Links

PERSPETIVA ATUAL


Isabel Carlos. Fotografia: Joana Linda. Cortesia Proyecto Incognitum.

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



INCOGNITUM: CIRCUM-NAVEGAÇÕES CONTEMPORÂNEAS. ENTREVISTA A ISABEL CARLOS



NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA

2018-11-22




 
No passado mês de julho, a curadora e crítica de arte portuguesa Isabel Carlos (Coimbra, 1962) visitou Santiago de Chile, por ocasião da apresentação do projeto de intercâmbio cultural entre o Chile e Portugal Incognitum: Circum-navegações Contemporâneas, a desenvolver-se entre 2019 e 2021, no âmbito dos 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães.

O projeto Incognitum, criado pelo artista, académico e investigador chileno Raúl Miranda (Santiago, 1966), em parceria com Isabel Carlos, visará criar um encontro entre dez artistas chilenos – entre os quais se encontram Fernando Prats, Voluspa Jarpa, Enrique Ramírez, Mónica Bengoa, Demian Schopf e Claudio Correa – e dez artistas portugueses ou ligados à arte portuguesa, os quais participarão em 2019 numa residência na cidade de Punta Arenas, à beira do Estreito de Magalhães. Este encontro binacional resultará numa exposição que será montada em Lisboa, Santiago e Punta Arenas, entre os anos 2020 e 2021. Além dos artistas selecionados, os artistas chilenos Paz Errázuriz e Eugenio Dittborn farão parte da exposição como referentes do projeto.

Além de comemorar a façanha de Fernão de Magalhães, Incognitum nasce da premissa do mútuo desconhecimento que existe entre Portugal e Chile, e a interrogante de qual é a melhor forma de se enfrentar e se aproximar do desconhecido, abstraindo-se de discursos rotineiros e do imaginário da ditadura, reconsiderando a história oficial gerada a partir do colonialismo. O projeto instala-se como uma releitura política do “descobrimento”, onde os curadores e artistas participantes questionarão o seu lugar de enunciação presente, originando uma mostra que não ofereça uma “imagem” do país como o postal típico e turístico, e sim um contexto transcultural em movimento constante.

Destaca-se na carreira da Isabel Carlos a sua participação como membro dos júris da Bienal de Veneza (2003), Turner Prize (2010) e The Vincent Award (2013); o seu labor como curadora da Bienal da Veneza (2005), e da mostra Provisions for the Future na Bienal de Sharjah (2009); e o seu trabalho como diretora do Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian em Lisboa entre 2009 e 2015.

Como parte da sua visita a Santiago, a curadora proferiu a conferência “Sem plinto nem parede. Criar em democracia” no Museu Nacional de Belas Artes. Depois da sua conferência, Isabel Carlos conversou com Artishock sobre o projeto Incognitum, a sua visão da curadoria e o presente e o futuro da arte.

 

por Nicolás Narváez Alquinta | 7 de Agosto, 2018

 


>>>

 


Nicolás Narváez: Conta-me por que estás no Chile e fala-nos do projeto Incognitum que estás a desenvolver em parceria com Raúl. Sei que é a primeira vez que vens ao nosso país. Como nasce esta iniciativa de ligar o Chile com Portugal? É uma relação que não parece tão óbvia à primeira vista...

Isabel Carlos: Não é óbvio...

N.N.: Claro, não é uma relação óbvia, não é uma associação...

I.C.: Não, não é. Começou com o Raúl, que me contatou em Lisboa, com a ideia de relacionar Portugal com o Chile. Eu sempre tive relações letivas com o Chile. Em 1998, trabalhei pela primeira vez com Eugenio Dittborn e numa segunda ocasião quando fez a Bienal de Sidney entre 2002 e 2004, conheci a obra do Juan Dávila. E claro, com Raúl Ruiz, que é muito próximo da cultura portuguesa, porque filmou em Lisboa e no seu entorno. Então, sempre tive muita curiosidade de vir para cá e, como sempre na minha vida, aguardo pelo momento perfeito: não há que o forçar. Sou uma viajante, mas não sou uma turista, e gosto muito de viajar com objetivos de trabalho, porque é uma maneira muito mais interessante de entrar numa cultura, num país, numa cidade. Então, esta é basicamente a razão porque estou aqui hoje.

N.N: A ideia de desenvolver Incognitum, dizias-me, começa a partir do Raúl...

I.C: Sim, foi o Raúl que me contatou há um ano em Lisboa, e contou-me que tinha um projeto com esta ideia de artistas portugueses e chilenos. Pois, aí começámos a trabalhar juntos, a construir os conceitos e toda a ideia do projeto em si, globalmente.

N.N: Sobre esta associação, que não é uma que venha primeiro à mente, há uma perspetiva histórica e geográfica também neste mútuo desconhecimento entre o Chile e Portugal que, como foi mencionado no texto do projeto, poderia inclusive datar do Tratado de Tordesilhas, no século XV, quando virtualmente se divide o mundo em dois. E apesar de que Espanha e Portugal tenham laços, estiveram unidas as duas coroas em diferentes ocasiões, a América Hispânica ficou completamente alheia a Portugal e, talvez, a nossa única aproximação à cultura lusitana é o Brasil... Mas o Brasil apresenta-se, pelo menos no Chile, como uma figura algo exótica, exuberante, que – imagino – não é algo que possa se assemelhar a Portugal.

I.C.: Há que lembrar que o Brasil é independente há mais de 200 anos, e foi uma colónia que Portugal decidiu que se tornasse independente [ri]. Claro que há muita presença da cultura portuguesa no Brasil, não só pela colonização, mas também pelas sucessivas ondas migratórias de portugueses que foram para o Brasil. Mas sim, concordo que, para a parte hispânica da América, Portugal é um grande segredo, é o segredo melhor guardado da Península Ibérica. Isso tem acontecido, em geral, com a Europa e o com o mundo até há pouco tempo. Lisboa está a viver um momento de grande fulgor, com muitos eventos turísticos. É como se de repente todo o mundo tivesse descoberto essa cidade, que tem caraterísticas muito particulares, que é muito diferente em comparação com a Espanha – ou de Madrid, se falamos de outra capital – Eu sempre uso a metáfora para diferenciar a cultura portuguesa da espanhola, que é a representação de Cristo. São dois países católicos. Cristo na cruz em Espanha – em qualquer igreja de Espanha – é um Cristo retorcendo-se, cheio de feridas, sangue e tudo é sofrimento; o Cristo português está como dormindo [ri]. Há uma frase, um grafiti que há uns anos alguém escreveu numa parede nas proximidades da minha casa, em Lisboa, que diz em inglês: “Tourists, please be silent. If you want noise, go to Spain”. Estas anedotas dizem algo sobre a diferença entre as duas culturas e países. Portugal é como uma varanda em cima do Atlântico que tem atrás uma casa grande, uma grande mansão, que é a Espanha ... que decidiu que a varanda fosse independente da mansão [ri]. É um país atlântico, não mediterrâneo. É profundamente atlântico, e o mar é algo muito presente em toda a cultura. Isso, penso também, pode ser uma ponte de encontro entre Portugal e o Chile.

N.N.: Sobre o facto de que é um país atlântico, isso diz-nos também que Portugal foi o primeiro império colonial da Europa, e o último também. Foi um império por mais de 400 anos. Ficou gravado na minha cabeça o que disseste na conferência, há pouco, no Museu de Belas Artes, sobre a colonização e descolonização. Disseste que o colonizado sofria, que o descolonizado sofria... mas que o colonizador também sofria. Porquê?

I.C.: Dado que há toda uma geração que perdeu coisas que conheciam desde as colónias, e que devem retornar. Os chamamos “retornados” tiveram que voltar a Portugal continental sem nada. Então, isso é um trauma: é um trauma para quem foi colonizado, para o colonizador e para o descolonizador. E há algo que se passa agora, que se começou a fazer em Portugal, que é uma reflexão colonial ... Mas às vezes sinto, e isto é perigoso, um tipo de melancolia colonial, onde as pessoas têm começado a falar da África com uma atitude quase colonial. Que “esses tempos eram maravilhosos”, que “as chuvas em cima da savana”... todo um discurso de melancolia colonial, uma nostalgia colonial. Paul Gilroy fala da “nostalgia colonial”. Eu, como sou portuguesa, diria “melancolia colonial”. Há que prestar atenção intelectualmente a essas mudanças, a nunca avançar para uma postura neocolonial. Não quero que o Incognitum se torne nisso, porque há esse perigo neste momento na sociedade portuguesa.

N.N: Mudou a forma de falar. Inclusive, já não se fala do “descobrimento da América”, é sim do “encontro de dois mundos”, e diferentes frases ou eufemismos...

I.C.: Sabes o que os brasileiros propõem? É uma palavra que acho horrível: achamento. Claro que não é um descobrimento, no sentido de que havia povos que viviam nesses lugares. Nesse sentido é um descobrimento só desde um ponto de vista eurocêntrico. Isso está muito claro. Foi o início da globalização e do capitalismo, sem dúvida. E há nesta viagem, que se fez desde o sudoeste da Europa para África e as Américas, uma parte muito grande e maravilhosa. Os portugueses são os primeiros que criaram uma visão – por causa da viagem e do contato com a América, com África e passar o Estreito de Magalhães – que se afasta da visão de fantasia da Idade Média, e que passa a ser todo um discurso e uma literatura da viagem dependente da observação, da investigação e da descrição, e não mais da imaginação fantástica, dos monstros da Idade Média. Procuram fazer uma literatura baseada no visto, no observado. Nessa observação há uma descrição um pouco fantasiosa, às vezes. É como René Descartes antes do seu tempo, essa preocupação de primeiro observar e depois descrever o mais próximo possível da realidade do que foi olhado.

N.N: A nível artístico-cultural, do que já pudeste conhecer do Chile e da América Hispânica, que diferenças percebes tu com Portugal?

I.C.: Desde que cheguei, uma coisa que me surpreendeu muito – porque não o esperava – foi a presença dos povos não europeus em muitas obras artísticas contemporâneas. Estou a pensar no Enrique Ramírez, o seu vídeo que vi no MAVI; as fotos de Demian Schopf com os seus diabos, ou o que eu vi no Espacio O com uma série de obras que retratam o xamanismo, o retorno a práticas ancestrais e com personagens sagradas. Encontro isso um pouco no Brasil, embora não muito, mas encontro mais na arte argentina ou na arte colombiana. Isso surpreendeu-me aqui, não esperava que a presença dos povos...

N.N: Cá são chamados “Povos originários”...

I.C.: Povos originários, isso em Eugenio Dittborn é muito presente. Mas que as novas gerações continuem fazendo isso e de um modo quase ritual, com esse compromisso, com aquela iconografia dos povos originários... é algo que acho muito interessante.

N.N: Isso é algo relativamente novo, acho eu, na arte chilena pelo menos, porque também o Chile era muito eurocêntrico ao nível das artes, é só ver o edifício do Museu Nacional das Belas Artes – que é uma cópia, uma réplica do Petit Palais de Paris –, ou pensar nas bolsas chilenas dos inícios do século passado, enviando os artistas chilenos para estudar na Europa e que “pagaram” ao Estado fazendo reproduções de obras europeias. O redescobrimento dos povos originários é algo relativamente novo, mas que se está a fazer muito. Eu, pelo menos, não sei que haja noutros países um olhar assim, para o passado.

I.C.: Não é tão frequente desta forma, acho. Achei aqui uma particularidade. O país em que estive mais recentemente foi a Argentina, estive em Buenos Aires em outubro passado, e não vi isto. São as primeiras impressões que tenho sobre Santiago, o que pude ver em quatro dias, então não é muito aprofundada [ri]. Quatro dias, porém, muito intensos. Isso surpreendeu-me e acho que é muito interessante. Por isso, por exemplo, incluí a obra de Demian e de Enrique. É maravilhoso que em Incognitum possamos mostrar isso e levá-lo para fora do Chile. É algo maravilhoso.

N.N: Na tua conferência também falaste do conceito do “outro”, algo relativo ao projeto Incognitum. Também mencionaste a multiculturalidade como um perigo, que pode provocar opressão cultural aos grupos minoritários, quer dizer, historicamente subjugados ou excluídos.

I.C.: O que eu quis dizer com isso é que temos de ter cuidado com esses conceitos. Esses conceitos podem levar-nos a lugares que são primários, como eu os chamaria, no sentido de que se começam a criar todos esses guetos se tiveres um discurso de exclusão em vez de inclusão. É o mesmo que dizer que o teu lugar como mulher, o teu lugar como gay, é este e ficas lá. Sempre me provoca confusão, por exemplo, em Los Angeles (Califórnia), que é uma cidade que conheço bem e onde morei, que haja um bairro gay. Então, é como um gueto. Eu gosto mais de misturar e da inclusão do que o outro, e os seres humanos temos de lutar todos os dias para incluir e entender o outro, e não dizer: "o teu lugar é aí". A melhor maneira de entender e colocar-se no lugar do outro é manter-se próximo dos outros. Isso é um pouco o que eu queria dizer na conferência, e é por isso que acho que o conceito de multiculturalismo não foi bem aplicado, porque criou mais guetos. Eu acho que são, por assim dizer, permanências na história da humanidade, podemos chamá-lo por outros nomes. É por isso que mostrei o vídeo de Vasco Araújo, porque quando ele faz esse vídeo [O Jardim] no Jardim Colonial de Lisboa, com as cabeças dos negros da Exposição Colonial dos anos quarenta, com textos de A Ilíada e A Odisseia de Homero, lembra-nos de que essas questões provavelmente existem desde o início da humanidade, a partir de que vivemos em sociedade. Portugal também foi colonizado, se formos mais atrás, pelos romanos [risos]. Temos uma história marcada, por exemplo, por pragas e pinheiros, que foram trazidos pelos romanos; os fenícios também estiveram... Como Portugal também é uma finis terrae [risos], alguém chegava e ficava [risos]. Então, acho que devemos prestar muita atenção a que o politicamente correto que foi instalado hoje não se torne num lugar de exclusão em vez de inclusão.

N.N: Conversávamos sobre isto há alguns dias, sobre a correção política – ou a ultracorreção política. Há alguns meses tive a oportunidade de entrevistar Ai Weiwei, e ele disse-me que, vivendo entre a Alemanha e os Estados Unidos, percebia que a correção política está a pôr em risco a liberdade de expressão.

I.C: Concordo completamente, concordo inteiramente. Quando chegas a um momento em que dizes, por exemplo: "Tu, homem branco, louro, só podes fazer obras que tenham a ver com homens brancos e louros...". Estamos num momento em que, às vezes, isso acontece. Essa é sempre uma leitura muito ignorante, quando o politicamente correto, o sofisticado, cai no ignorante. Mas tenho visto muitas vezes reações às obras de arte em que dizem ao artista: "Não, tu não podes fazer uma reflexão sobre a escravidão porque não és preto, porque não és um descendente de escravos". O que é isto?! Acho isto muito mau. "Não, não podes discutir a questão homossexual ou lésbica porque não és lésbica." E aí está toda a questão da apropriação, que agora está muito na moda e que eu acho que são discursos com os quais temos de ter muito cuidado, temos de estar muito atentos para, precisamente, não cair numa situação de falta de liberdade de expressão, para restringir, de dizer: "Não podes falar sobre isso porque não vens daí". Como? Todos viemos da Mãe Lucy, a primeira humana, o antepassado mais antigo da humanidade que foi encontrado no leste da África: a mãe da humanidade [risos]. Lucy ... in the sky ... [risos]

N.N: Mudando de assunto, foste a diretora do Centro da Arte Moderna da Fundação Gulbenkian, em Lisboa, mas a tua carreira tem sido mais associada à curadoria e à crítica. Como é a tua aproximação à curadoria frente à obra e ao artista? Como é essa relação?

I.C: Para mim é muito claro. Para mim, o grande referente como curador e o meu maestro, afortunadamente conheci-o e tivemos ótimas conversas, é Harold Szeemann. Para mim, ele é a referência do curador. Uma das muitas coisas boas que ele tinha era um profundo respeito pelo artista, e ensinou-me isso. Acredito que o trabalho de curadoria é um trabalho de mediação: a mediação entre o artista e a instituição, entre o artista e o público, entre a instituição e o público... É um trabalho de mediação. Claro que podes dizer-me, e posso concordar, que também é um pouco um trabalho de autor. O trabalho de mediação tem algo de autor, porque apresentas um conceito, uma leitura da obra. Mas, para mim, é acima de tudo mediador e cuidador. A palavra "curador" vem de curar; curar na arte significa cuidar. Para mim, basicamente, isto significa ser um curador.

N.N: No caso do incognitum, vão fazer uma espécie de residência no Estreito de Magalhães, como te aproximas disso? É um momento em que a obra está apenas a começar a formar-se, não é que chegue o artista e diga: "OK, é isto". Como é que trabalhas nesse caso?

I.C: Vou dizer-te uma coisa. Fiz a minha primeira grande exposição em 1994, chamava-se The Day After Tomorrow, e era uma exposição internacional em Lisboa, no marco de que Lisboa era a Capital Europeia da Cultura. O que fiz foi trabalhar apenas com peças novas. Então, os artistas internacionais viajaram para Lisboa dois anos antes, passaram uns dias na cidade e em Portugal, olharam para os espaços e depois pensaram. Todos, os 25 artistas, produziram novas obras. Vi os projetos, mas eu realmente não vi as obras até ao dia da inauguração. Todas estavam prontas e montadas. Então, para mim é fascinante, completamente fascinante, acompanhar todo o processo de criação. Claro que também adoro descobrir obras já feitas, chegar a uma coleção... Mas, como curadora, ter a possibilidade de acompanhar o processo de criação desde "o outro" [risos] e ver como os artistas - com as condições do tempo, espaço, tudo - vão criar uma nova obra... Eu adoro isso, e acho que essa é a grande diferença entre um curador de arte contemporânea e um curador de arte moderna. Eu adoro trabalhar com pessoas. Eu não sou uma dessas curadoras para quem os artistas são um problema. O artista é o melhor. O Incognitum dá essa possibilidade. A residência é um encontro entre artistas portugueses e artistas chilenos. A lista, como sabes, não é binacional: rompemos isso [risos]. É mais uma geografia afetiva do que uma geografia nacional. Isso será o encontro, e os artistas podem ou não produzir novos trabalhos durante o encontro, ou ter ideias novas durante essas duas semanas que passem em Punta Arenas. Essa é uma decisão primeiro deles e depois nossa, como curadores. A ideia é falarmos durante todo o processo. Assim o vejo, como um work in progress no qual os curadores devem cuidar de coisas tão simples como se um artista precisar fazer uma investigação, ajudá-lo nisso, encontrar as referências... É para mim um trabalho muito quotidiano e próximo do artista. Isso é o que eu adoro. É por isso que o modelo bienal está a mudar. Quando trabalhei em bienais, com a produção de novas obras, adorava. Adoro.

N.N: Tu e o Raúl serão co-curadores do Incognitum. Como vês esse relacionamento? Não refiro nenhum de vocês em particular, mas ao partilhar o espaço como curador.

I.C: É muito simples: o Raúl sabe muito sobre arte chilena e eu disse-lhe o que sabia. Eu sei tudo sobre arte portuguesa. Então é simples [risos]. Sempre há que compartilhar, não há? É um encontro de conhecimento: um conhecimento profundo da arte chilena, que o Raúl Miranda tem, com o meu conhecimento da arte portuguesa, e esse encontro que resultará da lista de artistas que escutaste hoje.

N.N: Quais foram os critérios que seguiram para selecionar os diferentes artistas que participarão deste projeto?

I.C: Os eixos curatoriais são três. Primeiro, uma reflexão sobre o colonialismo e o pós-colonialismo, e depois encontrar nos mapas da arte portuguesa e da arte chilena artistas que têm essa reflexão. O segundo é a ideia de viajar, porque é a comemoração dos 500 anos da viagem de Magalhães, e o deslocamento. E o terceiro é o deslocamento e a viagem não no sentido físico, e sim também num sentido psicológico. Fernando Pessoa, que é como o nosso Beckett ou o nosso Joyce, diz que "viajar é sentir". Esses são os três eixos curatoriais que levaram a esta seleção. O incógnito: a descoberta, a viagem, o desconhecido.

N.N: Precisamente ia perguntar-te sobre a citação de Fernando Pessoa: "A melhor maneira de viajar é sentir". Neste caso, a viagem seria o sentimento, seria através não só da distância geográfica, e sim também da distância histórica: estamos a falar de colonialismo, pós-colonialismo, e são 500 anos de história. Como observas esta viagem, não apenas desde a obra, mas também desde a experiência artística?

I.C: A viagem é algo proeminente na experiência artística contemporânea. Os artistas são, como sabes, cada vez mais nómadas, cada vez mais moram entre países, cada vez fazem mais residências... Há uma condição nómada no artista contemporâneo que o aproxima muito da época da viagem, e a viagem é muito permanente na vida e na prática artística contemporânea. Eu vejo isto muito claramente, é assim no mundo de hoje.

N.N: E sobre o assunto da arte e das viagens - viagens no tempo, digamos - para ti, para onde é que a arte viaja? Qual é o seu trajeto hoje?

I.C: Vai até onde o artista quiser. Eu acho que será cada vez mais como Clement Greenberg dizia: "Para ser um crítico de arte, só preciso de dois dedos: um para apontar o que é bom e o outro para escrever". Penso que cada vez as coisas são mais complexas e que não podemos dizer que a arte vai numa direção. Há muitas direções, e a mim interessa-me mais o que narra uma obra, e o que me parece que acontece mais hoje é que as obras que mais avançam não são aquelas que dão um passo à frente, e sim as que dão um passo em profundidade. A mim interessa-me mais a profundidade do que aquilo que seja de vanguarda. Por exemplo, para mim o tema das técnicas não é algo relevante, não influi no facto de uma obra ser mais avançada. A pintura pode ser muito avançada, porque aprofunda algo que outros meios não aprofundam. O meio é o meio. O meio é como a tua caneta para escrever, não é o que faz a obra: o que faz a obra é o que escreves.

 

 

 

[Tradução de Felipe Alfaro]


::::


Esta entrevista foi originalmente publicada na Artishock – Revista de Arte Contemporáneo, a 8 de Agosto de 2018.