Links


AS ESCOLHAS DE...


PEDRO DA SILVA

Artecapital

2023-07-10



 

 

 

Pedro da Silva

Arqueólogo

_________________________________________________________________________________________________

 


Qual a última boa exposição que viu?

A última boa exposição que vi foi A Fabriqueta, do artista visual Eduardo Matos. Com a curadoria de Inês Moreira, esta exposição do CIAJG revelou-me vestígios de escavações de diferentes imaginários, capazes de transformar paisagens e vidas… É um caso sério de estudo!

 

A Fabriqueta, Eduardo Matos. CIAJG © Vasco Célio

 


Que livro está a ler?

Neste momento estou a (re)ler a obra Re-Constructing Archaeology de Michael Shanks e Christopher Tilley… Estou situado na página 62, lendo a frase “Our claim is that a great deal of Archaeology is ideological practice, practice which sustains and justifies a capitalist present.


Que música está no topo da sua playlist actual?

No topo dessa lista atual está a música “Ten Years Gone” dos Led Zeppelin. É uma das minhas bandas favoritas… A letra desta música fala sobre um amor perdido e a dor de olhar para trás e perceber que o tempo passou e que as coisas mudaram. No entanto, também há um sentimento de aceitação e resignação no som da guitarra… Ou uma compreensão de que essa mudança é uma parte inevitável da vida.

 

 


Um filme que gostaria de rever…

Estou sempre pronto para uma maratona dos filmes Senhor dos Anéis! Versões estendidas, de preferência! Mas um filme que estou para rever é o Blow Up (1966), de Michelangelo Antonioni. Para quem não conhecer, este filme questiona a ideia de uma única realidade objetiva, sugerindo que a verdade é construída e interpretada de maneiras diferentes por diferentes pessoas.

 

 


O que deve mudar?

Sem dúvida, a abertura à mudança. Ou seja, o mundo está sempre a mudar e é importante que nos adaptemos a essas mudanças… De estarmos abertos a novas ideias, a novas tecnologias e novas formas de fazermos as coisas, de pensarmos sobre as coisas. Há debates que devemos ter com nós próprios e com os outros à nossa volta. Desde logo, sobre o que já fomos no passado, o que somos no presente e o que queremos ser no futuro.


O que deve ficar na mesma?

Neste momento, e depois de tudo o que já passamos na nossa curtíssima história, acredito que deve permanecer a oportunidade de ‘aprendizagem contínua’ que conseguimos alcançar enquanto humanidade. No entanto, não nos devemos deixar engolir pela ‘máquina’… E é aqui que entra a Cultura, enquanto peça das ciências sociais e humanas. Com ela, haverá sempre algo novo para aprender e maneiras de melhorar a nossa presença neste “pale blue dot”. Talvez por isso seja tão maltratada em países periféricos no atual sistema neoliberal ocidental…


Qual foi a primeira obra de arte que teve importância real para si?

Da arte contemporânea, não houve uma “primeira obra de arte” nesse sentido romântico, mas uma exposição em específico: em 2018, ainda quando prestava serviços na Fundação de Serralves, foi inaugurada a exposição Robert Mapplethorpe: Pictures, comissariada por João Ribas. Toda aquela experiência política serviu de gatilho para eu voltar a pensar sobre a arqueologia enquanto disciplina. Aliás, foi nesse momento que comecei a tecer ideias para o meu projeto de Doutoramento “Arqueologias da Presença em Passados Simulados”, apoiado pelo CEAACP/FCT desde 2021. É nesse palco que estou (felizmente) emaranhado (ou entangled, para citar a grande obra de Ian Hodder).

 

© Joana Novo

 


Qual a próxima viagem a fazer?

A minha próxima viagem será a um lugar que se tornou um refúgio para mim: o Parque Nacional da Peneda-Gerês. Este local, com a sua beleza natural deslumbrante e biodiversidade rica, tem sido o meu santuário para a introspeção e o rejuvenescimento. É por ali que costumo me afastar do ritmo frenético do quotidiano e me permito mergulhar na tranquilidade da natureza. Passo os dias a explorar as montanhas, a nadar nos rios e a contemplar o pôr do sol sobre as paisagens verdes. À noite, sob o céu estrelado, encontro espaço para refletir sobre a minha jornada e o caminho que ainda tenho pela frente… Cada visita ao Gerês é uma oportunidade para me reconectar comigo mesmo e ganhar uma nova perspetiva sobre a vida.


O que imagina que poderia fazer se não fizesse o que faz?

Desde que me lembro de ser, que sei que gostaria de ser professor. Gosto de aprender e gosto de partilhar essas aprendizagens com quem as queira apreender também. Gosto de me expressar, de conversar, de debater e também de ouvir: uma história, uma música boa… Gosto de conhecer novas realidades, novas pessoas. Gosto de dar a conhecer pessoas, ajudar a projetá-las. Sou bastante “motivacional” na forma como encaro a vida e na forma como vejo a vida de quem está à minha volta.


Se receber um amigo de fora por um dia, que programa faria com ele?

Começar a manhã com um mergulho no mar e abraçar o sol. De tarde, fazermos uma visita ao sítio arqueológico que estudo, o Monte Ovil, em Espinho. À noite, à mesa, uma pedra de xisto com queijos e prova de vinhos, com blues rock a tocar de fundo num vinil!

 

 


Imaginando que organiza um jantar para 4 convidados, quem estaria na sua lista para convidar? Pode considerar contemporâneos ou já desaparecidos.

Juntava Helena Almeida, Amanda Feilding, Michio Kaku e António Damásio! Eu ficava só a ouvi-los a conversar sobre a natureza da experiência humana, a relação entre o corpo e a mente, a nossa compreensão do universo e o futuro da humanidade.


Quais os seus projetos para o futuro?

Quero continuar a projetar a Curadoria em Arte-Arqueologia, criando pontes entre essas diversas formas de pensar sobre a nossa posição no cosmos. Quero passar estas aprendizagens, porque o que temos visto nesta investigação é que a arte-arqueologia desafia narrativas convencionais, levando a academia a um debate que se pretende verdadeiramente democrático. Quando bem conduzida, potencia novas formas de entender e interpretar o passado, o presente e até mesmo projetar um futuro. Estou particularmente interessado em explorar como a arte-arqueologia pode ser usada para envolver o público de maneiras diferentes e inovadoras, tornando a arqueologia mais acessível e relevante para um público mais amplo. Portanto, espero continuar a colaborar com artistas e profissionais da arqueologia para desenvolvermos projetos que façam a diferença.




Outros artigos:

2024-03-19


JOANA COSTA
 

2023-12-19


Miguel Telles da Gama
 

2023-11-19


Catarina Patrício
 

2023-10-13


Filipe Abranches
 

2023-09-15


António Júlio Duarte
 

2023-08-08


David Revés
 

2023-07-10


Pedro da Silva
 

2023-06-05


António Ferreira
 

2023-05-03


David Rato
 

2023-03-16


Alípio Padilha
 

2023-02-15


Juliana Matsumura
 

2023-01-16


Rui Macedo
 

2022-12-07


Rebecca Moradalizadeh
 

2022-11-09


Lluís Hortalà
 

2022-10-07


Filipa Almeida
 

2022-08-30


Mandy Barata
 

2022-07-30


Gil Rodrigues
 

2022-06-30


Suzana van den Tempel de Mendonça
 

2022-05-20


Isabel Sabino
 

2022-04-20


Isabel Cordovil
 

2022-03-20


Sofia Mascate
 

2022-02-20


Luisa Abreu
 

2022-01-20


Miguel Rodrigues
 

2021-12-26


Madalena Folgado
 

2021-11-24


Andreia C. Coutinho
 

2021-10-29


Joana Consiglieri
 

2021-09-28


Diogo Costa
 

2021-08-22


Alda Galsterer
 

2021-07-09


Adelaide Duarte
 

2021-05-29


Francisca José
 

2021-04-30


Gonçalo Antunes
 

2021-03-17


Dasha Birukova
 

2021-02-16


Rodrigo Tavarela Peixoto
 

2021-01-19


Jorge Santos
 

2020-12-02


Alexandre Martins
 

2020-10-28


Clara Gomes
 

2020-09-19


Márcio Laranjeira
 

2020-08-08


Sérgio Marques
 

2020-07-07


HILDA REIS
 

2020-06-08


SÉRGIO PARREIRA
 

2020-04-21


Sérgio Braz d'Almeida
 

2020-02-29


Luís Castanheira Loureiro
 

2020-01-31


João Paulo Serafim
 

2019-10-18


Beatriz Albuquerque
 

2019-07-13


THIERRY FERREIRA
 

2019-05-30


ANDREIA GARCIA
 

2019-04-01


Julia Flamingo
 

2019-02-01


CECÍLIA SILVEIRA
 

2018-10-28


LEONOR VEIGA
 

2018-09-28


LUDGERO ALMEIDA
 

2018-08-23


ADRIANA MOLDER
 

2018-06-27


VÂNIA ROVISCO
 

2018-05-29


ANA BALONA DE OLIVEIRA
 

2018-04-18


AIRES DE GAMEIRO
 

2018-03-17


PEDRO PIRES
 

2018-01-26


RUI NETO
 

2017-12-22


EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2017-11-18


ILIDIO CANDJA CANDJA
 

2017-10-16


RUI GUEIFÃO
 

2017-09-02


DIOGO DA CRUZ
 

2017-07-26


FRANCISCO CAMACHO
 

2017-06-29


MIGUEL BONNEVILLE
 

2017-05-31


JOSÉ FILIPE COSTA
 

2017-04-27


INÊS TELES
 

2017-03-24


MARIA JOÃO MACHADO
 

2017-02-11


JOÃO LAGARTO
 

2017-01-17


MIGUEL CLARA VASCONCELOS
 

2016-12-15


ANDREA BRANDÃO
 

2016-11-09


SÓNIA BAPTISTA
 

2016-10-02


DANIEL JONAS
 

2016-07-27


SÃO JOSÉ CORREIA
 

2016-06-28


BRUNO CIDRA
 

2016-05-17


ANDRÉ ROMÃO
 

2016-04-23


ELISA PÔNE
 

2016-03-15


SOFIA MARÇAL
 

2016-02-11


JORGE DA COSTA
 

2015-12-31


MÁRIO TEIXEIRA DA SILVA
 

2015-11-30


FABRICE ZIEGLER
 

2015-10-21


PEDRO BERNARDES
 

2015-09-16


CRISTINA ATAÍDE
 

2015-07-28


BÁRBARA FONTE
 

2015-06-24


ÂNGELA FERREIRA
 

2015-05-10


SÃO TRINDADE
 

2015-04-13


JOSÉ RAPOSO
 

2015-03-17


LUÍS SILVA
 

2015-02-09


JOSÉ MAIA | MANUEL SANTOS MAIA
 

2015-01-06


JOÃO PINHARANDA
 

2014-12-03


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO
 

2014-11-08


NAMALIMBA COELHO
 

2014-09-26


RITA BARROS
 

2014-09-02


ALBUQUERQUE MENDES
 

2014-07-25


ANTÓNIO OLAIO
 

2014-06-17


FÁTIMA LAMBERT
 

2014-05-12


HUGO BARATA
 

2014-04-17


ANA RITO
 

2014-03-13


MIGUEL BRANCO
 

2014-02-12


JOÃO FONTE SANTA
 

2014-01-06


MARINA BAIRRÃO RUIVO
 

2013-11-29


ANTÓNIO CARAMELO
 

2013-10-29


XANA
 

2013-09-18


DANIEL BLAUFUKS
 

2013-08-12


MIRIAN TAVARES
 

2013-07-11


SÉRGIO MAH
 

2013-06-14


LUÍS ALEGRE
 

2013-05-01


PEDRO CABRAL SANTO
 

2013-04-03


MANUEL JOÃO VIEIRA
 

2013-03-11


PEDRO BARATEIRO
 

2013-02-05


SARA & ANDRÉ
 

2013-01-02


ANDRÉ GOMES
 

2012-12-03


JOÃO ONOFRE
 

2012-11-05


JOSÉ LUÍS NETO
 

2012-10-09


LÚCIA MARQUES
 

2012-09-10


INEZ TEIXEIRA
 

2012-08-07


VASCO ARAÚJO
 

2012-07-04


NUNO CERA
 

2012-06-14


JULIÃO SARMENTO