Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Sancho Silva, Effigiae. Fotografia: Bruno Lopes


Sancho Silva, Effigiae. Fotografia: Bruno Lopes


Sancho Silva, Effigiae. Fotografia: Bruno Lopes


Sancho Silva, Effigiae. Fotografia: Bruno Lopes


Sancho Silva, Effigiae. Fotografia: Bruno Lopes


Sancho Silva, Effigiae. Fotografia: Bruno Lopes


Sancho Silva, Effigiae. Fotografia: Bruno Lopes

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

QUOTE/UNQUOTE


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

VALTER VENTURA

OBSERVATÓRIO DE TANGENTES


MNAC - Museu do Chiado , Lisboa
MARC LENOT

MANUELA MARQUES

MANUELA MARQUES E VERSAILLES A FACE ESCONDIDA DO SOL


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

FILIPE MARQUES

FEEL IT, NO FEAR. THE FLESH YIELDS AND IS NUMB/TOCA, SEM MEDO. A CARNE É MACIA E NÃO SENTE DOR


Galeria Fernando Santos (Porto), Porto
CONSTANÇA BABO

ÂNGELO DE SOUSA

ÂNGELO DE SOUSA, UN EXPLORATEUR DÉROUTANT


Fundação Calouste Gulbenkian – Delegação em França, Paris
MARC LENOT

PEDRO VAZ

CAMINHO DO OURO - TRILHO DO FACÃO


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

MARIANA CALÓ E FRANCISCO QUEIMADELA

A TRAMA E O CÍRCULO


Museu da Imagem de Braga,
ALEXANDRA JOÃO

COLECTIVA

FUCKIN´GLOBO III


Hotel Globo, Luanda
ADRIANO MIXINGE

PHILIPPE PARRENO

A TIME COLOURED SPACE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

RUI CHAFES

INCÊNDIO


Galeria Filomena Soares, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

ARQUIVO:

share |

SANCHO SILVA

Effigiae




KUNSTHALLE LISSABON
Rua José Sobral Cid 9E
1900-289 Lisboa

22 SET - 15 DEZ 2012


“(…) Não crê porém que os simulacros todos, /Que vagam no ar, dos entes se desligam:/Tambem os ha que de per si se formam/ No espaço que atmosphera se nomeia:/ Tomam figuras mil nessas Alturas,/ E nunca cessam de mudar-se em outras. (…)” [1]


Effigiae mostra a mais recente busca de Sancho Silva no universo das sombras, dos fantasmas e das imagens. Uma procura que teve oportunidade de apresentar ao público recentemente na exposição coletiva Subtle Construction (Plataforma Revólver, novembro de 2011), com Thauma. Agora, na Kunsthalle Lissabon, Sancho Silva explora, de forma mais completa e declarada, a sua perspetiva sobre a teoria materialista das imagens de Lucrécio. Aqui, em Effigiae, as imagens são corpos que se desprendem dos corpos − são matéria instável − moléculas que criam uma espécie de membrana ou de segunda pele, que flutua no ar e que dá origem àquilo que é inexplicável.

“(...) cada corpo sempre lançando está da superfície sua/ Tenues emanações, que o nome devem/ Ter de membrana ou cortical embrulho; Porque no aspecto são iguaes aos corpos/ Donde se elevam a fender os ares. (...)” [2]


Através de uma encenação em dois espaços, o artista joga com sombras, luz e lentes para nos dar a conhecer as matérias que emanam dos corpos: as imagens.

Um grande espelho cobre o lugar onde estaria a entrada para o espaço expositivo. Esta superfície cria um constrangimento ao visitante habitual da Kunsthalle, que vê a sua imagem de espanto refletida enquanto repensa o seu posicionamento no espaço e reformula a sua orientação. Quando, através da porta ao lado, se entra na exposição, volta-se a reconhecer o espaço, tanto à esquerda quanto à direita, já que desta perspetiva, tudo volta a ser como era: a superfície espelhada de um lado, não o é do outro, podendo-se ver o foyer/escritório do outro lado.

Às escuras, sob a forte e coordenada pulsação do strob, gira um polvo seco pendurado no teto ao lado de uma armadilha. Na parede, as suas imagens fundem-se criando a ilusão de um estar dentro do outro. Ao lado, um conjunto de dispositivos, mais complexos, seguem-lhe os passos. Primeiro, uma pequena osga, cuja imagem, em permanente movimento, é refletida numa superfície, uma “pele” (em gesso), que se liberta de uma pedra. Ao lado, na parede principal, ela surge de novo, desta vez monumental, transfigurada numa imagem que se combina com uma outra que vem da direita. Essa, que inicialmente se confunde com um animal é afinal uma “carcaça” de uma perna de frango, uma superfície côncava, cuja sombra se mistura com a da osga constantemente criando novas espécies, novas imagens, novas formas.

A membrana que se soltou da perna de frango e que agora flutua no ar, surge qual figura fantasmagórica no céu de uma pintura no fundo da sala. Uma pintura romântica, onde surgem três figuras numa floresta. Uma, aponta para o céu e é lá que surge o espectro. Uma nuvem? Um fantasma? Uma aparição?

Do outro lado da sala, um sapo, provavelmente atropelado ou pisado dada a sua espessura. Uns centímetros abaixo, a superfície da planta de um pé, em gesso, onde a imagem do animal é projetada, e na parede, mais acima, a sua sombra em movimento que a transfigura e sugere outras.

Finalmente, num dispositivo um pouco mais complexo, de uma peça de cortiça talhada de uma árvore surge a sua fina segunda pele, em gesso, onde é projetado o exterior: uma árvore da Avenida da Liberdade entra, invertida, na exposição. A sua imagem, perfeita (em dias de sol antes das cinco da tarde), é projetada na superfície da cortiça criando uma imagem em movimento deslumbrante.

Certo é tratar-se de uma pequena individual, certo é também não ser possível vê-la em menos de três quartos de hora. É fácil deixar-se levar pela encenação, por todos os pequenos dispositivos e a ligação entre eles. Todo o mistério e ilusão faz com que o tempo se perca e, por momentos, se deixe esquecer.



NOTAS

[1] Lucrécio, A Natureza das Coisas, Livro 4 (tradução de António José de Lima Leitão)
[2] Ibidem


Patrícia Trindade