Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.


Elisa Pone, Falso sol, falsos olhos. Galeria Quadrum, © Guillaume Vieira.

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

THE POWER OF MY HANDS. AFRIQUE(S) : ARTISTES FEMMES


Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

A LINHA ESTÁ OCUPADA


CITA - Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos, Arraiolos
NUNO LOURENÇO

SUZANA QUEIROGA

O MUNDO SEGUE INDIFERENTE A NÓS


Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ANA PÉREZ-QUIROGA

¿DE QUÉ CASA ERES?


Mupi Gallery, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

AI WEIWEI

RAPTURE


Cordoaria Nacional, Lisboa
CONSTANÇA BABO

VERONIKA SPIERENBURG E NUNO BARROSO

CEMITÉRIO DAS ÂNCORAS


Galeria Boavista, Lisboa
CAIO GABRIEL

BRUNO ZHU

UH-OH


Sismógrafo, Porto
CATARINA REAL

JORGE JACOMÉ & MARCO DA SILVA FERREIRA

SIRI


Teatro Municipal do Porto, Porto
RODRIGO FONSECA

COLECTIVA

MAIS NADA SE MOVE EM CIMA DO PAPEL


Centro de Artes de Águeda (CAA), Águeda
MAFALDA TEIXEIRA

VIVIAN MAIER

STREET PHOTOGRAPHER


Centro Cultural de Cascais, Cascais
MARC LENOT

ARQUIVO:


ELISA PÔNE

FALSO SOL, FALSOS OLHOS | 'COMO UMA LUVA'




GALERIAS MUNICIPAIS - GALERIA QUADRUM
Palácio dos Coruchéus, Rua Alberto Oliveira nº 52
1700-019 Lisboa

21 NOV - 31 JAN 2021


Curadoria: Estelle Nabeyrat 

 

 

 

[Todos os itálicos se referem a citações da conversa entre Catarina Real e Elisa Pône, enquadradas ao longo do texto que se segue.]

 

 

Elisa Pône apresentou, de 21 de Novembro de 2020 a 31 de Janeiro de 2021, a exposição “Falso Sol, Falsos Olhos” na Galeria Quadrum em Lisboa. Apesar do encerramento progressivo das galerias e espaços expositivos devido ao estado de emergência, a exposição de Elisa continuou, sozinha mas não abandonada, com espectadores mais participantes do que a norma das exposições. O espaço da galeria Quadrum, a sua história e a sua fisicalidade, são o mote projectual de Elisa. Esta dimensão é extrapolada também para o espaço digital, trazendo uma outra camada de leitura do espaço e da presença. Apesar de o contexto pandémico não o evidenciar, e esta ser agora uma estratégia contemplada na adaptação do universo artístico que vivia da presença, a mostra do vídeo num espaço desfasado da exposição in loco não é resultado de uma adaptação, mas de uma vontade.

Comecei a trabalhar neste projecto de exposição há mais de dois anos... o sítio estava já carregado por aquele potencial de ter coisas dentro e fora do espaço... A direcção do projecto coincidiu com uma certa “compatibilidade pandémica”.

Conversei com a Elisa sobre esta peça, a única que tive oportunidade de visitar, e que suscitou uma possibilidade particular de leitura da exposição e dos seus propósitos.
Elisa, artista francesa sediada há sete anos em Lisboa, escolheu para o título desta peça vídeo de 2020 (que pode ser consultada no site da artista) uma expressão utilizada em ambas as línguas: Como uma Luva. Utilizou-a porque o fumo entra e ocupa o espaço, faz uma moldagem imaterial do sítio. Esta peça é de pendor escultórico.

 

Como uma luva, video still. Vídeo 4:3, preto e branco, 10’27’’, 2020.
Com Mário Afonso. Vídeo Droid-Id. Produção Galerias Municipais Lisboa

 

Apesar do francês e do português terem uma grande semelhança estrutural, os jogos de linguagem exigem-nos uma certa subtileza que Elisa sente que vai conseguindo acompanhar embora às vezes tenha de verificar. É também na subtileza de um certo jogo paradoxal que a minha leitura sobre esta peça se deu, o que se confirmou com toda a direcção e programa artístico de Elisa que, como diz, gosta dos objectos ambíguos e com duas potencialidades de leitura. Este vídeo centra-se no sistema de segurança que Elisa primeiro julgou ser apenas um sistema de som.

Trabalho com frequência com objectos que têm uma certa ambiguidade, que trazem problemas com eles... como a pirotecnia. O objeto pirotécnico tem ambas as leituras; é um símbolo de celebração, mas também belicoso. Pode passar facilmente de um registo para outro.
A galeria Quadrum não pode ser abordada com indiferença pelo espaço. É um espaço muito invulgar para cumprir propósitos expositivos — quase não tem paredes, é tudo envidraçado. Foi concebido para ser o snack bar dos artistas dos ateliês do complexo dos Coruchéus, mas nunca chegou a sê-lo. Foi a Dulce d’Agro que alugou logo o espaço para torná-lo numa galeria de arte em 1973. A galeria sempre teve um lado muito experimental, o que marcou a sua história. Vejo aqui uma adequação muito relevante entre a visão da galerista, dos artistas e um espaço expositivo muito desafiante.
Achava fascinante a fricção que o espaço trazia em si. Outra coisa que me interessava era o facto de trabalhar dentro de um sítio onde o olhar se distrai. É convidado a entrar e focar-se nas obras e, simultaneamente, é estimulado a sair do espaço pelas janelas.
A primeira vez que visitei o espaço havia, instalados nos pilares da galeria, uns objectos que para mim eram, sem dúvida, colunas de som dos anos 70. Tive logo vontade de desenvolver uma peça sonora e de utilizá-las. O Tobi Maier, director das Galerias Municipais, mandou fazer uma revisão do equipamento e os técnicos acabaram por descobrir que eram detectores de presença. Faziam parte dum sistema de segurança de marca norte americana dos anos 70 que a Dulce D'Agro tinha instalado. Na altura era muito invulgar encontrá-lo.
O vídeo, disponibilizado online, desenvolveu-se a partir desta experiência e desta história. De um modo mais geral, a exposição trabalha conceptualmente e fisicamente as entradas e saídas do espaço. Temos este vídeo, filmado na galeria, e focado nas questões da segurança. Resolvi utilizar um sistema de segurança um pouco particular, que produz fumo. Cria um fumo tão denso e opaco que as pessoas — por norma ladrões — ficam desorientadas, perdem a noção do espaço e dos objetos à sua volta. Ao mesmo tempo, há um nível de leitura que evidencia um sentido de tranquilização – ainda que por absurdo - por se ver literalmente desaparecer o corpo dum malandro. Há ali uma dupla lógica.
É um sistema totalmente ligado ao sentido da visão, um sistema escópico.

 

Como uma luva, video still. Vídeo 4:3, preto e branco, 10’27’’, 2020.
Com Mário Afonso. Vídeo Droid-Id. Produção Galerias Municipais Lisboa

 

E porquê a opção do espaço virtual para o mostrar?

Queria que as pessoas que não conhecem o sítio pudessem refletir sobre o vídeo sem perceber que era um espaço de exposição. Filmámos de maneira específica: câmara no ombro, muito móvel e perto do actor, o que dá poucas perspectivas alargadas do espaço. A rodagem aconteceu entre duas exposições, com o espaço vazio. São momentos de ultra-potencialidade. Considerei-o quase como um espaço mental. Nesta óptica, fazia todo o sentido a difusão online.
Tenho interesse nos efeitos de duplicação e repetição, mas aqui era claro para mim que a difusão do vídeo no espaço onde foi filmado seria estéril. Queria exportá-lo para um sítio com novas potencialidades.


O fumo tem uma dimensão de protesto, mas também de magia... Associado sempre a uma certa desaparição. A dimensão política do fumo aplica-se às duas leituras?

Acho que as raízes do meu trabalho se encontram precisamente aqui: na colisão das potencialidades de leitura. Que também se revela aqui na escolha do actor... Neste caso, eu própria tinha um preconceito sobre quem deveria ser o “especialista em segurança”. Procurava uma pessoa mais provocante. A final, achei mais interessante escolher alguém como o Mário Afonso. É coreógrafo e bailarino. Ele tem uma certa delicadeza fora do padrão esperado, o que cria confusão neste contexto e abre espaço para dúvidas e gera complexidade.

Eu fiquei presa no limbo entre uma espécie de incitamento e dissuasão de um roubo e também na compreensão do valor da presença pela ausência. E, na mesma linha, a forma como o texto foi preparado e a sua articulação com o actor; há um espaço de silêncios em que se compreende a não verdade, mas ainda podemos hesitar ... Quando ele começa a falar, mas deixa em suspenso a frase, como se [nós que o ouvimos] já soubéssemos, como se só pudéssemos saber.
Fica mais ambíguo e questionador dessa não comunicação. O texto não é só um exercício de linguagem. É também uma defesa de posições ligada à afecção.
Interessam-te as várias dimensões dos limbos?

Sim. Uma das minhas primeiras exposições tinha o título “Fecha os olhos, salva a tua pele” [1]. É uma coisa recorrente, a de trabalhar as contradições. Mesmo as de linguagem.
O título desta exposição ”Falso Sol, Falsos Olhos” resulta duma ligeira alteração de um verso de Georges Bataille em “La haine de la poésie” no capítulo “L’Orestie”. Queria apontar a impossibilidade do olhar neutro. Ou seja o facto de que, quando olhamos para uma coisa, vemos essa coisa através da “luz” que a mostra e, simultaneamente, com a nossa “luz” própria. Uma luz pode acentuar, perturbar ou apagar a outra. Quem vê, quem mostra, em quais circunstâncias?

 

Como uma luva, video still. Vídeo 4:3, preto e branco, 10’27’’, 2020.
Com Mário Afonso. Vídeo Droid-Id. Produção Galerias Municipais Lisboa

 


Há uma insistência no mesmo jogo de tensões?

E também há a relação com o robô da exposição [referindo-se a Memory Flood, 2020], que literalmente produz uma luz, mas que tem uma vida própria. “Vida própria” face à interpretação de uma série de factores, mas que não são legíveis para nós. O robô é programado para se movimentar em função de dados ambientais (temperatura, humidade e luminosidade); cada variação dos dados inicia uma mudança no comportamento do robô. É um objecto industrial que, supomos, terá por função a de iluminar determinados objectos. Neste caso não cumpre essa função, não está a iluminar nada, está a compor o seu próprio caminho.

Essa peça, juntamente com Composição de Teresa Quirino (1920-2013) e a iluminação que lhe atribuíste, dá-nos uma exposição não acessível e ainda acessível [considerando o confinamento, mas mesmo antes dele, a autonomia perante os horários da galeria Quadrum], parece uma continuidade do desdobramento de pensar o espaço.

Exactamente. Queria que pudesse estender-se, e duma certa maneira, entrar nas rotinas da vizinhança ou no caminho dum público indirecto. Daí o funcionamento das luzes e do robô fora dos horários de funcionamento da galeria ou o comprimento da escultura de pladur que atravessa totalmente a galeria até sobressair do edifício pelas janelas. Articula a ligação entre os dois jardins e a galeria, cria uma interface. Fiquei contente por ver que foi aproveitada pelas pessoas que lá iam passear. Serviu como banco, mesa, elemento de jogo...
No caso do robô de luz e da escultura da Teresa Quirino - que eu deslizei de fora para dentro da galeria para que fosse restaurada, integrando duas iluminações, que assinalam a posição anterior e a actual - as luzes ligam e desligam de maneira autónoma antes e após a abertura ao público, todos os dias.
Assim, a exposição continuou, até no período de confinamento total, ligada e a funcionar autonomamente.

 

 

:::

 

Elisa Pône (n.1979), estudou história da arte (Universidade de Paris-Nanterre) e artes visuais (École Nationale Supérieure d'Arts de Paris-Cergy, Master 2005; e Maumaus Lisboa, Independent Study Programme 2015). Vive e trabalha em Lisboa. A sua prática implementa um trabalho proteiforme. Interessa-se pelas ambiguidades e paradoxos dos nossos comportamentos, pelos efeitos da velocidade e dos objetos equívocos. É representada pela galeria Michel Rein em Paris e Bruxelas.

 

:::

 

Notas

[1] ”Fermer les yeux, Sauver sa peau” titúlo do meu primeiro solo na galeria Michel Rein Paris, em 2008. O título vem da novela de Thibault Lang-Willar, Chlore, 2003.



CATARINA REAL