Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA



S/ título, carvão, carvão prensado sobre papel, 70 x 100 cm, Diogo Costa 2021

Outras recomendações:

Espelho


Isabel Madureira Andrade
Galeria Fonseca Macedo, Ponta Delgada

Imago Lisboa Photo Festival


Joakim Eskildsen
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Mais tarde


JORGE MOLDER
Galeria Belo-Galsterer, Lisboa

Perto da margem


Pedro Calapez
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Bom dia lua


Nuno Sousa Vieira
Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso, Amarante

Ciclo “Museu das Obsessões”


TATIANA MACEDO / HORÁCIO FRUTUOSO
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

Uma Figura Semelhante


Diogo Costa
Diogo Costa Atelier, Almada

Sombras do Tempo


MÁRIO MACILAU
Galeria MOVART, Lisboa

Lanhaslândia (Expandida)


Fernando Lanhas
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

Polaris


Francisco Tropa
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DIOGO COSTA

Uma Figura Semelhante




DIOGO COSTA ATELIER
Rua Capitão Leitão 103
ALMADA

22 SET - 17 OUT 2021


Inauguração: 22 setembro / 18h, no Atelier do artista

De 23 de setembro a 17 de outubro 2021


UMA FIGURA SEMELHANTE
Diogo Costa


Diogo Costa apresenta Uma figura Semelhante, uma exposição no seu atelier, situado no prédio da Universidade Popular de Almada. Este projeto e o autor receberam o Prémio Jovem Promessa Artes na 10a edição do concurso Jovens Talentos Almada 2021, organizado pela Câmara Municipal de Almada.



Uma instalação de desenho que se articula com a escrita, num diálogo entre a imagem e a palavra.
Desenhos a carvão e a carvão prensado sobre papel, exploram a paisagem como elemento aglutinador entre dualidades. Nas formas circulares que omitem parcialmente a visão, surgem interrupções no olhar e na possibilidade de descrever com clareza aquilo que se vê.
Folhas de papel amachucadas povoam o chão, encerrando em si o registo das palavras guardadas, rejeitadas ou soltas ao acaso. É pela oclusão destes papéis e destas formas, que a linguagem e a subjetividade tomam lugar, para que num gesto recíproco, a paisagem se transforme, se multiplique e se faça plural.
Na busca pelo sentido, o observador vê, desembrulha e vagueia, fazendo também parte deste enquadramento num ambiente que alberga a expressão livre, quer na memória como no registo de uma introspeção.


Visitas por marcação / De 23 setembro a 17 outubro
Diogo Costa / diogoar.costa@mail.com / 965 492 548