Links

PERSPETIVA ATUAL


Museum Boijmans Van Beuningen, Roterdão, The Future of Fashion is Now 11.10.2014 – 18.01.2015. Fotografia: Nieuwe Beelden Makers


Museum Boijmans Van Beuningen, Roterdão, The Future of Fashion is Now 11.10.2014 – 18.01.2015 Fotografia: Nieuwe Beelden Makers


Museum Boijmans Van Beuningen, Roterdão, The Future of Fashion is Now 11.10.2014 – 18.01.2015 Fotografia: Nieuwe Beelden Makers


Vista da exposição no Museum Boijmans Van Beuningen, Roterdão, The Future of Fashion is Now (2014-2015) e documentação da dissolução (2011). Fotografia de Lara Torres.


Vista da exposição no Museum Boijmans Van Beuningen, Roterdão, The Future of Fashion is Now (2014-2015) e documentação da dissolução (2011). Fotografia de Lara Torres.


Vista da exposição no Museum Boijmans Van Beuningen, Roterdão, The Future of Fashion is Now (2014-2015) e documentação da dissolução (2011). Fotografia de Lara Torres.


Vista da exposição no Museum Boijmans Van Beuningen, Roterdão, The Future of Fashion is Now (2014-2015) e documentação da dissolução (2011). Fotografia de Lara Torres.


Fotograma do filme Woman in the water de An impossible wardrobe for the invisible (2011)


Fotograma do filme Two man hug de An impossible wardrobe for the invisible (2011)


Fotogramas do vídeo-ensaio em progresso This stands here as a sketch for the future (2013-)


Fotogramas do vídeo-ensaio em progresso This stands here as a sketch for the future (2013-)


Fotogramas do vídeo-ensaio em progresso This stands here as a sketch for the future (2013-)


Fotogramas do vídeo-ensaio em progresso This stands here as a sketch for the future (2013-)

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

THE FUTURE OF FASHION IS NOW



LARA TORRES

2015-02-09




 


Lara Torres é designer e investigadora de moda portuguesa, actualmente a frequentar um doutoramento na London College of Fashion; apresenta-nos aqui um texto reflexivo sobre o projecto que desenvolve no âmbito dessa investigação, intitulado "Para uma prática de desfazer: uma estratégia critica para o Design de Moda", e que pretende questionar os processos de produção e consumo no mundo da moda de hoje. O texto parte do último projecto desenvolvido pela designer, "An Impossible Wardrobe for the Invisible" (2011), que integrou a exposição “The Future of Fashion is Now”, patente até Janeiro deste ano no Museu Boijmans Van Beuningen, em Roterdão, para começar a reflectir sobre o modo como se interligam a moda, o mercado e a experimentação.


>>>


O modo em que escrevo informado pela minha prática faz parte da investigação realizada no doutoramento que me encontro a desenvolver sob o título ainda temporário e em progresso (aqui traduzido livremente) Para uma prática de desfazer: uma estratégia crítica para o Design de Moda, uma reflexão sobre a problemática que rodeia o sistema da moda hoje.


Dado que o âmbito deste artigo, é a recém terminada exposição The Future of Fashion is Now em Roterdão, na qual participei, e os temas a si adjacentes, que se entrelaçam com a minha prática, gostaria de alertar para o facto da minha escrita aqui ser realizada do ponto de vista do designer ou artista executante.


The Future of Fashion is Now terminou no dia 18 de Janeiro de 2015. A exposição procurou examinar a postura crítica que alguns designers de moda, de várias partes do mundo, têm vindo a adoptar relativamente ao sistema da moda, bem como o questionamento do papel do designer e do vestuário na sociedade contemporânea. A seleção de projetos, revela o seu carácter transdisciplinar. A exposição foi abordada pela curadora José Teunissen como uma sequela para a exposição The Art of Fashion, installing allusions, de 2009, no Museu Boijmans Van Beuningen, que tem uma longa tradição de exposições interdisciplinares. Procurando explorar o Museu enquanto espaço de pesquisa, a exposição explorava o limiar entre Arte e Moda, observando de que forma tinham sido ultrapassadas as fronteiras de ambas as disciplinas, miscigenando cada uma delas. A exposição de 2009 foi um prelúdio para a exposição The Future of Fashion is Now, procurando situar a moda no território performativo do indivíduo, como seria descrito pela autora Anne Hollander no seu livro “Seeing through clothes” no qual caracterizava o vestir como uma forma de arte visual, que cria imagens através da representação visível do eu enquanto media . Interpretando a moda enquanto forma de arte visual e não enquanto técnica, nem pelo seu carácter meramente utilitário (Hollander, 1998). A contaminação da Moda pelas Artes Plásticas e vice-versa, não é surpreendente, sendo que partilhavam um interesse comum: o território do “Eu” e da identidade (Teunissen, 2014). A relação entre o indivíduo e o corpo (essencial quando pensamos em vestuário) foi um dos temas aprofundados por uma geração de artistas emergentes nos anos 60 e 70 que diversificou a variedade de média utilizados. Dificultando classificações e fronteiras, muitos artistas plásticos exploraram esta dialética entre o indivíduo e a sociedade , rejeitando orientações formalistas e tendo um interesse centralizado no corpo humano em si enquanto objecto de trabalho e exploração artística. Paralelamente, como consequência da crescente massificação da produção e do consumo de vestuário produzido industrialmente, a moda, veio a ser entendida como uma forma cultural completamente distinta. Sendo vista como mercadoria capitalista, no sentido mercantilista e enquanto bem de consumo, perdeu o seu valor artístico. A peça de vestuário foi banalizada, perdendo o seu valor económico assim que comprada, enquanto a obra de arte era valorizada enquanto investimento futuro. Com a massificação da moda nos anos 60, assistiu-se a uma democratização da moda mas também a uma banalização do vestuário, que foi perdendo alguma da sua capacidade de intervenção política e social. Nos últimos anos, o campo de atuação da moda, face a uma pressão constante de um mercado global cada vez mais rápido e desigual, tornou-se um lugar acrítico e completamente dominado pela lógica de mercado, sem espaço de resistência, nem mesmo pelas subculturas.


A teórica Rosalind Krauss, no seu amplamente difundido e comentado artigo de 1979 “Sculpture in the expanded field”, fala da noção de escultura no campo artístico expandido, uma negação da arquitetura e da paisagem – era uma combinação de negações que permitia definir a escultura em 1979. É possível realizar uma leitura paralela entre o diagnóstico de Krauss e o contexto de ambas as exposições no Museu Boijmans, onde o design de moda é apresentado também no campo expandido do design através da negação do vestuário, da moda e da usabilidade dando lugar ao seu questionamento. O uso de dispositivos que se aproximam da escultura, vídeo arte e instalação funcionam aqui, na exposição, como um mecanismo que possibilita a crítica ao sistema da moda. No espaço do Museu e através da ocupação de um lugar na fronteira entre disciplinas, o designer de moda encontra uma possibilidade de comunicar o desconforto e uma visão crítica acerca do que observa no exercício da sua disciplina.


Helmut Draxler e Katja Gretinger discutem na conversa publicada no livro de 2012 “In the blind spot, a manner of Reading design” uma ausência crítica do design. Para Draxler o campo do design é um exemplo para a dimensão política de um discurso inexistente, sendo que para ele o design seria ideal, pela sua impureza, para fazer uma leitura das ambiguidades entre a sociedade contemporânea e a produção cultural. Draxler refere que o problema que ele encontra não é exatamente o desaparecimento do design experimental, mas sim o facto do mercado se ter vindo a apropriar do design experimental. Torna-se extremamente difícil ao designer relacionar-se com culturas de resistência e crítica, sendo que estas são constantemente apropriadas enquanto estratégias comerciais. O melhor exemplo no espectro do design de moda será o caso da Maison Martin Margiela (MMM), presente na exposição, que desde 1989 exerceu uma forte oposição crítica ao sistema da moda, de dentro para fora. Sublinhando, em gestos iconoclastas, as idiossincrasias do sistema através do recurso ao humor e da perversão das próprias ferramentas do sistema. Em Outubro de 2012, a marca MMM estabeleceu uma parceria comercial com a H&M para apresentar a reprodução de um conjunto de peças criadas pela marca MMM entre 1989 e 2012, na sua versão massificada de distribuição global. Ao permitir esta reprodução fora do seu contexto crítico, as peças que na década de 90 tinham possibilitado um lugar marginal de resistência, eram apropriadas pelo mercado. Peças que, por exemplo, anteriormente tinham sido efetivamente recicladas, ou o que Martin Margiela chamaria de recuperação (como por exemplo a sweat-shirt feita de meias de homem costuradas umas às outras, a lembrar o object trouvé das artes plásticas) eram transformadas aqui num produto comercial, uma cópia esvaziada do discurso crítico a si anteriormente associado. Margiela, que anteriormente sugeria a execução da camisola DIY, capacitando o público de instruções de como fazê-lo, enquanto conceito e não objecto comercial, demitia-se agora da responsabilidade crítica em prol da venda de um produto destituído de discurso.




Um guarda-roupa impossível


Recorri ao contexto académico por estar, de alguma forma, numa posição mais protegida da lógica de mercado do que a minha anterior posição enquanto designer para marca própria, ainda que tivesse tido sempre uma forte componente de investigação no meu trabalho. O projeto apresentado nesta exposição intitulado An impossible wardrobe for the invisible de 2011, foi desenvolvido no âmbito do mestrado com apoio da Bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian [de especialização e valorização profissional em artes - estudos no estrangeiro], este questionava o papel do designer através da constituição da produção para a inexistência de produto.


A instalação vídeo mostra a documentação de sete ações, previamente planeadas, onde um guarda-roupa arquétipo era criado para ser vestido e destruído pela água. Embora planeadas, qualquer uma das ações tinham um resultado imprevisível. Significando que cada peça é única e não poderia ser repetida e que cada registo do acontecimento tem a sua própria duração e reproduz o evento (memória). A projeção vídeo mostra sequencialmente os seguintes filmes:

 


1. Woman in the water (vídeo, 4’25”)


2. Two man hug (vídeo, 5’30”)


3. Man sinking to the floor (vídeo,3’17”)


4. The older man sitting (vídeo, 5’44”)


5. Young couple (vídeo, 4’49”)


6. Women crossing the water (vídeo, 1’33”)


7. Self portrait (vídeo 3’04”)




Estes sete vídeos referem-se a uma perda do objecto e à documentação desta perda. A ação de “apagar” as peças deixa um vestígio no corpo, as costuras, traduzindo uma forte relação com a memória e com o esquecimento mas também como o carácter efémero de todas as coisas.


Foi desenvolvido em colaboração com uma pequena equipa: Pedro Fortes como corealizador e os performers Joana Areal, Miguel Bonneville, Diogo Bento, Yann Gibert, Eduardo Petersen, Sofia Dias, Vítor Roriz, Andrea Brandão, Liz Vahia, Sofia Pimentão, Teresa Nobre e eu.


A minha prática tem sido caracterizada pela utilização de processos onde o acaso e o fracasso foram assumidos como parte do desenvolvimento do trabalho. Veio a ser realizada, enquanto investigação, como uma prática ‘desmaterializada’ no sentido amplo do termo remetendo para as práticas artísticas da década de 70. Refere-se a um processo de desmaterialização que enfatiza a impermanência de todas as coisas. Presentemente, no desenvolvimento do meu doutoramento assente na prática, procuro uma estratégia de ‘desfazer’, privilegiando processos de criação deambulatórios, erráticos através dos quais é realizada a gravação, edição e reedição de vídeo. As imagens produzidas ou recolhidas, são constantemente coladas às anteriores, ou seja, explicando de uma forma simples faço uma colagem mais ou menos aleatória de alegorias, preocupações e pensamentos que refletem acerca do que pode ser hoje o design de moda. Esta metodologia apropria-se livremente da ‘desconstrução’ ou ‘desconstruções’ de Jacques Derrida, não no sentido filosófico do termo, mas sim como uma forma de compreender um processo e de desenvolver uma estratégia que permite uma multiplicidade de olhares sobre as mesmas preocupações. As ações, às quais estou a chamar de momento ‘coreografias’: coreografias da produção; coreografias do consumo e coreografias do vestir são registadas em vídeo e fotografia. O uso destes meios permite a dita reflexão, já aqui mencionada, utilizando o vídeo como pensamento: vídeo-pensamento. Esta estratégia permite descrever as relações dentro do sistema da moda e compreender como o próprio sistema se constitui, recorrendo ao mínimo de meios possíveis e simplificando-o, sendo que para o fazer é necessária a sua desmontagem, o seu desmantelamento analítico e posteriormente a sua reconstrução imaginária. O termo ‘desconstruir’ em si, evoca a imagem de uma estrutura ou um objecto suspenso no ar, com todas as suas partes visíveis . Esta imagem invoca algo prestes a colapsar. Não completamente destruído mas que se vai desfazendo. Desconstruir, sugere também que destruir permite compreender. A questão de linearidade narrativa foi-se tornando para mim uma questão secundária e interessou-me mais a densidade de associações que uma imagem permite, a ideia da imagem dialética de Walter Benjamin (Penksy, 2004).


Considerando que uma consciência crítica dos processos de produção e consumo é inerente à atual problemática do design, como podemos, no contexto de uma crescente preocupação com o ambiente e alterações climáticas, conciliar o carácter efémero da moda com a sustentabilidade e equidade social? O papel do designer evoluiu desde o seu surgimento com a Revolução Industrial. Não estando exclusivamente ligado à produção e consumo massificados, o design está profundamente envolvido na produção de cultura e significado, e a ele acresce a responsabilidade política e social. Tendo encontrado algumas limitações nos meios utilizados anteriormente, e perpetuando a minha constante errância entre disciplinas, encontrei no vídeo-ensaio um meio que permite uma relação simbiótica entre o texto escrito da tese e a minha prática. Expandindo o género documentário, o vídeo-ensaio é um híbrido, que oscila entre a ficção e a realidade. No campo expandido do design de moda, onde existe a necessidade de reflexão e crítica, esta é explorada através da associação livre de uma narrativa fragmentária. O formato é fluído e informe, remetendo aos cuts-ups de William Burroughs ou ao improviso musical. Assumindo a forma de pequenos poemas visuais e desenvolvido de forma contínua, o vídeo permite não fechar a leitura e sim iluminar o caminho do espectador, deixando-o por sua conta no encontro com as preocupações com a sustentabilidade, produção e consumo.


O filme é desenvolvido numa prática colaborativa, na qual o trabalho com Joana Linda e Sónia Baptista tem sido essencial bem como as colaborações pontuais com Liz Vahia, João Caldas e Gonçalo Birra.


Estou ainda a articular pensamentos entre si (eles estão em formação), a pensar através do vestuário e do filme (algumas imagens abaixo podem ilustrar o texto e permitir compreender melhor do que falo).

 


 

Lara Torres

www.laratorres.com


 

:::


Notas


[1] Lippard, L. R. (1973) Six years: the dematerialization of the art object from 1966 to 1972, London, Studio Vista.

[2] Richards, K. M. (2008) Derrida reframed: a guide for the arts student, Contemporary thinkers reframed series, London, I. B. Tauris.


::: 


Bibliografia

Hollander, A. (1993) Seeing through clothes, Berkeley ; London, University of California Press.

Gill, A. (1998) "Deconstruction Fashion: The Making of Unfinished, Decomposing and Re-assembled Clothes", Fashion Theory: The Journal of Dress, Body & Culture, 2(1), pp. 25–49.

Krauss, R. E. (1986) The originality of the avant-garde and other modernist myths, 1st MIT Press paperback ed, Cambridge, Mass. ; London, MIT Press.

Royle, N. (2003) Jacques Derrida, London ; New York, Routledge.

Stocker, B. (2006) Derrida on deconstruction, Routledge philosophy guidebooks, London, Routledge.

Richards, K. M. (2008) Derrida reframed: a guide for the arts student, Contemporary thinkers reframed series, London, I. B. Tauris.

Ferris, D. S. (ed.) (2004) The Cambridge Companion to Walter Benjamin, New York, Cambridge University Press.