Links

OPINIÃO


Heather e Ivan Morison, “The Black Cloud”, Victoria Park, Bristol. Dia da instalação da estrutura no Parque. © Kate Gordon


Heather e Ivan Morison, "The Black Cloud", Victoria Park, Bristol. Dia da instalação da estrutura no Parque. © Kate Gordon


Heather e Ivan Morison, "The Black Cloud", Victoria Park, Bristol. Dia da instalação da estrutura no Parque. © Kate Gordon


Heather e Ivan Morison, "The Black Cloud", Victoria Park, Bristol. Dia da instalação da estrutura no Parque. © Suzanne Mooney


Stuart Bunce: Heather e Ivan Morison, "The Black Cloud", Victoria Park, Bristol. © Stuart Bunce


Stuart Bunce: Heather e Ivan Morison, "The Black Cloud", Victoria Park, Bristol. © Stuart Bunce


Stuart Bunce: Heather e Ivan Morison, "The Black Cloud", Victoria Park, Bristol. © Stuart Bunce

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

A NATUREZA DO CONTEXTO



CAROLINA RITO

2009-08-22




É evidente o percurso que a produção artística tem traçado na aproximação ao espaço público e ao seu contexto. Desde a década de sessenta que as intervenções na rua começam a ser cada vez mais comuns, desde a instalação pontual, àquela que se estende no tempo, passando pela performance e pelo happening. Independentemente da intenção fundadora do trabalho, esta aproximação não circunscreve apenas um movimento de relação formal com as preexistências, mas também uma proposta de relação entre a obra e as dinâmicas vivenciais desse lugar. Não se subentendendo, no entanto, uma potencial democratização da arte com a saída do espaço museológico ou galerístico, pois, apesar de se poder considerar uma das consequências desta “nova” localização, também é verdade que um aumento da acessibilidade física não é directamente proporcional ao aumento da comunicabilidade da mesma com aqueles que, muitas vezes fortuitamente, travam contacto com a obra. O que acontece é que esta se passa a relacionar com um novo lugar, nem mais, nem menos livre, um lugar com outras condicionantes. Desta feita, o enquadramento não se encontra circunscrito ao universo artístico, emergindo novas variáveis na instalação e leitura da mesma. O contexto torna-se, assim, primordial, não só na criação da intervenção, como também no momento de encontro com o público. Tal como Daniel Buren afirmou em 1998, “Tomem muita atenção ao contexto. A todos os contextos. Ao que é permitido, ao que é interdito, ao que se esconde e ao que é posto em relevo.”

O interesse que os artistas têm demonstrado pelo trabalho em espaço público não é derivado à aparente e ilusória liberdade de acção que esta localização representa, mas antes ao interesse que têm em estabelecer relações com as condicionantes sociopolíticas que o enformam. Foi o que aconteceu no passado dia 25 de Julho, no Victoria Park em Bristol (Inglaterra), com a construção da nova escultura da dupla de artistas Heather e Ivan Morison. Cerca de uma semana antes, todos os moradores dos bairros adjacentes ao Parque receberam um folheto na caixa de correio dando a conhecer o projecto, e a convidar os interessados a inscreverem-se como voluntários para participarem no dia da instalação da peça. Para além da construção propriamente dita, foram programadas outras actividades (música, workshops, contador de histórias, marionetas) para animarem os convivas, fazendo deste momento uma celebração do encontro. Os jornais da região reproduziram o convite e cerca de sessenta voluntários compareceram para o evento. O contributo poderia ser em força física na construção propriamente dita, em dotes de bricolage, acepipes variados ou orientação das actividades.

O dia da instalação da peça não foi, assim, uma formalidade, mas um processo aberto à participação e envolvimento da comunidade. A festividade, enquanto acontecimento cultural, como forma de interromper a vivência linear do tempo e promover um renascimento; aquele que os artistas quiseram imprimir com a proposta de um novo modelo social. Esta intenção encontra prolongamento na formalização da estrutura, que se assemelha a um abrigo de grandes dimensões, cuja influência advém de edificações de construção e uso comunitário – tais como o Shabono, originário do Amazonas e da autoria do povo ameríndio Yanomamo, criado para proteger das intempéries, é, simultaneamente, lugar de residência, e espaço de convívio. A nova estrutura, passível de ser avistado de vários quadrantes, impõe-se numa das mais visitadas encostas do parque, não só pelo tamanho, mas pelo contraste que o preto da superfície provoca no verde da relva. A cor preta, que deu nome à peça, foi obtida através de uma técnica japonesa para queimar a madeira, chamada Yakisugi, que faz da superfície queimada uma camada protectora.

Sob o ponto de vista formal, a estrutura retoma, também, ideias trabalhadas anteriormente pela dupla de artistas, inspiradas na literatura fantástica da primeira metade do século XX. “The Black Cloud” (1) ergue-se como um insecto alienígena de grandes dimensões (cerca de 5 metros de altura e 10 de comprimento), construída totalmente em madeira proveniente da floresta dos artistas, no País de Gales. À semelhança das edificações Shabono, a cúpula não é completamente fechada e a maior parte da área que circunscreve permanece a céu aberto. A base que assenta no solo deixa também entrever o seu interior, pois os triângulos de madeira que a sustentam estão bastante espaçados entre si. A parcial transparência reforça, conceptualmente, a sua disponibilidade e a sua abertura à utilização pública. Poder-se-á dizer que “The Black Cloud” é uma sugestão de reunião e encontro, consumado no dia da construção pela mão dos artistas, e delegada à população potencialmente interessada em fazer uso dela durante os quatro meses de permanência no parque. A confirmar esta ideia estavam os materiais gráficos disponíveis no dia da edificação e a informação sobre o projecto no sítio da “Situations” (programa da Universidade de West of England, que se tem dedicado a projectos artísticos em espaço público) onde se podia ler que, até dia 6 de Dezembro (último dia da instalação), esta podia ser utilizada livremente pela comunidade.

No entanto, é necessário retomar o conteúdo imperativo lançado por Buren no início do texto e perceber as relações que se estabelecem com o contexto escolhido. O Victoria Park já era, no momento anterior à intervenção, um lugar privilegiado de encontro da comunidade vizinha e dos habitantes da cidade em geral. Como a maioria dos parques urbanos em Inglaterra, este espaço ostenta um desenho paisagístico suficientemente orgânico de forma a fazer-nos esquecer que foi planificado pelo Homem. Está extremamente cuidado, limpo e ocupa uma longa extensão de terreno, de tal forma que permite perder os seus limites de vista ou ficar-se completamente imerso no verde sem que o urbano surja entre as copas das árvores. Por estas e outras razões (que nos levariam a enumerar o tipo de equipamentos que oferece e a sua localização na malha urbana) é sobremaneira convidativo para um passeio, um piquenique, a prática de um qualquer desporto, ou simplesmente, à permanência; o que a afluência constante de pessoas comprova.

Consequentemente, parece pertinente a seguinte questão: o que poderá uma estrutura que pretende promover a reunião e o encontro acrescentar num lugar onde estas práticas são comuns? Poderia tratar-se de um espaço que permitisse levantar novas questões sobre o “ser em conjunto” (2), ou que propusesse um encontro de outra natureza. Sem dúvida que a localização e o desenho da estrutura enriquecem a beleza da colina relvada do parque, mas numa aproximação, o tamanho torna-se monumental e a cor da madeira queimada, demasiado sombria para que se queira permanecer, principalmente, quando o que a envolve é bastante mais apelativo.

Quanto à natureza do encontro proposto, os indícios são lançados pelas actividades que foram previamente programadas pelos artistas para três das datas de permanência da estrutura. O primeiro aconteceu no dia 25 de Julho com a construção participada pelos interessados e respectivas actividades; o segundo irá decorrer no dia 10 de Outubro e vai consistir num fórum dedicado à reflexão sobre o actual estado do planeta e qual o papel da humanidade nesse contexto; e o último será no dia 5 de Dezembro, com a celebração do desmantelamento da estrutura. O encontro proposto no dia 25 consistiu numa excelente simbiose entre a reunião da comunidade e a construção de uma obra que reflectia, formalmente, esse mesmo encontro. No entanto, apesar de se entender a intenção da celebração e da preocupação com questões ambientalistas (também relevadas no tipo de materiais utilizados no fabrico da peça), o espaço temporal que separa os eventos não imprime a assiduidade necessária para que a acção dos artistas e a consequente utilização da obra pela comunidade pudesse complementar o sentido pretendido. Esta permanece, fundamentalmente, vazia, atraindo olhares curiosos. A proposta do modelo social, evidente na construção da estrutura e nas citações aos modelos de organização comunitária (Drop City (3) e Talkoot (4)), rarefaz-se na apresentação formal, na ausência de contextualização e no seu prolongamento no tempo, esvaziando-a das presenças que a completariam.

Assim, “The Black Cloud” funciona como uma interessante presença formal, mas cuja nova situação criada não é significativa no estabelecimento de novas relações vivenciais. Talvez, simplesmente, porque a sua proposta duplica, sem novidade, aquela que é a natureza do seu contexto.


Carolina Rito



NOTAS

(1) The Black Cloud” é um título apropriado do romance escrito por Fred Hoyle, em 1957, que narra a história do aparecimento duma massa preta, composta de gás, que se coloca entre a terra e o sol, bloqueando a exposição solar. O desenrolar do enredo revela que esse corpo é um super organismo sentient.

(2) Ardenne, Paul, Un art contextuel, Paris, Éditions Flammarion, 2004, [2002].

(3) Drop City foi o nome de uma comunidade de artistas sediada no Sul do Colorado, fundada em 1965, que propunha uma forma de vida livre, autónoma da estrutura convencional da sociedade.

(4) Talkoot consiste numa prática em que cada pessoa envolvida contribui, gratuitamente, com o seu conhecimento e domínio técnico para um bem comum.