Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Manuel Botelho, Cartas de Amor e Saudade.


Manuel Botelho, Cartas de Amor e Saudade.


Vista da instalação e performance no dia de inauguração.


Vista da instalação Cartas de Amor e Saudade.

Outras recomendações:

REVOLUÇÕES (1960-1975)


Júlio Pomar
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Casa Vale Ferreira


João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira
Casa de Serralves, Porto

os dias estão numerados


Daniel Blaufuks
MAAT, Lisboa

The touching of the wound


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

Kubik Comporta Coletiva


COLECTIVA
Kubikgallery, Porto

Portugal Ano Zero: livros de fotografia da revolução


COLECTIVA
Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira

ÀS ESCURAS


Rosa Carvalho
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Popalolo


António Palolo
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

INTROSPECTIVA. RESTOS, RASTROS E TRAÇOS


João Fiadeiro
MAC/CCB - Museu de Arte Contemporânea, Lisboa

MU SEKE 75


Renée Gagnon
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


MANUEL BOTELHO

Cartas de Amor e Saudade




CENTRO CULTURAL DE CASCAIS
Av. Rei Humberto II de Itália
2750-800 CASCAIS

02 JUL - 28 AGO 2011


PRESS RELEASE

A Fundação D. Luís I inaugurou no Centro Cultural de Cascais, a exposição Cartas de Amor e Saudade, uma instalação de Manuel Botelho.

Patente até 28 de Agosto, de 3ª feira a domingo das 10h às 18h00, esta exposição tem como tema axial a importância da carta no contexto da guerra colonial. Cartas de amor, cartas para a família, cartas das Africas para a então Metrópole, e vice-versa, com o estatuto de vínculo relacional privilegiado, são o ponto forte da indagação do artista, empenhado numa alusão epocal capaz de espelhar os duros sacrifícios exigidos à juventude portuguesa naqueles tempos conturbados.

Na reconstituição de Manuel Botelho é posta ênfase na carta de amor e no “anátema” pessoano de que todas elas são “ridículas”, mas que não obstante a concessão à trivialidade epistolográfica constituem testemunho e memória do embrião da crise que viria a transformar radicalmente Portugal.



FOLHA DE SALA


Conta-me como foi...

Podemos evocar dois poemas, de muito diferente origem, tempo e destino público, perante um maço de cartas de amor: os versos melodramáticos da canção ligeira de Tony de Matos e a complexidade analítica do poema de Álvaro de Campos/Fernando Pessoa. Se os evocarmos a pretexto deste trabalho de Manuel Botelho, talvez se esclareça melhor o fundo psicológico e o contexto histórico e social que enquadra os diálogos de Amor que o artista encontrou na Feira da Ladra, comprou, transcreveu, fotografou, fez ler e encenou para um público que, inesperadamente, se descobre capaz de ter escrito ou lido partes dessas longas páginas de “cartas banais”: “Cartas grandes, extensas, iguais/ Ao [seu] grande sofrer” (Tony de Matos).

Álvaro de Campos não procura a justificação cultural ou mesmo mítica das grandes histórias de amor. Sem deixar de ter uma perspectiva intemporal, porque se refere a “Todas as cartas de amor”, inclui-se no mesmo universo (“Também escrevi em meu tempo cartas de amor”), funde todos os casos passados presentes e futuros e desarma sem piedade o sentido de excepcionalidade que o discurso vulgar atribui ao Amor; porque, de facto, afirma ele, “Todas as cartas de amor são/ Ridículas” e “Não seriam cartas de amor se não fossem/ Ridículas”, confirmando que, também as suas cartas de amor, teriam sido ridículas. A consciência do Ridículo parece apenas poder formar-se depois do amor (um amor concreto ou mais ainda a possibilidade mesmo do Amor) ter acabado. De facto, o poeta, lamenta o passado perdido: “Quem me dera no tempo em que escrevia/ Sem dar por isso/ Cartas de amor/ Ridículas”.

Os autores reais das cartas de amor que ouvimos ler na instalação de Manuel Botelho não têm, evidentemente, esta consciência crítica. Podemos descodificar o valor sentimental dessas cartas de amor, que é intenso, mas percebemos a mediania da sua densidade psicológica, valor literário e histórico, fatalmente determinadas pela fragilidade cultural e política de ambos os intervenientes. Ainda assim, malgré eux, são decisivos documentos: na medida em que raras são as cartas escritas no feminino, e mais raro ainda é existir uma carta e a sua resposta.

Os protagonistas escreveram-se, longamente, dois anos intensos de “extensas”, “iguais” e “ridículas” cartas de amor. Por vezes tinham ideia que a linguagem lhes era escassa para exprimir o que sentiam, por vezes desejavam ser menos insistentes, menos repetitivos mas nunca desmontam os frágeis mecanismos do aparato conceptual que determina o seu pensamento.

Assim sendo, o seu tom aproxima-se mais do da cançoneta popular, cronologicamente coincidente com a época histórica para que estas cartas de amor remetem. Passo a passo, embora nunca haja ruptura nem drama, do que nestas cartas se fala é da saudade e da falta, do ciúme e do silêncio, do sonho de um futuro próximo e diverso. O que ouvimos, de ambos os intervenientes, embora as cartas dela sejam, esteriotipadamente, mais carregadas de sentimento e emotividade, são realmente “[...] Pedaços de dor
/ Sentidas de alguém” (Tony de Matos). Cada um dos elementos do casal é um eco dos versos cantados por uma das mais famosas estrelas populares de então: “Nelas jurei/ Com verdade o amor que senti/ Quantas noites em claro passei/ A escrever para ti
/ Cartas banais/ Que eram toda a razão do meu ser [...]”.
É esta dimensão de sinceridade que nos toca ao ouvirmos ler os excertos dessas cartas. É interessante, aliás, que mesmo Álvaro de Campos insista, em certa altura do seu poema, na presença desse sentimento ao afirmar que, “As cartas de amor, se há amor,/ Têm de ser/ Ridículas” e que, “Só as criaturas que nunca escreveram/ Cartas de amor/ É que são/ Ridículas.”

Na instalação apresentada, temos duas cenas que se sucedem no espaço – devemos pensá-las como tempos simultâneos, duas faces de uma mesma moeda. Mas, de facto, entramos pelo fim, na história que temos vindo a desvendar neste texto. Assim, ao longo das paredes da primeira sala, pendurados como os grandes tapetes antigos eram pendurados, vemos uma colecção de panos de tendas de campanha. A história que nos contam não está neles figurada mas nós sabemo-la de cor: é uma história de homens, a história abstracta da guerra e da morte.

Na sala seguinte, um novo dispositivo cénico inventa a possibilidade de uma boca de cena (fechada) feita de cortinados domésticos. Pelo texto cruzado ficamos então a saber tudo: tem o sabor de uma rádio-novela ouvida em longas tardes de costura, pequenos lanches, cumplicidades e adivinhadas tensões femininas. O texto situa-nos no tempo, no espaço e revela-nos a dimensão dos sentimentos: Portugal e Guiné, Anos de 1960 e Guerra Colonial, Amor e Morte, Ciúme e Esperança, … Tudo em doses pequenas e muito portuguesas, fugindo matreiramente quer à censura oficial quer à censura familiar, numa hoje impensável candura sexual e contenção de linguagem. Nas paredes de ambos os espaços, temos uma escassa colecção de imagens: que pode fixar e recuperar, como imagem artística, as próprias cartas (que antes de mais são documentos sociológicos) e a imagem kitsch de um postal de namorados.

Podemos certamente seguir o cinismo ou derrisão de Álvaro de Campos quando, depois de aceite a inevitabilidade das cartas de amor e do seu Ridículo, conclui que, afinal, as memórias actuais que tem “Dessas cartas de amor/ É que são/ Ridículas”. Mas não é apenas (ou principalmente) a exposição dessa fragilidade humana que move Manuel Botelho, na sua pesquisa e recriação. Ele é um dos autores que têm, no novo século, de modo profundo e inovador, trabalhado sobre o continente artisticamente quase inexplorado que é a Guerra colonial e a presença portuguesa em África.

Já vimos como estas cartas podem ser retrato ideológico do Portugal de então. Aqui são transformadas em obras de arte, ou seja, colocam-nos numa dimensão de interpretação e metáfora: o que sentimos perante a possibilidade da nossa morte ou da morte do ser que amamos? o que sentimos quando estamos longe do que amamos e de quem amamos? como vivemos tudo isto e como o relacionamos com a pequena vida de todos os dias, as suas pequenas alegrias, tristezas, derrotas, êxitos, espantos? Afinal, se tudo é Ridículo, é também tudo muito Banal. Não há heróis para estas/nestas histórias; e se os houvesse, na dimensão excessiva das suas vidas, não se revelariam, eles também, Ridículos?

(João Pinharanda - Lisboa, 10 Maio 2011)