Links

OPINIÃO


Rainer Werner Fassbinder


Fassbinder, "Berlin Alexanderplatz", 1979/1980


Fassbinder e Hanna Schygulla na rodagem de Berlin Alexanderplatz


Fassbinder, "Der amerikanischer Soldat", 1970


Fassbinder, "Angs essen seele auf/O medo come a alma", 1973


Fassbinder, "Angs essen seele auf/O medo come a alma", 1973


Fassbinder, "Angs essen seele auf/O medo come a alma", 1973


Fassbinder, "Fausrecht der Freiheit /O direito do mais forte à liberdade", 1973


Cartaz de "In einem Jahr mit 13 Monden/Num ano com 13 luas", 1978


Fassbinder, "Die dritte Generation/A Terceira Geração", 1979


Fassbinder, "Lolla", 1981

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

SEXO, SANGUE E MORTE



NUNO CRESPO

2007-05-02




“Gostaria de construir uma casa com os meus filmes. Alguns são a cave, outros as paredes, outros, ainda, são as janelas. Mas espero que todos, no final, sejam uma casa.”
Rainer Werner Fassbinder


Não sabemos o que é ser da geração de Rainer Werner Fassbinder, e nem sabemos o que sentiram os seus contemporâneos quando viram os seus filmes. Surgiu à margem do sistema e foi, imediatamente, classificado como bandido. Nós que somos herdeiros de Fassbinder mantemos um convívio estranho e intenso com a sua obra, actualmente a ser digerida por museus e uma certa “intelligentsia”. A cada filme levamos um murro no estômago. A cada plano — lento, preciso, cirúrgico — sentimos que se passa qualquer coisa que não se atém ao plano da imagem, mas que se prolonga no modo como são convocados os nossos fantasmas internos, as nossas dificuldades e os nossos desejos absurdos. Qualquer coisa a que o nosso corpo responde e corresponde: responde porque aos estímulos do ecrã segue-se uma resposta física e corresponde porque existem nas nossas entranhas elementos que os ingredientes das imagens reproduzem tal qual. Há quem faça equivaler este efeito a uma leitura psicanalítica freudiana, mas aqui preferimos fazê-lo equivaler a uma rara atenção à constituição da matéria humana. Uma atenção que se materializa em imagem e em palavra, e que tematiza o modo como a construção da nossa identidade é um processo colectivo, ou seja, que o amor e a morte, os eternos motes de Fassbinder, são sentimentos que se descobrem enquanto prolongamentos da sociedade em que vivemos.


Para Christian Braad Thomsen, autor de um dos mais importantes livros sobre o realizador com o título “O amor é mais frio que a morte”, Fassbinder usa o ecrã como “um espelho deformador, que nos atira de volta para a sala de cinema, menos apaixonados por nós próprios, mas talvez com um melhor autoconhecimento”. Uma afirmação certeira porque sublinha que o essencial nesta obra é o facto de ela se assumir como ferramenta de autoconhecimento, mas, corrija-se, o espelho que representa não é deformador, antes constrói-se sobre a possibilidade de à imagem espelhada corresponder a verdade. Aquilo que se vê é doloroso porque equivale à visão do tecido da nossa interioridade, a qual tem como seu elemento originário o trauma, o choque, a violência, a morte. Todos os filmes de Fassbinder são, de algum modo, trágicos e funcionam como uma espécie de inversão do final feliz, tão ao gosto de um certo tipo de cinema e arte — como “Götter der Pest/ Os Deuses da Peste” (1969), só para dar um exemplo. Mas o seu ser trágico significa a transformação em conhecimento, materializado nos seus filmes, da identificação da vida como mortalidade e dos homens como heróis trágicos. Estes são aqueles cujas vidas se desenvolvem a partir da consciência da finitude, da impotência, do desencontro, do desajuste, do desamor. Vidas cujo momento axial é a descoberta de que vão morrer. O que significa não o último passo para a libertação, mas a derradeira experiência, à qual corresponde o nascimento do si-próprio (do self em inglês, selbst em alemão): simultaneamente descobre-se a personalidade e a morte, o indivíduo e a solidão, a pessoa e o isolamento. No limite, trata-se de saber que a cada um corresponde a sua própria morte, única, diferente de qualquer outra e sempre impartilhável. É um segundo nascimento — que em termos psicanalíticos pode ser equivalente à morte da autoridade do pai — regido inteiramente por Thanatos. Afirma Fassbinder:

“Os meus filmes são muitas vezes criticados por serem pessimistas. Em minha opinião, existem razões suficientes para se ser pessimista, mas eu, de facto, não vejo os meus filmes dessa maneira. Eles desenvolvem-se do pressuposto de que a revolução deve acontecer não no ecrã, mas sim na própria vida e quando mostro as coisas a correr mal, faço-o para que as pessoas compreendam que isso é o que acontece se não mudarem as suas vidas. Se, num filme com um final pessimista, é possível tornar claro às pessoas porque é que as coisas acontecem assim, então o efeito do filme, no fim, não é pessimista. Nunca tento reproduzir a realidade, o meu objectivo é tornar os mecanismos transparentes, para ser óbvio porque é que as pessoas têm de mudar a sua realidade.” (em entrevista a C.B. Thomsen)


Que as coisas podem correr mal — lembre-se “Mutter Küster fahrt zum Himmel/A mãe Küster vai para o Céu” (1975) e “Faustrecht der Freiheit/O direito do mais forte à liberdade” (1974) — é certo e talvez nunca possam correr bem, mas pode converter-se este pessimismo em realismo através da atenção àquilo que motiva e origina a acção e os estados de coisas. O gesto de tornar claro significa, no seu vocabulário cinematográfico, a intensificação da totalidade das emoções e sensações e, sobretudo, um modo de filmar que anula as ilusões. E não esqueçamos que está sempre em causa uma tentativa de nos fazer pensar sobre nós próprios: obrigar o sujeito a dobrar-se sobre si mesmo e a tocar a matéria de que é feito o seu mundo. A sua máxima é a de, em palavras de Nietzsche, tocar o fundo da vida. Mas o ambiente dominante dos seus filmes é o de uma quase normalidade (personagens e situações que todos conhecemos do nosso quotidiano mais imediato), só que habitada por uma profunda consciência dos limites da liberdade, e dos seus constrangimentos sociais e políticos.


A intensidade do seu imenso trabalho — em 13 anos de carreira (1969 a 1982) realizou 37 longas metragens, três séries de TV num total de 20 episódios, foi actor em muitos dos seus filmes e em filmes de outros realizadores (Jean-Marie Straub, Uli Lommel, Werner Schroeter, François Ozon, entre outros), além de ter produzido muitos dos seus filmes, ter escrito ensaios (sobre Douglas Sirk, Claude Chabrol, etc), peças de teatro, etc. — é indissociável da Alemanha confusa e a refazer-se do trauma nazi: Fassbinder nasceu a 31 de Maio de 1945 e morreu a 10 de Junho de 1982, ou seja, nasceu três dias depois da rendição da Alemanha nazi e morreu sete anos antes da queda do muro de Berlim. Um intervalo de tempo em que se assiste na Alemanha à redefinição não só da ideia do próprio país, mas onde é colocada de um modo radical a questão sobre a viabilidade de uma vida em conjunto, isto é, a possibilidade da existência da comunidade humana.


Aquilo que se percebe nos seus filmes é que há uma tentativa, como ele próprio afirma, de descrever os mecanismos profundos destas inquietações. A premissa de que parte é que a história, interna e externa, não obedece a um modelo linear: não é possível entender a biografia de um indivíduo ou a história do mundo como se se tratasse de um rio que, à Heraclito, corre incessantemente e sem sobressaltos. As suas “histórias” entendem que o processo de formação não é linear, mas dá-se através de acontecimentos imprevisíveis, ilógicos e, a maior parte das vezes, irracionais. São momentos — traumáticos e chocantes — que rasgam o tecido social, político e humano. Uma visão que partilha as convicções mais profundas de Demócrito: o mundo é feito de elementos individuais, a que o Grego antigo chamava de átomos, Freud trauma e nós momentos de inesperado terror e desespero. São unidades mínimas de sentido, a que correspondem factos significativos e que podem alterar o curso das coisas (o tal rio impassível de Heraclito) — veja-se a “Der dritte Generation/A terceira geração” (1979). Deste modo, a história é, concluímos nós a partir dos seus personagens e suas tramas, não um processo em desenvolvimento, mas um conjunto de acontecimentos cujo verdadeiro alcance quase nunca se consegue perceber na totalidade (Hannah Arendt expressa esta convicção quando afirma que nada podia prever os campos de concentração nazis e o que eles protagonizam está para lá das possibilidades do entendimento humano).


É interessante notar como é que muitos dos problemas que os filmes de Fassbinder levantam, em termos da relação do tempo com a história e do trauma com o indivíduo, são idênticos àqueles com que se vai debater alguma da fotografia e arte contemporâneas, nomeadamente através da colocação da questão, depois de descobertas as primeiras imagens de campos de concentração, da possibilidade de fotografar e/ou filmar os espectros, o horror, o sofrimento (três exemplos: Claude Lanzmann, Daniel Blaufuks e Mikael Levin).


Para além da natureza mais interna ao próprio fazer da imagem e do movimento, os filmes de Fassbinder são marcadamente políticos e críticos. Este é, aliás, o seu aspecto mais conhecido. E são filmes duros que não deixam pedra sobre pedra. Não existem tabus ou lugares proibidos. Por isso foi — e ainda o é e muito — um autor controverso, incómodo, que, às vezes, se prefere não ver. A sua estética, muito inspirada na experiência colectiva do teatro, forma-se no terreno da convicção política. E a sua sensibilidade, nada convencional, está comprometida com a totalidade da esfera política, e é esta que molda os movimentos e modos de sentir. A fisicalidade e sensualidade dos seus filmes — alguns deles são verdadeiras obras de acção — provêm da recusa não só da intelectualização dos sentimentos, mas da necessidade urgente de fazer coincidir a imagem com a convicção, o movimento no ecrã com o agir na sociedade civil. Do mesmo modo que não existia uma separação clara entre o autor e o homem Fassbinder, também não existe qualquer abismo a ser transposto entre o mundo dos filmes e o mundo da convulsão política, da necessidade, da proibição, da xenofobia, da desigualdade, da injustiça. Note-se que fazer cinema deste modo é desobedecer e contrariar as leis surdas e implícitas do mercado, sobretudo, na recusa fundamental em ceder à comercialização dos afectos.


Não é um mundo de sombras, mas de fantasmas reais que permitem a redenção. Esta, a ser possível, tem dois caminhos: o amor e a arte. E é da afirmação profunda destas duas energias, que muitas vezes parecem demónios, que nasce o impulso maníaco e obsessivo de fazer filmes sem parar. A estratégia é terminar com as ilusões, ainda que muitas vezes o mundo dos seus filmes pareça um sonho, mas não com a beleza. Só a falsidade da promessa de um mundo que corre suavemente como um rio e onde não há sobressaltos é que é preciso denunciar e aniquilar. Numa entrevista Fassbinder afirma:

“A coisa melhor que consigo imaginar seria criar um elo desses, entre uma forma de fazer filmes tão belos, poderosos e fantásticos como os de Hollywood que, contudo, não sejam totalmente optimistas. Fazer um filme alemão igualmente belo, grandioso e fantástico, mas que pudesse ser crítico. Especialmente porque muitos filmes de Hollywood não são pura e simplesmente optimistas, ao contrário do que se costuma dizer.” (entrevista a C. B. Thomsen)


Trata-se da tentativa de fazer um cinema com a beleza de Hollywood que promete uma felicidade irreal e ilusória, mas sem a falsidade que essa promessa tem no seu centro.


Existem imensas possibilidades de entrar na casa que Fassbinder construiu, quase tantas quanto os seus filmes. Mas todos os problemas que toca — a substituição do afecto pela violência; a relação entre vítima e carrasco; a opressão política, social e amorosa; o terrorismo; a mulher; a homossexualidade; a prostituição; os ricos e os pobres, etc. — partem da convicção original, quer-me parecer, de que o cinema não é um produto de entretenimento, mas uma ocupação séria a ser entendida como veículo de libertação e revolução. E junte-se ao cinema o amor. Por isso, à semelhança da tragédia ática, o sexo, o sangue e a morte surgem como recursos principais, porque permitem tornar os seus conteúdos mais explosivos, mais legíveis, mais actuantes, mais próximos da carne que é feito o corpo (social e físico) de todos nós.


Nuno Crespo



* Está a decorrer, actualmente, na Cinemateca de Lisboa um ciclo sobre Rainer Werner Fassbinder. Ciclo que começou em Maio e que se prolonga até Novembro. Serão exibidos todos os filmes e séries de televisão realizados por Fassbinder, bem como filmes de outros realizadores onde participou como actor.