Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Espelho | Constelações II: uma coreografia de gestos mínimos


Rui Sanches | Coletiva
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Pauliana Valente Pimentel


O Narcisismo das pequenas diferenças
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

PLANT REVOLUTION!


Coletiva
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

IMAGO LISBOA PHOTO FESTIVAL


Coletiva
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Ponto de Partida


NELSON LEIRNER
Galeria Graça Brandão (Lisboa), Lisboa

Quinta do Monte | 1983 - 1988


LOURDES CASTRO . MANUEL ZIMBRO
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

3º Aniversário MAAT


Open Weekend
MAAT, Lisboa

ESPAÇO INTERIOR | INNER SPACE


Espaço Interior | Inner Space
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

CONTEMPORARY INTERVENTIONS IN MEMORY: DIALOGUES AND SILENCE


Coletiva
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Espelho


RUI SANCHES
Galeria Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


SARAH AFFONSO

Os dias das pequenas coisas




MNAC - MUSEU DO CHIADO
Rua Serpa Pinto, 4
1200-444 LISBOA

12 SET - 23 MAR 2020


Inauguração: dia 12, às 19h, no MNAC

No ano em que passam 120 anos sobre o nascimento de Sarah Affonso e com o propósito de levar ao conhecimento de novos públicos uma renovada leitura da sua obra, dá-se uma feliz coincidência de interesses historiográficos de que resultaram duas exposições em diálogo, Sarah Affonso. Os dias das pequenas coisas, que aqui apresentamos e Sarah Affonso e a Arte Popular do Minho no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna.

Da pintura, às linhas do bordado, da ilustração ao ensino, do desenho de estudo à criação azulejar, passando pelo grande desenho de uma geografia moderna, mas informada na tradição e bem atenta à realidade, com que soube conceber e fazer crescer Bicesse, Sarah resistiu ao quotidiano, adaptando-o à sua vida e à sua visão.

Como reconheceu o filho, ela foi a “fazedora da própria existência”.

Maria de Aires Silveira
Emília Ferreira