Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


"Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento"


André Cepeda. "Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento". Fotografia: André Cepeda


João Leonardo. "Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento" durante o processo de montagem. Fotografia: André Cepeda


Manuel Santos Maia. "Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento" durante o processo de montagem. Fotografia: André Cepeda


Marta de Menezes. "Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento" durante o processo de montagem. Fotografia: André Cepeda

Outras exposições actuais:

HENRIQUE VIEIRA RIBEIRO

O ARQUIVISTA. PROJETO CT1LN: PARTE II


MNAC - Museu do Chiado , Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

CHRISTINE HENRY

A FUGA


Associação 289, Faro
MIRIAN TAVARES

JOÃO JACINTO

A CHUVA CAI AO CONTRÁRIO


Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

AVELINO SÁ

QUASE NADA


Galeria Fernando Santos - Espaço 531, Porto
LAURA CASTRO

PEDRO TUDELA

AWDIˈTƆRJU


MAAT, Lisboa
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

CONSTELAÇÕES: UMA COREOGRAFIA DE GESTOS MÍNIMOS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

PEDRO CABRAL SANTO

OMNIA


Associação 289, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

SILVESTRE PESTANA, CAROLINA PIMENTA / JULIÃO SARMENTO, LUÍSA SEQUEIRA, FILIPE MARQUES


Galeria Nuno Centeno, Porto
CONSTANÇA BABO

DAVID HAMMONS

TED JOANS: EXQUISITE CORPSE


Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa
DASHA BIRUKOVA

COLECTIVA

SIGNAL - THE HISTORY OF (POST)CONCEPTUAL ART IN SLOVAKIA


Ludwig Múzeum, Budapeste
CONSTANÇA BABO

ARQUIVO:


COLECTIVA

Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento




REITORIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO
Praça Gomes Teixeira (Praça dos Leões)
4099-002 Porto

27 JAN - 30 JUN 2007


A exposição “Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento” combina trabalhos de vários artistas com uma fracção do espólio dos vários museus e instituições da Universidade do Porto. Entre animais embalsamados, esqueletos, instrumentos científicos e modelos variados, a exposição pretende organizar um diálogo entre a herança do museu de história natural e a produção artística contemporânea. A solução para o espaço e disposição das peças, da responsabilidade do comissário e de Inês Moreira pareceram-nos acertadas, sugerindo-nos a ideia de uma solução cartesiana, entre o eixo da arte e o da ciência, para uma localização das sociedades contemporâneas.

As peças da Universidade estão dispostas numa parede (ou estante) que domina a exposição, numa relação ortogonal com o plano horizontal reservado às obras dos artistas. É um estafado lugar comum sublinhar a estreita relação de dependência entre os nossos quotidianos e os progressos científicos e técnicos, e as conexões entre o conhecimento científico e a arte, tanto ao nível da criação como da crítica, abandonaram hoje qualquer pretensão de fragilidade para passarem a fazer parte da matriz identitária das nossas sociedades.

As disciplinas humanas e as naturais interligam-se e consomem-se reciprocamente, a especialização extrema das matérias faz-se compensar por práticas pluri e multidisciplinares, a apropriação de conceitos, de parte a parte, é uma prática corrente e desejada. A arte, que durante a primeira metade do século XX se relacionou mais proximamente com as ciências humanas, sendo disso o exemplo mais óbvio e conhecido a utilização da psicanálise pelo surrealismo e vice-versa; embora antes, noutros campos, como o da literatura, Freud tenha sido já uma referência para importantes correntes do século XIX, como o naturalismo de Frank Wedekind (depois precursor do expressionismo) ou de Arthur Schnitzler. A partir do século XX, com a revolução relativista a alterar os próprios fundamentos das ciências clássicas, com o tempo e o espaço, até então absolutos na sua rigidez inviolável, transformados em variáveis até certo ponto dependentes de condições de percepção (velocidade, posição, etc.), a produção artística e a crítica estenderam-se até estes campos, importando conceitos e trabalhando-os de forma independente. Hoje, com os avanços na genética, o corpo torna-se não só um motivo mas também barro, media de criação. Os conceitos de origem estão em debate e constante negociação enquanto a neurobiologia e a filosofia da consciência investem na pesquisa do cérebro e no estudo da emergência do indivíduo enquanto consciência. A amplitude e magnitude da discussão epistemológica sobre a ruptura paradigmática entre modernidade e pós-modernidade, é a maior prova da familiaridade entre as disciplinas, e a arte, acompanhando-a, configura e é configurada pelos progressos que fazemos na construção deste corpo de conhecimento.

A Universidade, como símbolo desta agremiação entre as mais diversas disciplinas é o centro nevrálgico das nossas sociedades e uns dos principais motores de inovação e progresso. Como tal, é um palco apropriado para esta exposição. A Universidade do Porto, através desta iniciativa, combina o legado das sociedades geográficas do século XIX, ainda hoje capaz de mobilizar público e curiosos, com o discurso mais especializado da arte contemporânea. A escolha de Paulo Cunha e Silva para comissário deste projecto justifica-se, já que este tem vindo a trabalhar na área específica das relações entre arte e ciência. “Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento”, parte dos pressupostos já assinalados para construir um objecto independente, da autoria do comissário (os trabalhos não estão identificados no local, apenas no flyer que funciona como folha de sala), a partir do conceito de depósito e as suas obrigatórias noções de organização, relação e caos. Assumindo que cabe ao espectador parte do trabalho de associação e leitura entre os dois planos (ou universos) representados na exposição, “Depósito” funciona como um baú onde várias gerações armazenaram os seus produtos, aberto à interpretação e à livre associação.

Há no entanto, em toda esta lógica, um hiato geracional entre o eixo vertical, rico em referências a processos, métodos e técnicas do século XIX, e o horizontal, que representa produtos, ideias e conceitos que formatam toda a nossa expectativa face ao século XXI. Ainda que no conjunto dos trabalhos artísticos existam referências a esta época, a produção científica e teórica dos mil e novecentos faz-se sentir quase só no conceito da exposição, que invoca preocupações com a probabilidade e o caos determinista. Assim, entende-se uma dificuldade em construir associações entre o espólio científico de uma tradição moderna (positivista e cartesiana) e trabalhos artísticos que dependem quase unicamente de formulações exclusivas à pós-modernidade. Ainda que esta omissão seja facilmente explicada pelo atraso e alheamento português no que diz respeito a estes campos científicos (física, quântica, biologia, etc.) durante grande parte do século XX, achamos pertinente levantar a questão sobre a representação desta passagem, de um tempo para outro, sem referência aos pilares da ponte que efectivamente a permitiu.

Na exposição encontram-se representados os artistas: André Cepeda, Eduardo Matos, João Leonardo, Mafalda Santos, Manuel Santos Maia, Marta de Menezes; Miguel Flor, Miguel Palma e António Caramelo, Nuno Ramalho, Pedro Tudela, Renato Ferrão, Rita Castro Neves, Sancho Silva e Tiago Guedes.


José Roseira