Links

PERSPETIVA ATUAL


William Anastasi


William Anastasi


Carl Andre


Martin Beck


Martin Beck


Trisha Donnelly


Trisha Donnelly

Outros artigos:

2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

CONCEPT ON: WILLIAM ANASTASI, CARL ANDRE, MARTIN BECK, TRISHA DONNELLY - NOVA IORQUE, MAIO DE 2007



ANA CARDOSO

2007-05-22




Concept On – William Anastasi, Carl Andre, Martin Beck, Trisha Donnelly

Nova Iorque – Maio de 2007


«You change and unfold if you truly perceive» – Carl Andre


William Anastasi tem uma exposição retrospectiva na Drawing Room do Drawing Center, no Soho, que fica até 21 de Julho. São recriados trabalhos site-specific, dos anos 60, que se enquadram no objectivo conceptual de desmaterialização do objecto artístico. Contudo, a especificidade dos materiais é essencial e conduz a forma dos trabalhos: a tinta escorre, a parede fura-se, o metal oxida… As peças são exercícios simples e por isso extraordinários no campo da arte conceptual que repensa o objecto, o espaço e o espectador. O título da exposição é “Raw”, o que refere uma clara inversão do modo de usar materiais – as obras apresentadas mostram a sua própria crueza, em vez de sofrerem inúmeras transformações evocativas – os materiais são o que são, as transformações são derivativas. A tinta escorre, a parede fura-se, o metal oxida. A acção altera-os e fixa-os. As formas de Anastasi são de simples comunicação – quase uma sinalética formal – e, por isso, misteriosas. A sua fórmula é 1+1=1, e o resultado simples e indizível.
As peças mostradas no Drawing Center são desenhos mentais e espaciais que revelam formas tão limpas, que temos de fazer um reset mental.
Haverá uma conversa in loco entre Anastasi e o comissário da exposição – João Ribas – no dia 31 de Maio, às 18.30h.

Carl Andre mostra um grupo importante de desenhos, ou poemas visuais – “Early Works on Paper 1958-1966” – na Gallery 2, da Galeria Andrea Rosen, em Chelsea, até 9 de Junho. São por um lado experiências fabulosas com uma máquina de escrever, e por outro um verdadeiro corpo experimental e conceptual, que reflecte os interesses metafísicos e espaciais de Carl Andre. Há repetições, padrões e desenhos feitos com letras e palavras. Alguns são muito simples e esparsos e outros obsessivos, como é a escrita, ou mesmo as suas esculturas que multiplicam e duplicam, como plataformas para qualquer coisa ou legendas de coisa nenhuma. Em certas páginas, as palavras aglomeram-se de forma magnética e criam padrões.
Há bocados de papéis cortados com letras que formam uma página ilegível. Andre pretende alcançar o infinito através da experiência das inúmeras partículas e grãos que se desdobram numa aprendizagem elementar.

Martin Beck tem a exposição “The details are not the details” na Orchard, no Lower East Side, até 10 de Junho, que explora o momento da alteração de formatos expositivos nos anos 50 e 60. No final dos anos 50, os grandes museus começam a explorar novos modos de expor, num intuito modernista, no mesmo momento em que as corporações compreendem a necessidade da disseminação da informação e essa nova forma de poder. O intuito experimental funde-se com os interesses corporativistas. Os protótipos de exposição, racionais e modulares, criados num rasgo utópico de disseminação cultural ad aeternum, transformam-se à mesma escala, num excesso de poder modernista, impositivo. O trabalho de Beck tem sido investigar a história das exposições modernistas. “The details are not the details” mostra um novo vídeo, uma série de diagramas e uma disposição especial da galeria. A exposição faz uma triangulação do que é produzido por Beck com documentos sobre o tema central e outras peças, como uma sequência fotográfica de Edward Muybridge e uma peça de Sol Lewitt.
No dia 25 de Maio, às 18.30h, haverá uma discussão entre Martin Beck e Felicity D. Scott, que questionará os sistemas expositivos, as lógicas administrativas e as noções relacionadas com o espectador.
Orchard é um projecto de três anos (encerrará em Abril de 2008), e um espaço sem fins comerciais, organizado e gerido por teóricos, realizadores e artistas como Rhea Anastas, Moyra Davey, Andrea Fraser, Nicolás Guagnini, Gareth James, Christian Philipp Müller, entre outros. É um espaço de eventos e exposições, e um dos pólos da Institutional Critique em Nova Iorque.

Trisha Donnelly mostra na galeria Casey Kaplan, em Chelsea, até 14 de Junho. O seu trabalho é pós-conceptual, elaborado e extasiantemente opaco. Há uma estética seca de economia e sugestão indefinida em cada peça. Cada peça é uma experiência interligada de pensamento romanesco, circular e singular, e ao mesmo tempo de ligação entre ideias quase simples, que quase ninguém entende. Ninguém consegue descrever Donnelly – o press release é o seu nome, a folha de sala tem um poema – tudo são peças, incluindo as performances e aparições onde nada é explicado. E, extraordinariamente, isso é admirado, querido, proclamado, dito arte quase mística, devota e de grande rigor intelectual. Donnelly é sem dúvida um fenómeno, entre os artistas precoces no mundo da arte – nasceu em 1974 – especialmente se encararmos o seu trabalho e a sua incompreensão quase magnética. A questão é que, onde tudo o que não parece arte é arte, e tudo o que parece arte também o é porque assim se declara que seja, incluindo as performances ficcionais, isso arrasta consigo uma consciência ideal e dificilmente alcancável – após a demissão do artista semi-deus. Donnelly pega na necessidade do público, de ter de haver um público e de o público querer alguma coisa, e cria no espaço dessa necessidade aquilo que é claramente impossível de pronunciar. Não só a utilização desse desejo é impossível, dado que a sua perversão contemporânea é uma espécie de anti-climax do espectáculo artístico, como é isso que origina a satisfação do intelecto na pureza conceptual.

Links:
www.drawingcenter.org
www.andrearosengallery.com
www.orchard47.org
www.caseykaplangallery.com