Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia: Gustavo Jesus.


Vista da exposição. Fotografia: Gustavo Jesus.


Vista da exposição. Fotografia: Gustavo Jesus.


Vista da exposição. Fotografia: Gustavo Jesus.


Still do vídeo Morfogénese, de Gustavo Jesus.

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

A GUERRA COMO MODO DE VER: OBRAS DA COLEÇÃO ANTÓNIO CACHOLA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
LUÍS RIBEIRO

5ª EDIÇÃO

FUCKIN` GLOBO 2018


Hotel Globo, Luanda
ADRIANO MIXINGE

COLECTIVA

BIENAL DE SÃO PAULO


Bienal de São Paulo, São Paulo
JULIA FLAMINGO

A COLECÇÃO PINTO DA FONSECA

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL


Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa
NATÁLIA VILARINHO

RUI CHAFES E ALBERTO GIACOMETTI

GRIS, VIDE, CRIS


Fundação Calouste Gulbenkian – Delegação em França, Paris
MARC LENOT

PATRÍCIA SERRÃO

WELTSCHMERZ


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

MARCELO BRODSKY

MARCELO BRODSKY. 1968: O FOGO DAS IDEIAS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MARC LENOT

ROBERT MAPPLETHORPE

ROBERT MAPPLETHORPE: PICTURES


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

CATARINA LOPES VICENTE

DESENHOS


Teatro da Politécnica - Artistas Unidos, Lisboa
CATARINA REAL

COLECTIVA

AFRICAN PASSIONS


Palácio Cadaval, Évora
MARIA LUÍSA FERRÃO

ARQUIVO:


GUSTAVO JESUS

EXALTAÇÃO DO INTERVALO




ASSOCIAÇÃO 289
Sítio das Pontes de Marchil


13 OUT - 15 DEZ 2018

O JOGO NA/DA ARTE DE GUSTAVO JESUS

 

 

 

Mesmo sem compreender,
quero continuar aqui onde está constantemente amanhecendo.

Caio Fernando Abreu

 


Em 1938, o filósofo Johan Huizinga escreveu Homo Ludens. Nesta obra ele conclui que o jogo é parte constitutiva do homem, tão básico como o fazer, o jogar é um dos elementos que ajudam a humanidade a construir a civilização. Anos mais tarde, outro filósofo, Alfredo Bosi, pede emprestada a definição de jogo do Huizinga e utiliza-a para definir a arte: “uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida quotidiana”.

Na arte, como no jogo, manipula-se o tempo e o espaço e cria-se uma temporalidade própria, através das regras previamente estabelecidas, mas que podem, e são, constante ultrapassadas ou reinventadas. O homo sapiens, faber e ludens pode ser também o homem criador ou o artista. A pergunta que muitos tentam responder é: onde e quando começa a criação? O que difere o ato criador de um outro ato, também capaz de criar objetos? Esta questão é fulcral para o artista Gustavo Jesus.

Na sua obra o jogo é um princípio ativador de um conjunto de ideias que o artista quer partilhar connosco. Muitas destas ideias são, de facto, questões que percorrem seu trabalho desde o princípio: qual é o ponto exato em que a arte se torna arte? O que leva o artista a criar? De diversas maneiras o artista implica-se naquilo que faz, penetra nos seus objetos, deixa que estes objetos o penetrem ou que o envolvam como um casulo. E dentro deste casulo o artista nasce. É a obra que faz nascer o artista, como um exercício de maiêutica, tudo está conectado, arte e artista fazem parte de um todo cosmogônico e para desenlaçá-los é preciso fazer as perguntas certas. Para o artista, a sua obra é autojustificada, mas na sua inquietação, necessita encontrar respostas que podem estar na própria arte ou além dela.

 

 

Como Huizinga que considerava o jogo parte essencial do homem e como Bosi que comparou a arte ao jogo, Gustavo Jesus joga com a arte e com as palavras, com os conceitos, com as questões que lança para si mesmo e para os espetadores. Todos somos convidados a penetrar nos espaços em que a obra se instala, nos espaços entre as obras, no espaço em constante suspensão – não nos apercebemos onde começa a obra e onde finda o processo de criação. Os objetos oscilam entre o peso e a leveza, entra uma presença marcante e uma ausência prevista, entre o jogo e a vida.

Muita coisa acontece nos espaços vazios, nos intervalos, nos espaços entre as palavras, entre o dito e o não dito. Na obra de Gustavo Jesus, o intervalo é visível e é entre uma peça e outra que a arte se revela – num espaço-entre, onde tudo começa e volta a recomeçar, onde a obra nunca se finda, porque está em constante (re)criação.
 

 

Mirian Tavares

 

:::

 

A "ASSOCIAÇÃO 289" é uma associação cultural sem fins lucrativos criada em Fevereiro de 2017 por iniciativa de um grupo de artistas visuais reunidos na cidade de Faro. Enquanto estrutura a Associação 289 constitui-se como um espaço de divulgação de Arte Contemporânea, tendo como base o Solar das Pontes de Marchi às portas da cidade de Faro. A actividade da 289 tem como orientação três ideias principais: criar oferta cultural de qualidade para a cidade de Faro e a região do Algarve; promover a criação de público para a cultura; estabelecer-nos enquanto espaço de reunião e criação, estimulando a criatividade no âmbito da Arte Contemporânea. A prossecução destes objectivos tem sido realizada de uma forma diversa com o trabalho efectivo dos artistas residentes no espaço, através de exposições de Arte Contemporânea, lançamento de livros de artistas ou ainda mostras de filmes sobre arte.

 



MIRIAN TAVARES