Links

PERSPETIVA ATUAL


Joseph Beuy, Sibirische Symphonie 1. Satz, 1963. Festum Fluxorum/Fluxus/Musik und Antimusik/Das Instrumentale Theater, Staatliche Kunstakademie. The Gilbert and Lila Silverman Fluxus Collection


Joseph Beuys, Der Chef, 1964. © 2008 Artists Rights Society (ARS), New York / VG Bild-Kunst, Bonn.


Joseph Beuys, Coyote: I Like America And America Likes Me, 1974. Rene Block Gallery, New York. Fotografia: Caroline Tisdall


Joseph Beuys, Coyote: I Like America And America Likes Me, 1974. Rene Block Gallery, New York. Fotografia: Caroline Tisdall


Joseph Beuys, Coyote: I Like America And America Likes Me, 1974. Rene Block Gallery, New York. Fotografia: Caroline Tisdall


Joseph Beuys, Coyote: I Like America And America Likes Me, 1974. Rene Block Gallery, New York. Fotografia: Caroline Tisdall


Joseph Beuys, Coyote: I Like America And America Likes Me, 1974. Rene Block Gallery, New York. Fotografia: Caroline Tisdall


Joseph Beuys, Coyote: I Like America And America Likes Me, 1974. Rene Block Gallery, New York. Fotografia: Caroline Tisdall


Joseph Beuys, Coyote: I Like America And America Likes Me, 1974. Rene Block Gallery, New York. Fotografia: Caroline Tisdall


Joseph Beuys, I Like America and America Likes Me, 1974. © Artists Rights Society (ARS), New York / VG Bild-Kunst Bonn, Germany. Courtesy of SFMoMA.

Outros artigos:

2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



UPLOAD: BEUYS' MYTHOLOGY (WHO'S AFRAID OF FAT, FELT AND DEAD HARES?) - PARTE IV



PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA

2020-08-14




 

 

[esta é a quarta parte do artigo "Upload: Beuys' Mythology (Who's Afraid of Fat, Felt and Dead Hares?)", as restantes partes podem ser acedidas aqui: Parte 1, Parte 2, Parte 3]

 

 

As duas performances que Beuys apresenta, em 2 e 3 de Fevereiro de 1963, no Festum Fluxorum organizado por Maciunas e pelo próprio Beuys na Düsseldorf Kunstakademie, não poderiam diferir mais. Komposition für zwei Musikanten seguia o modelo da Fluxus, consistindo simplesmente na ação de um brinquedo de corda, constituído por dois músicos, tocando tambor e pratos – Beuys deu corda ao brinquedo e depositou-o no palco. Sibirische Symphonie 1. Satz, pelo contrário, rompe com a ortodoxia da Fluxus, introduzindo, simultaneamente, elementos já característicos da obra posterior de Beuys. Beuys tocou fragmentos de Erik Satie num piano que tinha preparado para funcionar simbolicamente como uma bateria elétrica, através de dois terminais de barro, por sua vez ligados por cabos de cobre a uma lebre morta pendurada num quadro negro. Levantando-se várias vezes, entre a execução dos fragmentos musicais, para escrever a giz no quadro, Beuys terminou a performance retirando o coração da lebre e pendurando-o igualmente no quadro [1].

Der Chef/The Chief (Fluxus Gesang), performance realizada pelo artista a 30 de Agosto de 1964, em Copenhagen, e na galeria René Block, em Berlim, a 1 de Dezembro de 1964, confirma e prolonga esta rutura. Durante as nove horas de duração da performance, Beuys permaneceu, absolutamente imóvel, embrulhado num rolo de feltro, em cujas extremidades se posicionavam lebres mortas. Uma vareta de cobre emergia de um rolo de feltro menor. O rodapé e os cantos da galeria estavam barrados com banha, e uma acumulação de cabelo e unhas espalhava-se pelo chão. Envolvido no rolo de feltro, Beuys ia comunicando com o exterior, emitindo sons semelhantes aos de um veado macho através de um microfone [2].

Através dessas performances, consegue alterar profundamente a direção em que se desenvolvia a produção da Fluxus. A performance deixa de ser um acontecimento pontual, semântica e emocionalmente neutro, para ganhar duração, estrutura e densidade emocional e simbólica. Há que distinguir aqui dois aspetos: em primeiro lugar, duração e estrutura eram uma característica tanto da produção de Cage como dos primeiros happenings, e continuava a ser uma tendência ativa no interior da Fluxus, mas que Maciunas tentava ativamente suprimir, favorecendo o estilo pontual de Brecht [3]. Beuys partilha essa tendência mais expansiva com Allan Kaprow, Dick Higgins, Wolf Vostell e Nam June Paik [4]. No entanto, é o segundo aspecto, a densidade emocional e simbólica, que o coloca num lugar à parte. E é precisamente esse o elemento que constitui a base da grande resistência que foi oferecida ao seu trabalho. Esse elemento rompia, de um modo muito explícito, com uma genealogia do formalismo americano, que se estendia tanto pela performance, como pela pop, e pelos seus prolongamentos europeus. E marca, assim, o ponto a partir do qual se desenvolve uma nova modalidade da imagem visual, hoje bem presente no panorama artístico.

Uma importante característica distintiva desta nova modalidade da imagem, e que se manifesta já em Joseph Beuys, é a forma como se relaciona com a dimensão política e com a questão do espaço público. Enquanto que, na formulação tradicional do espaço público, de Kant a Jürgen Habermas (e Benjamin Buchloh), a ênfase é colocada na estrutura, na racionalidade, na normatividade, no respeito pelos limites, a nova formulação suspende os limites, ou seja, as estruturas de uma subjetividade estável, e coloca a ênfase numa dimensão afetiva, muito explicitamente estética. Isto provocou, e continua a provocar, a objeção de uma associação ao fascismo, sobretudo face ao aviso de Walter Benjamin no final de Das Kunstwerk im Zeitalter Seiner Technischen Reproduzierbarkeit [5]. Mas essa objeção, quando absolutizada, perde toda a pertinência, reduzindo-se a um mero straw man [6]. Por outro lado, se analisarmos as condições do desenvolvimento de uma cultura de vanguarda na Alemanha do pós-guerra, encontramos, efetivamente, uma experiência de suspensão da normatividade, a experiência do Stunde Null – a «hora zero» – como devastação absoluta, e suspensão de toda a cultura e humanidade. Esta experiência – que deve ser posta em paralelo com o que Giorgio Agamben chama «estado de exceção» [7] – opõe-se à experiência vulgar do Stunde Null como desculpabilização, e constitui-se antes como um prolongamento indefinido da devastação, que abre paradoxalmente uma nova forma de espaço público desestruturado que liberta novas possibilidades de invenção [8].

Era este novo espaço público que caracterizava os ambientes onde se deu a recepção de John Cage, e depois o desenvolvimento da Fluxus, na Alemanha: em particular os Ferienkursen em Darmstadt e o atelier de Mary Bauermeister em Colónia [9]. Foi nesse contexto que se desenvolveu o trabalho de Nam June Paik, que era aluno de Karlheinz Stockhausen em Colónia e conheceu Cage em Darmstadt, em 1958, quando este lecionava aí pela primeira vez [10]. A primeira performance de Paik, Hommage à John Cage: Music for Tape and Piano, na Galerie 22, em Düsseldorf, a 13 de Novembro de 1959 – performance à qual Beuys assistiu [11] – não só era um objeto formalmente complexo, na tradição direta de Cage, como incluía, significativamente, um aviso contra a «trivialidade e estupidez» do Wirtschaftswunder [12]. Aviso cuja proveniência só pode ser localizada nos meios intelectuais alemães, em particular Darmstadt, onde Theodor Adorno ensinava regularmente desde 1950, exercendo, mas também sofrendo, grande influência. O conceito de «apresentação negativa», que como já vimos é apontado por Gene Ray como caracterizando a tematização do holocausto por Beuys, é de facto desenvolvido por Adorno não só como resposta ao holocausto, mas, também, como a resposta ao Stunde Null, tal como era presenciado em Darmstadt [13].

Os Ferienkursen, iniciados logo em 1946, ainda sob a ocupação americana, podem assim ser o modelo do novo espaço público que caracteriza o trabalho de Beuys, e possibilita simultaneamente a receção da Fluxus. Mas, por outro lado, estabelecia as condições para um absoluto choque ideológico com a América. Se Darmstadt recebeu Cage, e a Fluxus, no final da década de cinquenta e início da década de sessenta, as diferenças rapidamente se tornaram evidentes: o anti-elitismo e antieuropeísmo da Fluxus não podiam estar mais em contraste com o híper-elitismo sem concessões de Darmstadt. Estabeleceu-se assim uma «rota de colisão» entre América e Europa, e o trabalho de Beuys como um dos pontos dessa colisão. Mas, apesar de tudo, o fascínio mútuo inevitavelmente continuou.

Por um lado, a América, talvez paradoxalmente, é o outro nome do novo, da revolução. Por outro, a América é o acesso a um público, e a meios, muito para além do que era possível na Europa e na Alemanha. No entanto, Beuys recusava-se a visitar a América, como protesto contra a guerra no Vietnam. Mas quando René Block inaugurou, em Maio de 1974, a sucursal da sua Galeria em Nova Iorque, surgiu a possibilidade de aí encenar um poderoso comentário ao imperialismo americano: o resultado foi uma enorme performance intitulada Coyote: I Like America and America Likes Me, que consistia em permanecer, durante três dias, fechado dentro da galeria, juntamente com um coyote [14]. Esta performance/ação, que podia ser vista pelo público através de uma rede [15], constituía-se assim como um período de convivência, ou mesmo de cativeiro, com um animal feroz, selvagem. Apesar de se encontrar em evidente limitação de movimentos e perto de um animal selvagem, isso não implicava que o artista não trouxesse consigo a cultura e a civilização: assim, enquanto que o coiote tinha, no fundo da galeria, a sua palha, Beuys dispunha, além da sua habitual indumentária, de duas grandes mantas de feltro, uma bengala, um par de luvas castanhas, cigarros, uma lanterna, um triângulo, percutido ocasionalmente pelo artista, um gravador, que emitia, quando acionado, o som de uma turbina, e cinquenta números do Wall Street Journal, atualizados diariamente, e nos quais o coiote foi urinando e defecando [16]. Neste ambiente, Beuys e o coyote vão realizar, apesar de tudo, uma progressiva e estudada aproximação, acabando por conviver amigavelmente. No último dia do evento, parte tal como tinha chegado, embrulhado em feltro, numa ambulância que o leva da Galeria ao Aeroporto John F. Kennedy, onde embarca com destino à Alemanha [17].

Este trabalho, em particular, foi de uma enorme força simbólica. Beuys tinha simulado na galeria uma zona de iminente estado de guerra, de confronto entre o homem civilizado e o mundo “selvagem”: sobretudo o palco de uma suspensão e possível redistribuição de barreiras normativas. O coyote – que representa a América – assumia-se desta forma como um mensageiro do outro lado do mundo, aquele a que não temos acesso, mas que está presente, e no final, torna possível identificar a forma de se tolerar o aparente intolerável, a impossível convivência, construindo uma ponte entre mundos diferentes, dispares. Desse ponto de vista, esta performance constitui-se como modelo da nova modalidade da imagem proposta por Beuys, que colocava como horizonte a transformação da própria subjetividade: um exemplo de um eventual uso de elementos metafísicos, visando a sua desconstrução e ultrapassagem. Postura determinante para que outra vez a Imagem Visual Artística se transformasse, gerando um regime discursivo influente, especialmente junto dos jovens artistas, e que se tem perpetuado até aos nossos dias.

As propostas artísticas de Joseph Beuys não podem ser dissociadas do contexto geral que lhes presidiu. Contudo, não deixa de ser verdade que foi através da radicalização das suas ações, e da forma como lutou por elas, que se possibilitou a instauração de um novo modo de ver. Para ele, tratava-se da defesa de princípios de grande nobreza e elevação, que no seu entender deveriam pautar a atividade humana em geral, e a artística em particular: a importância de um artista e do seu trabalho media-se pelo seu grau de autoconhecimento, pelo trabalho sobre as próprias limitações, e a determinação em o expor. Apesar de questionáveis – e efetivamente questionadas – essas poderosas premissas foram fundamentais para a adesão dos artistas mais jovens, e para a constituição de um frutuoso legado. As suas ideias mantêm-se assim ativas, num contexto de intensa problematização, tal como uma visita a qualquer escola ou academia permite constatar.

Em termos puramente artísticos, o trabalho de Beuys pode assemelhar-se a uma espécie de peregrinação religiosa, com o seu estoicismo e a sua recusa em vacilar, mudar de rumo – atitude que foi responsável pela transmissão da mensagem de que a Arte não é algo de negociável; ao invés, deve ser, acima de tudo, a busca de uma pureza interior. Mas, como em tudo, a postura que adotou foi também causadora de alguma incompreensão. Ao apresentar-se publicamente, em termos mediáticos, com tiques típicos de uma «super estrela», evidenciados inclusive na indumentária, que se mantinha inalterável – com as botas e o colete sempre em destaque, a par do famoso chapéu. Beuys exibia sempre, quer fosse na preparação ou na apresentação de uma peça escultórica, numa performance ou num discurso improvisado, esta indumentária, como se fosse um uniforme militar, uma pura imagem de marca [18]. Esta aparente desarmonia talvez seja apenas a confirmação de que entre discurso e atitude se interpõe o factor humano, do qual aliás a Imagem Visual Artística depende inteiramente. Como pode a exigência ética e espiritual da postura de Beuys confrontar-se com uma incontornável determinação cultural e fisiológica? A resposta que deu não poderia ser mais determinada culturalmente, por milénios da história humana: o artista deve incorporar aquela personagem excecional – simultaneamente à parte e no centro da sociedade – que se manifesta tanto no Xamã das estepes asiáticas como na super estrela com os seus tiques [19].

E talvez seja essa a verdadeira natureza da imagem artística: um mero reflexo – investido de importância – daquilo que nos esforçamos por revelar como humano. O que se nos revela ainda nas palavras de Andy Wharol: «A América gosta mais dele do que ele pensa».

 

 

Pedro Cabral Santo
Estudou Pintura e Escultura nas Faculdades de Belas-Artes de Lisboa e Porto, especializando-se nas áreas expressivas afetas à instalação e à vídeo-instalação. Em paralelo, nos últimos 20 anos, tem vindo a desenvolver as atividades de artista plástico e comissário de exposições.

Nuno Esteves da Silva
Estudou Pintura, Museologia e Teoria da Arte na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. Tem desenvolvido, nos últimos 20 anos, atividades como artista plástico, comissário de exposições, na direção de espaços expositivos, na publicação de revistas de arte, e ainda na área da investigação na teoria da arte. Atualmente termina o doutoramento em Ciências da Arte, na Faculdade de Belas Artes de Lisboa.

 

 

 

:::

Notas

[1] Ver Antje von Graevenitz, «Beuys Alchemical Credo: The Presence of Nature as an Emblem and Epiphany for the Creative Man» (in Æsa Sigurjónsdóttir, e Ólafur Páll Jónsson (eds.), Art, Ethics and Environment: A Free Inquiry Into the Vulgarly Received Notion of Nature. Newcastle: Cambridge Scholars Press, 2006, pp. 45-55), pp. 50-51; e Joan Rothfuss, «Joseph Beuys: Echoes in America», p. 41.
[2] Ver Günther Berghaus, Avant-garde Performance: Live Events and Electronic Technologies, pp. 159-160; e Jan Verwoert, «The Boss: On the Unresolved Question of Authority in Joseph Beuys’ Oeuvre and Public Image» (e-flux Journal, 1 (2008): pp. 1-16), pp. 12-14.
[3] Ver Cuauhtémoc Medina, «The “Kulturbolschewiken” I: Fluxus, the Abolition of Art, the Soviet Union, and “Pure Amusement”», pp. 184-185.
[4] Ver Cuauhtémoc Medina, «The “Kulturbolschewiken” I: Fluxus, the Abolition of Art, the Soviet Union, and “Pure Amusement”», pp. 185-187.
[5] Ver Walter Benjamin, «The Work of Art in the Age of Its Technical Reproductability (Second Version)» (in Selected Writings. Harvard: Harvard University Press, 2003, vol. 3, pp. 101-133), pp. 120-122.
[6] Ver Timothy O’Leary, «Fat, Felt and Fascism: The Case of Joseph Beuys» (Literature & Aesthetics, 6 (1996): pp. 91-105).
[7] Ver Giorgio Agamben, State of Exception (Chicago: The University of Chicago Press, 2005).
[8] Sobre o Stunde Null como vazio de legitimidade política, e a refundação dessa legitimidade no reconhecimento e garantia da liberdade económica, ver Michel Foucault, Naissance de la Biopolitique: Cours au Collège de France (1978-1979), pp. 77-103. Se essa refundação pode constituir o gesto político fundamental da Alemanha do pós-guerra, é evidente que o novo modo de legitimação não encontra uma aceitação absolutamente generalizada e, como consequência, a crise de legitimidade vai prolongar-se, adquirindo múltiplas expressões na sociedade alemã.
[9] Ver Günther Berghaus, Avant-garde Performance: Live Events and Electronic Technologies, pp. 115-122; e Martin Iddon, New Music at Darmstadt: Nono, Stockhausen, Cage, and Boulez, pp. 196-228.
[10] Ver Günther Berghaus, Avant-garde Performance: Live Events and Electronic Technologies, pp. 119-127; e Martin Iddon, New Music at Darmstadt: Nono, Stockhausen, Cage, and Boulez, pp. 223-224.
[11] Ver Joan Rothfuss, «Joseph Beuys: Echoes in America», p. 40.
[12] Ver Günther Berghaus, Avant-garde Performance: Live Events and Electronic Technologies, p. 122.
[13] Sobre a relação entre a «apresentação negativa» adorniana, o Stunde Null, e os Ferienkursen em Darmstadt, ver Brent Andrew Wetters, Darmstadt and the Philosophical Turn (Brown University Library, 2012, https://repository.library.brown.edu/studio/item/bdr:297687/).
[14] Ver Jonathan Harris, The Utopian Globalists: Artists of Worldwide Revolution, 1919–2009 (Malden: Wiley-Blackwell, 2013), pp. 184-185; Jan Verwoert, «The Boss: On the Unresolved Question of Authority in Joseph Beuys’ Oeuvre and Public Image», p. 5; Erika Fischer-Lichte, The Show and the Gaze of Theatre: A European Perspective (Iowa City: University of Iowa Press, 1997), pp. 245-248; e David Adams, «Joseph Beuys: Pioneer of a Radical Ecology» (Art Journal, 51: 2 (1992): pp. 26-34), p. 32.
[15] Ver Erika Fischer-Lichte, The Show and the Gaze of Theatre: A European Perspective, p. 245.
[16] Ver Erika Fischer-Lichte, The Show and the Gaze of Theatre: A European Perspective, pp. 245-246; e David Adams, «Joseph Beuys: Pioneer of a Radical Ecology», p. 32.
[17] Ver Erika Fischer-Lichte, The Show and the Gaze of Theatre: A European Perspective, p. 245.
[18] Ver David W. Galenson, Conceptual Revolutions in Twentieth-Century Art (Cambridge: Cambridge University Press, 2009), pp. 166-167.
[19] Ver Jan Verwoert, «The Boss: On the Unresolved Question of Authority in Joseph Beuys’ Oeuvre and Public Image». A análise de Verwoert não só assinala como valoriza o elemento problemático da obra de Beuys: longe de se tratar de uma tentativa, irremediavelmente maculada pela má consciência, de suturar em absoluto o trauma, o artista acaba por revelar a dimensão contraditória de qualquer ação curativa.

 

:::

 

Bibliografia

ADORNO, Theodor W. – Negative Dialectics. London and New York: Routledge, 2004.
AGAMBEN, Giorgio – State of Exception. Chicago and London: The University of Chicago Press, 2005.
ART, David – The Politics of the Nazi Past in Germany and Austria. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.
BEUYS, Joseph ; KUONI, Carin – Joseph Beuys in America: Energy Plan for the Western Man. New York: FlashArt illustrated, 1993.
BENJAMIN, Walter – The Origin of German Tragic Drama. London: Verso, 1998.
BENJAMIN, Walter – The Arcades Project. Harvard: Harvard University Press, 1999.
BENJAMIN, Walter – Selected Writings. Harvard: Harvard University Press, 2003.
BERGER, Maurice – Labyrinths: Robert Morris, Minimalism, and the 1960s. New York: Harper & Row, 1989.
BERGHAUS, Günter – Avant-garde Performance: Live Events and Electronic Technologies. Basington: Palgrave Macmillan, 2005.
BUCHLOH, Benjamin; KRAUSS, Rosalind; MICHELSON, Annette – «Beuys at the Guggenheim». October, 12 (Spring 1980), pp. 3-21.
BUTT, Gavin – «America and its Discontents: Art and Politics 1945-1960». In JONES, Amelia (Ed.), A Companion to Contemporary Art Since 1945. Malden: Blackwell, 2006, pp. 83-106.
CRARY, Jonathan – Techniques of the Observer: On Vision and Modernity in the Nineteenth Century. Cambridge: MIT Press, 1990.
DENNING, Michael – The Cultural Front: The Laboring of American Culture in the Twentieth Century. London: Verso Books, 1997.
DEUTSCHER, Max – «”Il N’y A Pas de Hors-Texte” – Once More». Symposium: Canadian Journal of Continental Philosophy, 18: 2 (2014), pp. 98-124.
FARGIER; Jean-Paul – Nam June Paik. Paris: Arte Press, 1989.
FOUCAULT, Michel – Les Mots et les Choses: Une archéologie des Sciences Humaines. Paris: Gallimard, 1966.
FOUCAULT, Michel – Surveiller et Punir: Naissance de la Prison. Paris: Gallimard, 1975.
FRASCINA, Francis (Ed.) – Pollock and After: The Critical Debate (Second Edition). London and New York: Routledge, 2000.
FRIEDMAN, Ken (Ed.) – The Fluxus Reader. UK: Bookcraft ltd, Midsomer Norton, 1998.
GUILBAUT, Serge – How New York Stole the Idea of Modern Art: Abstract Expressionism, Freedom and the Cold War. Chicago and London: The University of Chicago Press, 1983.
HENDRIKS, Jon – Fluxus Codex. New York: Harry N. Abrams, 1988.
HENDRICKS, Geoffrey – Critical Mass: Happenings, Fluxus, Performance, Intermedia, and Rutgers University, 1958-1972. Massachusetts: Rutgers University Press, 2003.
IDDON, Martin – New Music at Darmstadt: Nono, Stockhausen, Cage, and Boulez. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.
JENKINS, Bruce – «Fluxfilms in Three False Starts». In LEIGHTON, Tanya (ed) – Art and The Moving Image. London: Tate Publishing Ltd, 2008. pp.204-208.
KAISER, Jürgen – One Made it Out of the Debt Trap: Lessons from the London Debt Agreement of 1953 for Current Debt Crises. Bonn and Berlin: Friedrich-Ebert-Stiftung, 2003.
KELLEIN, Thomas; MACIUNAS, George – The Dream of Fluxus: George Maciunas: An Artist's Biography. London and Bangkok: Edition Hansjorg Mayer, 2007.
KRAUSS, Rosalind (et al) – October (the Second Decade, 1986-1996). London: The Mit Press, 1998.
KRAUSS, Rosalind – Passages in Modern Sculpture. Massachusetts: MIT Press, 1977.
KRAUSS, Rosalind – A Voyage on the North Sea. Art in the Age of the post-medium condition. London: Thames & Hudson, 1999.
MEDINA, Cuauhtémoc – «The “Kulturbolschewiken” I: Fluxus, the Abolition of Art, the Soviet Union, and “Pure Amusement”». RES: Anthropology and Aesthetics, 48 (Autumn, 2005), pp. 179-192.
MEDINA, Cuauhtémoc – «The “Kulturbolschewiken” II: Fluxus, Khrushchev, and the “Concretist Society”». RES: Anthropology and Aesthetics, 49-50 (Spring-Autumn, 2006), pp. 231-243.
O’LEARY, Timothy – «Fat, Felt and Fascism». Literature & Aesthetics, 6 (1996), pp. 91-105.
PIEKUT, Benjamin – «Taking Henry Flynt Seriously». Institute for Studies in Americam Music Newsletter, 34: 2 (Spring 2005), pp. 6-7 e p. 14.
RAY, Gene (Ed.) – Joseph Beuys: Mapping the Legacy. New York: Distributed Art Publishers, 2001.
RAY, Gene – «Joseph Beuys’ Plight and Negative Presentation in Post-1945 Visual Art». The Nordic Journal of Aesthetics, 49-50 (2015), pp. 8-38.
REES, A.L. – «Art and Avant-garde: summary: 1909-20». In REES, A.L. – A History of Experimental Film and Video. London: British Film Institute, 2008.
RUSH, Michael – New Media in late 20th- Century Art. London: Thames & Hudson,1999.
RUSH, Michael – Video-Art. London: Thames & Hudson, 2003.
SCOTT BROWN, Timothy – West Germany and the Global Sixties: The Anti-Authoritarian Revolt, 1962-1978. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.
VATTIMO, Gianni – «Dialectics, Difference, Weak Thought». In VATTIMO, Gianni; ROVATTI, Pier Aldo (Eds.), Weak Thought. New York: Sunny Press, 2012.
WETTERS, Brent Andrew – Darmstadt and the Philosophical Turn (2012). Ethnomusicology Theses and Dissertations. Brown Digital Repository. Brown University Library.
https://repository.library.brown.edu/studio/item/bdr:297687/
YOUNG, Brigitte – «German Ordoliberalism as Agenda Setter for the Euro Crises: Myth Trumps Reality». Journal of Contemporary European Studies, 22: 3 (2014), 276-287.