Links


ARTES PERFORMATIVAS


AURORA NEGRA

RODRIGO FONSECA

2021-07-06



 

 

 

© Filipe Ferreira

 

Aurora Negra estreou o ano passado no Teatro Nacional D. Maria II (TDMII), e volta agora a esta casa um ano depois. Uma instituição cultural como o TDMII ao colocar em cena pela segunda vez esta peça, é já um acto significativo: que a cúpula cultural reconhece a necessidade de tornar visíveis estes corpos. A estes corpos é negado constantemente o acesso à construção das suas narrativas, quer seja pela sua ausência nas criações da maioria vigente, ou pela sua presença que quando existente é muitas vezes justificada e remetida a estereótipos e preconceitos. Este espetáculo foi vencedor da segunda edição da Bolsa Amélia Rey Colaço. A criação artística, a direcção, e a interpretação são de Cleo Tavares, Isabel Zuaa, e Nádia Yracema. A produção é da associação cultural A CAMA e é co-produzido pelo TDMII, Centro Cultural Vila Flor, Espaço do Tempo, Teatro Viriato, apoiado pelo Alkantara e Casa Independente.

Ao nível artístico, é difícil não referir que Aurora Negra continua amarrada aos velhos moldes teatrais e a uma maneira de fazer teatro conservadora. Apesar do tema ser tudo menos conservador, a postura dos corpos em cena, o modo de dizer o texto e a dramaticidade das personagens estão longe dos lugares de experimentação performativa e cénica que pautam no panorama mais alternativo das artes performativas em Portugal. Contudo, esta peça é indispensável a este mesmo panorama, e felizmente voltou a estar em cena um ano depois da sua estreia.

 

© Filipe Ferreira

 

Esta peça representa a urgência dos corpos negros, urgência que continuará ainda durante muito tempo uma vez que estamos bastante longe de uma consciência colectiva política de que a nossa sociedade é estruturalmente racista. O discurso do revisionismo histórico colonial acabou de começar em Portugal, ao contrário de países como a França, a Inglaterra, o Brasil ou os EUA. Dizer isto não é dizer que a desigualdade social e económica das minorias racializadas nestes países esteja resolvida. Não está, e os seus contextos sociais e políticos, tal com o português, são terríveis, ainda profundamente racistas e discriminatórios. Estes valores estão institucionalizados pelo Estado, e nos países aqui referidos, esta ideia é já aceite como facto cientifico, é já amplamente partilhada pela grande maioria da comunidade académica das ciências sociais e humanas e por partes significativas da sociedade civil, como a juventude. Em Portugal, o pensamento desta comunidade científica vai na mesma direcção, mas ainda em atraso, sendo pouco contagiante na sociedade civil.

A luta antirracista nesta peça está naturalmente associada á luta da comunidade LGBTQIA+ e à comunidade imigrante. A violência exercida sobre a comunidade afro-descente em Portugal é a mesma a violência exercida nestas comunidades. E o grande motivo pelo qual continua a ser exercida é também o mesmo: a fobia à comunidade imigrante e a qualquer reivindicação sexual-política da comunidade LGBTQIA+ é também institucional. O Estado é nacionalista, racista e patriarcal, tal como todos os outros Estados que tenham passado colonial, sejam eles colonizadores ou colonizados. É claro que os Estados outrora colonizadores, têm hoje que enfrentar e se responsabilizar pelas acções desse passado histórico. Seria e será absolutamente inaceitável não o fazerem. O sofrimento, a dor, a culpabilização, a injustiça e a vergonha passam, e vão continuar a passar de geração em geração pelas histórias daqueles que conhecem tudo isto. Muitas delas conhecem-nas pela experiência, outras tantas pela voz dos pais e dos avós que as experienciaram. É certo que são casos diferentes, mas não me parece relevante medir a intensidade daquele que está mais traumatizado: estão ambos. Mesmo os filhos e as filhas que não vivenciaram o horror da guerra colonial, da violência da migração forçada e do trabalho escravo sabem sobre a sua realidade por testemunhos em primeira mão. Estas histórias são parte muito importante das referências históricas e do imaginário destas pessoas, uma vez que todas elas sofrem ainda hoje do mesmo racismo que sofriam os seus pais e avós. A violência um dia exercida nos seus familiares, é a violência exercida hoje nos seus corpos, e é justificada ideologicamente da mesma forma.

 

© Filipe Ferreira

 

Estados colonizados como o Brasil ou os Estados Unidos (não obstante o último ter-se tornado também ele um estado colonizador) reproduzem inevitavelmente mecanismo e formas de fazer da era colonial. A cultura política, a educação, os atavismos e a mentalidade social não são obviamente indiferentes a quinhentos anos de colonialismo. O poder político e as elites económicas reproduzem os mecanismos de descriminação e desigualdade do colonialismo, perpetuando a estigmatização do pobre e alimentando a guerra entre classes sociais. Contudo, são em países como o Brasil que a luta antirracista toma dimensões significativas e extraordinárias, inspirando a luta das comunidades racializadas em todo o mundo. Por aqui, a luta vai se fazendo, infelizmente de forma muito lenta, mas com manifestações de esperança e alento que nos fazem olhar para a frente, como é o caso deste espectáculo.

 

 

 

Rodrigo Fonseca
Licenciado em História da Arte pela FCSH/UNL, e pós-Graduado em Artes Cénicas pela mesma faculdade. Viajou pela Europa central, pelos Balcãs, América do Sul, e viveu em Itália, Grécia e Brasil. O seu trabalho artístico desenvolve-se na música e no corpo. Organiza e programa os festivais culturais Dia Aberto às Artes (Mafra) e Sintra Con-Cê (Sintra) e é membro fundador da associação cultural A3 - Apertum Ars e da editora CusCus Discus.




Outros artigos:

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS