). Vive e trabalha em Coruche.
Licenciado em Artes Plásticas, pela Escola Superior de Arte e Design (ESAD), Caldas da Rainha.
Participou nas seguintes exposições colectivas (selecção): ESAD CALDAS 2005 IPL, Caldas da Rainha, 2005; Jovens Artistas, Estado das Artes, Torres Vedras, 2005; LuzBoa, II Bienal Internacional da Luz, Lisboa, 2006; Anteciparte, 3ª. Edição, Lisboa, 2006 — participação em que obteve uma menção honrosa —; Coimbra-Aix-en-Provence, Convento de S. Francisco, Coimbra, 2007.
Das suas exposições individuais destacam-se: Segurei-te o pôr-do-sol, VPF cream art gallery, 2008; André Banha, Desenho e Escultura, Academia de Artes dos Açores, 2008; A casa das duas portas, Biblioteca da FCT/UNL, Campus de Caparica, 2010; 
 

 

 

«Artisan d’abord (1)» ?

Os desenhos de André Banha são, inquestionavelmente, presenças: inteiros, autónomos. E assim os devemos olhar. Contudo, tratando-se de desenhos de um escultor, é pertinente perguntar: será possível pensá-los sem os remeter para o trabalho de escultura, à volta do qual eles se constroem? Certamente que sim, mas nessa opção perderíamos, possivelmente, uma parte do seu sentido, uma vez que, entre ambas as produções artísticas, se estabelecem intrincadas relações de complementaridade. Não porque os desenhos cumpram uma função explanatória dos objectos – como o faz o desenho do arquitecto (2),  – ou porque se apresentem como imagens que substituem os objectos já realizados. Eles relacionam-se, efectivamente, com as esculturas – mas obliquamente. 
As esculturas a que aludem os desenhos testemunham integralmente os processos que as configuram. Nestas, a maior parte das escolhas sobre o devir do objecto ocorrem no processo da construção, no confronto sensível com o espaço e nas suas inúmeras decisões (3).  Mais do que casas, elas são o lugar exposto, visível, provisório a partir do qual o mundo se torna acessível. O aroma áspero da madeira que exala das texturas remete a experiência destes espaços para a terra e para as raízes da árvore mesma de onde surgiram. Não são tanto casas mas abrigos (4),  torres de vigia, estrategicamente posicionadas para aflorar a superfície habitada do mundo – como aponta a dimensão topográfica dos últimos desenhos. O corpo é tão só o fantasma que materializa e possibilita essa experiência. Por isso são tão relevantes os momentos a partir dos quais, do seu interior, se afloram os espaços visíveis onde o mundo acontece (5).  Também os materiais do desenho mantêm (tal como as esculturas, onde a materialidade da madeira é sustentada na textura não aparelhada) uma relação com a primeira transformação da matéria: o negro orgânico da tinta da china, os ocres terrosos, o viochene (extracto natural de casca de noz tradicionalmente produzido para dar consistência cromática a madeiras claras). Revelam estratos, são construídos por camadas, controladamente. Assim transparece a razão construtiva na produção dos desenhos: definir e delimitar áreas de preenchimento, cobri-las, deixar ver, mais ou menos, o que está por debaixo. Como no corte de uma árvore ou nos sedimentos do solo. Os desenhos revelam essa natureza (particularmente evidente nas últimas séries de desenhos) onde a terra manifesta a sua presença preponderante. Os desenhos estão simultaneamente antes e depois da experiência do objecto: não são as imagens dos objectos que representam; são, absolutamente, outros objectos. Contrastam com as esculturas mas, ao mesmo tempo, prolongam-nas, pois o rigor, a atenção e a intransigência são idênticos. Ambos são exactamente aquilo que podem ser, ali e naquele contexto: instâncias provisórias produzidas para veicular uma ideia de experiência artística. Movem-se num espaço intencionalmente estreito e rarefeito: na escala como nos materiais, na concepção como na produção. 
O universo do trabalho de André Banha é uma equação controlada. Há uma cautela extrema, uma contenção nos procedimentos e nos meios. Tal como as esculturas, os desenhos remetem, tecnicamente, para um lugar rudimentar (que, do ponto de vista do fazer artístico, resulta numa disciplina de complexificação do fazer artístico, numa ‘falsa pobreza’). Uma dimensão artesanal – longe do fascínio da tecnologia ou mesmo da sedução do fine craft – envolve a soma das pequenas decisões que, ao longo do fazer da peça, orientam a direcção do caminho. 
Se os espaços construídos são orientados e concebidos para entrar, percorrer, subir, aflorar, espreitar, já os desenhos tentam outra dimensão: a percepção do acontecimento a partir do exterior. As esculturas iniciais de André Banha revelavam experiências espaciais estruturalmente cenográficas, quase integralmente concebidas a partir do interior – as esculturas apenas pontualmente afloravam o espaço da instalação. O tempo dos desenhos vem coincidir com uma objectificação da exterioridade das peças. O que os desenhos não dizem só pode ocorrer através da experiência da escultura. Por isso não podemos atribuir à planificação dos desenhos uma função de representação. A simplicidade diagramática e neutralizada destes desenhos traduz um nivelamento expressivo dos materiais: as superfícies lisas, a geometria bem regulada dos volumes significa, mais do que aquilo que aquele objecto será ou do que o objecto já é, aquilo que o objecto nunca poderá ser. São espaços desabitados, esparsos, porque só assim parece ser salvaguardada a margem da experiência artística das esculturas. Não há, nos desenhos, qualquer inscrição do gesto da manufactura e das suas hesitações. Trata-se de uma outra manifestação do fantasma. Por isso os desenhos não podem demonstrar senão uma presença simultaneamente diagramática e lacónica. 
Alain dizia que “(...) o movimento natural de um homem que quer imaginar uma cabana é construi-la; e não tem outro modo de a fazer aparecer (6).”    Os desenhos não desmentem esta convicção de André Banha.

Philip Cabau, Novembro  de 2010

  

[1] “Bref, la loi supreme de la invention humaine est que l’on n’invente qu’en travaillant. Artisan d’abord.” Alain, De la Matière, Système des Beaux-Arts, 1920-1931 (N.R.F), Gallimard-Pleiade, Paris 2002.
[2] Apesar das aparências, não poderia ser mais equívoca a inscrição destes desenhos numa genealogia das representações da arquitectura, particularmente associando-as às imagens da arquitectura modernista do princípio do século XX – como foram fixadas por Gropius, na Bauhaus, ou reveladas no trabalho sistemático de Alberto Sartoris.
[3] Contudo, o corpo não é aqui, como em Giuseppe Penone, concebido como o agente das inscrições sobre os materiais da natureza que a experiência artística testemunha e regista numa recomposição dos símbolos dessa inscrição – o trabalho de André Banha é, aliás, bem consciente do lugar da sua possível inscrição na topologia da arte contemporânea.
[4] Não são espaços produzidos para nos esquecermos do corpo no conforto das superfícies, para sentar, deitar, encostar. Nestes abrigos (como o autor os denomina) caminhamos controladamente, suspensos entre a experiência de uma lentidão e o atrito sensível dos passos (a que o chão, nos corredores, rampas ou escadas, responde), o odor da seiva, as presenças da luz exterior que atravessa as madeiras e reflecte a consistência instável e rude da matéria... Percorrer estes espaços implica permanecer sempre dentro dos limites da atenção.
[5] A este propósito poderíamos invocar, a título exemplar, algumas surpreendentes analogias na história da literatura (a cela de Fabrício em A Cartuxa de Parma, de Stendhal) ou do cinema (o botequim de Yojimbo, de A. Kurosawa).
[6] Alain, ibidem.
 
 
Para mais informações:  www.vpfcreamart.com 
 
 
 

 




Para outras informações e para receber os convites das exposições, por favor registe-se:

Nome:

Email:



Insira os caracteres:




« voltar à Artecapital.netmotion.