Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Ângela Ferreira, “Casa Maputo: Um Retrato Íntimo” 1999. Projecção/ instalação. Vista geral.


Ângela Ferreira, “Maison Tropicale”, 2007. Escultura/ instalação. Vista geral.


Manthia Dawara, “Maison tropicale”, 2008. Vídeo, 56’.


Ângela Ferreira, “Hard Rain Show”. Vista geral da exposição.


Ângela Ferreira, “For Mozambique (Model No.1 of Screen-Tribune-Kiosk celebrating a post-independence Utopia)”, 2007. Pormenor de instalação.


Ângela Ferreira, “Maison Tropicale (Niamey) #1”, 2007. Impressão Light Jet montada em alumínio.


Ângela Ferreira, “Sites and Services”, 1991-2. Instalação. Pormenor.

Outras exposições actuais:

PEDRO BARATEIRO

O MEU CORPO, ESTE PAPEL, ESTE FOGO


Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada
CARLA CARBONE

COLECTIVA

MIRA | ON


MIRA, Porto
CONSTANÇA BABO

VASCO ARAÚJO

PATHOSFORMEL


Escola das Artes | Universidade Católica do Porto, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

CRISTINA ATAÍDE

DAR CORPO AO VAZIO


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

JOÃO FERRO MARTINS

OBJECTOS EM ETERNO COLAPSO


Galerias Municipais - Pavilhão Branco, Lisboa
DASHA BIRUKOVA

COLECTIVA

ACTO DE ESTADO. O REGIME ISRAELITA DE OCUPAÇÃO, UM ARQUIVO FOTOGRÁFICO (1967-2007)


Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, Lisboa
MARC LENOT

JOSEF KOUDELKA

RUINES


Bibliothèque Nationale de France - Bibliothèque François-Mitterrand, Paris
MARC LENOT

JORGE SANTOS

A ILUSÓRIA VERDADE


Galeria Quattro, Leiria
SÉRGIO PARREIRA

PEDRO CALHAU

DO INESGOTÁVEL


Fundação Eugénio de Almeida - Centro de Arte e Cultura, Évora
NUNO LOURENÇO

KORAKRIT ARUNANONDCHAI & ALEX GVOJIC

NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAURO SANTOS GONÇALVES

ARQUIVO:


ÂNGELA FERREIRA

Hard Rain Show




MUSEU COLEÇÃO BERARDO
Praça do Império
1499-003 Lisboa

11 MAR - 11 MAI 2008


Entre Junho e Novembro de 2007, “Maison Tropicale”, representou Portugal na 52ª edição da Bienal Internacional de Arte de Veneza, com comissariado de Jürgen Bock. Agora, integrada em “Hard Rain Show” (a exposição que o Museu Colecção Berardo apresenta até 11 de Maio), também o público de Lisboa pode conhecer a instalação de Ângela Ferreira com que o Museo d’Arte Moderna e Contemporanea de Bolzano irá inaugurar o seu novo edifício (a 24 de Maio); a aquisição do trabalho da artista portuguesa pelo museu italiano aconteceu ainda em 2007, durante o decorrer da Bienal.

“Hard Rain Show” complementa a instalação “Maison Tropicale” com a apresentação inédita de um documentário de Manthia Diawara (Mali) sobre o processo de construção da obra. O documentário, com o mesmo título da instalação, permite um olhar particularmente interessante e revelador do trabalho de campo desenvolvido pela artista e, nomeadamente, da sua relação com a dimensão humana e subjectiva dos vários intervenientes locais no processo de estabelecimento de pressupostos conceptuais que fundamentariam “Maison Tropicale”; trata-se de uma peça escultórica com um comprimento de dez metros e que a disposição no espaço, porque acciona uma passagem, implica o espectador numa relação física directa com as casas pré-fabricadas de Jean Prouvé, cuja evocação cartográfica (ou rasto) se prolonga ainda para as duas séries fotográficas (“Brazzavile” e “Niamey”) que a acompanham.

Mas esta exposição inclui ainda um conjunto de trabalhos seleccionados, de 1991-2 (“Sites and Services”), de 1994 (“Emigração”) e de 1999 (“Casa Maputo”), para além de um novo trabalho, concebido especificamente para “Hard Rain Show” (“For Mozambique (Model No.1 of Screen-Tribune-Kiosk celebrating a post-independence Utopia”).

O processo de trabalho criativo que Ângela Ferreira tem desenvolvido ao longo dos anos denota uma atenção particular para as lógicas de constituição de estratégias de reflexão sobre o contexto social, a partir de um posicionamento crítico que a artista criteriosamente estabelece, investindo para tal a sua própria experiência de vida e sensibilidade informada, nomeadamente, sobre as perspectivas e discursos que tipificam as experiências e influências colonialistas e pós-colonialistas e o Apartheid em África. Em “Hard Rain Show”, Moçambique, África do Sul, Níger e Congo são os países referenciados cujas estruturas identitárias locais se submetem, não raras vezes, a processos de erosão cultural e política cuja raiz e fundamento lhes são exteriores. “Maison Tropicale” evoca as casas pré-fabricadas de um pós-guerra mas, simultaneamente, abre uma possibilidade de olhar distanciado e metafórico sobre um apagar da memória (as casas são retiradas e os testemunhos pessoais junto aos indícios de uma casa “que já não está” são contraditórios, insuficientes e, sempre, um exercício de perda e desterritorialização social e política). Também os movimentos colonizadores se deslocam livremente, deixando à sua passagem o rasto do que, transformando o contexto local, é sempre um elemento estranho que impõe e inscreve a sua presença mas não se fixa e não se integra. Tal pode ser o veredicto que o contentor de “Maison Tropicale” transporta; um projecto político só possível em trânsito, porque é no formato (objectual e artístico) agora proposto que uma possibilidade de apaziguamento histórico se realiza. A casa em contentor é um puzzle em reconfiguração simbólica permanente e, como tal, uma condição de libertação em potência para conflitos não resolvidos.

“Hard Rain Show” exercita um segundo olhar e uma forma de mediação entre contrastes sociais resultantes de tantas estratégias em que o estético e o político se movimentam em tempos, lógicas e direcções distintas. A compreensão deste método de intervenção estético-etnográfica parece ser a melhor forma de conhecer os códigos e ferramentas de trabalho da artista.

Os objectos produzidos e que, em exposição, veiculam uma inquestionável condição artística, são tanto mais eficazes porque desdobram o seu específico tempo, estatuto e existência: São o que são num momento presente, mas trazem consigo uma porta aberta para um regressar a um outro contexto. Somos nós agora, visitantes, que numa inevitável e assumida condição de distanciamento, perscrutamos os trabalhos de Ângela Ferreira, descobrindo-lhes essas propostas de reconciliação em acto - em “acto artístico” porque, pelo menos por aí, é ainda a nossa responsabilidade de operacionalizar um juízo que irá decidir a qualidade da nossa experiência estética, pessoal, mas ainda assim (porque o regressar a um contexto nos coloca perante a possibilidade de o poder transformar), política.





Miguel Caissotti