Links

share |

MÚSICA


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO

RUI MIGUEL ABREU

2012-02-06



Simon Reynolds, autor de Retromania, chamava recentemente a atenção no seu Blissblog para uma manifestação particular do terreno estético que o próprio identificou como "hauntology" nos escritos em que abordou as experiências conduzidas nos laboratórios de editoras como a Ghost Box ou Mordant Music. Nesse post, datado de 30 de janeiro último, Reynolds começava por chamar a atenção para um artigo da Quietus assinado por Ryan Diduck onde se procura analisar o momento presente em que tantas edições discográficas parecem traduzir uma vertigem particular por uma zona menos iluminada da música, uma zona em que as sombras, um certo fascínio pagão, a eletrónica, a folk e uma neblina catódica associada à memória televisiva se cruzam para criar um tecido de referências muito específico. Logo depois, o jornalista, crítico e autor britânico refere uma peça na revista italiana Blow Up que aponta para a existência de uma cena local descrita como "Italian Occult Psychedelia", com vários pontos de contato com a "hauntology".

A corrente "hauntológica" (o termo "hauntology" foi resgatado aos escritos de Derrida sobre a permanência das ideias de Marx, mesmo depois da queda do Muro de Berlim, e poderia traduzir-se para português como "assombralogia", entendendo "to haunt" como "assombrar") resulta da análise de um momento muito particular da produção musical britânica informada pela memória televisiva dos anos 60 e 70 e pela recuperação de um ideal arcadiano ecoado pela folk pastoral da mesma época (não é aliás de estranhar que Rob Young aborde a Ghost Box como parte da história da folk britânica no seu livro Electric Eden). O brilhante catálogo da Ghost Box, os lançamentos da Mordant Music, mas também o hip hop vitoriano de Moon Wiring Club ou o fascínio pelo Radiophonic Workshop na fase mais tardia dos Broadcast são coordenadas possíveis para esta corrente.

Agora, no número 164 da revista Blow Up, o jornalista Antonio Ciarletta desenha então um mapa "hauntológico" para a Itália, uma cena que se pode classificar como "psicadelismo esotérico", de acordo com a chamada de capa da revista. Aproveitando um contacto do jornalista Valerio Mattioli, Reynolds fez então no seu blog um rápido retrato dessa cena italiana equivalente à "hauntology" inglesa. Citando sempre os jornalistas italianos, o post de Reynolds enumera então o "folclore local, o popular cinema spaghetti dos anos 60 e 70 e até o catolicismo" como parte da fórmula específica desta cena que de forma "muito direta" refere a música de autores celebrados como Piero Umiliani e Ennio Morricone e ainda as clássicas gravações para as editoras de Library Music italianas (as "libraries" inglesas e autores como Basil Kirchin ou Tristan Cary são igualmente pilares fundamentais para a construção da sonoridade de etiquetas como a Ghost Box).


Neste post de Reynolds citam-se depois vários projetos como parte desse movimento de "psicadelismo esotérico italiano", incluindo nomes como Father Murphy, Cannibal Movie, Donato Epiro, In Zaire, Heroin in Tahiti, TheAwayTeam, Mamuthones ou os Spettro Family. Tratando-se de um território estético que me interessa profundamente, procurei imediatamente fazer uma série de encomendas para me sintonizar com esta corrente particular de "psicadelismo", até porque atualiza experiências de uma série de autores que tenho cultivado ao longo dos anos. A maior parte destes projectos edita em etiquetas microscópicas, em formatos convencionais como o CD ou o vinil, mas também em suportes mais artesanais como o CDr ou a cassete. O primeiro título a "aterrar" na minha caixa de correio pertence ao projecto Spettro Family de Stefano Iannone, tem por título Candelora e é precisamente uma edição em cassete da Brave Mysteries, já com uns meses.

Iannone produz uma música poderosamente evocativa, com uma certa inclinação "oculta" que aliás justifica a sua adição ao catálogo da Brave Mysteries. Tal como os músicos da Ghost Box cresceram a absorver os "public information films" da BBC com bandas sonoras imaginadas pelos pioneiros do Radiophonic Workshop, o músico por trás da identidade Spettro Family também bebeu as principais referências da sua arquitetura sonora nas bandas sonoras de mestres italianos como Riz Ortolani, Goblin, Claudio Gizzi, Fabio Frizzi ou Bruno Nicolai, além dos nomes já citados. Esta Spettro Family apoia-se sobretudo nos sintetizadores para elaborar a sua música e como tal não consegue deixar de referenciar a música de John Carpenter que tantos modernos produtores tem inspirado. No entanto, há algo de diferente nesta Spettro Family: os arranjos angulares e maquinais de bandas modernas como os Zombi de Steve Moore, que tudo devem a Carpenter, são aqui "humanizados" por uma rica paleta emocional que explora toadas melancólicas e nostálgicas além dos momentos mais sombrios que um projecto com a palavra "espectro" no nome teria obrigatoriamente que incluir no seu menu de ambientes.

A música eletrónica continua a encontrar novos ângulos para observar o passado, para se deixar informar por ele, para o re-equacionar e re-imaginar. Não se trata de mero revisionismo, mas de traduzir um momento presente particularmente despido de luz com as coordenadas de um passado que, paradoxalmente, se ergueu à custa de um honesto fascínio pelo futuro. 

 

 

 




Outros artigos:

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS