Links

share |

MÚSICA


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO

RUI MIGUEL ABREU

2011-05-06



 

 
«We also have soundhouses», escreveu, em New Atlantis (1624), o filósofo, ensaísta e cientista Francis Bacon. «We also have soundhouses, where we where we practice and demonstrate all sounds and their generation. We have harmonies which you have not, of quarter sounds and lesser slides of sounds. Divers instruments of music likewise to you unknown, some sweeter than any you have; together with bells and rings that are dainty and sweet. We represent small sounds as great and deep; likewise divers trembling and warblings of sounds, which in their original are entire. We represent and imitate all articulate sounds and letters, and the voices of beasts and birds. We have certain helps which set to the ear to do further the hearing greatly. We have also divers strange and artificial echoes, reflecting the voice many times, and as if it were tossing it; and some that give back the voice louder than it came, some shriller and some deeper; yea, some rendering the voice, differing in the letters or articulate sound from that they receive. We have also means to convey sounds in tubes and pipe». Esta passagem é extraordinária na forma como antecipa o futuro e como descreve práticas que estavam ainda a séculos de serem inventadas. Não é de estranhar, por isso mesmo, que o Radiophonic Workshop a tenha adoptado como lema, quando começou a laborar em finais dos anos 50, no complexo da BBC em Londres.

 

O Radiophonic Workshop era um colectivo de criadores, músicos, engenheiros e visionários que nos alvores da televisão tiveram a ousadia de, tal como Sir Francis Bacon, imaginar o futuro, pegando na música concreta, despindo-a da sua dimensão mais académica e procurando sintonizar a imaginação com a realidade. Acima, encontram o link para a primeira parte de um extraordinário documentário realizado sobre a BBC a propósito do Radiophonic Workshop. Aí dá-se conta das inventivas práticas que de forma muito assertiva introduziram o futuro em Inglaterra, habituando gerações a sonoridades exoticamente futuristas através da manipulação de sons concretos em fita magnética. No arranque desse colectivo marcou presença a fantástica Daphne Oram, uma de várias mulheres a emprestarem a sua visão ao Radiophonic Workshop: além de Oram, Delia Derbyshire e Maddalena Fagandini serão as mais notórias, mas pelos estúdios de criação musical experimental da BBC passaram igualmente Elizabeth Parker e Glynis Johns, embora mais tardiamente. Daphne começou por ser uma devota da fita magnética - «um dos dispositivos que o século XX oferece ao compositor é o gravador de fita, uma espantosa peça de tecnologia», escrevia Oram em An Individual Note of Music Sound and Electronics (Galliard, 1972) – mas o seu impulso criador obrigou-a a pensar mais longe, levando-a a pensar na criação de sons completamente novos por oposição à manipulação de sons pré-existentes captados em fita magnética.
 


No final do último ano, a label Young Americans transformou numa luxuosa edição em quadruplo vinil um anterior lançamento em CD da Paradigm Discs (datado de 2007). Oramics é um fabuloso documento da criatividade de Daphne Oram com 44 peças que oscilam entre os 11 segundos e os mais de 13 minutos, visões de um futuro carregado de novos sons, distantes da paleta oferecida pela natureza ou pela orquestra clássica. Esse foi o grande impulso do Radiophonic Workshop e de compositores como a própria Daphne Oram: a criação de novos universos sonoros. Em Oramics viaja-se entre o espaço e a realidade catódica da televisão, cria-se para publicidade (delicioso o jingle publicitário «Lego Builds It») e imaginam-se bandas sonoras para sonhos e pesadelos. Talvez por força da retrovisão explorada pela hauntologia da Ghost Box e da Mordant Music, a verdade é que esta música nunca soou tão fresca e tão presente.

Daphne Oram tem o seu próprio site (http://daphneoram.org/) onde é possível ler sobre a sua vida e ficar a par de iniciativas que celebram o seu espírito e a sua música. O incrível alcance da imaginação de Daphne Oram levou-a a pensar num instrumento de criação puramente electrónica, o complexo sistema Oramics que lhe permitia, literalmente, desenhar som em película de filme, desenhos esses transformados depois em ondas sonoras por um mecanismo criado com a ajuda de engenheiros electrónicos, quando a síntese era ainda um sonho algo distante. Em 1962, a Fundação Calouste Gulbenkian financiou as investigações de Daphne que terminou a sua máquina em 1965.
Como Moog, Buchla ou até Tesla antes deles, Daphne Oram procurou também ultrapassar o seu tempo e obrigar o futuro a tornar-se presente. A sua música era, assim mesmo, uma forma de obrigar o tempo a curvar-se a um desejo, a uma visão. Estes sons, estranhamente familiares, estão mais directamente ligados aos novos futuros imaginados por nomes  como Shackleton, Ekoplekz, B roadcast, Focus Group ou até mesmo Portishead do que seria normal pensar-se. O futuro existe, de facto, mas foi necessário alguém ter que o inventar. Daphne Oram foi certamente uma das responsáveis.
 

 

Links para leituras adicionais:
Oramics: http://boomkat.com/vinyl/315130-daphne-oram-oramics-deluxe-4lp-gatefold-edition
http://daphneoram.org/
www.thewire.co.uk/themire/2011/03/the-wire-salon-reading-list-the-sounds-of-new-atlantis-daphne-oram-radiophonics-and-the-drawn-sound-technique-2
www.thewire.co.uk/articles/150/
www.soundonsound.com/sos/feb09/articles/oramics.htm
www.soundonsound.com/sos/apr08/articles/radiophonic.htm?print=yes
www.gusset.co.uk/Oram,Daphne-An_Individual_Note_of_music_sound_and_electronics_Galliard,Norfolk(1972).zip
 




Outros artigos:

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS