Links


MÚSICA


DREAMIN’ WILD

ANDRÉ FONTES

2020-09-14



 

 

 

 

 

The earth laughs in flowers.

Ralph Waldo Emerson

 

 

A quinta de Don Emerson Sr. era um elogio de 647 hectares a uma longa linhagem de agricultores de Washington. Linhagem que veio a degenerar no amor paternal de Don.

A culpa foi do tractor que comprou no verão de 78. O tractor veio com um rádio. E o rádio passou a acompanhar o trabalho que os filhos, Donnie e Joe, prestavam depois das aulas. Eram adolescentes aéreos – uma praga de 78 –, mas eram bons rapazes que trabalhavam na quinta. Nesse verão, ao ver os filhos montados no tractor e a uivarem baladas pouco dignas de dois cowboys, Don Emerson Sr. pôs-se a pensar no futuro.

 

 

As rádios de Fruitland, zona rural com menos de oitocentos habitantes, não eram exactamente janelas para o mundo. Donnie, com os seus dezassete, conduzia o tractor do pai pelas extensões pastorais ao som de Smokey Robinson, Marvin Gaye e Bruce Springsteen. Alheio aos Sex Pistols, alheio a toda a disrupção cultural de 78, Donnie imaginava-se num palco escuro, com um holofote por cima, a arrepiar os poros da audiência com os uivos melódicos da sua dor adolescente. Sonhar com os palcos não era novidade para Donnie. Aos nove, tinha já escrito e tocado a sua primeira música. E o irmão Joe, dois anos mais velho, acompanhava-o com fervor, contribuindo com as suas próprias letras e composições, evidenciando a vontade siamesa que levava os dois irmãos a quererem tornar-se músicos.

 

 

Há muito que era óbvio para Don Sr. que os filhos levavam a música sério. Por um lado era um alívio – levavam alguma coisa a sério. O professor de música até dizia que eram bons, e tinham já uma maquete gravada para mostrarem aos bares e tudo… O que Don Sr. sentiu naquele verão, ao ouvir os filhos em cima do tractor, foi que tinha chegado a altura de ele próprio levar a música a sério.

Reunindo os filhos, disse-lhes:
– Só vos ajudo se fizerem algo que venda. Não vos quero a tocar em bares… Quero uma coisa tangível. Um álbum, por exemplo!

Esta era uma época em que os pais se orgulhavam de não compreenderem a música dos filhos – o desespero da meia-idade por compreender e imitar a juventude era ainda raro. Não é certo que Don Sr. tenha sido um pai à frente do seu tempo, mas ter recorrido a um empréstimo fácil para mandar erguer um estúdio e recheá-lo com um moderno e caríssimo equipamento de gravação foi, pelo menos, um idiossincrático sinal de fé (e o facto de não ter sido um connoisseur de música poderá até explicar a qualidade e o preço do equipamento adquirido: a ignorância vulnerabilizou-o perante a conversa de um vendedor). Seja como for, no ano de 1979, Dreamin’ Wild estava oficialmente gravado, e era o testemunho vital do talento de Donnie e Joe.

 

 

Um álbum insular, onde o erotismo adolescente se dilui numa inocência onírica; onde a voz de Donnie surge como o eco de um amor declarado, espiritualizado por solos gotejantes de guitarra e piano, e transportado pelo compasso leve da bateria de Joe. As inocentes paisagens do álbum casam estilos anacrónicos de rock, soul e funk, em baladas esteticamente precoces para 79, antecedendo o cuidadoso minimalismo dos Spandau Ballet, dos Depeche Mode ou até mesmo da fase mais decadente dos Roxy Music. Inspirados pelo que estava fora de moda, os irmãos Emerson desenharam um original e vanguardista quadro musical.

 

 

Don Sr. estava orgulhoso. Existia um álbum, o álbum tinha a voz de Donnie e a bateria de Joe, e tinha sido ele, Don Emerson Sr., quem tinha investido no equipamento de estúdio que fazia tudo aquilo soar tão bem. Só faltava produzir e vender. Com ajuda da mãe, os filhos começaram por impingir o álbum aos vizinhos. Alguns compraram. Já as lojas, especialmente as de Seattle, recusaram o álbum. Dois mil vinis foram abandonados ao pó de um sótão, e Don Sr., não vendo o retorno dos cem mil dólares investidos no estúdio, teve de hipotecar grande parte da quinta para pagar o empréstimo. Como muitos outros pais, viu nos filhos o que mais ninguém conseguiu ver. E por trinta e três anos, foi essa a história de Dreamin’ Wild.

 

 

Em 2008, um vinil poeirento, estacionado numa loja de antiguidades, chamou a atenção do colecionador Jack Fleischer (que terá sido primeiramente atraído pelo kitsch saltitante da capa). Fleischer ouviu Dreamin’ Wild, e apesar de ter duvidado do próprio gosto tornou-se o primeiro grande pregador do talento dos Emerson. Foi de tal forma um pregador barulhento que os elogios chegaram aos ouvidos da Light in the Attic, uma editora indie especializada na descoberta arqueológica. Tal como outros resgates da editora – entre os quais Rodriguez, Lee Hazlewood e Karen Dalton –, a música de Donnie e Joe Emerson prestou-se a ser vendida como uma história. Uma história que, à semelhança da de Rodriguez, finda com a sugestão de que a vida pode ser generosa, e de que o descortinar do tempo não segue padrões óbvios.

Donnie e Joe gostaram da sua nova história. E já na meia-idade, há muito divorciados de Dreamin’ Wild, puderam ver «Baby» tornar-se um hit de verão – um hit do underground de 2012, mas ainda assim um hit. E no mesmo ano, Ariel Pink – o excêntrico e muitíssimo undergroud Ariel Pink – impressionado com o talento dos Emerson, tributou-os com a sua própria versão de «Baby». Uma prestação que não fez jus à original, mas que cimentou o status da balada enquanto um essencial do classicismo indie.

 

 

Hoje, os irmãos Emerson vão passando pelos palcos. Donnie vai estando à frente, debaixo do holofote, com uma guitarra e uma voz que fazem ondear um público estendido como uma maré morta ao luar. E Joe, na bateria, vai retumbando modestamente o compasso desse emancipado sonho adolescente que é agora Dreamin’ Wild.

Agora sim, Don Emerson Sr. pode estar orgulhoso. E é ainda verdade que foi pouco razoável, que fez um mau negócio em 78 que lhe reduziu os hectares da quinta a um terço. Mas se o seu pragmatismo se tivesse imposto, se os 647 hectares da quinta ainda se mantivessem, é bem provável que não tivéssemos sido nós a lucrar. Não teríamos «Baby». E bastam-nos cerca de quatro minutos para sentirmos exactamente o que teríamos perdido.

 




Outros artigos:

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS