Links

OPINIÃO


Cecilia Vicuña por David Heald. © Solomon R. Guggenheim Foundation, 2022.


Vista da exposição “Cecilia Vicuña: Spin Spin Triangulene”, Museu Guggenheim, Nova Iorque, 2022. Foto: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, 2022.


Cecilia Vicuña, Tres espirales, 2022, óleo sobre tela. Cortesia da artista e Lehmann Maupin. Foto cortesia da artista e Lehmann Maupin © Cecilia Vicuña


Inauguração da exposição “Cecilia Vicuña: Spin Spin Triangulene”, Museu Guggenheim, Nova Iorque, 2022. Foto: © José de Nordenflycht


Cecilia Vicuña, “AMAzone”, 1978. Vista da instalação no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA), 2022. © José de Nordenflycht


Em cima: Cecilia Vicuña, “Kon Kon”, video, 2009. Vista da exposição “Spin Spin Triangulene”, Museu Guggenheim, Nova Iorque, 2022. Foto: © José de Nordenflycht


Caracol Azul e Palabrarmas. Vista da exposição «Cecilia Vicuña: New York», em Lehmann Maupin, NY, 2022. Foto cortesia da galeria


Vista da exposição “Cecilia Vicuña: Spin Spin Triangulene”, Museu Guggenheim, NY, 2022. Foto: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, 2022.


Vista da exposição “Cecilia Vicuña: Spin Spin Triangulene”, Museu Guggenheim, NY, 2022. Foto: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, 2022.


Cecilia Vicuña, La mulata costeña de Colombia, ca. 1977, óleo sobre tela. Cortesia da artista e Lehmann Maupin. Foto: Matthew Herrmann. Cortesia da artista e Lehmann Maupin. © Cecilia Vicuña


Vista da exposição “Cecilia Vicuña: Spin Spin Triangulene”, Museu Guggenheim, Nova Iorque, 2022. Foto: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, 2022.


Vista da exposição “Cecilia Vicuña: Spin Spin Triangulene”, Museu Guggenheim, Nova Iorque, 2022. Foto: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, 2022.


Cecilia Vicuña, Liderezas, 2022, óleo sobre tela. Cortesia da artista e Lehmann Maupin. © Cecilia Vicuña


Cecilia Vicuña, Autobiografía, 1971, óleo sobre tela. Colecção Museum of Contemporary Art San Diego, Elizabeth W. Russell Foundation Fund, 2019. Foto: Matthew Herrmann. © Cecilia Vicuña

Outros artigos:

LUIZ CAMILLO OSORIO

2022-05-29
MARCEL DUCHAMP CURADOR E O MAM-SP

MARC LENOT

2022-04-29
TAKING OFF. HENRY MY NEIGHBOR (MARIKEN WESSELS)

TITOS PELEMBE

2022-03-29
(DES) COLONIZAR A ARTE DA PERFORMANCE

MADALENA FOLGADO

2022-02-25
'O QUE CALQUEI?' SOBRE A EXPOSIÇÃO UM MÊS ACORDADO DE ALEXANDRE ESTRELA

CATARINA REAL

2022-01-23
O PINTOR E O PINTAR / A PINTURA E ...

MIGUEL PINTO

2021-12-26
CORVOS E GIRASSÓIS: UM OLHAR PARA CEIJA STOJKA

POLLYANA QUINTELLA

2021-11-25
UMA ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO CHILENA NA 34ª BIENAL DE SÃO PAULO

JOANA CONSIGLIERI

2021-10-29
MULHERES NA ARTE – NUM ATELIÊ QUE SEJA SÓ MEU

LIZ VAHIA

2021-09-30
A FICÇÃO PARA ALÉM DA HISTÓRIA: O COMPLEXO COLOSSO

PEDRO PORTUGAL

2021-08-17
PORQUE É QUE A ARTE PORTUGUESA FICOU TÃO PEQUENINA?

MARC LENOT

2021-07-08
VIAGENS COM UM FOTÓGRAFO (ALBERS, MULAS, BASILICO)

VICTOR PINTO DA FONSECA

2021-05-29
ZEUS E O MINISTÉRIO DA CULTURA

RODRIGO FONSECA

2021-04-26
UMA REFLEXÃO SOBRE IMPROVISAÇÃO TOMANDO COMO EXEMPLO A GRAND UNION

CAIO EDUARDO GABRIEL

2021-03-06
DESTERRAMENTOS E SEUS FLUXOS NA OBRA DE FELIPE BARBOSA

JOÃO MATEUS

2021-02-04
INSUFICIÊNCIA NA PRODUÇÃO ARTÍSTICA. EM CONVERSA COM VÍTOR SILVA E DIANA GEIROTO.

FILOMENA SERRA

2020-12-31
SEED/SEMENTE DE ISABEL GARCIA

VICTOR PINTO DA FONSECA

2020-11-19
O SENTIMENTO É TUDO

PEDRO PORTUGAL

2020-10-17
OS ARTISTAS TAMBÉM MORREM

CATARINA REAL

2020-09-13
CAVAQUEAR SOBRE UM INQUÉRITO - SARA&ANDRÉ ‘INQUÉRITO A 471 ARTISTAS’ NA CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2020-08-07
MUSEUS, PATRIMÓNIO CULTURAL E “VISÃO ESTRATÉGICA”

PAULA PINTO

2020-07-19
BÁRBARA FONTE: NESTE CORPO NÃO HÁ POESIA

JULIA FLAMINGO

2020-06-22
O PROJETO INTERNACIONAL 4CS E COMO A ARTE PODE, MAIS DO QUE NUNCA, CRIAR NOVOS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA

LUÍS RAPOSO

2020-06-01
OS EQUÍVOCOS DA MUSEOLOGIA E DA PATRIMONIOLOGIA

DONNY CORREIA

2020-05-19
ARTE E CINEMA EM WALTER HUGO KHOURI

CONSTANÇA BABO

2020-05-01
GALERISTAS EM EMERGÊNCIA - ENTREVISTA A JOÃO AZINHEIRO

PEDRO PORTUGAL

2020-04-07
SEXO, MENTIRAS E HISTÓRIA

VERA MATIAS

2020-03-05
CARLOS BUNGA: SOMETHING NECESSARY AND USEFUL

INÊS FERREIRA-NORMAN

2020-01-30
PORTUGAL PROGRESSIVO: ME TOO OU MEET WHO?

DONNY CORREIA

2019-12-27
RAFAEL FRANÇA: PANORAMA DE UMA VIDA-ARTE

NUNO LOURENÇO

2019-11-06
O CENTRO INTERPRETATIVO DO MUNDO RURAL E AS NATUREZAS-MORTAS DE SÉRGIO BRAZ D´ALMEIDA

INÊS FERREIRA-NORMAN

2019-10-05
PROBLEMAS NA ERA DA SMARTIFICAÇÃO: O ARQUIVO E A VIDA ARTÍSTICA E CULTURAL REGIONAL

CARLA CARBONE

2019-08-20
FERNANDO LEMOS DESIGNER

DONNY CORREIA

2019-07-18
ANA AMORIM: MAPAS MENTAIS DE UMA VIDA-OBRA

CARLA CARBONE

2019-06-02
JOÃO ONOFRE - ONCE IN A LIFETIME [REPEAT]

LAURA CASTRO

2019-04-16
FORA DA CIDADE. ARTE E ARQUITECTURA E LUGAR

ISABEL COSTA

2019-03-09
CURADORIA DA MEMÓRIA: HANS ULRICH OBRIST INTERVIEW PROJECT

BEATRIZ COELHO

2018-12-22
JOSEP MAYNOU - ENTREVISTA

CONSTANÇA BABO

2018-11-17
CHRISTIAN BOLTANSKI NO FÓRUM DO FUTURO

KATY STEWART

2018-10-16
ENTRE A MEMÓRIA E O SEU APAGAMENTO: O GRANDE KILAPY DE ZÉZÉ GAMBOA E O LEGADO DO COLONIALISMO PORTUGUÊS

HELENA OSÓRIO

2018-09-13
JORGE LIMA BARRETO: CRIADOR DO CONCEITO DE MÚSICA MINIMALISTA REPETITIVA

CONSTANÇA BABO

2018-07-29
VER AS VOZES DOS ARTISTAS NO METRO DO PORTO, COM CURADORIA DE MIGUEL VON HAFE PÉREZ

JOANA CONSIGLIERI

2018-06-14
EXPANSÃO DA ARTE POR LISBOA, DUAS VISÕES DE FEIRAS DE ARTE: ARCOLISBOA E JUSTLX - FEIRAS INTERNACIONAIS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

RUI MATOSO

2018-05-12
E AGORA, O QUE FAZEMOS COM ISTO?

HELENA OSÓRIO

2018-03-30
PARTE II - A FAMOSA RAINHA NZINGA (OU NJINGA) – TÃO AMADA, QUANTO TEMIDA E ODIADA, EM ÁFRICA E NO MUNDO

HELENA OSÓRIO

2018-02-28
PARTE I - A RAINHA NZINGA E O TRAJE NA PERSPECTIVA DE GRACINDA CANDEIAS: 21 OBRAS DOADAS AO CONSULADO-GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO PORTO. POLÉMICAS DO SÉCULO XVII À ATUALIDADE

MARIA VLACHOU

2018-01-25
CAN WE LISTEN? (PODEMOS OUVIR?)

FERNANDA BELIZÁRIO E RITA ALCAIRE

2017-12-23
O QUE HÁ DE QUEER EM QUEERMUSEU?

ALEXANDRA JOÃO MARTINS

2017-11-11
O QUE PODE O CINEMA?

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006


CECILIA VICUÑA. SEIS NOTAS PARA UM BLOG



JOSÉ DE NORDENFLYCHT CONCHA

2022-06-30




 

 

 

26.05.22: QUIPU DO EXTERMÍNIO

Depois da festa inaugural no Museu Guggenheim de Nova Iorque, vem a tarefa de nos pensarmos, para a qual Cecilia Vicuña nos convida. Cada um lê o que vê e vê o que lê. O meu primeiro apontamento sobre a sua exposição Spin Spin Triangulene é em relação ao modo radical como as alvas e limpas paredes do edifício espiralado de Wright são intervencionadas por uma grafia leve, que quase não se deixa fotografar. Tão leve quanto o som da sua voz. Mas que da mesma forma a que nos tem acostumados, o seu poderoso conteúdo não nos deixa desengajar facilmente. O que esse arranhar na parede nos desafia entre as suas “apalavradas” formas é que para evitar o nosso extermínio coletivo devemos pôr o corpo a funcionar em consciência com uma rede cuja “máxima fragilidade” se oponha ao “máximo poder” para não se deixar tocar por ele. Assim tal qual. Este novo quipu num dos seus nós cita Lezama Lima, retesando a corda do que se espera da “Arte Latino-Americana” em Nova Iorque. E o gesto desmonumentalizador de riscar uma das mais intocáveis paredes museais ​​da história recente, coloca o uso das “palavras em uso” fora do clichê. Porque descolonizar e a despatriarcalizar assumem um sentido autêntico para além dos slogans: são um modo de fazer. E se não fica claro, na saída da exposição pode-se completar a experiência lendo o livro de Camila Marambio e Cecilia Vicuña, A Toda Raja! (2019).


27.05.22: TRÊS ESPIRAIS

A ideia de que um museu é um edifício reconhecível pelos seus atributos formais e espaciais faz muito sentido a quem os projecta, aos turistas que passam à volta e até a quem se atreve a entrar neles. E se há um que instala essa “sobre determinação” arquitectónica dos museus, é o projetado por Wright. Talvez por isso todos os projetos convidados a expor dentro das suas paredes acabam tapados por ele. Por mais críticas e iconoclastas que sejam as suas propostas, elas são ao final domesticadas por ele. No dia da inauguração comentámos isto com Camila Marambio, recordando nos anos anteriores o jorro do "garanhão" Matthey Barney ou a acumulação de “mal de Diógenes" de Maurizio Cattelan, entre muitos outros que certamente o tentaram. Mas ninguém - que eu me lembre - o fez de maneira tão frontal e honesta como a pintura Tres Espirales, a mais recente obra de toda a exposição de Cecilia Vicuña. E o que vemos aqui? Primeiro, um buraco extrativista que extrai o cobre do Chile a partir de investimentos estrangeiros, como os de alguns dos Guggenheim há mais de um século. Segundo, a espiral de cimento com o nome de Don Solomon na sua fachada e que sangra por baixo do chão. E terceiro, tudo isto no meio de uma América ancestral. Imagens associadas a um lúcido texto de "explicações" em que Cecilia Vicuña nos partilha a sua visão sobre Wright. Tudo em total coerência com o seu sistema de trabalho exposto pela primeira vez em 1971 no Museu Nacional de Belas Artes: Pinturas, poemas y explicaciones. Então, em que é que ficamos na nota anterior? Ah sim: lições de como despatriarcalizar e descolonizar um Museu. Tudo no fim de semana em que no Chile comemoramos o Dia do Património.

 

 

Cecilia Vicuña, La Vicuña, 1977, óleo sobre tela. Museum of Fine Arts, Boston, Ives Family Fund, 2018. Foto: Museum of Fine Arts, Boston, 2022. © Cecilia Vicuña

 

28.05.22: KANDINSKY

Na monografia sobre o edifício de Wright escrita por Francesco Dal Co vejo uma foto do quarto ocupado no Plaza Hotel por Irene Guggenheim e se prova facilmente o interesse dela e da sua família pela pintura do pintor russo. É sabido que este célebre artista é uma pedra angular na fundação da coleção do Museu. E, de facto, nesta ocasião, divide espaço com Cecilia Vicuña. Ele é o anfitrião e ela é a convidada. Uma muito menos incómoda do que parece, se é que lemos com atenção o que nos conta nas paredes do museu, sobre como conheceu as imagens e leu os textos de Kandinsky desde muito jovem. É sabido que nós, os provincianos, lemos tudo. Assim, nós colonizados imitamo-nos e nós mestiços revoltamo-nos. Mas outros com mais talento sabem dialogar a partir da igualdade em que não há uma arte subalterna e outra hegemónica, pois toda a arte autêntica é uma tentativa de continuar a fracassar, até à próxima tentativa. Assim postas as coisas, parece-nos que um atributo da obra de Cecilia Vicuña é que nela nunca houve uma tal “analogia dependente”, ou pelo menos lhe resistiu muito cedo. O que está aqui é mais uma forma insurgente de desordenar as temporalidades do cânone - talvez mais próximo ao que propõe Andrea Giunta no seu último livro Contra el Canon (2020) -, mas com plena consciência de que os tempos da história da arte relatada a partir da academia são minúsculos. Aprendi com a sua obra que o património ancestral e a arte contemporânea são um contínuo, onde o anacronismo não é uma ameaça, pois os tempos das obras ativam-se na imanência da sua experiência. E a obra de Kandinsky é lida por ela como o monumento performativo que é. Dando espaço a um lugar situado, reconhecendo-se ao mesmo tempo com ela, que de hóspede se converte em co-habitante desse quiasma que, às vezes, funciona como arte. 

 

29.05.22: MoMA

As coincidências não existem, pelo menos não na história da arte. Alguém acredita ainda que a pintura abstrata foi produto de um “quadro ao contrário” que Kandinsky viu um dia ao entrar no seu atelier? Hoje sabemos que a artista sueca Hilma af Klint “via-tudo-ao-contrário”. E, claro, antes que um homem lho apontasse. Pensando nessa revisão do seu cânone é que depois de presenciar a exposição de Cecilia Vicuña no Guggenheim, deve-se entrar no MoMA com muita atenção, onde Alfred Barr inventou o diagrama do cânone, e onde hoje, na sala 205, se propõe um diálogo “frente a frente” entre obras de Cecilia Vicuña e Juan Downey. Isto lembrou-nos imediatamente da tão incompreendida exposição Transferencia y Densidad de 2000 no MNBA, na qual a obra A Map of Chile, de Downey, e a Pieza del Hilo Azul, de Cecilia Vicuña, foram propostas por Justo Pastor Mellado como parte de umas Historias de Anticipación. É claro que no Chile de 2000 estávamos longe de conhecer as “decolonialidades”, mas lembremos que, além disso, nessa contiguidade da obra de Cecilia estavam os objetos de Juan Luis Martínez. O mesmo autor cujas obras foram levadas à Bienal de São Paulo em 2012 pelo poeta, e então curador do MoMA, Luis Pérez-Oramas. A dez anos de distância, outra curadora do MoMA, Inés Katzenstein, numa nova contiguidade espacial e conceptual, nos propõe "uma virada para dentro", em que nos reaparecem essas "antecipações" que tanto nos custaram reconhecer e tornar visíveis no Chile, especialmente da parte daqueles que acreditam que a história da arte é uma corrida de reconhecimento pelos outros, e não por eles mesmos, ou mesmo por um nós. O resto vem por acréscimo.

 

Cecilia Vicuña, Angel de la menstruación, 1973, óleo sobre tela. Colecção de Catherine Petitgas, Londres. Foto cortesia da artista e Lehmann Maupin. © Cecilia Vicuña

 

 

30.05.22: KON KON

Como a água flui de cima para baixo, a água-água que é o significado de con-con, deveria estar no último nível da espiral do museu, tal como estamos acostumados à linguagem ascendente do progresso. Mas se não há progresso na arte, a linguagem deveria ser descendente, e por isso fragmentos do filme Kon Kon permeiam e se dilúem de cima para baixo. Até molham Kandinsky. Nesta exposição de Cecilia Vicuña, “virar e girar o trianguleno é a palavra de ordem”. E o que é um trianguleno? Basicamente, a unidade mínima de três elementos na qual nos partilhamos entre tudo o que existe no nosso planeta. Com essa figura, o título da mostra ativa-se a partir das relações. Hoje sabemos que a água é uma dessas relações das quais interdependemos de forma muito concreta. Portanto, este título está longe de ser uma metáfora “optimista” ou uma oportunista retórica "poética”. Esta exposição nem sequer é isso: “mais uma exposição”. É um pouco maior que isso. Experimentemos remover o EX e ficamos só com a POSIÇÃO. O resultado é uma posição que se instala de maneira tão física como química, tão material como espiritual, tanto dentro como fora, em que se dão a ver a ouvir formas de reviravolta em que mal se toca a linguagem. E tudo começou em Kon Kon há milhares de anos atrás. Ver aparecerem as dunas e Valparaíso no fundo da curva do horizonte do Pacífico, como nas aguarelas da outra Cecilia - Cecilia Concha - que Cecilia Vicuña resgata, é pura nostalgia do futuro.

 

31.05.22: NOVAIORQUINA

A velha disputa entre “ius sanguinis” e o “ius solis”, para rotular os artistas latino-americanos, seja por ascendência materna ou lugar de nascimento, apresenta hoje uma dissolução similar às das -igualmente antigas - distinções de género, raça ou religião. Hoje os milhões de indivíduos que convivem juntos numa “oportunidade de localização”, como são as grandes cidades globais, identificam-se apenas pela sua resiliência aos contextos, resultando a vida em comum que podem articular desde a adversidade como uma esperança de algo que nunca chega. Pensando nisso, o trabalho de Cecilia exposto agora no Guggenheim e no MoMA tem mais dois correlatos, ambos associados à sua condição de "artista nova-iorquina mais chilena que os feijões”. Por um lado, a sua relação muito recente com o galerismo global. Um que é refratário daquilo que não pode fazer circular sem retorno garantido. Mas que com ela vai cedendo, confiando e aprendendo com as novidades ancestrais. A tal ponto que hoje os “quadros” não são a única - nem a melhor - opção para o colecionismo emergente na Ásia e o seu interesse pelas expressões artísticas "precárias" de Cecilia Vicuña, como podemos ver na galeria Lehmann Maupin. Porque trabalhar numa cidade global significa exatamente gerar mais-valia em todos os lados, já que esta não é precisamente uma cidade-dormitório. E como se trabalha, também se vive. E como a "vida" urbana faz parte dela, a proposta curatorial de Jody Graf inaugurada nos últimos dias no MoMA PS1, com o título Life Between Buildings, coloca a obra de Cecilia Vicuña ao lado da de Gordon Matta-Clark e outros 12 artistas e colectivos, para valorizar o trabalho dos artistas no contexto do uso e ativação dos "espaços intermédios” que, como resíduos da modernização material do capital "ferro e cimento” com o qual se ergueu a vista nesta cidade, nos lembra que vivemos no piso térreo. Consolados. “Com-solo”, se transformamos o dictum do arquiteto Alberto Cruz numa “palavrarma”. Mas essa é outra história de um futuro que começou na documenta14.

 

 

José de Nordenflycht Concha
Nasceu no Chile em 1970. É Doutor em História da Arte pela Universidade de Granada e membro correspondente da Academia Nacional de Belas Artes da Argentina. Professor universitário e consultor em projetos de planeamento, investigação e formação em património cultural. Foi Presidente do Comité Chileno do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios ICOMOS e Secretário Executivo do Conselho de Monumentos Nacionais. É autor dos livros “Património Local” (2004), “Pós Património” (2012) e “Patrimonial” (2017).

 


:::

 

Este artigo foi originalmente publicado na revista Artishock (Chile) com quem a Artecapital desenvolve uma colaboração com o objectivo de aproximar os leitores portugueses de temas da América Latina e viceversa.