Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


PALMARÉS DO QUEER LISBOA 24

2020-09-26




Teve lugar esta noite, às 21h00, a Sessão de Encerramento do Festival de Cinema Queer Lisboa 24, na Sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge, onde foram anunciados os prémios da Competição de Longas-Metragens, Competição de Documentários, Competição de Curtas-Metragens, Competição In My Shorts - que distingue o Melhor Filme de Escola Europeia - e Competição Queer Art.

O Júri da Competição de Longas-Metragens, composto por André Tecedeiro e Joana Ascenção, atribuiu o Prémio para a Melhor Longa-Metragem desta edição a Lingua Franca (EUA, Filipinas, 2019) , de Isabel Sandoval, um prémio no valor de 1000€ oferecido pela Associação Variações. Segundo o Júri, “Premiamos Lingua Franca, de Isabel Sandoval, pela singularidade e subtileza com que retrata uma realidade de vulnerabilidade e resistência, num contexto contemporâneo extremamente adverso.”

O Júri da Competição de Documentários, composto por Catarina Alves Costa, Margarida Mercês de Mello e Paulo Pascoal, decidiu atribuir o Prémio de Melhor Documentário ao filme Toutes les Vies de Kojin (França, 2019), realizado por Diako Yazdani, um prémio no valor de 3000€ atribuído pela RTP2, pela compra dos direitos de exibição do filme neste canal. Segundo o Júri: “Toutes les Vies de Kojin, de Diako Yazdani, oferece-nos um olhar humano sobre uma realidade que só a cumplicidade com quem está atrás da câmara pode revelar. O lugar da fragilidade imposta, filmada com empatia e força.”

O Júri da Competição de Curtas-Metragens, composto por José Magro, Ricardo Barbosa e Rita Natálio, decidiu atribuir o Prémio de Melhor Curta-Metragem ao filme Quebramar (Brasil, 2019), realizado por Cris Lyra. Segundo o Júri: "Pelo mergulho no cuidado comunitário e reparador que conecta as vidas de jovens lésbicas de São Paulo. Um filme líquido atravessado pelas ocupações das escolas secundárias em 2015, pelo candomblé, pela música, pela ternura, e também pelo luto face a um Brasil despedaçado pela sua história política mais recente e pela violência colonial e racista que marca a sua fundação histórica."

O mesmo Júri atribuiu uma Menção Especial a Aline (França, Suíça, 2019), realizado por Simon Guélat. O Júri atribui o prémio a este filme "pela desconstrução das histórias amorosas tendencialmente heteronormativas que ocupam o imaginário da literatura clássica, e pela celebração de um amor que escusa rótulos. Uma ficção esteticamente irrepreensível, sobre a liberdade e a urgência de finais felizes."

O mesmo Júri avaliou também a Competição In My Shorts, onde decidiu atribuir o Prémio de Melhor Filme de Escola Europeia à curta-metragem Why do I Feel Like a Boy? (República Checa, 2019), realizado por Kateřina Turečková. Sobre o filme o Júri disse: "Pela coragem deste filme, que aqui é o veículo para que o protagonista possa experimentar o seu desejo de viver uma vida, um corpo e um lugar que não os seus. Em nome do júri, agradecemos ao protagonista, Ben, pela determinação de contar a sua história, e pela vontade de a concretizar num contexto onde todos lhe dizem o contrário."

Por sua vez, o Júri da Competição Queer Art, composto por Hugo Diniz, Sérgio Braz d'Almeida e Sónia Baptista, decidiu atribuir o Prémio de Melhor Filme Queer Art a Santos (Argentina, 2019), realizado por Alejo Fraile. O Júri decidiu premiar o filme "pelo lado experimental e disruptivo da sua construção narrativa e pela pertinência de abordar de forma sensível o urgente tema da transexualidade no seio familiar."

O mesmo Júri atribuiu ainda uma Menção Especial a Hiding in the Lights, de Katrina Daschner (Áustria, Itália, Espanha, Alemanha, 2020), "pela sua exímia abordagem estética e formal.”

Num ano de dificuldades acrescidas devido à situação de pandemia, o Queer Lisboa salienta a grande afluência de público, confirmando assim a vontade por parte dos espectadores em continuar a celebrar o cinema queer de forma presencial e também a crucial importância dos festivais de cinema, contrariando os números das salas de cinema comerciais. Foram anunciadas as datas do Queer Lisboa 25, que terá lugar de 17 a 25 de setembro de 2021.



Palmarés


Competição de Longas-Metragens

Melhor Filme: Lingua Franca, de Isabel Sandoval (EUA, Filipinas, 2019)


Competição de Documentários

Melhor Filme: Toutes les Vies de Kojin, de Diako Yazdani (França, 2019)


Competição de Curtas-Metragens

Melhor Filme : Quebramar, de Cris Lyra (Brasil, 2019)

Menção Especial: Aline, de Simon Guélat (França, Suíça, 2019)


Competição In My Shorts

Melhor Filme: Why do I Feel Like a Boy?, de Kateřina Turečková (República Checa, 2019)


Competição Queer Art

Melhor Filme: Santos, de Alejo Fraile (Argentina, 2019)

Menção Especial: Hiding in the Lights, de Katrina Daschner (Áustria, Itália, Espanha, Alemanha, 2020)






FONTE: Queer Lisboa