Links

O ESTADO DA ARTE


Pedro Moraleida Bernardes, Young-jun Tak, Florencia Rodriguez Giles, vista de exposição, 11a Bienal de Berlim, KW Institute for Contemporary Art. Photo: Silke Briel


Pedro Moraleida Bernardes, Florencia Rodriguez Giles, vista de exposição, 11a Bienal de Berlim, KW Institute for Contemporary Art. Photo: Silke Briel


Óscar Fernando Morales Martínez, vista de exposição, 11a Berlin Biennale, KW Institute for Contemporary Art. Photo: Silke Briel


Óscar Fernando Morales Martínez, vista de exposição, 11a Bienal de Berlim, KW Institute for Contemporary Art. Photo: TD


Elena Tejada-Herrera, They Sing, They Dance, They Fight, 2020. Instalação de vídeo de 3 canais, Cor, som, loop; iluminação de discoteca. Photo: Silke Briel


Zehra Doğan, Xêzên Dizî, 2018–20. Vista da exposição, 11a Bienal de Berlim, KW Institute for Contemporary Art. Courtesy Zehra Doğan. Photo: TD


Zehra Doğan, Xêzên Dizî, 2018–20 (Pormenor). Lápis de carvão e marcador em papel de carta enviado à artista por um amigo. Courtesy Zehra Doğan. Photo: TD


Desenhos a lápis de cera e tinta da china sobre papel de Shivunai Ashoona, artista Inuit do Canada. 11a Bienal de Berlim, KW Institute for Contemporary Art. Photo: TD


Who is Afraid of Ideology? (Part 3) – Microresistances (2020), Marwa Arsanios, vídeo. 11a Bienal de Berlim, KW Institute for Contemporary Art. Photo: TD


Pacita Abad, Marcos and His Cronies, 1985–95. Vista da exposição. 11a Bienal de Berlim, Gropius Bau. Photo: TD


Andrés Pereira Paz, EGO FVLCIO COLLVMNAS EIVS [I FORTIFY YOUR COLUMNS], 2020. Cortesia Andrés Pereira Paz; Crisis Galería, Lima; Galería Isla Flotante, Buenos Aires Photo: TD


Museu de Imagens do Inconsciente, Rio de Janeiro (pormenor). 11a Bienal de Berlim, Gropius Bau. Photo: Mathias Völzke


Francisco Huichaqueo (pormenor), 11a Bienal de Berlim, Gropius Bau. Cortesia de Francisco Huichaqueo. Photo: Mathias Völzke


Cian Dayrit. Vista da exposição, 11a Bienal de Berlim, Gropius Bau. Photo: Mathias Völzke


Naomi Rincón Gallardo, Resiliencia Tlacuache [Opossum Resilience], 2019, vídeo. Vista da exposição, 11a Bienal de Berlim, daadgalerie. Cortesia Naomi Rincón Gallardo. Photo: Silke Briel


Dorine Mokha, Elements from the performance: dress, stone and letter, 2020 (pormenor). 11a Bienal de Berlim c/o ExRotaprint. Cortesia Dorine Mokha. Photo: Mathias Völzke

Outros artigos:

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

11ª BIENAL DE BERLIM

TINY DOMINGOS

2020-11-29




 


Antecedida por uma série de eventos, a 11ª Bienal de Berlim finalizou-se com uma exposição "epílogo" intitulada The Crack Begins Within repartida por 4 locais com títulos elucidativos: Anti-Igreja (KW), Montra de Corpos Dissidentes (Galeria DAAD), O Museu invertido (Martin Gropius Bau) e Arquivo Vivo (Ex-Rotaprint). Na continuidade da última edição, a organização da Bienal voltou a apostar em geografias fora do eixo Europa-EUA para a curadoria desta edição e selecionou uma equipa ibero-americana constituída por María Berríos, Renata Cervetto, Lisette Lagnado e Agustín Pérez Rubio que reivindicam, como é natural, a sua posição em prol do chamado Sul global. No texto introdutório do catálogo exploram o tema das fendas e das fraturas (sociais, biográficas e outras) e denunciam as condições de desigualdade (que a pandemia veio degradar mais ainda) em que muitos vivem no hemisfério sul. Um sistema descrito como sendo "capitalo-colonialista" e controlado por "patriarcas brancos". O texto ergue-se ainda contra os espartilhos da compartimentação (por exemplo da heteronormatividade) e, adaptando-se à atual situação de pandemia que levou ao adiamento da abertura da exposição para o outono, exprime a sua solidariedade com curandeiros, cuidadores e lutadores.

O resultado é uma exposição pensada como plataforma de reconhecimento de grupos minoritários (etnia cigana, Inuits canadianos, populações indígenas da América do Sul, Comunidade LGBTQI+) e/ou marginalizados (pessoas com doenças de foro psíquicos, anticonformistas, etc.). Curiosamente o tom acutilante do texto curatorial não encontra equivalência neste epílogo, cujo dispositivo é clássico com forte presença do desenho, da pintura, dos bordados, das tecelagens têxteis. Percebe-se a intenção de fazer justiça e dar visibilidade às minorias vítimas de violências e processos de exploração, usurpação de terras, silenciamento e apagamento decorrentes da colonização, mas surpreende o lado convencional e até mesmo decorativo de muitas obras. Até os vídeos optam ora por uma linguagem poético-documental ou pelo lado pop. Desiludam-se os fãs das linguagens conceptuais e desmaterializadas: ficaram de fora os autores contemporâneos de obras conceptuais/teóricas (nem mesmo a ótima produção latinoamericana foi contemplada). Para acrescentar a esta surpresa: na longa lista de problemas aqui tratados, falta o maior tema da atualidade: o aquecimento global.

No Museu invertido, optou-se por uma releitura do passado, que nos faz mergulhar nos anos 70 com uma secção do Museo de la Solidaridad Salvador Allende (MSSA) - Iniciativa de solidariedade com o Chile que visou a criação de um utópico museu nómada de arte "do povo para o povo". Vemos assim o grande escritor argentino Julio Cortazar apresentar o projeto, que contou com o apoio de uma artista portuguesa: Maria Helena Vieira Da Silva, cujo belo quadro ladeia o retrato de uma guerrilheira de arma erguida. 

 

Museo de la Solidaridad Salvador Allende (MSSA), Vista da exposição. 11a Bienal de Berlim, Gropius Bau, 5.9.–1.11.2020. O quadro de Vieira da Silva é o terceiro a contar da esquerda no painel branco central. Photo: Mathias Völzke

Museo de la Solidaridad Salvador Allende (MSSA), Vista da exposição. 11a Bienal de Berlim, Gropius Bau, 5.9.–1.11.2020. Foto: Mathias Völzke
 

 

Um dos traços recorrentes desta edição é a "Arte Outsider" ou "Art Brut" (a arte dos pacientes psiquiátricos, dos reclusos prisionais e dos leigos), em destaque numa sala dedicada ao Museu de Imagens do Inconsciente do Rio de Janeiro, bem como na KW, nos fascinantes desenhos a caneta de feltro de Óscar Fernando Morales Martínez (autodidata, ex-mecânico e eletricista que sofre de esquizofrenia paranoica) e nos trabalhos de Pedro Moraleida Bernardes (que se suicidou em 1999 aos 22 anos). No vídeo musical "Ramita Seca, La Colonialidad Permanente" de 2019, Bartolina Xixa, autointitulada "drag queen dos Andes", dança no meio de uma lixeira. Vestida com trajes tradicionais, a sua performance neo-foclórica pretende ser um apelo à luta contra as desigualdades sócio-económicas e a violência estrutural decorrente da economia extrativista.

 

Video musical Ramita Seca, La Colonialidad Permanente de 2019, Bartolina Xixa.11a Bienal de Berlim. Photo: TD

 

Na Anti-Igreja (KW), obras anódinas coabitam com os surreais desenhos erótico-transhumanistas de Florencia Rodriguez Giles. No chão, jaz uma escultura de Young-Jun Tak: 10 Cristos recobertos por folhetos anti-LGBTQI de uma seita evangélica coreana numa referência explícita à sua intolerância para com esta comunidade. Curiosamente este agrupamento religioso foi acusado, tal como os clubes gay de Seoul, de contribuir fortemente para a transmissão do vírus do Covid 19 na Coreia do Sul.

Os trabalhos em papel do brasileiro Pedro Moraleida Bernardes conjugam, de forma dinâmica, influências de Arthur Bispo do Rosário, Antonin Artaud e Rainer Werner Fassbinder. A energia, reforçada pela disposição das imagens em forma de crucifixo, é palpável, mas o poder transformacional desta linguagem visual anticristã fica aquém das expectativas suscitadas pelas grandes referências. Numa das caves, uma instalação barroca e dramática de Carlos Motta estabelece uma ponte entre um motivo de Caravaggio e as práticas de bondage e sadomasoquismo. Num andar superior, Zehra Doğan descreve o destino dos detidos curdos na Turquia em Xêzên Dizî [The Hidden Drawings], 2018–20. Desenhos que esta artista e ativista realizou na prisão onde foi detida por motivo de "propaganda terrorista.” Em "Who is Afraid of Ideology? (Part 3) – Microresistances (2020)", Marwa Arsanios remata um périplo por várias regiões do mundo com um vagaroso relato da luta de uma pequena comunidade de Tolima, Colômbia, que tenta recuperar as suas sementes tradicionais contra a vontade das grandes multinacionais do setor agrícola. A instalação de vídeo They Sing, They Dance, They Fight (2020) da artista peruana Elena Tejada-Herrera combina treinos de autodefesa de raparigas, mulheres trans e mulheres de todas as idades com estética pop numa empolgante celebração do empoderamento feminino.

Na Galeria do DAAD, destaque para o vídeo da performance The Santa Claus Army  realizada em 1974 pelo Solvognen (The Sun Chariot) Theater Group em que um anárquico exercito de Pais Natais desafia as convenções da sociedade de consumo.

 

Flávio de Carvalho (em colaboração com Raymond Frajmund). Vista da exposição (pormenor), 11a Bienal de Berlim c/o ExRotaprint. Photo: TD
 

 

No Arquivo Vivo (Ex-Rotaprint), Dorine Mokha, bailarino e coreógrafo congolês contraria os estereótipos africanos (de género) ao explorar a fluidez entre os géneros numa performance em que surge de saltos altos e elegante vestido azul esboçando graciosos movimentos ao som da música. Outra posição artística que questiona as regras da normatividade é a de Flávio de Carvalho. Este multifacetado e vanguardista artista/engenheiro/arquiteto/escritor/inventor brasileiro (1899 -1973) tem direito a um merecido destaque nesta bienal. A curadoria incluiu um quadro seu de pendor surrealista na KW e os radicais desenhos "Minha mãe morrendo" da Série Trágica de 1947 no Gropius Bau. Na Ex-Rotaprint são expostos recortes de jornais, ficheiros audio e fotografias que relatam as suas polémicas ações públicas e o alvoroço que causou o seu traje tropical, com minissaia masculina, apresentado ao público em 1956.

 

Marcha à Ré, Video-performance do Teatro da Vertigem, KW. Photo: TD

 

O outro ponto alto desta bienal surge precisamente em resposta à Série Trágica e aos  "estudos de multidão" de Flávio de Carvalho: o vídeo "Marcha à Ré" do Teatro da Vertigem (desenvolvido pelo conhecido escritor e artista visual Nuno Ramos e filmado por Eryk Rocha) consegue resumir de forma simples e magistral a terrível situação da pandemia do Covid 19 no Brasil e no mundo através de uma procissão funerária de cerca de 120 carros em marcha atrás na Avenida Paulista. É sem dúvida uma obra que ficará na memória pela força pujante das imagens e da mensagem política, pela denúncia das políticas populistas que ignoram os avisos da comunidade científica e médica. Num momento crítico para a cultura em que os museus, as salas de concerto e os teatros estão fechados em quase toda a Europa e em muitos países pelo mundo, esta vídeo-performance, viabilizada através de uma vasta colaboração interdisciplinar, é uma reconfortante prova de resiliência. Vale a pena conferir o teaser deste vídeo.

Estas duas últimas participações conseguem por si o que a bienal no seu todo não consegue: olhar o mundo de ponto de vista pessoal e original sem cair em clichés e transformar a crítica ou a proposta estética numa mensagem global inclusiva e/ou virada para o futuro.

Em termos positivos, vale a pena sublinhar a aposta ambiciosa numa perspetiva pré- ou pós-digital em que os artistas - a maioria dos quais externos aos grandes circuitos museais e comerciais - se exprimem através da música, do lápis, das canetas de feltro e do artesanato num mundo sem google, instagram e youtube que torna viável um saudável abrandamento. O problema é que o alvejado reconhecimento mútuo com vista à interação e à mudança não parece funcionar. O tema da dor, o lamento e a exibição das chagas em gestos e cenografias de cunho católico não poderiam ser mais alheias a uma cidade pouco efusiva, eminentemente laica e pós-cristã como Berlim. Apesar da fineza da análise e das melhores intenções da equipa curatorial, da grande e necessária tarefa que representa a descolonização das mentes e das instituições, o cumprimento dos critérios mais em voga do pós-colonialismo não é, por si, sinónimo de transformação, pertinência, perspetiva dialética e inclusão participativa.

 

 

Tiny Domingos
Vive e trabalha em Berlim. Fundador e director do ROSALUX, um espaço independente em Berlim. Artista em residência no Joint Research Center of the European Commission, Ispra (Itália), 2019. Bolseiro 2020 do Departamento de Cultura e Assuntos Europeus do Senado de Berlim. Membro do grupo de pesquisa „Intelligence Debiased“ (Londres).