Links

PERSPETIVA ATUAL


Casa Daros Latinamerica, Rio de Janeiro.


Casa Daros Latinamerica, Rio de Janeiro.


Projecto “Pin Hole”. Fotografia: Fábio Caffé. Créditos: Escola de Fotógarfos da Maré / Casa Daros.


Casa Daros Latinamerica, Rio de Janeiro.


Guillermo Kuitca. Exposição “Face to Face”. Casa Daros, Zurique, Suiça.


Nicola Costantino. Exposição “Face to Face”. Casa Daros, Zurique, Suiça.


Robert Gober. Exposição “Face to Face”. Casa Daros, Zurique, Suiça.


Andy Warhol. Exposição “Face to Face”. Casa Daros, Zurique, Suiça.

Outros artigos:

2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

RIO DE JANEIRO: UMA VISITA A CASA DAROS LATINAMERICA



DANIELA LABRA

2008-02-04




O belíssimo cenário da cidade do Rio de Janeiro guarda maravilhas. E tristezas. Entre os recortes de montanha e mar, a ex-capital federal brasileira cresce desordenada e se ressente do abandono de políticas sociais efectivas. No que concerne à cultura e suas instituições públicas - teoricamente braços fortes de qualquer programa educacional de qualidade, as que estão abertas à visitação tem programação parca e instalações precárias, num claro sinal de que mantê-las não é um item relevante para o poder público.

Em meio a este quadro, porém, eis que algumas iniciativas do capital privado conseguem ocupar com competência tal lacuna do estado. Um exemplo que acaba de se instalar na cidade trazendo a promessa de ventos refrescantes nessa direção é a Casa Daros, a filial latino-americana da fundação suíça Daros que é voltada para a arte contemporânea. Este novo espaço, a ser inaugurado oficialmente no final de 2008, tem foco na circulação da produção de arte latina e seus artistas. No entanto, não pretende funcionar como uma simples repetidora do formato de sua sede europeia e, de acordo com seu director de arte-educação e pesquisa, o curador cubano Eugênio Valdés, o projeto enfatizará o lado pedagógico da arte entendendo esta como algo necessário dentro do processo de formação e integração humana. Para tanto, seu programa se concentra em actividades diversas como residências, ateliês de criação, workshops e seminários, além de exposições de recortes da coleção Daros Latinamerica, baseada em Zurich.

Enquanto que a Daros na Suíça trabalha fundamentalmente com sua coleção de arte contemporânea internacional, a Casa Daros vai realizar mostras do acervo de arte latina trazidas de Zurich. Ao mesmo tempo, promoverá exposições temporárias dos projetos artísticos em andamento no espaço carioca criando assim um diálogo.

O trabalho processual interdisciplinar com a participação de artistas locais e latinos deve ser uma das metas centrais da Casa cujo programa de arte-educação inspira-se nos métodos do educador brasileiro Paulo Freire, idealizador de um modelo de interacção horizontal entre mestre e aluno. Para Eugênio Valdés, é também horizontalmente que se pode pensar a obra artística e a sua integração com o público, de modo com que pedagogia e arte compartilhem organicamente um mesmo processo educativo.

A Fundação Daros na Suíça e a Casa Daros no Brasil são projetos mantidos pela família Smidheiny, que há anos investe em projetos sem fins lucrativos (non profit) na América Latina, incluindo alguns de cunho social. A Daros Latinamerica, por sua vez, teve início em 2000 com a formação da hoje maior colecção de arte latina contemporânea da Europa, sob os cuidados do curador Hans-Michael Herzog. Logo em 2001, constatou-se que muitos dos artistas vivos ali representados estavam desarticulados com os colegas de países vizinhos, e se decidiu criar um espaço físico que estimulasse a formação de uma rede de artistas e pensadores de arte latino-americanos.

Como observou Valdés, “fala-se da unidade latino-americana mas estamos muito isolados.” E recorda que é mais freqüente o artista latino ter uma conexão com a Europa ou Estados Unidos do que com um país vizinho. Não está equivocado. Se pensarmos nas razões, iremos sem surpresa encontrar a falta de apoio financeiro ou a descontinuidade de programas de fomento locais, tornando mais fácil conseguir uma bolsa de residência na Europa do que no próprio continente de origem.

De volta a Casa Daros, sua sede foi pensada inicialmente para ser instalada em Havana, Cuba. Porém, dificuldades em lidar com as políticas locais fizeram com que se optasse pelo segundo lugar em vista, o Rio de Janeiro. A dinâmica cultural carioca, mostrou-se especial para o projeto, pois na cidade ainda reside grande parte dos artistas brasileiros mais importantes, e de todas as áreas.

A escolha pelo Brasil não se deu por acaso. Foi relevante o facto do país ser o mais isolado dentro do continente latino-americano - por conhecidas questões idiomáticas, geográficas, históricas, culturais entre outras. Instalar-se aqui foi portanto uma maneira de trazer o Brasil para a ideia de América Latina que se queria abordar, na qual o continente não é visto como um gueto, senão como um território de devido peso e importância dentro do cenário mundial. É interessante ainda notar que a Casa Daros, ao convocar um cubano de Havana (e especialista em arte africana), para ser seu primeiro director de projetos educativos, de certo modo minimiza a impressão de colonização cultural nos trópicos que a instalação de uma fundação estrangeira pode causar.

Sobre o edifício-sede da Casa, adquirido em 2005, este é uma a austera construção do século XIX erguida numa outrora zona rural, hoje bairro de Botafogo. Foi pensado para ser um orfanato e posteriormente, educandário, e ainda no século XX abrigou um colégio. Curiosamente, apesar da cidade ter chegado há tempos nas imediações do prédio ele ainda continua escondido, discreto no meio da cidade – mesmo com seus 12 mil metros quadrados de terreno. A renovação do edifício está a cargo de Paulo Mendes da Rocha, renomado arquiteto de São Paulo que somente agora assina seu primeiro projecto comissionado no Rio de Janeiro.

A Casa, com seu ideal de formação de uma rede de profissionais das artes, pretende ser basicamente um espaço facilitador para um programa a ser conduzido por artistas. As suas actividades já começaram de forma pontual, e em agosto de 2007 deu-se o primeiro ciclo de seminários e workshops visando discutir metodologias da pesquisa em artes, processos criativos, modos de produção e circulação da obra, contacto com o público, entre outros temas. A ponte com Universidades locais começou a ser feita e alguns artistas escolhidos para ministrarem actividades desenvolveram com grupos de alunos de diversas áreas intervenções em comunidades carentes e espaços públicos.

Desse modo, a Casa Daros, cujos escritórios estão alojados em edifícios provisórios no fundo do enorme terreno, vem aos poucos formando um grupo de jovens e artistas que já a frequentam, moldando o perfil de um público novo, em parte formado por pessoas comuns que jamais entrariam num centro cultural.

Assim, a iniciativa da Casa Daros mostra-se uma proposta diferenciada por que investe em instalações, programação e profissionais qualificados, sem interesse na visão da arte como mercadoria ou na instituição como mera fonte de ingressos para o patrocinador. Por outro lado, a isenção de comprometimento com as políticas e financiamento locais, ao que parece tem dado boa autonomia a suas diretrizes. Assim, o projeto vem se instalando sem alarde na cidade e sem fotografias de propaganda no jornal junto ao alcaide.

Uma palavra mágica dita por Eugênio Valdés funcionou como espécie de tranquilizante para esta que lhe entrevistou e visitou o projeto: continuidade. Pois como ele, acredito que somente com um pensamento de trabalho progressivo e em processo é que podemos colher resultados ao longo prazo, em qualquer área do conhecimento humano.



Daniela Labra
Curadora independente e crítica de arte. Vive no Rio de Janeiro.