Links

PERSPETIVA ATUAL


Manuel Baptista, Caderno de estudo para obras em escultura/relevo em vidro acrílico (50 folhas), 1968-1970.© Fundação Calouste Gulbenkian


Manuel Baptista, Caderno de estudo para obras em escultura/relevo em vidro acrílico (100 folhas, 1968-1970.© Fundação Calouste Gulbenkian


Manuel Baptista, s/título, 1974. Serigrafia. © Fundação Calouste Gulbenkian


Manuel Baptista, Sem Título, 1974. Serigrafia. © ART4ALL


Manuel Baptista, Jardim, 1974. Grafite, lápis de cera e colagem sobre tela © DMF, Lisboa


Manuel Baptista, Sem título, 1984. Litografia. © Fundação Calouste Gulbenkian


Manuel Baptista, Zonas de Sombra, 2019. Técnica mista s/ papel. © artadentro


Manuel Baptista, Pintura, 1970. Colagem e Tinta acrílica. © Fundação Calouste Gulbenkian


Manuel Baptista, Sem Título, 1972. Óleo sobre Tela. © Catálogo das Artes


Manuel Baptista, Corbeille, 1973/2011. Alumínio e néon.

Outros artigos:

2024-07-02


MIGUEL PINTO


2024-05-30


CONSTANÇA BABO


2024-04-13


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2024-01-27


NUNO LOURENÇO


2023-12-24


MAFALDA TEIXEIRA


2023-11-21


MARC LENOT


2023-10-16


MARC LENOT


2023-09-10


INÊS FERREIRA-NORMAN


2023-08-09


DENISE MATTAR


2023-07-05


CONSTANÇA BABO


2023-06-05


MIGUEL PINTO


2023-04-28


JOÃO BORGES DA CUNHA


2023-03-22


VERONICA CORDEIRO


2023-02-20


SALOMÉ CASTRO


2023-01-12


SARA MAGNO


2022-12-04


PAULA PINTO


2022-11-03


MARC LENOT


2022-09-30


PAULA PINTO


2022-08-31


JOÃO BORGES DA CUNHA


2022-07-31


MADALENA FOLGADO


2022-06-30


INÊS FERREIRA-NORMAN


2022-05-31


MADALENA FOLGADO


2022-04-30


JOANA MENDONÇA


2022-03-27


JEANNE MERCIER


2022-02-26


PEDRO CABRAL SANTO


2022-01-30


PEDRO CABRAL SANTO


2021-12-29


PEDRO CABRAL SANTO


2021-11-22


MANUELA HARGREAVES


2021-10-28


CARLA CARBONE


2021-09-27


PEDRO CABRAL SANTO


2021-08-11


RITA ANUAR


2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



MANUEL BAPTISTA NO PAÍS DA COR



PEDRO CABRAL SANTO

2024-03-04




 

 

Abordar, e de forma esfusiante quanto baste, a complexa e deslumbrante obra do artista plástico Manuel Baptista (Faro, 1936) acomete-nos, acima de tudo, como se se tratasse de uma profunda – diríamos primitiva – arremetida viral, a plena e deslizante frequência persistente de um poderoso “vírus”, que tudo “inunda”. Inúmeras razões servem de suporte a esta afirmação, porquanto a vida e obra deste artista têm-se vindo, cada vez mais, a diluir, na infinidade de uma crescente hipersensibilidade – facto que se torna percetível em todas as dimensões expressivas do seu trabalho, e em particular na Pintura e no Desenho.

Manuel Baptista é possuidor de um pensamento complexo, complexo na sua essência. Desde logo, é enquanto meditação que esta reflexão manifesta a sua presença, nas suas construções e abordagens telúricas e, em particular, na própria produção das suas imagens artísticas, facto que se traduz num estranho sentimento: estas parecem ser coisificadas a partir de “ferramentas” que nos “empurram” para o insólito, o indizível, ou ainda o esmero. Imagens invulgares que patenteiam estar “abotoadas” de forma veemente aos percursos de vida do artista, com fortes implicações na prontidão e eficácia aplicada à realização do seu trabalho artístico, envolto de um pensamento singular. Acentuando, deste modo, o cariz pessoal e representativo, transformando-o implacavelmente numa estranha aventura construída pelo desbravar do desconhecido, ou mesmo por aquilo que habitualmente designamos por hesitações, traumas, etc. E tudo, mas tudo, atravessado por uma enorme dimensão amorosa. Manuel Baptista está, sem dúvida, enamorado pelo seu trabalho.

Em termos formais, referirmo-nos a poderosas malhas espalhadas em espaços brancos ou pré-coloridos, papeis, telas, madeiras, que da pintura ao desenho nos cruzam ferozmente o olhar. Malhas que sugerem enredos, labirintos, puzzles a preto e branco, ou mesmo pontuados com cores cinéreas, capazes de se expressarem em espaços irradiantes, topográficos, selvagens, declarados através de finos e grossos traços, onde o informe tem lugar. Espaços cuja lógica expressiva é comum à diversidade plástica exibida, que se constitui, reconfigura, mescla, extrorsa, de forma permanente, relegando-nos, assim, para um quadrante, uma zona euclidiana de puras harmonias e equilíbrios, formais, cromáticos e conceptuais.

A pintura e o desenho, como dissemos, têm coabitado desde sempre a plenitude do trabalho do artista. Neste deambular, temos de ser corajosos, mormente em enfrentar dois sentimentos, nem sempre consensuais, que aparentemente emergem em nosso redor: por um lado, encontramos, através das temáticas abordadas, questões que se comportam como se fossem “próprias”, inteligíveis, do foro teológico – aspetos que nos impelem ao domínio da pura espiritualidade. Mas, por outro, estamos na presença de um observador da vida quotidiana, um praticante do Just Looking [1], que gosta de “olhar” e “observar”, com aprazimento, deleite e temperança.

O artista parece viver, invariavelmente, entre estas duas dimensões, que operam sob a influência de pensamentos contraditórios, de procura incessante em optar por uma ou por outra, e também num profícuo, e cuidado, envolvimento em questões que estão diretamente relacionadas com a praxis artística e científica. Referimo-nos, em particular, à ótica, e sobretudo ao tratamento da dimensão da Cor, que o autor trabalha exaustivamente, embora esta vereda tenha sido muitas vezes ignorada na imensa e abundante literatura realizada sobre a sua obra.

Este domínio disponibiliza-se objetivamente nas imagens do artista, habitadas por traços fortes, demarcados e incisivos, manchas de cor que deambulam a partir do preto e branco, e estimulantes explosões cromáticas. Na observação in loco do seu trabalho, temos imediata consciência de uma grande desenvoltura plasmada numa multiplicidade de metodologias. Por exemplo, aquelas que o autor emprega na(s) prática(s) do Desenho – com especial incidência para uma “secreta” vertente clássica, que se verifica, de forma evidente, no aperfeiçoamento de trabalhos onde emprega o carvão, ou ainda na “anatomia” das suas diversas pinturas coloridas. É interessante perceber como Manuel Baptista despende de forma invulgar os procedimentos relativos à perspetiva, que também podemos apontar como alvo apurado do seu métier, esboçando imensas cenas nas quais nos surge a teoria perspética – disfarçada, é certo, através de uma relação muito especial com o fator Cor. Na verdade, no entanto, a perspetiva em Manuel Baptista não se prende com a procura de uma profundidade espacial, em termos puramente clássicos, mas, antes, de uma singular “profundidade cromática”.

Neste contexto, a Cor assume as despesas da casa, transformando-se na colossal cambota que empurra a “locomotiva” expressiva do artista, produzindo deste modo um enorme caudal emocional que o invade, e a nós, por todos os poros. Circunstância que urge, portanto, abordar: a cor tem o poder de nos toldar as emoções – como relatava Vincent Van Gogh numa das suas inúmeras cartas ao irmão Theo – e parece ser de um modo igualmente radical que Manuel Baptista interpreta o problema cromático. De resto, a problemática cromática está relacionada com toda a diligencia cultural e científica que se desenvolve insofismavelmente desde o modernismo até à atualidade. Pensamos, por exemplo, em autores como Pissarro (1830-1903) ou, um pouco antes, Corot (1796-1875), que também comungavam desta atitude essencial em relação ao uso da Cor: tornar a Cor invisível é, por outro lado, acentuá-la do ponto de vista emocional.

O campo da Pintura é, em Manuel Baptista, difícil de separar do desenho. Tentando, no entanto, esse esforço, verificamos tendências reveladoras de dois sintomas: em primeiro, e como já afirmámos, a aplicação dos pressupostos científicos – as pinturas saturadas de cores primárias, o azul e o vermelho – e, em segundo, a presença de uma “paleta invisível”, assumindo uma carga “lírica”, poética e emocional, com as cores a surgirem essencialmente a partir da mistura e combinação das cores primárias, verdes e laranjas. Desde pinturas com uso cromático complexo, passando pela fase auspiciosa das monocromias, podemos dizer que a sua paleta é de facto, um autêntico tratado cromático, onde o autor consegue tirar partido das cores complementares, dos seus efeitos psicológicos, bem como dos contrastes simultâneos. Neste último caso, a sábia utilização do contraste simultâneo, Manel Baptista desenvolve uma técnica cuja atuação permite utilizar cores saturadas, do ponto de vista da aplicação de pigmentos puros, provocando deste modo um efeito sequencial, que resulta de uma interação luminosa entre a forma como posiciona as cores primárias face às secundárias.

É interessante esta deriva provocada pelo autor, que nos recorda sem dúvida outros artistas, outros tempos. Por exemplo, quando atentamos a personalidades tão diversas como é o caso de Eugène Delacroix (1798-1863), William Turner (1775-1851) ou mesmo Claude Monet (1840-1926), verificamos um denominador comum: todos eles pintavam as sombras, pois a perceção de que como o cérebro perceciona as cores começava a impor-se como um dado científico cuja força não mais deixaria de ser tida em conta. É também o caso de Baptista, ao assumir as sombras como conteúdo e não como complemento – em muitos casos a sombra é projetada pela sombra obtida pela iluminação. Esta vivência traduz-se, afincadamente, nas possibilidades do uso da cor, procurando, desse modo, uma utilização diferente para esta, no campo pictórico. Esquivando-se à cor, à cor física, mas também à cor “espiritual”. E acentuando, ao invés, a cor aplicada em termos puramente plásticos, de acordo com a manipulação uma realidade plástica. Assim, Manuel Baptista distancia-se, a pouco e pouco, das cores que são obliteradas pela realidade, pelos objetos que fazem parte do mundo, gerando, brilhantemente, espaços cromáticos autónomos, que ditam as suas próprias leis.

Estas questões conduzem-nos, inevitavelmente, a questionar a relação entre o seu trabalho e toda a interrogação da cor que marca o desenvolvimento da modernidade, através de múltiplos campos disciplinares, não só científicos – casos da Física, da Química, da Fisiologia, da Psicologia – mas também estéticos, artísticos, filosóficos. Para nos orientarmos, nesse contexto de grande riqueza, podemos estabelecer desde a extraordinária investigação de Goethe sobre a cor, culminando na publicação, em 1810, de Zur Farbenlehre (Teoria da Cor), até à atualidade.

É a partir desta invulgar plataforma histórica que podemos aproximar-nos da obra de Manuel Baptista, e, em particular, do seu interesse pelos fenómenos que envolvem a persistência das imagens e também o(s) contraste(s) simultâneo(s) – fenómenos que constituem, de algum modo, o “centro” do interesse moderno pela cor.

Veja-se como esta temática está presente na grande obra de George Seurat (1851-1891) Un Dimanche après-midi à l’île de la Grande Jatte (1886) [2]. A cena mostra-nos um importante lugar de encontro da burguesia parisiense do final do século XIX, um parque nas margens do Sena. No entanto, os personagens surgem inseridos no que aparenta ser uma paisagem artificial. Seurat recorre, é certo, à perspetiva dita tradicional, mas o encanto não passa por aí, mas pela forma como emprega os contrastes lumínicos e cromáticos, desestabilizando formalmente toda a pintura. O interesse que daqui advém confere à pintura – tal como em Manuel Baptista – um lugar “giratório”, que se desenvolve em torno do contraste das cores [3] – pequenos pontos de cores puras – entre si. A mistura entre as cores passa aqui a ser produzida pelo “olho” – de acordo com os princípios definidos por Chevreul – e não pela mistura efetiva dos pigmentos. Seurat pretendia realizar um trabalho cromático que garantisse, em termos de efeito, luz e cor, que se traduzia em “harmonias” testadas pelo espetador. Como resultado, obtemos uma pintura muito saturada do ponto de vista cromático, mas que se traduz, nos olhos do espetador, numa grande harmonia de luz e cor, que acompanha uma verdadeira “deflagração” da retina, cujo efeito é hipnotizante. Este efeito apresenta-se, de uma outra forma, no trabalho de Manuel Baptista.

É a partir de uma compreensão da forma como funciona o elemento cor, combinado e recombinado com outras estruturas formais, que o autor produz a sua obra, levando esta problemática a um outro patamar, fruto da combinação de motivos oriundos da sua observação do dia-a-dia, transformados em elementos gráficos que flutuam, evoluem, num deslumbrante oceano híper-colorido, por vezes, esbatido, pardento, por outras. A cor, sempre a cor, a delimitar os acontecimentos representados ou, melhor, a dotá-los de permanente capacidade de reconfiguração, como se se tratasse de uma “obsessão”, uma boa obsessão que é parte vital e determinante da sua postura em torno do conhecimento da cor e do seu uso.

Como já afirmámos, o pensamento de Manuel Baptista é complexo, e assume o carácter de uma meditação. E é através dessa dimensão que o seu trabalho se liga às experiências realizadas, e descritas, por Goethe. As reflexões de Goethe sobre a Cor não se constituem, como é o caso do trabalho de Chevreul, enquanto teoria positiva e sistemática – como Ciência, pronta a assumir uma dimensão técnica – mas, antes, como algo mais próximo de uma fenomenologia. Ou, precisamente, como uma meditação interminável. Do que se trata aí é de uma exploração dos limites dos fenómenos, e das práticas, nas suas manifestações mesmas.

Assim, a obra de Manuel Baptista, na sua forte ligação à problemática da Cor, sem deixar de ter em conta toda a dimensão técnica e científica potenciada (não só mas também a partir) pelas descobertas de Chevreul, está profundamente enquadrada por uma outra atitude. E essa atitude é a de fazer dos fenómenos, das técnicas, da práxis, e do próprio olhar como prática e técnica, pretextos para uma meditação. Meditação que, na sua complexidade, na sua concentração, na sua profundidade, visa sempre, num trabalho infinito de reconfiguração, olhares e fazeres outros. E é isto que nos parece produzir o intrigante fascínio do trabalho de Manuel Baptista.

 


Pedro Cabral Santo
Estudou Pintura e Escultura nas Faculdades de Belas-Artes de Lisboa e Porto, especializando-se nas áreas expressivas afetas à instalação e à vídeo-instalação. Em paralelo, nos últimos 20 anos, tem vindo a desenvolver as atividades de artista plástico e comissário de exposições.

 

[2023, Pedro Cabral Santo. Texto original escrito antes do falecimento do artista.]


:::


Notas

[1] Jonathan Crary chama-nos a atenção do influxo retiniano que se disponibilizou nas ditas sociedades ocidentais através das designadas “culturas óticas” muito ligadas ao prazer sinestésico, ao entretenimento e com grande expansão em finais do séc. XIX. Ferramentas que ajudaram a reconfigurar, em termos formais (sobretudo visuais), a forma como passamos a administrar o nosso olhar face ao quotidiano, e consequente atenção ou desatenção face ao mesmo.
[2] Este trabalho faz parte do acervo do The Art Institut of Chicago, EUA.
[3] Sem dúvida que o legado do trabalho de Chevreul designado por Princípio do Contraste Simultâneo (De la Loi du Contraste Simultané des Couleurs et de l'Assortiment des Objets Colorés, 1939), onde as cores (complementares e não complementares) através do seu brilho e intensidade “obedecem” à forma como são utlizadas em termos de proximidade em determinadas superfícies.